Poema sobre a Seca

Cerca de 873 poema sobre a Seca

A glória do vaqueiro.

Seca, suor e glória
luta, fome e destino
marcam toda trajetória
do povo de Virgulino
do couro tem a memória
do símbolo da história
do vaqueiro nordestino.

Guibson Medeiros

Vaqueiro!

Essa dor me consome
sem dó nem perdão
a água que some
resseca meu chão
a seca e a fome
transforma meu nome
em herói do sertão.

Guibson Medeiros

Qual gotas de orvalho na seca
Temperança no desespero,
Luzes na escuridão,
As doces lembranças que ficam
Trazem Paz ao coração.

Paola Rhoden

Armas da seca!

O sertão ainda encara
o sol forte e cristalino
a água distante e rara
tem as armas do destino
e a seca é quem dispara
a bala da dor que vara
o coração do nordestino.

Guibson Medeiros

Jamais mostro-me como não sou.
Prefiro que me achem seca e nojenta
a brigar ou discutir.

Milena Jane Maluf

Chuva de inverno,
Chuva de verão,
Sem ti sou terra seca,
Contigo uma flor,
sem ti sou como a erva,
contigo um jardim florido,
Morro contigo,
Morro sem ti,
Partes comigo,
Partes sem mim,
Vibro contigo,
Não vibro sem ti,
Folhas ao vento,
Folhas o chão,
Deito-me contigo,
Deito-me sem ti,
Adormeço contigo,
Adormeço sem ti,
Sou feliz mas...não sem ti.!

isabelRibeiroFonseca

DENTRO DA TARDE

A tarde seca e fria, de maio, do cerrado
Cheia de melancolia, deita o fim do dia
Sobre cabelos de fogo tão encarnado
Do horizonte, numa impetuosa poesia
A tarde seca e fria, de maio, do cerrado

O mistério, o silêncio partido pelo vento
No seu recolhimento de um entardecer
Sonolento no enturvar que desce lento
Do céu imenso, aveludado a esbater
No entardecer, seco, frio e, sedento

Perfumado de cheiro e encantamento
Numa carícia afogueada e de desejo
Seca e fria, a tarde, tal um sacramento
Se põe numa cadência de um realejo
Numa unção de vida, farto de portento

© Luciano Spagnol
Poeta do cerrado
2017, maio
Cerrado goiano

Poeta mineiro do cerrado - LUCIANO SPAGNOL

Porteira!

Por trás dessa porteira
eu só tinha felicidade
mas a seca traiçoeira
me mandou para cidade
do meu gado na cocheira
e da minha gente ordeira
me restou só a saudade.

Guibson Medeiros

“Ansiedade”

Minhas mãos úmidas
Alerta a seca dentro de min
Alerta o que não veio
Desperta o que esta por vir

O estomago murcho
Procura soprar o incapaz
Procura inspirar algo mas

Algo como um trevo ou uma sorte qualquer
Que escute uma pequena surdes ou que me traga a paz mais uma vez.

Nahuel Rodriguez

Quando te vejo:
minha garganta seca, minhas mãos se agitam, meu corpo respira.

Quando te toco:
meu sangue ferve, minhas veias pulsam, minha alma treme.

Quando me tocas:
minha boca se cala, meus olhos se fecham,
meu corpo te sente.

Nesse momento o sol se esconde, a noite chega,
as estrelas dançam.

Todo o meu mundo se torna uno,
porque tenho você.

Katia Souza

Não tenho mais tinta
Minha pena está seca
Mas para dizer que a amo
Escrevo até com gotas do meu sangue
Não posso parar de escrever meus poemas
O diário é meu melhor amigo
Nas suas linhas eu escrevo minha dor
Todo o sentimento que me deixa triste
Triste por tanto odiar o fato de amar
Amar e não poder minha índia beijar
Ela ama outro...
O que devo fazer, Pai?
Devo encerrar minha jornada?
É esse o fim de toda a história?
Nasci com a pretensão de ser reconhecido
E deixarei que tudo acabe dessa maneira?
Da mesma forma que os fracos morreram?
Amando e nunca sendo amado
Chorando e sofrendo por serem tão fracos
Eu não agüento mais, leve-me para casa
Serei apenas mais um nesse cemitério
Nem minha mãe chorará por mim
Eu não quero lágrimas de pena no meu túmulo
Ele é frio, nada irá sentir
Assim como a criança iludida que fui um dia
Sonhando em crescer, para depois amar
E hoje arrependido
Querendo fazer o tempo voltar
Mas como é impossível, peço então para ele rápido passar
Para que essa guilhotina possa logo me decepar...

frank
2 compartilhamentos

verdadeiro amor
No momento tenho vontade de dizer tudo que esta encabulado,mas a garganta seca,nao deixa isso acontecer.
Gostaria de te contemplar com palavras lindas,infelizmente nao sou poeta.
Apenas te digo que se voce nao estivesse aqui...
As estrelas nao teriam o mesmo brilho;
O sol nao teria mais sua intensidade;
A lua passaria chorar comigo de saudade;
O mar passaria ficar sem ondas;
Os passaros nao cantariam mais;
A rosa nao teria o mesmo perfume;
As flores murchariam;
A vida passaria a ser uma rotina chata,eu nao teria prazer em vive-la.Pois voce que esta lendo essa é tudo para mim,é o ar que eu respiro,resumindo...é minha vida,sem voce eu nao vivo,nao teria forças para continuar vivendo.Voce é um presente de deus,é uma pessoa maravilhosa.
Resta-me agradecer pela tua vida,pois voce foi a melhor coisa que apareceu na minha!!!

Ingrid

Amo-te

Amo-te com o coração descompassado, boca seca e pernas trêmulas. Amo-te com borboletinhas no estômago, brilho no olhar, doação e plenitude. Amo-te do único jeito que se deve amar: com a loucura e o exagero inerente ao próprio amor.

Edna Frigato

TEMPO DE ACASOS

O tempo muda tudo
A arvore cresce
A agua seca
A tabua empena
As pessoas nao sao mais pequenas
Elas tambem mudam com o tempo
Os quietinhos se tornam bagunceiros
Os do fundão se tornam os primeiros
Ja os primeiros, esses se transformam
As vezes pra mal, mas a maioria tem um gande futuro
Pois esses da vida sao certos com impostos e juros
Aproveitam suas chances e sabem reconhecer que nada acontece por acaso
E que a vida é como uma cama elastica
As vezes voce cai e tem sempre uma pessoa que continua pulando e nao te deixa levantar
Mas esse tempo serve par voce descansar e começar a pular de novo.

Jessica Carneiro Machado

Recompensa Divina

Da pior seca dos últimos tempos
Ao período que mais choveu...
Com Deus não há tempo ruim
Não desampara quem Dele careceu

O pasto está crescendo
O gado engordando
A barragem sangrando
E o povo agradecendo

Graças a Deus,
É a chuva que chega ao sertão
Para fazer de 2013
Um ano de muita recordação

Leandro Flores

A seca e o Nordestino

Ah! que saudade eu tenho
Do meu sertão quando chovia
Que enchia nossos rios
De uma noite para o dia
A fartura em nossas casas
Nesse tempo existia

Não faltava em nossos lares
Milho, arroz e feijão
Produzíamos ainda mais
O ouro branco do sertão
Ah!que saudade sentimos
Das safras de algodão

Por falta de sorte
Ou por desgraça talvez
Os nossos rios secaram
Todos de uma só vez
Nunca vi coisa igual
Nem tão grande estupidez

As nossas culturas morreram
Ou já não produzem mais
Já está faltando água
Até para os animais
Crianças choram com fome
A miséria é demais

O sol que nos castiga
Inclemente e brasador
Que queima a nossa pele
Que causa tanto calor
Mas não queima a esperança

Não mata nossa fé
No Cristo, o Salvador
Não queima do Nordestino
Sua honra, seu valor
Não vai destruir
Força, Esperança e Amor.

Ivanaldo Bernardo da Silva

Para sempre em meu coração

Eu chorei uma lágrima, você soube como secá-la
Eu estava confuso, você iluminou minha mente
Eu estava perdido, você me resgatou
E levantou-me e deu-me dignidade
Você me amou!

Você me deu força quando estive sozinho
Para encarar o mundo por minha conta de novo
Você me fez sonhar com o que parecia impossível
Tão alto foi esse sonho que eu quase podia ver a eternidade
Você me amou!

Eu cheguei a acreditar que não era você
Não podia acreditar que era verdade
Eu precisei de você, e você estava lá
Eu não tinha forças e você não desistiu de mim
Fui um tolo, mas finalmente encontrei alguém que se preocupou comigo

Você segurou minha mão quando me senti inseguro
Quando eu estava perdido, você me levou para casa
Você me deu esperança quando eu estava acabado
Você transformou meus sonhos de novo em verdades
Você até me chamou de amigo

Me chamou de filho
Disse do seu amor para comigo
Me deu esperança, me reviveu
Sabe o que eu tenho a dizer sobre isso?
Eu simplesmente te amo JESUS

Milton de Oliveira
2 compartilhamentos

É assim no sertão.

Aonde a seca maltrata
o linho não é páreo pro couro
pão é mais caro que prata
água vale mais do que ouro
macambira é melhor do que nata
jumento é mais forte que touro.

Guibson Medeiros

O Xote das Meninas (Mandacaru)

Mandacaru
Quando fulora na seca
É o siná que a chuva chega
No sertão
Toda menina que enjôa
Da boneca
É siná que o amor
Já chegou no coração...

Meia comprida
Não quer mais sapato baixo
Vestido bem cintado
Não quer mais vestir de mão...

Ela só quer
Só pensa em namorar
Ela só quer
Só pensa em namorar...

De manhã cedo já tá pintada
Só vive suspirando
Sonhando acordada
O pai leva ao dotô
A filha adoentada
Não come, nem estuda
Não dorme, não quer nada...

Ela só quer
Só pensa em namorar
Ela só quer
Só pensa em namorar...

Mas o dotô nem examina
Chamando o pai do lado
Lhe diz logo em surdina
Que o mal é da idade
Que prá tal menina
Não tem um só remédio
Em toda medicina...

Ela só quer
Só pensa em namorar
Ela só quer
Só pensa em namorar...

Mandacaru
Quando fulora na seca
É o sinal que a chuva chega
No sertão
Toda menina que enjôa
Da boneca
É sinal que o amor
Já chegou no coração...

Meia comprida
Não quer mais sapato baixo
Vestido bem cintado
Não quer mais vestir de mão...

Ela só quer
Só pensa em namorar
Ela só quer
Só pensa em namorar...

De manhã cedo já está pintada
Só vive suspirando
Sonhando acordada
O pai leva ao doutor
A filha adoentada
Não come, num estuda
Num dorme, num quer nada...

Porque ela só quer, hum!
Porque ela só quer
Só pensa em namorar...

Mas o doutô nem examina
Chamando o pai do lado
Lhe diz logo em surdina
Que o mal é da idade
E que prá tal menina
Não tem um só remédio
Em toda medicina...

Porque ela só quer, oh!
Mas porque ela só quer, ai!
Mas porque ela só quer
Oi, oi, oi!
Ela só quer
Só pensa em namorar
Mas porque ela só quer
Só pensa em namorar
Ela só quer
Só pensa em namorar...

LUIS GONZAGA
2 compartilhamentos

Porque não você? ... Será porque?


Porque cansei de chorar?
Uma hora a fonte seca.
Porque parei de ligar?
Até a paciência descarrega.
Porque cansei de sofrer?
Ser feliz não dói.
Porque não sinto mais saudade?
Existem milhões de pessoas no mundo.
Porque estou mais bonita?
Percebi que estou mais viva do que nunca.
Porque apaguei você da minha vida?
Borracha serve para apagar rabiscos.
Porque agora você me quer?
Porque é de praxe humana querer aquilo que não tem.

Érwelley C. de Andrade ALB/DF.

Érwelley C. de Andrade ALBDF