Coleção pessoal de CikaParolin

1 - 20 do total de 1549 pensamentos na coleção de CikaParolin

Tomates cereja embebidos no azeite de oliva, mussarela de búfala, uma fina fatia de pão rústico de centeio, folhas de manjericão fresco e uma taça de vinho tinto, talvez um Chianti!
Nada poderia ter sido mais saboroso naquele almoço ao ar livre,
na praça central de Siena(IT)! Cercados de gente e sons de várias etnias, absorvíamos o dia com vagar, para não perder nada.
Muitas vezes faço esse almoço leve para relembrar aquele dia especial que, com frequência, me traz à memória o perfume dos ciprestes e o calor do sol morno em um dia de outono na Toscana.
Cika Parolin

Cika Paroli 14 de janeiro de 2018

A vida sem humor seria humanamente impossível!
Faço o máximo empenho para extrair de acontecimentos desagradáveis
a pitada de "coisa engraçada" que se esconde atrás de quase tudo.
Se eu levasse todos os infortúnios a "ferro e fogo"
eles teriam me transformado em um ser sem jogo de cintura e sem nenhum pingo de senso de positividade.
Quero a leveza da risada solta! Quero não levar
e nem me levar a sério demais.
Cika Parolin

Cika Parolin 13 de janeiro de 2019.

Li, em algum lugar, algo muito significativo sobre escritos:
"Se tudo o que se escrevesse passasse por uma peneira, para separar o joio do trigo, o monte do trigo seria mínimo diante da imensa montanha do joio".
Como ser que pensa, cheguei a conclusão que mesmo amando escrever, faço parte da montanha do joio e estou bastante longe dos melhores grãos.
Cika Parolin

Cika Parolin 13 de janeiro de 2019.

A despeito de tudo, somos humanos!
Todas as teorias não impedem que eu saiba
que um dia iremos embora
e aqui deixaremos, por curto espaço de tempo,
apenas rastros de nossa passagem.
Tal constatação deveria nos fazer ver que não há ninguém melhor
e tampouco, pior que cada um de nós.
Estamos aqui para a aprendizagem da humildade,
do respeito e das atitudes do bem.
O diferencial todo está em aprender ou não, as lições:
Quanto mais tempo perdermos com vaidades e mesquinharias,
mais íngreme será o caminho rumo ao melhoramento
e menos chance teremos de deixar marcas minimamente exemplares da nossa curta estada.
Cika Parolin

Cika Parolin 12 de Janeiro de 2019.

O impiedoso passar do tempo não faz de mim uma mulher sábia pelo fato de amadurecer, mas de certa forma me faz ver as coisas de forma mais tranquila, sem a precipitação e o calor da hora.
Antes, me faz olhar os contratempos com uma boa pitada de humor e na certeza de que nada dura para sempre. Se os momentos bons passam rápido, os maus passam tanto quanto.
Conforta-me saber que a serenidade vem substituir as perdas inerentes ao envelhecimento. É o "toma lá dá cá da vida".
Cika Parolin

Cika Parolin 12 de janeiro de 2019

Todos temos nossos compromissos e deveres
e muitas vezes eles demandam renúncias
daquilo que gostaríamos de estar fazendo.
No entanto, entrei naquela idade em que posso me dar ao luxo de me "rebelar"! Não me sinto culpada por, de vez em quando, tirar o dia só para mim, dormir quando e quanto quiser, passar o dia de pijama escrevendo poemas, ouvir música no último volume, ver filmes o dia todo sem responder o telefone, esquecer das horas, curtir a minha companhia sem nada pra fazer.
Isso não tem a ver com egoísmo, mas com "terapia"!
É saudável dar-se um tempo das correrias e das necessidades alheias. É como se buscássemos energia para seguirmos em frente! Bom e necessário!
Então para você também: "Dolce far niente"
e feliz fazer aquilo que o faz leve.
Cika Parolin

Cika Parolin 12 de Janeiro de 2018

Não sei até que ponto revolver os "sedimentos do passado" pode ser uma coisa boa!
As lembranças bonitas podem até trazer um sorriso aos lábios,
mas as lágrimas que elas trazem aos olhos
são totalmente dispensáveis.
Cika Parolin

Cika Parolin 11 de Janeiro de 2019

Como diz a velha canção:
"A distância, sabe, é como o vento,
Apaga os fogos pequenos
Acende aqueles grandes. Aqueles grandes "
Os velhos grandes amores, que muitas vezes julgamos apagados pela distância,
demandam apenas um pequeno sopro de vento
para reacenderem em grandes labaredas.
Cika Parolin

Cika Parolin 10 de janeiro de 2019.

Só agora percebo que todos os dias tenho inventado formas e maneiras de recomeçar. Como se ontem fosse história esquecida, que não tivesse marcado, que não houvesse acontecido. Assim eu sigo por caminhos diferentes.
Você e eu por estradas paralelas.
Cika Parolin

Cika Parolin 13 de fevereiro de 2018

Quando jovem, ouvia dos antigos a clássica frase: "O tempo voa"! E não é que me peguei dizendo isso dia desses! Não vi os últimos vinte anos passarem e ainda não realizei aquele velho plano de entrar num ônibus caindo aos pedaços qualquer e sair por aí, talvez rumo à Goiás; quem sabe comer doce de leite no interior do interior de Minas; não a viagem de turista, mas o ir ficando onde desse vontade! Passeando por pessoas, hábitos e lugares! A pé, de charrete, de bicicleta ... sem tempo determinado ou programações elaboradas! Apenas fazendo o que o gosto mandasse.
Os sessenta estão passando e já começo a transferir os planos para a próxima década! Logo começarei a desconfiar que não vai dar tempo.
Cika Parolin

Cika Parolin 7 de janeiro de 2019.

E hoje, apenas o silêncio!
O silêncio que respeita,
o silêncio que reverencia.
Voa! Voa lindo, voa alto...
Rumo ao infinito!
Cika Parolin

Cika Parolin 06 de janeiro de 2019

Os que moravam longe da cidade
levavam meses para registrar os filhos recém-nascidos
e, igualmente, demoravam para terem seus nomes definidos.
Eu não fugi à regra: Nascida em parto gemelar com Ciro,
o menino ansiosamente esperado, não cogitavam nomes de menina
e muito menos que viessem gêmeos,
visto que já tinham Marli, uma menina de cinco anos.
Como era de praxe queriam nomes que combinassem.
Cogitaram Maria e Mário, João e Joana, Karl e Katia...
mas o nome sonhado para o menino era "Ciro"!
Formou-se o impasse! Que nome dar à menina?
Dessa forma fiquei mais de meio ano sendo mencionada como "a nenê".
Não mais que de repente, Dona Amélia, uma moradora de uma chácara próxima, apareceu, providencialmente à hora do almoço,
para visitar, segundo ela, "os geminhos"!
Entre um pedaço de frango assado e outro, ela faz a pergunta fatal:
"Dona Maria( Marichen), como é o nome dos geminhos"?
Ao que mamãe responde: "O nome do guri é Ciro,
a menina ainda não tem nome".
Como que tendo uma ideia fenomenal dona Amélia grita:
"CIRLEI", Ciro e Cirlei, combina"!
E assim foi, algum tempo depois registraram-nos
e em seguida, o Batismo, realizado num domingo chuvoso,
no Templo Luterano, pelo pastor Fughmann,
recém vindo da Alemanha que num português péssimo disse:
"Kiro e Kirlei eu vos batizo em nome do Pai, do Filho
e do Espírito Santo, amém.
Quanto ao Cika? Fica para uma outra longa história.
Cika Parolin

Cika Parolin 05 de Janeiro de 2019
1 compartilhamento

Não permita que ofusquem sua alegria
e que apaguem da sua alma a esperança!
Você é o guardião(a) de ambas e como tal, responsável
por mantê-las sempre vivas e pulsando dentro de si.
Não delegue a outrem o dever de fazê-lo(a) feliz!
A felicidade vem de dentro para fora
e se expande a partir de você.
Que a alegria, a esperança e a fé sejam sua meta
nesse ano que se inicia.
Cika Parolin

Cika Parolin 31 de dezembro de 2018

Não sou a fortaleza que imaginam!
Sim, sou como todo mundo:
Rio, choro, me alegro, me entristeço;
Ingratidões e grosserias me ferem,
delicadezas me enternecem!
Essa sou eu!
Não posso mudar a essência do meu ser.
Cika Parolin

Cika Parolin 27 de dezembro de 2018.

Ah! não vou fingir que não me importo!
Quero, sim, a via de mão dupla.
Entrego o meu tempo, o meu cuidado, a minha energia...
E não vou negar! Fico atenta ao brilho dos olhos e à apreciação!
Não se trata de querer elogios, trata-se de sentir que meu carinho tocou os corações. Apenas isso.
Cika Parolin

Cika Parolin 26 de dezembro de 2018.

Valorize-se! Essa é uma responsabilidade sua
e ninguém o fará por você!
Faça o que quiser fazer apenas para agradar a si mesma.
Seja escrever um livro, limpar a casa, cozinhar, dar-se um dia de preguiça, tomar um chá... agradar-se é o que conta.
Cika Parolin

Cika Parolin 24 de dezembro de 2018.

"Os homens de boa vontade",
onde estão?
Esqueceram-se de lançar as sementes do amor
no solo das almas famintas por compaixão?

Talvez nesse Natal
os que têm a mesa farta, se sensibilizem
e lembrem de dividir o Pão.

Tantos com tanto e quantos sem nada!
Olhemos em volta,
logo ali na esquina,
padece de fome, um irmão.

É hora de compreendermos, de fato,
o verdadeiro sentido do "Amai-vos uns aos outros",
em toda a sua grandeza e extensão.
Cika Parolin

Cika Parolin 20 de dezembro de 2018

Pai,
Não te posso ver, nem te ouvir!
Talvez as mensagens da tua alma
viajem até a minha, nas asas do sentimento!
Por isso sinto essa brisa tocar-me o rosto
como recado teu, esquecido no tempo.
Sei que estás mais distante do que eu gostaria,
mas conforta-me saber que tua voz
virou afago do vento.
Cika Parolin

Cika Parolin 15 de Dezembro de 2018

Fardos que consideramos pesados demais,
seriam leves como pluma se comparados aos pesos
que tantas pessoas carregam.
Cika Parolin

Cika Parolin 15 de Dezembro de 2018

Suplício das Ruas

Ouçam os gemidos da rua!
Lá fora pode estar um irmão
que necessita ajuda
e anseia por um pedaço de pão.

Nenhum teto para lhe cobrir a cabeça.
Sua cama? apenas o duro chão!
Vestes escassas e surradas, ele treme de frio
e no breu da noite, ninguém para lhe estender a mão.

Dele se desviam os olhares!
Aos insensíveis, sua presença incomoda.
e seu silêncio implora um gesto de amor, em vão.

Ah! olhemos o drama das ruas!
Mas que transformemos o nosso olhar
na mais nobre e solidária ação.
Cika Parolin

Cika Parolin 4 de Dezembro de 2018