7 min. de leitura | indicado para +5 anos

Era uma vez um homem que tinha três filhos e nada mais no mundo, exceto a casa em que morava. Cada um dos filhos desejava ter a casa após a morte de seu pai; mas o pai os amava igualmente e não sabia o que fazer. Ele não queria vender a casa, porque tinha pertencido a seus antepassados, senão ele poderia ter dividido o dinheiro entre eles.

Por fim, um plano surgiu em sua cabeça e ele disse aos filhos: “Vão pelo mundo e tentem aprender um ofício. Quando todos vocês voltarem, aquele que fizer a melhor obra-prima terá a casa. ”

Os filhos ficaram muito contentes com isso, e o mais velho decidiu ser ferreiro, o segundo barbeiro e o terceiro mestre de esgrima. Eles marcaram um horário em que todos deveriam voltar para casa e então cada um seguiu seu caminho.

Acontece que todos eles encontraram mestres habilidosos, que lhes ensinaram bem seus ofícios. O ferreiro teve que ferrar os cavalos do rei e pensou consigo mesmo: "A casa é minha, sem dúvida." O barbeiro cortou o cabelo de muita gente importante, e ele também já considerava a casa como sua. O mestre de esgrima levou muitos golpes, mas apenas mordeu o lábio e não deixou que nada o incomodasse; "Pois", disse ele a si mesmo, "se você tem medo de um golpe, nunca vai ganhar a casa."

Quando a hora marcada passou, os três irmãos voltaram para a casa do pai. Mas eles não sabiam como encontrar a melhor oportunidade para mostrar suas habilidades, então se sentaram e se consultaram.

Enquanto eles estavam sentados, de repente uma lebre veio correndo pelo campo. "Ah, ha, bem na hora!" disse o barbeiro. Então ele pegou sua bacia e sabão. Em seguida, ele ensaboou e raspou os bigodes da lebre enquanto corria no auge de sua velocidade, e nem mesmo cortou a pele ou machucou um fio de cabelo em seu corpo.

"Muito bem feito!" disse o pai, "seus irmãos terão que se esforçar maravilhosamente, ou a casa será sua."

Pouco depois, apareceu um nobre em sua carruagem, correndo a toda velocidade. “Agora você verá o que posso fazer, pai”, disse o ferreiro. Então ele saiu correndo atrás da carruagem, tirou as quatro ferraduras dos pés de um dos cavalos enquanto ele galopava e calçou quatro ferraduras novas, sem pará-lo.

“Você é um bom sujeito e tão inteligente quanto seu irmão”, disse o pai. “Não sei a quem devo entregar a casa.”

Então o terceiro filho disse: “Pai, deixe-me ter a minha vez, por favor”. E, como estava começando a chover, ele pegou sua espada e a balançou para frente e para trás acima de sua cabeça tão rápido que nenhuma gota caiu sobre ele. Choveu ainda mais e mais forte, até que finalmente caiu em torrentes. Mas ele apenas ergueu sua espada cada vez mais rápido e permaneceu tão seco como se estivesse sentado em uma casa.

Quando seu pai viu isso, ficou surpreso e disse: "Esta é a obra-prima, a casa é sua!"

Seus irmãos ficaram satisfeitos com isso, conforme combinado de antemão. E, como se amavam muito, os três ficaram juntos em casa, seguiram seus ofícios e, como os haviam aprendido muito bem e eram tão espertos, ganharam muito dinheiro.

Assim, eles viveram juntos felizes, até envelhecerem. E, por fim, quando um deles adoeceu e morreu, os outros dois sofreram tanto com isso que também adoeceram e logo depois morreram. E porque eles foram tão espertos e se amaram muito, eles foram colocados na mesma sepultura.