A Criança e a Literatura

Cerca de 21 frases e pensamentos: A Criança e a Literatura

Nascemos sem inveja, sem preconceitos e desconhecendo a mentira,mas com o tempo nos tornamos adultos.

Sylvio Panza - Escritor brasileiro de literatura infantil.

"A moedinha e a criança"

Lá estava a cena:
-Uma criança,um vidro,
uma moedinha e o pai.
A criança brigando com o vidro
tentando tirar dele a sua moedinha
e se machucando toda.
Porque mesmo sendo
uma moedinha ,lhe parecia tudo.
Porém, o pai chega e diz:
- Filha, deixe a moedinha pra lá,
ele é estreito e não é nosso,está te machucando,
é só uma moedinha ,filha
o pai tem muito mais pra você.
A criança pará e pensa....
e deixou a moedinha pra lá
e do pai ganhou muito mais.
Assim é a vida,
quantas vezes brigamos por uma moedinha
e Deus tem pra gente fartura de bençãos.
E então qual será a sua escolha:
- A moedinha ou a fartura do Pai?
Pense bem,mas pense com carinho....
pense nisso!

Deborah Karvalho
21 compartilhamentos

Espírito natalino

Se todas as crianças
Tivessem ao menos um lar,
Elas seriam felizes?
Se todas as crianças
Tivessem brinquedos,
Elas seriam felizes?
Se todas as crianças
Tivessem escolas?
Se todas as crianças
Pudessem se sujar,
Jogar bola, pular,
Dançar, rir, e sonhar…
Se todas as crianças fossem
Apenas crianças,
E são!
Se o Natal, fosse
Todos os dias,
E todas as crianças
Vivessem felizes?
Sem guerra, sem briga,
Sem tristeza…

Valter Bitencourt Júnior

Mas o tempo passa rápido, olhe que as florzinhas do Montsouris já brotaram, que as crianças já vieram, que todos tomam sol esparramdos na grama, e o pombinho que havia caído no lago, batendo deseperada e inutilmente as asas, bem que foi salvo por um menino de boné branco. Nada mais contraditório do que ler Camus num domingo assim tão pleno. Aqui na terra tudo vai bem. Bem. E hoje, excepcionalmente, não temos vertigem. A banda começa a tocar, abafando o riso das crianças. Nada existe e tudo existe, a música cada vez mais forte, cada vez mais forte, abafando a morte e me distraindo da minha leitura." (O último verão em Paris, crônicas, 2000)

Globalização; complexidade; literatura do ano 2000
Inserida por Wgm2012

Gostar de poesia, música, artes cênicas, literatura clássica, natureza, crianças, animais, pais, tios, primos, caminhar, observar, calar, falar o necessário, pedir licença, entender que o outro pode ter uma prioridade antes da minha... São pessoas dotadas de um espírito sensível ao bem... Em tempos de hoje raros. Época de egoísmo em que se deprecia o outro para se alto afirmar escondendo sua fraqueza espiritual até animal.

PEDRO JOSÉ MARQUEZIN

Sinto a palavra no ar.

Apaixonada por crianças e literatura infantil procuro resgatar em mim a criança que fui ou ainda sou... Procuro não deixá-la ir embora, a alegria do simples e do natural me encanta. Gosto de criar poesia da coisa mais banal, onde não se percebe nada captura-se muito.
Quando quero poemar e historiar sinto a palavra no ar, pelo cheiro, pelo som, pelas cores, pelas formas e até sabores. Percebo com olhar de criança usando todos os meios do sentir. Prefiro as ideias das crianças que fazem sentido na ingenuidade.

Sandra Ferrari Radich
Inserida por sanferadich

A literatura infantil nos leva a viajar com as crianças no universo das histórias contadas e recontadas.

José Carlos dos Santos Silva (Professor)
Inserida por josedelcarlos

Entre a censura e a literatura passeiam muitas crianças.

Claudeth Camões
Inserida por TerraSerrana

“Nunca foi tão importante haver boa literatura infantil, porque as crianças são atraídas por milhares de coisas mais fáceis, instantâneas e baratas que o livro. Com boa literatura infantil, defende-se o livro.”

Miguel Sousa Tavares
Inserida por Siby

"O papel da literatura é conduzir o homem na direção do homem".

Isa Colli

Eu fico triste
por essa geração.
As crianças não jogam
mais taco na rua.
Não tem mais
time da rua de cima
contra time da rua de baixo.
As calçadas
não tem mais marcas de giz.
Ninguém toca mais
campainha pra sair correndo.
Mas ainda brincam
de polícia e ladrão
aqui no quarteirão,
só que ao invés
de cano 'pvc' nas mãos,
a criançada sai armada
de fuzil e “três oitão”.

Roney Rodrigues em "Triste Geração"

Roney Rodrigues
Inserida por RoneyRodrigues

Uma história infantil que só pode ser apreciada por crianças não é uma boa história infantil.

C. S. Lewis

É sempre inverno para a criança iraquiana

Mesmo quando o vento do deserto abrasa a terra
o frio do coração grita alto do outro lado do portão.
O céu está carregado, bombardeiros ou nuvens?
No telhado de uma escola um morteiro aguarda calado,
enquanto a professora tenta ensinar sem ser interrompida por explosões.
Comida quente, dignidade e uma bandeira branca é o que almeja essa geração.

Torpedo no celular?
Essas crianças nunca ouviram falar,
mas quase todas elas sabem
o que fazer quando o torpedo despenca do céu.

Todas tem medo de demônios,
demônios humanos vestidos de preto
que aparecem na madrugada
para ceifar cada vestígio de felicidade.
O Eufrates é mais sangue que rio,
é mais morte que vida.

A maior arma da briga por terra ainda é o terror.
Eu clamo em voz alta:
Qual terror é maior do que mutilar crianças indefesas?
Qual terror é maior que jogar gasolina no direito à vida
e acender a chama da violência?

De bomba em bomba a humanidade regride ao pó.
Do outro lado do mundo, a justiça cega adormece
em leito quente e acompanha tudo pelo noticiário local.

RODRIGUES, Roney

Roney Rodrigues
Inserida por RoneyRodrigues
1 compartilhamento

LINHAS E TONS

Num dia ensolarado, concentrada, caderno, caneta e meu pássaro, uma criança se aproxima: "Para quem escreve? Quantas rimas!" São os olhos vivos e interrogados de quem pouco aprendeu da vida, que palavras são força e coração.
"Palavras complexas e bonitas, parece que até as sábias rimas ganham coerência e coesão. Foi destarte que aprendi, no primário lá na roça, que ir à escola gastava horas", assim dizia certo ancião.
Para um filósofo que conheci, são tons coloridos em versos e linhas, palavras que expressão amor e sentimentalidade, que alguém sensível redigiu. Parece-me que alguns jovens as desdenham, marcando neles uma vida efêmera e que a esperança se apagou...
Já o artista ao lê-las interpreta em canção, teatros, romances ou ficção, o roteiro simples de palavras humildes, para aqueles que por meio da performance, conseguem ver a intensidade dessas LINHAS E TONS.
As frugais palavras mencionadas são versos em estrofes ou escorridos, que alguém sensivelmente compôs. São versos que a criança apreciou, muitos jovens não entenderam, o ancião compreendeu e o filósofo analisou. Nesses tons e linhas, os chamamos de POESIA um gênero literário em harmonia sem nenhuma métrica rígida, que na liberdade do artista, despertam sentimentos, lembranças, saudade e amor...Eis a POESIA!

Thaty Sousa
Inserida por ThatySousa
1 compartilhamento

O PASSADO VIVO NO PRESENTE (TEMPOS DE CRIANÇA)


Herdamos um costume, meio que casual de iniciar uma história, um conto, ou até mesmo cantigas com um... ‘era uma vez. ’
Como criança em meus oportunos momentos me encontro engajado em sutis pensamentos dos porquês de momentos marcantes do tempo de criança.
É como se o passado estivesse vivo no presente subjugando o futuro da maturidade.
Até que ponto posso envolver-me no retrospecto do passado tornando-os vivo no presente no intuito de favorecer minha jornada no dia a dia?
Ao olharmos nos olhos de uma criança enxergamos no mais profundo o âmago do ser repleto de sonhos. Encontramos na mais simples cantiga o sabor doce da vida.
Às vezes penso ser uma criança uma das mais ricas expressões do amor incondicional de Deus pela humanidade.
E como é difícil esquecer meus momentos únicos que não voltam, mas que ficarão marcados para sempre em cada tomada de decisão importante que terei de tomar no decorrer da vida.
Meus maiores sonhos herdei-os naquele tempo em que eu era uma simples criatura, mas com um coração que não conhecia a amargura, o desânimo e nem as intempéries da vida.
Como eu queria poder voltar aos tempos de criança e poder ensinar-me hoje a retórica prática que desmistifica a teórica que não libera seus passos,...
Queria poder amar como amava quando criança. E poder esquecer o pesadelo em que encontrei estampado em minha mente: a infância acabou.
Meu passado sempre estará vivo no presente como uma aljava nas mãos de um guerreiro.
Meu passado tornou-se o mais belo dissabor por guardar minhas histórias de tempos de criança.

Jackson da Mata
Inserida por JacksondaMata
1 compartilhamento

O meu esporte preferido é ver criança em voo livro...

Edilene Santos

Edilene Santos
Inserida por edilene_santos_1

Luisa
(Victor Bhering Drummond)

Quando vi Luisa nascer
A criança sabia que a pequena
Infante, princesa ia ser
Nasceu sob o luar de uma família de poetas, de cabelos escorridos
Como escorrem palavras pelo nosso caderno de emoção;
Olhinhos amendoados, sofisticados,
De quem nasceu para reinar absoluta nas graças dos versos
De uma menina solta, doce,
Que virou mulher forte,
Com sorriso de boneca,
Mas voz e olhares de sedução
Onde meu suspiro e o sentimento
Do mundo balançam
Por essa menina que nasceu para
Ser da lua, com a alma do sol,
Onde a discrição se desnuda
Para cobri-la com cifras e acordes
Que deixam tão poetinha
Até o mais duro coração.

(Aniversário de Luisa Ramos Martins [Drummond], em noite escorpiana de músicas e encontros)

Victor Drummond
Inserida por victordrummond

Como leitor, muitas vezes fico desagradado com autores e histórias sem famílias ou crianças e toda a angústia e alegria que elas trazem consigo.

C. J. Box
Inserida por pensador

Aprendi a não subestimar as crianças enquanto leitores.

Jeff Kinney
Inserida por pensador

AMANHÃ

Amanhã a felicidade vai sorrir
Com sua boca banguela de criança arteira.
O metrô será um coração de mãe
E a Radial Leste estará livre como um tapete mágico.

Amanhã a alegria será um touro rosa correndo pelas ruas,
Lambuzando de cores os olhos de pedra da cidade
E colorindo cabeças e janelas.

Amanhã Criolo vai dar canja,
Marco vai captar o momento exato,
E Casulo vai construir uma peça lotada de gargalhadas.

Amanhã todos os faróis estarão piscando VERDE,
Na Casa das Rosas vai ter sarau,
Mariana vai parir um poema azul,
E Helô vai preparar o pão dos Elfos.

Amanhã vai ter samba na Santa,
Será meu dia de folga
E Deus vai dormir numa rede de mariscos.

Amanhã é dia de pastel na feira,
Nina vai botar uns pingos nos is,
A Paulista será só para os sapatos
E o Messias encantará um cordel.

Amanhã a felicidade banguela vai sorrir,
Porque hoje eu acordei mordido de alegria
E com um vontade infantil de acreditar.

carlos galdino
Inserida por carlos_galdino