Coleção pessoal de celsonadilo

1 - 20 do total de 3696 pensamentos na coleção de celsonadilo

Boa noite. .
Doce anjo...
Na luz do luar.
Sonho que amamos ❤️
Desejos que sonhamos...
Bem tal esperança tem a ousadia para janelas dos céus.⁠

Celso Roberto Nadilo

 O ⁠novo normal...
O momento que mundo vê que silêncio grita. E as máscaras te fazem viver num mundo doente.

Celso Roberto Nadilo

⁠o veneno da humanidade são as mentiras que matam por amor.
Pequena são as grandezas espalhadas pelo amo.
A solidão trás átona a realidade... 
Mais as pessoas são pedaço de carne...
Não se dão conta de que tudo faz parte de uma história. 
E essa história pode ser triste ou feliz...
Pois a maior riqueza que temos é vivermos no espírito de felicidades se existe?

Celso Roberto Nadilo

⁠Seus pesadelos são sonhos perfeitos 
Alucinações visuais são sabores de uma mente doente.... 
Entanto arrepios são desejos secretos...
As maiores grandezas pode imergir nas maiores virtudes das alucinações...
Dentro da ausência da anarquia não existe uma revolução...
Seres de compaixão expressão o valor da liberdade...

Celso Roberto Nadilo

Na lua cheia basta você amar.
Como está você amor de minha vida...?
Basta sentir o amor... Que bom o seja...
Meu doce amor.
De noite de novo se amando...
Bem como todavia o amor...
Dentro a noite te amo muito mesmo.
Sendo assim mesmo como nem a conheço e te amo desde da primeira vez.
Amar o amanhecer do desejo...
Ao alvorecer do amor.⁠

Celso Roberto Nadilo

⁠O amor de mãe.
Oh amor único 
Verdadeiro amor.
A única pessoa que sempre te amou... 
E sempre vai te amar por amor...
Você sendo o fruto de seu ventre...
Parte da sua alma sempre será sua vida.
Mesmo no último momento dessa vida te amo muito...o amor é como batatinha que esparrama pelo chão... 
Que lembrei do seu amor.
Mesmo este estando longe 
ou pertinho do coração.
Está sempre minha vida.

Celso Roberto Nadilo

⁠Flores que florescem sem nenhum argumento.
Ou propósito de existir.
Rosas em teu veneno de corpo perfeito, alucinação.
Tão breve quando os desejos da madrugada. 
Seus lábios são parte dos espinhos.
Uma dor e um pouco de sacanagem.
A noite a dentro desbravou cada parte do teu corpo...
No instante que sofrência torna se o ideal para uma noite de amor...
Eterno hábito de querer o veneno que faz as alucinações serem melhores momentos da paixão...
Devastação provocada por espinhos.
No entretanto as chamas devoram a alma sem o espírito.
Que paira sempre na escuridão da indiferença.
Os laços que compartilha a vida te deixou quando a tiraram da terra que alimentava...
Dentro da vida que compadece um sentido de amar.

Celso Roberto Nadilo

⁠sede a seca.
O fogo e a morte.
Queimadas...
A tristeza...
Sem mar.
Sem vida.
Sem ar sem amor.
Sem coração.
Sem remorso 
Sem compaixão....
Triste a tristeza.
Triste são seus atos...
Sendo a gente primeira mudança.
Depois do despejo apenas a tristeza...
Transformação em um deserto de calor.
Fenômeno natural... O homem sem paixão.
Ganância... Descaso com vida.
Desrespeito com próximo...
A vida te pertence...?
Saiba tudo tem consequências...
A vida se revolta...
O suplício de existir diante da devastação provocada por você.
Tão belo e pleno que não respeita a vida.
Espera ter uma vida melhor a que preço.
Pois um dia irá oferecer um pouco mais... De afeto para quem sempre te amou,
Sem perguntar quem é ou quem foi apenas te deu Mesmo direito todos tem de viver.

Celso Roberto Nadilo

⁠Uma história de amor...
Sensação que morre e floresce.
Num instante que paixão é parte de passado...
Nada pode descrever o sentir...
Tão claro nos céus que tanto amou...
Vento não assopra a ternura...
A luz morreu entre as trevas...
Tudo tem muitas formas nas ilusões...
Para onde caminhar não ser para uma cova fria...
E percebo que amor se foi sem destino...
Para retornar ao antro de luxúria do qual um dia foi feliz.
Nós braço do abismo contemplo a dor que compartilha nas histórias da redes sociais...
Fotos que atravessam a gente e parece e some ...
Sem maiores explicações somos advertidos...
As sombras da paixão se tornam eternos hábitos de solicitação... Num mundo de solidão.
Clamo ao vazio esperando que alguém responda... 
Ę apenas tem um eco no infinito escuro...
As estrelas brilham sob a piedade de infinito dilema existe vida ou amor pode ser encontrado? 
Nesse encarnação que desdém tantos momentos mortos.
Para aonde foi! Me diga amor.
Se um dia existiu? Me deixe te conhecer!
Pois a vida nasce e morre e ainda me apaixonei...
Imenso sentimento que abre portais a mundos distante. ..
Contemplo sua beleza num caos absoluto...
Fiasco total vida diante imensidão a tal tristeza...
Talvez seja melancólica visão de outras eras...
Respirando fundo o suspiro... Tão bom...,! 
E assim o mesmo sonho... 
De um passo para tantos tão comum...
Ressurgiu com o tempo que nunca terminou.
Deixasse escorrer entre infindáveis adores....
Pois é verdade que nunca se cala por beijo...
O pacto reaparece no caos absoluto.
Vivemos por viver e amamos até morrer.
Sendo solitário viver em meio a humanidade...
A tenho como a evolução os privilégios de te amar sem ser correspondido.
Então abro o primeiro contato...
E aos poucos os dias parecem replica de um momento sem fim.
Abrangente até às luzes dos céus sejam opacas sem vida imensidão...
Revolta sem solução aparente...
Mesmo assim continuo a aventura de desbravar os confins do universo...
Se inspirar no desejo que caminha sobre as invenções de um amor antigo e pleno.
Porque iria acreditar que a vida além da eternidade.
Reavivando cada sentimento.... 
Dentro de cada promessa continuar...
Sob o alento de amar...
Os desejos que atravessam gerações...
Unindo e dando a esperança um direito de existir.
Nas sombras da ignorância perdemos o que é mais precioso a vida de quem sempre nos amou..
A relação que se abate com apenas a verdade de sentir o desejo de amar.
Nas complexidades de romper os paradigmas...
Que acreditamos ser a única verdade...
Sombras são animadas por cordas de teorias...
E nada pode ser igual a impia tristeza que clamamos por existimos...
Então temos apenas a realidade que imaginamos... E compramos em longas prestação...
Explorando cada canto que achamos que podemos colocar que vida nos inspira...
Provavelmente seja oniciente o abraço profundo da morte.
Mas então contudo abraços da união...
De aglomeração seja um crime com pena prevista... No instante que ache que tudo bem.
Pois a vida continua vivendo mesmo que não esteja presente...
E que seus atos sejam relevantes...
Assim mesmo mortos temos desejo profundo de conhecer a vida em outros lugares diferentes...

Celso Roberto Nadilo

⁠Profundo sentir dor que nunca passa gota a gota na imensidão.
Sempre foi o que quis abraça a liberdade...
Entanto sou recluso na prisão da minha mente.
Dentro da noite é a mesma coisa em várias dimensões... Paredes no alinhamento estelar.
Para ser a gravidade seja o maior sentido ao mesmo tempo nada pode existir...
Pois a dor ainda existe. Depois a ilusão.
O que sou ou já fui e sempre serei a esperança.
Assim desejei tanto amar a imensa visão que temos... 
Tudo se limita mais as limitações vertem verdades que morrem em nossas almas.

Celso Roberto Nadilo

Meus desejos são sentimentos sobre a pele.
Entre tantos encantos.
Meros momentos que são parte dos espinhos.
Tudo dilacera minha alma.
Poderia te machucar em todavia que amou.
Tentei juro que tentei ser diferente.
Mais meu coração me puni a cada ilusão.
Enterrei tantas verdades que desejei.
A decepção de deixar me destruir por um amor.
Nos meus lábios secos por causa de uma tristeza que não tem explicação.
A tal esperança me deixa morrer um pouco mais.
Vendi minha alma por você...
E meu espírito não se importa mais.
O ar parece faltar a todo instante...
As palavras fogem ... Estou sozinho...
Em minha carta de despedida enrolei...
Não sei se foi suficiente para banir a vida.
O vinho mantém a vida na lembrança...
Queria esquecer mais nada importa...!⁠

Celso Roberto Nadilo

⁠Os dias frios.
Lamento.
No ador.
Expressão.
Em lágrimas que busquei a cura diamante do tempo.
Em dias que fogo consumiu 
Agora será um mar de chuva negra.
Será mágoas do fogo que devora alma da natureza.

Celso Roberto Nadilo

⁠Na caridade apenas trocadilhos...
Disfarçar, tudo bem...
Pode ser um momento da sua atenção.
Outro instante uma foto que dá um segundo de fama para alguém que quer ser bom moço.
Música caminha nós traços da insanidade mental.
Um gole de cachaça te faz feliz até outro gole...
Defino arco de um soneto... Sem regras...
Admiro muito a beleza... Até estar sóbrio.
No astral sombrio vejo o tempo seco...
A falta de ar começar como instante da lucidez.
O vulgo do vinho seco molha a garganta.
Mas. Luzes opacas deduzem o sentido de estar embriagado.
A música se perde no terreno para seu deleite.
Tento sentir o cheiro do seu silêncio,
O braço momentâneo dão a virtude...
O mel escorre pelas paredes de um sonho.
Temores tão clássicos difunde os laços da eternidade.
O que pode ser natural num mundo esquecido.
O lapso de uma memória profunda na dor
E a divulgação de cada sentimento...
Marco a luz do olhar disperso na escuridão... 
Na caridade do seu amor.
Me lembra das almas penadas 
Por favor lamento por seu amor.
Na luz resplandece as sombras da beleza.
Então os dias vai nas sobras do sentimento.

Celso Roberto Nadilo

⁠No pensar o tal sonhar.
Amar por amar nunca amei.
Por amar quem nunca amou...
Andei pelas prosas poéticas e românticas.
As eras das máquinas sou apenas palavras que somem diante o amor.
O que é o desejar tais revelações...
A solidão é parte do meu ser esquecido nas mares do tempo.
O glamour de um açougue humano, tudo gira torno de si para mundo. 
Realidade privada de emoções.
Me atrevo a sentir o tráfico sentimento.
Ilusório... Até que seja o fruto de seu ventre.
Embora tudo seja a afirmativa o fruto do esquecimento.
As horas passam... E os momentos são apenas atos de depressão.
Num curto espaço de tempo acha se o tal desejo perdido.
Nas tais lágrimas que busquei esquece o amor que renova expressão desdenho.
A indiferença... realmente brota muitas vezes tem se a felicidade no simples olhar. 
As trevas que clamo em sonhos profundos.
Reaparece na troca de carinho e paixão.
Na frágil alma os sentimentos são expostos vendidos no prelúdio dessa vida.
Que é vida imposta do além da escravidão.
A repulsa no temor da virtude tão apenas uma escolha.
Valores absurdos sentimentos cobrados.

Celso Roberto Nadilo

⁠nada como o amanha...
solitude num breve momento...
desejo.
instante mediano,
numa gota de orvalho.
birra dos céus .
pois bem o sentido temporal...
ouro de tolo amargo momento.
seca entre os polimorfos...
o ar morto. na despedida...
o vento para mar morto de nossas vidas.
esclamo cada luar vivo e meus pensamentos.
Nós tais paradigmas somos parte da história.
Guardo nas lembranças tais visões.
Os frutos de vontade que escondi para sonhar um dia.
Mundo de longe ao horizonte outro sol.
Em outro universo que tive esperança.

Celso Roberto Nadilo

⁠O que é importante....?
Nada interessa...
Ninguém tem graça...
A minha insanidade è verdade da minha realidade.
As pessoas não ligam para outras pessoas.
Tudo o que sistema quer é tudo que é vendido.
As pessoas não ligam com ninguém.
Tudo que é vendido é uma piada.
As sociedade è cruel...
Rir é parte da existência...
O que importa se ninguém liga se você existe.
O que basta para você enlouquecer.
Das lágrimas das minha alma...
Na verdade sou um palhaço que te diverte com minha insanidade.
Tudo parece engraçado brincar com sentimentos das pessoas.
 

Celso Roberto Nadilo

⁠Escrevo rabisco e metáforas que descrevem sentimentos...
No entretanto achas tem haver com quem lê ou dei um texto... 
Embora sejam palavras mortas fazem todo sentido para meu ser...
Tudo que fui dentro desta alma
Nós delírios que me acompanham sois a luz que morre dia após dia....
No extremo dessa vida clamo por você espírito que morreu dentro de mim...
Exploro cada virtude que ressoa em cada discurso ao vento...
Cala frio...
Do seu desejo nunca quis atenção ou mediar uma relação pois o espírito é livre para sonhar.

Celso Roberto Nadilo

⁠Quando tudo permanece na falsidade temo que manter noção dessa realidade.
tudo se depõem nunca á um bem comum somente o seu ser.
concluo quando se deriva de piedade se tem uma fraqueza...
que nunca se reduz ao passar do tempo apenas a solidão.

Celso Roberto Nadilo

⁠no amor que vivemos transluz o bem querer.
dentro da caverna só conhecemos as sombras da ilusão,
mesmo amamos com devoção,
tendo assim as correntes mais presas
iluminamos nossas mentes com iluminismo...
abrangemos a solidão como desejo no deslumbre de sonho...
esse sonho afrouxa as correntes então vemos uma saída...
talvez tarde demais do que queremos diante do que resta de nossas vidas...
mesmo assim atravessamos o desejo de apenas viver. 

Celso Roberto Nadilo

⁠Nas partículas do tempo se reuni a vida...
sobre postas a verdade que vivemos...
de superar o insuperável,
tendo para si a mesma colocação terrena.
quando temos algo bom não é o suficiente...
e o que importa diante da probabilidades...
sendo o fruto de incertezas...
caminhos por mundos desconhecidos,
para sentir e absorver o conhecimento,
em maus momentos e bons sentimentos...
abreviamos a vida num estado que tempo passa,
estado de ser e conviver nas estrelas
somos aptos a comparar o valor dos maires virtudes...
nas extensão do conhecimento abrangemos os fatos...
que somos grandiosos na grandeza de nossos pensamentos.
vivemos em orbita de sentidos obtusos...
pairamos a extinção a cada passo que desenvolvemos...
tornando parte da história respiramos ideias...
para que mundo seja melhor mesmo nos piores aspectos...
vemos a luz mesmo na pior da humanidade.
esclarecemos os ideias ao passar do tempo com virtude...
reatamos o conhecimento na luz da tecnologia...
e transcender as fronteiras da escuridão
é um pequeno passo para o homem e um gigantesco passo para humanidade.
desvencilhando do momento a momento redescobrimos o que somos descobridores de novos mundos...
assim o eterno parece uma fração do que já fomos...
no distante passado oriundos das campinas reluzimos com fogo...
e passamos por mudanças através do tempo...
nos tornamos seres sencientes...
logo com tempo seres interdimensionais...
seres temporais...
com finalidade de explorar o conhecimento da eras...
então a cada empecilho nos atrevemos a vencer mesmo que seja o fim...
mesmo o fim se dá num novo inicio como as estrelas...
obtemos um pouco do espírito que paira na existência do universo...
não temos muitas certezas apenas um caminho que trilhamos com dignidade e esperança...
mesmo que fazemos na vida não dei certo teremos um novo começo,
concertando o melhor possível para que no amanhã sejamos melhores.
e transmitimos que fronteira do conhecimento anda ao lado da insanidade,
tendo uma visão da pareidolia reconhecemos a realidade.
num fato propenso a falhas e erros temos as finalizações e acertos...
mesmo o tempo se permanece na alucinação...
e passamos a ver a realidade que vivemos numa outra perspectiva.
sonhando com as grandezas do universo temos a verdade que devemos aceitar...
ou apenas continuar e lutar pela verdade que acreditamos...
somos sábios ao passar do tempo e notamos que...
somos fruto do ocaso a cada verdade que deslumbramos a cada amanhecer...
resplandece o que desdenhamos na singularidade...
desvendemos a escuridão nos cerca...
temos nossa amplitude que transgridem o desejo....
manejos de maneira e sentimentos que afloram a ignorância,
nessa escuridão obtemos o fruto do bem e do mal...
abrangemos os pensamentos para o além... da eternidade,
e mesmo assim tudo que nos atrevemos ter o amor como destino...
muitas vezes traiçoeiro sem perdão no glamour da virtude,
compadecemos da empatia e paciência,
ao esmo temos atitudes que no faz vencer de outras maneiras que a vida nos da por um momento...
abreviando a grandeza que temos no infinito,
para restabelecer a cada derrota ou perca que temos na trajetória estabelecida...
e transcendemos nesse instante quando não há vontade de viver...
acreditamos no poder maior que nos guia nos momentos mais difficiles que vivemos...
para encontra essa verdade dentro de cada um de nos...
respirando fundo sentindo cada minuto como o ultimo de nossas vidas até fim da existência.
o desejo de evoluir se debate nas nossas limitações...
mas temos a verdade que nos domina em desvendar se aventurar na imensidão...
nos aventuramos na escuridão de nossas mentes obtemos o conhecimento...
deixando para trás o que se tornou parte do passado...
sendo assim logo seremos seres temporais.
com outros valores e maiores visões do contexto geral...

Celso Roberto Nadilo