Contos de Cora Coralina

Cerca de 587 frases e pensamentos: Contos de Cora Coralina

Você acredita em contos de fadas ?
Acredita que seus sonhos vão se realizar é só você querer ?
Acredita no felizes para sempre ? Acredita que lendo essa mensagem pode ter alguém do outro lado pensando em você ?
Acredita que o amor existe ?
Se você não acredita, comece a acreditar em tudo isso, porque o tudo é possível nesse mundo que vivemos !

Giovanna bells
Inserida por giovannabells

EM MIM

Em mim surgem histórias contos e poesias
que vêm solitárias em noites quentes ou frias...
Em mim há reflexos de eternas lembranças
que insistem numa triste aliança...

Em mim permanece uma forte saudade
de tempos movidos por felicidade...
Em mim mora uma risonha criança
que desconhece a temida insegurança...

Em mim habita uma mulher forte e guerreira
que contra o adversário faz trincheira...
Em mim faz sol chuva e tempestades
que se adaptam às minhas necessidades...

Em mim nascem flores árvores e ervas daninhas
que comigo convivem em forma de rinhas...
Em mim caem lágrimas sorrisos e prantos
que em doses diárias são meus acalantos...

Em mim existem sonhos quase intransponíveis
que me fazem crer que tudo é possível...
Em mim encontro uma alegria constante
que não deixo escapar por nenhum instante...

Em mim brota um amor que extravasa de emoção
que a quem eu amo entrego de coração...

mel - ((*_*))

melania ludwigmm
Inserida por MelaniaLudwig

Guarda as declarações decoradas para as menininhas que ainda acreditam em contos de fadas. Comigo, pode vir tranquilo, desarmado, sem os textos decorados desse papel que te entregaram de príncipe encantado. Eu também já me despi de todos os sonhos de relacionamentos perfeitos que a vida me trouxe pelo caminho. Aprendi, na marra, nas caras e nos corações quebrados, que vocês nunca vão funcionar como os príncipes que acordam as belas adormecidas. Depois disso, sempre me mantive bem acordada.
Eu sei seus defeitos. Sei cada um deles. Mania que tenho de observar cada mísera ação das pessoas antes até do primeiro oi. Te analisei enquanto você sorria despreocupado e deixava o sol iluminar seu cabelo castanho. Vi como os traços do seu rosto se suavizam quando sua mãe chegava por perto e descobri no brilho dos seus olhos o que é o amor incondicional. Observei a maneira como você pisca o olho incessantes vezes quando está muito nervoso. E como coça o queixo sem parar quando não sabe o que responder.
Não precisa mesmo saber o que responder. Não quero que responda minhas dúvidas da vida. Talvez, você se veja tentado a questionar o mundo comigo. Talvez você se assuste. Eu sou mesmo alguém cheio de falhas. Tenho buracos em cada partezinha do corpo. Principalmente, no coração. Foram as cicatrizes – no corpo e na alma – que os outros antes de você deixaram aqui. Mas, fica tranquilo, não te quero perfeito. Pode vir cheio de erros.
Vamos nos despir dessa obrigação de fazer o outro feliz. Deixa ali no canto do quarto essa necessidade louca de fazer tudo certo. Eu aceito errar junto. Eu aceito gritos, pratos quebrados, brigas de tirar o fôlego. Basta que você diga que está disposto a errar comigo. E, quem sabe, entre nossos erros, a gente não consiga um ou outro acerto. Mas não te cobro nada não. Meu “felizes para sempre” sou eu que construo. Tô te chamando pra minha vida não pra preencher meus buracos, mas para me dar a mão e me ajudar a tampar minhas feridas. Te ajudo a cicatrizar as suas também, se quiser. E, juntos, rimos disso tudo.
Mas não te cobro nada. Talvez, a gente consiga dar certo. Talvez, a gente acabe, mesmo com uma história bonita. Talvez, você vá embora, talvez eu não queira mais ficar. Mas eu tô aqui, agora: vida e portas abertas pra se você quiser entrar. Porque, sem te cobrar felicidade, sem te cobrar uma história bonita e sem te cobrar amor, talvez, quem sabe, a gente dê sorte e consiga se amar, ser feliz, ter uma história bonita junto. Vai que a vida, o destino, ou sei lá, resolvem dar um empurrãozinho. Quem sabe, até, a gente não se ame até o final dos dias. Até o fim.

Karine Rosa
Inserida por thaisgama
1 compartilhamento

Eu amava aquele mundo de contos de fadas em que as meninas feias ficavam bonitas, os príncipes salvavam as princesas e as bruxas malvadas morriam no final. Eu queria que as palavras percorressem o mundo todo até me encontrar, até montar uma história que fosse só minha e de mais ninguém.

Puppy Love

Mary Princess
Inserida por marylalinha

Realidade

Acho que nunca acreditei em contos de fadas
Sempre fui uma pessoa realista, vivo analisando os fatos e buscando o porquê de tudo
Essa reação é fruto da caminhada de vida
Mas o que posso fazer pra ser menos dura comigo mesma?
Queria demonstrar mais os meus sentimentos, dizer que sofro e que preciso de carinho, atenção
Mas as palavras e os gestos são travados, algo em mim se perdeu ou nunca realmente tive
O que sinto é a minha alma inquieta, pedindo socorro, pedindo ajuda ...
Não sei onde quero chegar, só sei que aqui e dessa forma eu não fico!!

Camila Dudley
Inserida por CamilaDudley0106

O que só as fadas sabem?
[...]
- Sabem algo essencial: que só podem viver nos contos.
- E isso só as fadas sabem?
- Sim, porque nós, os outros, consumimos a vida esperando seres maravilhosos que nunca aparecerão.
- E o que você me diz do jardim secreto? - acrescentei. - Ainda estou procurando por ele.
Marta riu suavemente antes de dizer:
- Com os jardins secretos acontecem a mesma coisa que com as fadas: você nunca os encontra quando precisa deles.
Depois de dizer isso, fez-se um silêncio que não era incômodo. Então ela perguntou:
- Quando você vai voltar?
- Ainda não sei. Qual é a cor do céu?
- Se esperar um pouco poderei lhe dizer.
Ouvi seus passos descalços se afastando. Uma persiana rangeu ao subir antes que Marta voltasse para dizer.
- Azul.
- Que tipo de azul?
- Aquele que você só pode ver nos dias em que está muito contente.
- Quando sabe que vai se viver para sempre jamais?
- Algo assim.
- Gostaria muito de vê-lo.
- E a mim que o visse - suspirou - Queria que você estivesse aqui.

("Queria que você estivesse aqui")

Francesc Miralles
Inserida por ssabrina
1 compartilhamento

Alice

Maravilhoso mundo do amor
Fantasias na vida de alguém
Nos lindos contos que vivemos
Você é a mais bela personagem do bem
Mundo cheio de alegrias
Pois o belo em você é poesia
Alice tu és a mais linda
Nos livros de contos isso já se dizia
Pois o teu mundo do amor
É mais lindo...
Do que o mundo da fantasia.

Reff Carvalho
Inserida por ClebioCarvalho

Eu sempre acreditei em contos de fadas ..
até hoje eu me pergunto: por que isso acontece apenas em filmes , teatros , e não em vida real ?
sou aquela menina boba e apaixonada que acredita que um dia poderia ser abduzidas por ET's e levada á um planeta totalmente diferente desse ,
em um lugar onde não existiria sofrimento , em que as guerras não atormentariam mais os sonhos de crianças , no qual não existiriam guerras ;
e que nada , nada mesmo causaria conflitos ;
em que o amor , não machucaria ninguém :/
as vezes eu pergunto pra mim mesma , como eu posso te amar tanto ?
como é possível amar o que nunca sentimos ? sentir o que nunca tocamos ? como é possível sentir a magia de um beijo que nunca deu ?
eu só queria entender, como eu posso amar uma pessoa que eu nunca vi ?
eu só busco essas explicações pois por tantas vezes , imaginei, sonhei..
Mais nem sempre sonhos se tornam realidade *--*
eu tenho medo de não ser aquela menina que você sonha , aquela Linda menina com sonhos de crianças que te encanta :/
meu maior medo é te decepcionar !
não sou perfeita, você não é perfeito, ninguém é perfeito !
nos seus sonhos eu posso ser uma pessoa , mais na realidade sou outra ;
nos meus sonhos , nem sempre são flores , mais comparando com nossa realidade é ali onde buscamos felicidades :D
E se me perguntarem se eu deixarei de sonhar
eu irei responder ..
JAMAIS !
mesmo que muitos de meus sonhos sejam impossíveis e meus amores irreais
eu sempre estarei sonhando cada vez mais ..
Amando cada dia mais,
e encontrando em uma Ilusão a minha Felicidade.
e assim eu vo seguir até o fim dos meus dias...

Flávia M. C. Parreira .
Inserida por usuario126223
1 compartilhamento

De tudo o que eu já escrevi, de todas as histórias, de todos os contos, versos, e letras, a mais importante desejo escrever, que seja de espanto, que seja brilhante, que seja colorido, que seja inspiração, e o título é especial...
(A nossa história)
Os personagens são os melhores que poderiam aparecer... é simplesmente (Eu e você)

Victor Tokichima
Inserida por victor_tokichima

Eu não acredito no amor.

Eu costumo acreditar
Em contos de fadas,
Em criaturas inexistentes
Em tudo o que me contam
Ou deixaram de contar

Eu acreditei nas promessas
Que a moça ali me fez
Eu já me deparei com muros
feitos para serem escalados

Já vi flores crescendo no cimento
Tantas árvores floridas
Já ouvi e vivi sonhos impossíveis
Mas eu não acredito no amor

Porque o amor, é complicado
Os poetas escrevem, os poetas suspiram
Os contos retratam os felizes finais
Mas, hoje em dia, alguém realmente ama de verdade?

Amanda
Inserida por Myukii-Yukishiba

POR QUE UM LIVRO?

Porque um livro parece casa
onde habitam todas as histórias
e contos de fadas
e poesias e lendas…

por que um livro tem vida
tem luz própria que brilha
e ilumina o caminho dos que querem
sair da escuridão

Por que um livro é pra ler
é pra brincar… é pra sorrir e sonhar
é pra fechar os olhos e ver o sonho se realizar…

Por que o livro traz emoção
por que ele te tira do chão
Por que não existe sozinho
precisa ler… tratar com carinho

Por que um livro parece casa….
Por que um livro me dá asas
Porque um livro é um tesouro
que enriquece meu coração.

Marcia Estela Bello
Inserida por marciabello

Uma outra história...
No meu imaginário infantil povoado de contos de fadas criei a imagem de uma linda princesa de vestido de seda azul com uma coroa de pedras preciosas na cabeça. Ela trazia numa mão uma varinha de condão e na outra um bico de pena com a qual assinou uma lei. A partir de então, seres humanos que viviam explorados e açoitados ficaram livres. O ano era l888, o mês era maio (mês de Maria). Na escola, esta data era comemorada com festas e a princesa consagrada , redentora era a heroína. Não me lembro de ouvir nessas comemorações o som contagiante do samba ou o ritmo cadenciado do berimbau marcando os passos de Capoeira.
Naquela época eu acreditava que realmente a assinatura de uma lei houvesse transformado homens e mulheres africanos (as) ou descentes de africanos (as) em seres livres da dominação e exploração. Fui crescendo...
Minha adolescência inquieta fez com que eu começasse a questionar os contos de fadas. Muitas perguntas, poucas respostas...Por quê a madrasta é sempre má? Por quê o príncipe herói é sempre loiro? Por quê o corcunda, o caolho e o “coxo” são os que traziam prenúncios do mal? Por quê a princesa tem a pele branca como a neve e os cabelos como anéis de ouro? Por quê o Saci Pererê é negro e ainda tem uma perna só? Por quê?????????
Procurei respostas .Algumas encontrei em livros que nunca foram lidos nas escolas. Outras fui sentindo, percebendo...O olhar e o peso do preconceito e da discriminação que perpassaram a minha vida foram me ensinando também a obter algumas respostas...
Sofrendo cheguei à maturidade, consciente da ideologia de dominação que manipula a cultura brasileira. Ideologia que construiu valores hipócritas numa gama da sociedade. Ideologia que (des) construiu pessoas que negam sua origem e exaltam “os cabelos de ouro e os olhos claros como o céu”. Ideologia (re)produzida nas práticas (des)educativas. Ideologia que criou a vergonha de ser diferente.
Vivo hoje um outro tempo. Saboreio gostosamente a palavra liberdade. Em cada minuto “Cronos” de minha vida descubro a sensação prazerosa do minuto “Kairós” infinito.
Descubro outras histórias, de príncipes e princesas de pele negra como o ébano, belos homens e mulheres livres no solo africano, aprisionados em terras brasileiras, trabalhando de sol a sol nas lavouras de cana de açúcar e de café. Homens e mulheres produtores da riqueza do nosso país.
Sob a orientação de um Governo Federal, construído com o sonho de dignidade para todos os seres humanos, negando todo tipo de discriminação, o resgate da identidade do povo brasileiro vem rompendo com muitos modelos cristalizados e camuflados de racismo.
Aquela princesa, ao assinar a Lei Áurea e não assegurar qualquer tipo de oportunidade para o negro e a negra se integrarem à sociedade, legalizou a exclusão e a discriminação racial.
Muitas vezes pensei em esquecer o 13 de Maio, mas é impossível porque ele é carregado da dor de meus ancestrais. Comungo então esta data com milhares de outras brasileiras e brasileiros que neste dia aproveitam para denunciar os crimes cometidos contra os negros e negras que viveram e vivem neste solo brasileiro.
Apaixonada pela minha origem negra, referencio o meu avô Adão Passos negro de luta, que trazia um “mucuta” debaixo do braço, carregada de todo o misticismo do afoxé africano. Talvez fosse ele um descendente das princesas e príncipes, dos reis e rainhas arrancados da Mátria Mãe África para servir a um emergente sistema capitalista e que transformou seres humanos em “coisas”produtivas.
Ao meu avô e a todos os negros e negras resistentes, que construíram e constroem a riqueza social, econômica e cultural do Brasil dedico este poema de minha autoria:
REIS E RAINHAS DA AFRICA
Sol escaldante a
Escorrer sobre a terra
Feita de barro e de bronze
Fragmento de um povo
Sob o tórrido ouro
Do continente-Mãe
Lutas
Sangue
Prisões
Reis e rainhas entregues
A brancos mercenários
Cenários de choro e dor
Partida
Navio negreiro deixa o porto
Navega, navega...
Monstros marinhos
Povoam a mente nativa
Marcados por rituais
De magia...
Outra terra
Outro porto
Sons, tons, cores
Passarinhos cantam
Ondas a bater nas pedras
Cantam novas melodias
Gemidos
Coroas arrancadas
Dialetos misturados
Laços de sangue desfeitos
Dor
Dor
Dor
Músicas pipocam
Nas noites das senzalas
São gritos de guerra
Capoeira
Resistência
Lembranças
DA CORTE AFRICANA.

Rosimar Prado
Inserida por albawatsonrenault
1 compartilhamento

Pelos contos que eu não conto
Dá um desconto ao meu silencio
Não conto dos versos tristes
Não conto da estrela cadente,
Dos girassóis reluzentes
Que reluzem nos meus contos,
Não conto do meu silencio
Pois assim não o seria,
Não conto da minha alegria,
Que não valem nem um conto,
Pelos contos que eu não conto,
Conto pelos e apelos
Só não conto meus segredos
Pelos contos que eu não conto

taeumemoria
Inserida por tadeumemoria

Ela vivia acreditando em contos de fadas; hoje ela acordou para a realidade!
Antes ela andava com as duas xukinhas; hoje no meio do percurso ela perdeu as xukinhas e usa cabelos soltos!
Ela era nervosa, chata e mandona; hoje ela é assim também!
Ela não tinha amiga; apenas colegas; hoje ela tem irmãs!
Antes ela chorava; hoje ela ainda chora mais também sorri sem parar!
Antes ela pensava que não fazia diferença no mundo, era só mais uma; hoje ela descobriu que é importante pra muita gente e que pode fazer a diferença sim! Alias ela é diferente!
Antes ela não amava; hoje alem de amar, ela daria a vida por um amor!
Hoje as pessoas tem inveja dela. Sabe porque?
Hoje ela cresceu!

Anônimo
Inserida por BarbaraLife

Lá estão elas rompendo a estrada.
Deixam distantes seus dias risonhos.
Já desistiram dos contos de fadas.
Hoje cultivam os seus próprios sonhos.

Lá estão elas cerrando fileiras.
Trazem enxadas e foices nos ombros.
Fadas Madrinhas se tornam guerreiras.
Marcham por sobre seus próprios escombros.

Se já não têm o destino nas mãos,
Se, sob os pés, lhes retiram o chão,
Ainda assim vão em busca da vida.

Se lhes acuam, empurram pra morte,
Criam desvios, mas mantêm o norte.
Seguem marchando feito Margarida.

(do livro: Fadas Guerreiras, à venda em www.caca.art.br)

Carlos Augusto Cacá
Inserida por moringa

Campo de Trigo Com Corvos, Contos, o Livro do Silas Corrêa Leite

A ciência é grosseira, a vida é sutil
É para corrigir essa distância
Que a literatura nos importa

(Roland Barthes)


“CAMPO DE TRIGO COM CORVOS”, Contos, o que realmente é? Primeiro: é um livro de contos, ficções, histórias, causos, narrativas e as chamadas acontecências, todas no belíssimo palco histórico e boêmio de Itararé. Segundo: a maioria dos contos premiados em concursos literários de renome, ou mesmo no próprio Mapa Cultural Paulista, representando Itararé. Terceiro: a prosa poética do autor, sua linguagem típica do “Itarareês” com o peculiar e todo próprio surrealismo e mesmo o realismo fantástico, para não dizer de, aqui e ali, um chamado transrealismo. E, o melhor de tudo: papo de bar. Na calada da memória, as bebemorações (ou rememorações) e um piá...o guri Silas contando, como se trazendo a sua infância consigo na linguagem, nos parágrafos. Para não dizer dos finais hilários ou, ponhamos: encantados. Bela capa, com autorização do Museu Van Gogh da Holanda. Orelhas bem trabalhadas. O autor tem o que se dizer dele. Prefácio arrebatador. De um poeta, ficcionista e ensaísta premiado de Portugal, o Prof. Dr. Antero Barbosa, acadêmico e professor universitário. Descasca literalmente o estilo do Silas, técnicas, vôos, criações, enlevos, símbolos de perplexidade. E valoradamente dá nomes elogiosos aos criames diferenciados do autor. Última capa, as citações de lugares midiáticos em que o Silas saiu, foi reportagem, ou entrevistado, da Folha à Jovem Pan, por exemplo. Depois e finalmente, o conto Anistia. Premiado. O macro espaço-Brasil trazido à Itararé e um menino contando. Da ditadura ao fim dela com a Era Collor e suas carroças coloridas. O muro como símbolo, metáfora. Lembra J.J.Veiga mas vai em veio próprio. Guardação. Um baita causo de Itararé. Bem construído, costurado, com um final pra lá de feliz e risador, ridente, sei lá. Boêmio...um continho joiado...lindo. Mimo. Caso de notívago. Câncer... então é um papo rueiro, de bar risca-faca, de roda de contadores de palha. O Anão é tão bonito que pinta virar filme, pelo que soube. Gente de arte (teatro, rádio, música) em Itararé de olho. Mágico. Justiça, então, tem um final altamente criativo, quase um achado fora de série. Escrever é um ato de sobrevivência, disse Eduardo Subirates (filósofo espanhol). O Apanhador de Cerejas, quando revela o que está realmente havendo (narrador direto), você sofre e chora e volta a reler para compreender a dor do narrador. A pior coisa é não sentir absolutamente nada, diz o rock do U2. Campo de Trigo Com Corvos é o melhor conto do livro. E o final se revela na última palavra. Você vai lendo, seguindo na contação do menino, quando se vê? Corvos, trigais, campos e, loucura-lucidez. Azul e amarelo, como a capa. O Inventor é cênico, fílmico, e um final que arrebata, literalmente. Endoenças é conversa de filha pra pai. Tudo em Itararé, chão e estrelas. E lágrimas. Congonha (ko goy – do tupi: o quê mantém o ser?), o conto mais premiado do autor. Como é que pode um final desses? Depois vem o Causo do Gibão e você tem ali uma graceza impressionante, andando com o autor pela narrativa e sua tessitura. O Enterro, então, é o melhor “causo” do livro. Por si só daria já um romance e tanto. Um pandareco, como volta e meia diz o autor, entre maleixo, cainho, guaiú, morfético, caipora lazarento (beirando um regionalismo sulino até), etc. Quando você pensa que já está bom, a mimese do O Osso. De novo você fica pensando: como pode escrever isso? Onde acha isso tudo? Técnica, estilo, domínio, condução, talento. Coió é triste, duro, o conto mais pungente do livro maravilhoso. O causo O Velho Martinho é bem contado em Itararé, o autor recupera pessoas, falas, expressões, dando registro à voz do povo, vox dei. E bota gente real: Tepa, Jorge Chuéri, lugares, bares (principalmente). Quando a Tragédia Bate à Sua Porta, foi elogiado e considerado belo e fílmico quando em debate online, pelo João Silvério Trevisaan. E O Silas Já foi premiado no Concurso Ignácio Loyola Brandão, Paulo Leminsky, Ligia Fagundes Telles, Salão de Causos de Pescadores da USP, etc. e tal. Então o conto de amor que faz você chorar. Ele Ainda Está Esperando. Um final que relembra kafka mas sem deixar de enlevar a leitura em prosa poética e ficar pensando no estupendo processo de criação com suas lógicas e ilogicidades maviosas, plangentes. Quando você pensa que acabou, um continho quase que meio infanto-juvenil, e o menino de novo que, na maioria das obras narra, conta, detalha, especifica, volta inteiro e completo com o conto sobre a bicicleta de um tio. Marquesinha, Periquitada. Você não leu? Não sabe o que está perdendo. Cada um arrasta um corpo atrás de si, debaixo do sossego das estrelas, disse Fernando Pessoa. Isso tudo e muito mais é CAMPO DE TRIGO COM CORVOS. Jóia rara.
-0-
L.C.A – Professora, Área de Designer Gráfico -E-mail: artistasdeitarare@bol.com.br
Blogue: www.artistasdeitarare.zip.net

Autor: Silas Correa Leite - E-mail: poesilas@terra.com.br
Site: www.itarare.com.br/silas.htm

Silas Correa Leite
Inserida por poesilas
1 compartilhamento

Era uma vez...
Eu sempre gostei muito de contos de fadas - exceto durante algum período da minha vida (...) em que não suportava a história das histórias que sempre tinham finais felizes. Isso por fazer uma 'analogia lógica' com a vida real e eu não me via num conto de fadas e não fazia ideia de que realmente poderia existir esse tal final FELIZ. Logo, odiei a ideia de saber que "a vida não seria um conto de fadas".
Pois bem, a fase passou, e como antes, adoro um conto de fadas e, quer saber? Não me impressiono com os trovões e o raio que o parta, que acontecem durante minha fabulosa jornada.
Tudo o que sei, é que muito do que sei, aprendi justamente nos contos de fadas.
Aprendi que:
- O amor é a mais poderosa de todas as magias;
- Todos nós temos o bem e o mal e quem vence (neste caso) é quem alimentamos melhor (aí é que entra a história do, tão falado LIVRE ARBÍTRIO);
- Em uma batalha, o bem sempre vence (SIM, creio nisso com todo meu coração);
- Todos têm direito a uma segunda chance;
- Quando nos arrependemos verdadeiramente de algo errado, somos dignos de perdão;
- Tudo tem um preço;
- Nem sempre o que estamos vendo é real. Existem muitas coisas que só conseguimos enxergar com o coração;
- O lobo mau pode não ser tão mau assim;
- Talismãs não são de verdade, tampouco de mentirinha. O poder mágico que atribuímos a um objeto é encantado sim, mas por nossas próprias crenças, por nós mesmos, e com a força que está dentro de nós. A isso podemos chamar de fé;
- A sorte talvez não seja o que você pensa;
- Todos são inocentes, até que se prove o contrário;
- Às vezes, o caminho mais curto não é o mais fácil;
- Se queremos nos transformar, precisamos antes aceitar o que realmente somos;
- Toda transformação depende da força da nossa crença e da energia que nela depositamos;
- O verdadeiro príncipe é o homem que trata uma mulher como uma verdadeira princesa;
- Não importa se o inimigo tentou te derrubar. Se ele cair, ajude-o a se levantar (a menos que seja como ele);
- A palavra tem poder. Você pode abençoar ou amaldiçoar. A escolha é sua;
- Resistir às tentações nos deixam mais fortes e ceder a elas nos enfraquecem ou nos matam;
- Existem muitos guerreiros, eles estão por todos os lados constantemente travando batalhas, das quais a maioria das pessoas sequer nota;
- O medo pode te destruir, bem como a ausência dele;
- A vida não é mesmo fácil. Mas se fosse fácil, talvez não tivesse graça;
Eu poderia até me lamentar por não ter tido um final feliz. Ora! Mas quem disse que eu cheguei ao final?

Caroline Alvares
Inserida por CarolineAlvares
1 compartilhamento

Seres humanos semelhantes a nós, vivem, porém não sabem que só acordamos dos nossos "contos de fadas" criados por nosso intelecto fraco, quando a pancada recebida torna-se intensamente mais opressiva do que a imperceptível força de defesa que dar-nos sustento.
Disso, quando algo nos faz tremer na base, liberamos uma força incrível e ligeiramente desconhecida do ponto mais submerso em nosso interior!

Thomaz Rocha
Inserida por ThomazRocha

Eu gosto de :
♥ Contos de Fadas ♥
E nas histórias viajar...

Mergulho ...
Nesse mundo mágico.
e começo a pensar...

As fadas...
Que todos
os meus desejos
irá realizar...

Volto
a ser criança...
Há tanto a imaginar....

Bom mesmo é
ficar longe da
maldade da vida
que está a nos rodear...
__Sophia Vargas

25/11/14 ( 17:50 )

Sophia Vargas
Inserida por sophiavargas

“E é por isso que contos de fadas são
considerados irreais. Por que se estivesse
em um, talvez as coisas tivesse tomado
um rumo completamente diferente.
Afinal, o príncipe realmente precisava
salvar a princesa. O que ele não sabia era
que esta estava morta por dentro há
muito tempo. Nem mesmo se ele corresse
a toda velocidade com seu cavalo branco,
desesperado, isso iria mudar...”

maryzinha1Aquino
Inserida por Suicidiz