Coleção pessoal de CikaParolin

1 - 20 do total de 1461 pensamentos na coleção de CikaParolin

O outono da vida me puxa,
cada vez mais, para o passado.
Acontecimentos que eu julgava esquecidos
e de nenhuma importância para o presente,
batem-me, à porta, com frequência.
Essa tem sido a grande surpresa
que a idade madura tem me trazido:
A capacidade de rememorar fatos ocorridos há muito tempo
e de transformá-los em relatos.
Cika Parolin

Cika Parolin 22 de junho de 2018

Há pessoas cujo comportamento "peculiar"
se assemelha ao do dragão de Komodo,
que vive nas ilhas Indonésias.
Ele morde sua vítima, infecta-a
e fica durante dias à espreita, seguindo-a,
até que esteja fragilizada e incapaz de se defender,
quando, então, parte para o ataque final.
Cika Parolin

Cika Parolin 21 de junho de 2018

Se eu acredito que me querem mal,
eu o estou atraindo!
Afasto-o, rejeito-o, nego-o...
Prefiro acreditar e atrair as forças do bem
que são infinitamente mais poderosas que o seu oposto.
Como faço isso?
Apenas desejando o bem a quem quer que seja,
sem exceções.
Cika Parolin

Cika Parolin 21 de junho de 2018

Faço o possível para tornar os fardos leves!
Se são pesados demais, trato logo de separar
e lançar fora o que for inútil, assim não dispendo energia com cargas ruins.
Cika Parolin

Cika Parolin 18 de junho de 2018

Minha alma está repleta de memórias de infância!
Elas afloram
à medida em que me aproximo do inexorável envelhecer.
São odores, sons, sensações que me remetem a ela
e parece que de novo me torno criança.
Acontecimentos, bons ou maus,
que eu julgava sepultados no esquecimento,
voltam à tona e querem se transformar em palavras.
Cika Parolin 17 de junho de 2018

Cika Parolin 17 de junho de 2018

Do encontro entre a alegria e a tristeza
caminham os dias!
Não se pode pensar:
"Pronto! Agora serão só venturas"!
Quando menos se espera elas se revezam...
Talvez seja o Universo querendo nos lembrar
que as coisas mudam e a luta continua.
Cika Parolin 17 de junho de 2018

Cika Parolin 17 de junho de 2018

A lagarta se transformou em borboleta
e, numa ensolarada manhã, deixou atrás de si
o casulo que lhe dera abrigo.
Assim também a moça alçou voo,
não sem antes olhar para trás
e lançar um último olhar de gratidão.
Cika Parolin

Cika Parolin 16 de junho de 2018

Respeito as decisões alheias,
até mesmo quando não concordo com elas.
Jamais cobraria, a quem quer que seja, por afastamentos ou mudanças de rumo, visto que não posso interferir no sagrado direito de cada um ser o que é ou fazer o que quiser. Reservo a mim apenas o mesmo direito de agir de acordo com as minhas convicções.
Cika Parolin

Cika Parolin 15 de junhode 2018

Falar dos nossos semelhantes de maneira maldosa
deixa dentro de nós um amargor, um aperto no peito.
No fundo todos sabemos que não é algo correto de se dizer,
então, antes de fazê-lo, devíamos levar em conta
o que o lado bonito de nossa alma tenta avisar.
Cika Parolin

Cika Parolin 14 de junho de 2018

Caminho fundamentalmente na esperança!
Espero sempre o melhor dos acontecimentos e das pessoas,
o que não me torna cega ao seu lado mau,
mas coloco-as junto das exceções.
Cika Parolin
14 de junho de 2018

Cika Parolin 14 de junho de 2018

E chega o dia em que Deus te encaminha às pessoas certas.
Aquelas que farão diferença ao teu existir,
em cujo coração te sentirás acolhido
e só então saberás a razão que te trouxe até aqui. Cika Parolin

Cika Parolin 13 de junho de 2018

Da mesma forma que não apreciamos tudo nas outras pessoas,
é natural que, igualmente, não nos apreciem.
Vejamos esse fato com serenidade e jamais deixemos de ser
o que de melhor pudermos, mesmo que aos olhos alheios
isso não tenha valor.
Cika Parolin

Cika Parolin 12 de junho de 2018

O Adeus

Nenhum destempero,
nenhum gesto fora do tom,
nenhuma lágrima...
Apenas, imperceptível aos olhos,
um estremecimento na alma.
Nada indicava a dor
que lhe corroía as entranhas,
naquela tarde, cuja luz se apagava.
Também dentro dela,
se fazia noite.
Cika Parolin

Cika Parolin 11 de junho de 2018

Mas que coisa! Ninguém tira nossa luz!
Nós é que a ofuscamos quando nos deixamos abater
por pensamentos dessa natureza!
Viver, realizar, escrever, cantar... seja lá o que escolhermos fazer, acredite! NÓS PODEMOS! tanto quanto qualquer um.
Cada um a seu modo, mas podemos SIM!
Incomoda-me muito quando ouço: "Fulano tenta apagar meu brilho"... ora essa! Todos temos o mesmo direito à luz do sol
e ninguém exerce tanta força assim sobre nossas vontades.
Cika Parolin

Cika Parolin 10 de junho de 2018

Desperdiçar Vida com estranhamentos
é uma forma de fazê-la perder o significado.
Quero que a minha seja plena de serenidade
para que eu possa discernir entre viver bem ou não.
Cika Parolin

Cika Parolin 10 de junho de 2018

Não te demores!
Te espero no mesmo lugar,
àquela hora em que o sol cai no mar.
Quando nossos olhos e nossas mãos se encontrarem,
saberemos que nosso Amor ainda vive no coração.
Não te demores!
É preciso, mais do que nunca,
reavivarmos a chama
e brindarmos ao que para sempre será,
em nosso existir, motivo e razão.
Não te demores!
Cika Parolin

Cika Parolin 09 de junho de 2018

Os pássaros arrulham no telhado,
o sol brilha e aquece o domingo de inverno.
Da cozinha saem os aromas que prometem iguarias
vindas do caderno de receitas de Dona Marichen.
Impossível não lembrar, incansavelmente, seu jeito de zangada
que escondia um coração de pura generosidade. Seu prazer
não estava em comer, mas em ver os seus chegando com muita algazarra, rodeando o fogão, ansiosos por usufruir das gostosuras que só ela era capaz de preparar com coisas muito simples. Hoje cada um tenta, a seu modo, reproduzir suas delícias, mas qual nada! O sabor de Dona Marichen não vinha apenas de suas mãos mágicas, mas do seu coração pleno de amor que ela em vão, por timidez ou por força da genética, tentava disfarçar.
Cika Parolin

Cika Parolin 10 de junho de 2018!

Cedo ou tarde, no fim, tudo passa!
A vida, como uma gama de tons de azul,
é feita de todos os azuis possíveis:
Do azul límpido do sol de uma manhã de primavera,
ao azul do mar em noite de tempestade.
Cika Parolin

Cika Parolin 2 de junho de 2018

Com exceção de acontecimentos inexoráveis, como a morte, quase tudo pode mudar, a qualquer tempo!
Não hesite em reconsiderar, tentar de novo;
perdoar-se, pedir perdão, perdoar e recomeçar.
Cika Parolin

Cika Parolin 29 de maio de 2018

Entre pais, familiares, professores, vizinhos, amigos...tive inúmeros mestres e desde cedo tratei de assimilar as lições. Lembrá-los pela vida afora e contar suas histórias,
é minha maneira de ser grata
e de dizer "valeu"! Eu entendi!
Cika Parolin

Cika Parolin 29 de maio de 2018