Coleção pessoal de Sentimentos-Poeticos

1 - 20 do total de 1261 pensamentos na coleção de Sentimentos-Poeticos

Os pensamentos são como o vento
cavalos selvagens nos campos...
da tempestade dos nossos sonhos

São a força da fonte dos desafios...
dos aromas empolgantes viagens bravias
segredo, liberdade infindável e empolgante

Rostos a resgatar memórias de um possível..
passado, passado escrito no fogo donde
as lágrimas não conseguiram apagar.!!

MariaIsabelMoraisRF

CORRE O RIO DE SANGUE 🍂

Corre o rio de tristezas devagar cor de sangue
Sangue, sangue de dor, arma enferrujada
Veias de veneno lapidado, sugado no escuro
Corpo estendido esquecido e sentido

Sangue derramado de um soldado
Com o coração partido, perdido, magoado
Guerra estúpida, sem tempo, sem hora
Humanidade despida, sem destino nas areias

Escaldantes do deserto desentendidos, ignorantes
Corre o rio de dor, de sangue, de odor, podre, fede
Carne apodrecida deixada à sua sorte
Veias lapidadas de cores de uma guerra estúpida

Sem honra, sem respeito, sem compaixão
Feridas feitas no peito de sangue que deixam cicatrizes
Na fogueira das vaidades resplandecentes sentimentos
Lapidados de sangue nas veias de um corpo escondido

Onde as trevas cobiçam aquilo que não podem ter
Águas que correm com a força da natureza nas fragas
Da nossa lucidez na dor sentida tantas vezes em nós
Corre o rio de tristezas, devagar nas pedras cor de sangue

Desta humanidade que se esquece de conquistar a bondade .

Isabel Morais Ribeiro Fonseca
Tags: poesia_saudade_vida

HOJE MORRI 🌺

Hoje morri de noite talvez muitas vezes
Num sonho esquecido, esquecido no tempo
De uma escura noite que assombra-me o corpo

Das horas perdidas no poço do sentidos
Das trevas que cobiçam tudo ao meu redor
Em especial minha alma

Há sempre uma doce luz no silêncio
E na dor da morte
A maior perda da vida não é a morte

É o que morre dentro de nós, é quando não vivemos
Para vencer a morte deve ter um sorriso
Quando a sua alma partir

Ninguém pode fugir da morte
Ela é o começo do caminho para a eternidade
As lembranças são momentos marcantes

Que são muito difíceis de esquecer
Como posso não lembrar-me do teu beijo
Do cheiro da tua pele

E das juras de amor que eram para sempre
Quero lembrar-me dos nossos momentos de amor
Mas hoje morri na saudade que assombra-me o corpo

Isabel Morais Ribeiro Fonseca
Tags: saudade_poesia_morte

MORRI

Hoje morri de noite
Talvez muitas vezes
Num sonho esquecido
Esquecido no tempo
De uma escura noite
Que assombra-me o corpo
Das horas perdidas
No poço do sentidos
Das trevas que cobiçam
Tudo ao meu redor
Em especial minha alma.

Isabel Morais Ribeiro Fonseca

As lembranças são momentos marcantes....
que são muito difíceis de esquecer .!
Como posso não lembrar-me...
do teu beijo....
do cheiro da tua pele....
e das juras de amor que eram para sempre.!
Quero lembrar-me dos nossos...
momentos de amor.!

IsabelRibeiroFonseca

Há sempre uma doce luz no silêncio.....
e na dor da morte....
A maior perda da vida não é a morte...
é o que morre dentro de nos,é quando não vivemos.
para vencer a morte deve ter um sorriso...
quando a sua alma partir.!
Ninguém pode fugir da morte...
ela é o começo do caminho para a eternidade.

IsabelRibeiroFonseca

Tu és a brisa que refresca-me nesta noite quente...
a loucura nos momentos de paixão...
o alimento que dá-me a força para viver...
Sinto um arrepio quando sinto....
os teus lábios colados aos meus....
dos breves momentos que partilhamos......
de sentir o teu calor e a tua força......
Sentir toda esta paixão....
que me deixa louca desse teu sorriso lindo....
que deixa-me sem forças.....
do teu amor que conquisto-me para sempre....
Passo os dias a pensar em ti.....
Como seria se estivesses aqui.....
a beijar a minha face e enxugar as minhas....
lágrimas dos meus lábios....
Abraça-me e aconchego-me com teu calor.....
e proteger-me com o teu desejo amor...
a minha felicidade!!

IsabelRibeiroFonseca

MULHERES 🌹

Nós as mulheres somos
Esposas e companheiras
Amantes, mães e avós
Assumimos tantos papéis na vida
Merecemos ser sempre
Lembradas dia após dia
Amamos, cuidamos, renunciamos
Cada uma de nós merece
Ser chamada de heroína

Isabel Morais Ribeiro Fonseca
Tags: mulher_poesia_sentimento

Colha as rosas do seu jardim...mágico
Poemas da alma..sem espinhos...
Colha as flores e plante amores....
É preciso muita coragem e humildade..
Muita força de vontade...
Para abandonarmos as coisas que nos são supérfluas...
Apegamo-nos demais a coisas.
Abandone tudo aquilo que não faz sentido,
e que nos faz mal.... amizades e hábitos.
Mantenha somente as rosas do jardim mágico ...
o necessário para alimentar a sua alma, alegria e amor.!!!

IsabelMoraisRibeiro

Eu sei, sou uma mulher ....
Talvez antiquada.....
Gosto de amar e ser amada
Especialmente de ser cortejada
Não gosto da vulgaridade
Mas da sensualidade natural
Sinceridade num olhar
Sem covardia ...
Ouço passos na rua.....
calçada da minha ilusão....
Orquestra num concerto em cima de uma nuvem ....
Brincam com os passos nos cenários...
Estrelas dançarinas que namoram na lua.....
Os corpos que vestem-se de noite......
A brincar de sonhos.....
Melodia suave da nossa emoção...
Eu sei sou uma mulher ...uma mãe....
Que gosta da sinceridade de um olhar...
Talvez eu seja antiquada.....talvez..!!!

IsabelMoraisRibeiro

Entre as brumas da saudade
De quem faz suspirar um soneto
Onde descansa a rosa do meu coração
Da minha prece feita em oração.!

MariaIsabelMoraisRF

DOR DAS ROSAS

A minha alma aclamava os espinhos
Que eu cosia e remendava as rosas
Para florir de amor de esperança

O sangue dói como as palavras
Que escorrem nos rios
Correndo para o mar

Gestos de lua, colhendo rosas
Estrelas cadentes, agonizada noite
Dedos feridos, crispadas mãos

Rimar poético, digno de louvor
Flutuado pensamento, nostalgia suspensa
Ausências no espaço, presença perfeita

Isabel Morais Ribeiro Fonseca
Tags: poesia_rosas_saudade

DELÍRIO

Quanto mais escavamos mais profunda é a nossa escuridão
Que transportamos connosco em certas ocasiões da vida
Transportamos tempestades numa ventania submissa
Poema em compassos sem respirar sangue
Sepultam os ais de tantos sentimentos sentidos

Deixados na dura insensatez de uma surdez aos ventos
Lágrimas extintas numa primavera em prisão
Quimeras que se desvanecem nos bordados em festa
Jasmim perfumado que ficou no xaile de um pobre verso
Escavamos uma saudade numa memória sonolenta

Viragem mutilada no coração de quem sofre sem delírio

Isabel Morais Ribeiro Fonseca
Tags: poesia_vida_saudade

Rua deserta...
Beco quieto...
Linha vazia..
Calçada a portuguesa
Chuva de lágrimas..
Jardim inacabado...
Candeeiro sem luz..
Altar sem cruz
Igreja sem sino..
Pessoas sem destino..
Futuro sem esperança...
Janelas partidas...
Viver sem lembrança.
Olhar perdido...
Adeus mudo..
Vento forte...
Tempo esquecido...
Despedida cruel..!!.

IsabelMoraisRibeiro

🌹"RONDA DA ALMA"

Quanto mais escavamos mais profunda é a nossa escuridão
Que transportamos connosco em certas ocasiões da vida
Transportamos tempestades numa ventania submissa

Poema em compassos sem respirar sangue
Sepultam os ais de tantos sentimentos sentidos
Deixados na dura insensatez de uma surdez aos ventos

Lágrimas extintas numa primavera em prisão
Quimeras que se desvanecem nos bordados em festa
Jasmim perfumado que ficou no xaile de um pobre verso

Escavamos uma saudade numa memória sonolenta
Viragem mutilada no coração de quem sofre sem delírio
Se a solidão não me rondasse a alma pouparia muitas

Lágrimas perdidas venceria as tristezas no meu coração
Inventaria sorrisos sonhos perfeitos de ilusões esquecidas
De tantos sentimentos sentidos.🌹

Isabel Morais Ribeiro Fonseca
Tags: poesia_saudade_vida

Se a solidão não me rondasse a alma
pouparia muitas lágrimas perdidas
venceria as tristezas no meu coração
inventaria sorrisos, sonhos perfeitos
ilusões esquecidas, sentimentos sentidos.!!

MariaIsabelMoraisRF

ALMA RASGADA 🌺

A minha alma gritava
E rasgava de dor
O meu corpo descosia

As linhas cerzidas
Onde eu remendava
A minha desalinhada mente

O sangue dói como as palavras
Que escorrem nos rios
Correndo para o mar

Gestos de lua, colhendo rosas
Estrelas cadentes, agonizada noite
Dedos feridos, crispadas mãos

Rimar poético, digno de louvor
Flutuado pensamento, nostalgia suspensa
Ausências no espaço, presença perfeita

A minha alma aclamava os espinhos
Que eu cosia e remendava as rosas
Para florir de amor de esperança

Isabel Morais Ribeiro Fonseca
Tags: poesia_alma_vida

❀༺LINHAS TORTAS♥

Rua deserta _ Beco quieto
Linhas tortas _ Misterioso cemitério

Calçada portuguesa _ Antigos fantasmas
Lágrimas chuvosas_ Jardim inacabado

Candeeiro luminoso _ Gritos surdos
Altar triunfante _ Sacrifício amor

Cruz humildade _ Igreja fé
Pessoa virtuosa _ Futuro esperançoso

Casa especial _ Janelas partidas
Lembranças vividas _ Formas escuras

Olhar perdido _ Solidão sentida
Trevas revoltas _Tumulto sombrio

Inferno alucinado _ Mar adormecido
Mudo adeus_Vergonha escondida

Vento forte _ Verdadeira saudade
Tempo esquecido_Despedida cruel.

Isabel Morais Ribeiro Fonseca
Tags: vida_poesia_sentimento

SER SOLITÁRIO 🌺

O meu destino é solitário é ter o coração errante
Num eterno navegante das cidades distantes
Nascido no velho cais é ser filho de tantos sonhos

De um coração de rimas sangue que corre de versos
Num sorriso de poemas escritos de várias certezas
De sentimentos diversos que cresce nas rimas do amor

Alimenta a paixão e o ódio de todo sentimento maior
Pensamento seja ele qual for mente de pergaminhos sagrados
Que revelam segredos antigos traduzidos em versos escritos

Talvez por uma razão qualquer destino eterno sem rumo ou guia
Por caminhos ou estradas vazias que nos levam sempre a sonhar
É som, é cor, é ódio, é amor é vida, é morte, é sangue sem corte

É ser um solitário poeta que eu sou rasgando os meus versos
Na eternidade sem ter as dores do parto errante destino meu
Entre as sombras que me dão luz nos versos que faço em poesia

🌺♥

Isabel Morais Ribeiro Fonseca
Tags: poesia_vida_sentimento

"CIÚME CRUEL"

Eu não percebo, não quero perceber
O ciúme desmedido, que se faz insensato.
Liberdade sufocada que não inspira poemas
Olhos mal dormidos que não justificam a poesia.
As muitas perguntas caladas explodiam.
O poeta de passagem que rompeu as ânsias
Que escreve e guarda o instante em palavras
Descobertas das delicadezas que nós tratávamos
Frases escritas que permaneceriam ocultas
Nunca seriam identificadas ou traduzidas
As letras traziam na alma, o ver das palavras
A calma da vontade de ter e sentir
Sabor da entrega e das descobertas apaziguadas

Isabel Morais Ribeiro Fonseca
1 compartilhamento
Tags: poesia_vida_ciúme