Contos de Cora Coralina

Cerca de 591 frases e pensamentos: Contos de Cora Coralina

Contos...

Um dia eu deixei de acreditar
Nos contos de fada que um dia ouvi
Já não podia nem imaginar
Que havia um príncipe pra me acordar...

Mas você se aproximou de mim
Tudo mudou ao mesmo tempo...
As flores nasceram no jardim,
E mudou até a direção do vento.

E tudo começou ser tão diferente,
Não havia mais nenhuma estação...
Não havia nem o nunca, nem o sempre,
Nem inverno, nem verão...

Sim, nós tínhamos sonhos iguais...
E o tempo transformou-se em eternidade,
E as fantasias tornaram-se reais...
E descobri que os contos eram de verdade.

Karina Perussi
19 compartilhamentos

era uma vez uma menininha..
que acreditava em contos de fada. Um dia ela era chapeuzinho verмelho, chegou a conhecer o lobo mau de perto. Outro dia, ela era uma sereia pequena. Uma vez, pensou até que tinha encontrado o príncipe encantado! Mas aí fizeram ela achar que era o patinho feio. e ela deixou de acreditar em contos de fada! O tempo foi passando, mas a história não terminou por aí. Um dia ala encontrou a fada madrinha, que mostrou para ela que a fantasia pode virar realidade! e ela passou a acreditar nela mesma. Hoje, um dia ela é a gata borralheira, a branca de neve, rapunzel.. Você pode ser o que quiser!

palavras ao vento
14 compartilhamentos

PERDIDO.

Aos contos de fada, foram-se depredados entre circunstancias , o sorriso de um alguém que sonha, porém apenas sonhar não é preciso quando se tem uma pedra no meio do caminho, é preciso muito mais do que isso, é preciso ser quem você um dia nunca foi, ou ser aquilo que se deseja ser em pedras em pensamentos.

As vezes me canso de olhar pro teto de meu quarto, pras paredes, e pensar que encontrei uma saída por detrás de uma mureta de concreto porém a única coisa que encontrei foi um mundo onde minhas palavras não causam efeito a quem as percebem ao longe, mais tocam na alma de quem percebe de perto, que frases são como atitudes, basta colocá-las em seu devido lugar, que o resto as ironias do destino infecta por si mesmo.

Quem sabe um amontoado de atitudes fiquem marcados por simples embarcações de amor, ou quem sabe para sempre fiquei dentro de um mar chamado,ódio...

Pelo mundo a fora, percebi que almas se embaralham com sombras; Sombras com as quais você confia, mais que um dia te abandonam , sombras entre leitos, amores, dores, felicidade, apenas são sombras ocultas dentro de um mar de rancor, sombras que não se percebe ao caminhar no meio do asfalto enquanto o sol ilumina teu corpo por todo o estimulo de vida que se mantém ainda assim, dessa forma desfocada, de uma forma sem sombra, uma forma sem alma, entre sombras e almas, percebemos também que oculto dentro de ti, ainda existe algo que é possível vivenciar nesse mundo peregrino, algo chamado instinto de amar a quem te ama, e apagar-se a quem mais deseja-lhe jogar na escuridão, para que sua sombra fique cem por cento apagada em almas acorrentadas no meio de assombrações.

Ainda caminho por aqui, ainda caminho com pensamentos em lugares que eu sei que nunca poderei ir na vida, mais com pensamentos vou mais longe do que qualquer pessoa possa ir em uma fração de segundos.

Entre esperar e viver, prefiro viver, afinal vivemos para esperar a morte, por isso vivo intensamente cada segundo da minha vida, como se fosse morrer um segundo após uma frase estimulada pra um qualquer, retirado do meu pensamento.

Incluir em minha coleção de amores perdidos um amor a mais, me torna suficientemente capaz de encarar isso de uma forma confiável e viável que pode me desestimar a reagir a uma atitude abranda, dentro de lembranças inacabadas de um amor perdido, porém perfeito.

Walace Miguel
10 compartilhamentos

Depois de algum tempo, percebermos que os contos de fadas não existem... e se existem não é com nós que eles se realizam...
Depois de algum tempo percebemos que os principes e as princesas eram apenas sapos fantasiados (e que aquela beleza, era só uma ilusão que escondia o que eles realmente são).
Depois de algum tempo, percebemos que a pessoa perfeita para nós, pode ser a mais imperfeita desse mundo.
Depois de algum tempo percebemos que temos que viver e usufruir da vida enquanto a temos, pois um dia já não a teremos mais para querermos usufruir...

ana paula
17 compartilhamentos

Com o tempo descobrimos que nossas vidas não podem ser contos de fadas...
Que sapos não se transformam em príncipes...
Que as princesas num ficam esperando...
Que os cavalos brancos não são tão dóceis quanto imaginamos...
E que as bruxas malvadas na verdade não existem...

Que sonhos...Talvez nunca se realizem...
Que abóboras não se transformam em carruagens...
E q num é um sapato de cristal que fará com q um amor se torne eterno...

Mas tem coisas que fazem com que nossas vidas...
Pareçam com contos de fadas...
Nos façam felizes como se fossemos sapos transformados em príncipes...
Como se os cavalos fossem tão calmos quanto um bicho preguiça ou um coelho branco
Quando encontramos a princesa...E ela nos chama de príncipe...
E quando descobrimos que o amor existe...
Mas que depende de fatores ligados a vida, sol, lua, vento, movimentos de rotação e translação, alinhamento de planetas e posicionamento perante aos trópicos.
E quando algumas coisas acontecem sem explicação...

Otavio S. Casonato

Talvez aqueles horríveis contos de terror em que todos morrem no final não sejam tão terríveis assim, pelo menos é o que parece pra mim, que já vivi isso, mesmo que talvez tenha sido apenas uma alucinação da minha cabeça, que confesso já não estar mais tão sã assim... E talvez, os monstros que vivem dentro da minha cabeça sejam mais temíveis que aqueles que ouço arranhando embaixo da cama.
É, minha historia não começa com "5 amigos numa viagem", mesmo porque nunca tive amigos, segundo porque minhas viagens ocorriam apenas dentro de mim. Essa história começa simplesmente comigo, e uma dose insana de comprimidos que levei com o intuito de me matar, ali, naquele vagão de trem abandonado... Porque? Apenas queria morrer ali, marcar eternamente o local onde uma jovem garota loira se matou, queria que jovens inventassem histórias sobre meu fantasma e me temessem... enfim, apenas para ser dramática, mas o que me esperava era um pouco mais de drama do que eu poderia suportar.
Me sentia até confortável naquele vagão, era gelado, achei q era o lugar perfeito pra eternizar minha alma, que também já tinha se tornado fria. Tomei 1 vidro e meio de um comprimido tarja preta qualquer que roubei da minha mãe, mas como nada é tão bonito como na tv, logo vieram os vômitos, um atrás do outro, e com aquele liquido nojento também se esvaia minha dignidade, ali, se contorcendo e se afogando em vomito dentro de um vagão de trem abandonado, onde ninguém poderia me ouvir, ou pelo menos era isso que eu achava.
Acho que tinha desmaiado, acredite em mim quando digo que quando as pessoas dizem que foi tudo muito confuso, é porque é verdade. Eu juro que quando abri os olhos novamente, preferia ter visto o diabo, mas eram aqueles malditos caras da escola, sequer os conheço mas parece que me odeiam, sempre me ofendendo, me chamando de estranha, me assediando, nojentos. Eles não deixaram eu me afogar no vômito, eu já tinha posto pra fora praticamente todos os comprimidos e meu suicídio já tinha ido por agua a baixo, mas estava extremamente fraca, meu estomago doía e minha cabeça estava pesada. De repente, me senti totalmente controlada por algo, talvez fosse a morte, e do nada recuperei as forças que tinha e as que não tinha, e ai aconteceu.
Enquanto André e seus amigos riam de mim, rasgavam meu vestido,e "decidiam" o que iam fazer comigo, um ódio demoníaco se apoderou de mim. Peguei um estilhaço de vidro, provavelmente de uma garrafa de algum bêbado que esteve ali, rasguei a garganta de André, os outros dois tentaram fugir, mas estranhas criaturas os seguraram, eram sombras negras e, seu eu pudesse dar um palpite do que elas eram, eu diria que eram o próprio medo, a maldade e o ódio ganhando forma. E eu, movida por algo que até hoje não sei, matei todos eles, um por um, os gritos eram musica para meus ouvidos, a cada vez que eu enfiava aquele pedaço de vidro em seus estômagos, me sentia uma artista, criando sua obra prima. Uma obra de arte chamada morte, feita a pinceladas de sangue e terror.
Aquelas terríveis sombras, encheram o vagão, estavam por todo o lado e sussurravam coisas que eu não entendia, levaram os corpos, acho que era como um sacrifício, não sei... Uma força se apoderou de mim novamente, e dentro da minha cabeça ouvi claramente:
"ESTAMOS TE DANDO UMA CHANCE PRA VIVER NOVAMENTE, MOSTRE AS SOMBRAS AO MUNDO, DÊ A ELES O TERROR QUE SÓ UMA PESSOA A QUEM ELES AMAM SERIA CAPAZ DE DAR, FAÇA ISSO, E CONSEGUIRÁ SUA ETERNIDADE"
Quando voltei a mim, estava diferente, não sei explicar... apenas não era mais eu, eu não tinha mudado em nada, porém estava mais bonita, mais confiante, eu era como uma estrela, era impossível não olhar pra mim. Nunca mais fui a mesma, a partir daquele dia todos passaram a me amar, tinha amigos, ia a festas, era tratada como uma rainha. E como as criaturas me disseram, eu dei a todos o terror que só os amantes da superficialidade mereciam, os humilhei, os tratei como lixo, apenas retribui o desprezo que eles tanto me ofereceram quando eu ainda não era o que eles queriam que eu fosse. Confesso, me divirto com isso, estúpidos inúteis, cuspo em seus rostos e ainda fazem tudo o que eu quero, não prezam pela própria dignidade, humanos são todos assim, foi por isso que quis tanto morrer antes disso tudo começar...
As vezes, quando o vento me fala que eu devo, vou ao velho vagão abandonado, os meninos que matei sempre estão lá, eles gritam e gemem porque as sombras os torturam, eles pedem pela mãe e então eu rio como o próprio diabo. As criaturas me falam o que devo fazer, e eu tenho um longo caminho pela frente, o líder deles disse que eu ainda serei muito importante no mundo, terei muita influencia e farei muitas pessoas sofrerem com meu poder, todos acreditarão nas minhas mentiras porque os farei se apaixonarem por elas, mas no final de tudo, lembrarão de Catanduva como sendo a cidade em que o mal nasceu.
Muitas coisas tão poderosas quanto as sombras tentam me parar, dizem que eu tenho que morrer para que não haja sangue derramado no futuro, mas elas moram apenas na minha cabeça, e conversam comigo em meus sonhos, por isso não durmo mais, não em casa. Toda noite vou ao vagão e durmo ouvindo o arranhar do caco de vidro no chão. As vezes ouço André sussurrar "Você vai morrer Alana" então eu respondo:
-Isso foi tudo que eu sempre quis.

Alana Bueno
1 compartilhamento

Sonho de princesa;

Muitas vezes sonhamos com a poesia
Com aquela loucura infantil dos contos,
Da magia e da poesia com características de amantes,
Dirigimos ao mar e ali encontramos sapo,
No sonho da poesia, sonhar e viver!
E, acordo de um dia perfeito que tudo
Não passou de um conto infantil,
Beijei um sapo que tinha uma coroa.
Pensando que virava um rei,
Com ternura e paixão, beijei o sapo errado!

ana sara manso

Quando seu herói cai em desgraça
Todos os contos de fadas são descobertos
mitos exposta e dor ampliada
a maior dor descoberto
você pensando comigo a ser forte
mas eu estou confuso de ver você tão fraco
Você nunca disse para desistir
e dói ver você denovo na derrota
Quando seu herói cai assim faz as estrelas
e assim o faz a percepção do amanhã
sem o meu herói, só existe eu
sozinho para lidar com a minha tristeza
Seu coração deixou de funcionar
e sua alma não é feliz com tudo
O que você espera fazer
quando o seu herói só cai

Tupac

Coisa típica em contos e em filmes de romance, é o dito amor a primeira vista..daqueles
que você para e pensa:
-Que idiotice você se apaixonar ao ver uma pessoa sem ao menos conhecê-la! Rsrsrsrs
Sabe..o pior é que aquela idiotice toda, acontece! E aconteceu! De um jeito que te pega
desprevenido, te deixa confuso, tenso, alegre e curioso…
O mais idiota é perceber que isso tudo que aconteceu contigo é amor. Amor?
Mas, o que é amor? Talvez eu não saiba o que realmente seja..mas sei, sei que ao pensar
na pessoa meu coração vai a mil, a imaginação vai longe, a ansiedade aperta o peito, da nó
na garganta. Ao vê-lo, cabeça fica confusa, borboletas fazem revoada no estômago, boca
fica seca, e a vontade de “ter” aquela pessoa é inevitável...se é amor, não sei..só sei, que o
que mais almejo é viver esse sentimento idiota com o tonto por quem aparentemente me
apaixonei a primeira vista…

Wanda Sabino

Os hóspedes

Tristeza bateu em minha porta
Deixei-a entrar
Solidão pediu abrigo
Deixei meu coração ela habitar
Angustia sentiu-se rejeitada
Logo a chamei para conosco ficar.

Dias se passaram
Os hospedes trabalho algum deram
Mas sinto que meu intimo encontra-se reprimido
Com tanto sentimento habitando meu ser
Mas o que eu hei de fazer?

Contei a tristeza minhas lembranças
Dei meu silencio a solidão
Chorei minhas mágoas com a angústia
E elas nada fizeram para me ajudar.
Ficaram paradas, sem se manifestar.

Um dia ao ver o pôr-do-sol
A alegria em mim quis ficar
Mas a tristeza, a solidão e angustia com ciúme ficaram
E não a deixaram entrar.

Fiquei assustada porque não teria forças para lutar com meus hospedes,
Mas percebi que assim como os acolhi
Poderia os expulsar.
Deixei pequenas coisas de minha vida me dominar.

certo dia ao acordar com o canto dos pássaros
senti que meus hospedes foram embora
deixando em mim cicatrizes que sempre hei de lembrar.

Danielle Martinez
17 compartilhamentos

Mãe, quando eu comecei a escrever esta carta, usei a pena do carinho, molhada na tinta rubra do coração ferido pela saudade.

As notícias, arrumadas como perólas em um fio precioso, começaram a saltar de lugar, atropelando o ritmo das minhas lembranças.

Vi-me criança orientada pela sua paciência. As suas mãos seguras, que me ajudaram a caminhar.

E todas as recordações, como um caleidoscópio mental, umedeceram com as lágrimas que verteram dos meus olhos tristes.

Assumiu forma, no pensamento voador, a irmã que implicava comigo.

Quantas teimas com ela. Pelo mesmo brinquedo, pelo lugar na balança, por quem entraria primeiro na piscina.

Parece-me ouvir o riso dela, infantil, estridente. E você, lecionando calma, tolerância.

Na hora do lanche, para a lição da honestidade, você dava a faca ora a um, ora a outro, para repartir o pão e o bolo.

Quantas vezes seu olhar me alcançou, dizendo-me, sem palavras, da fatia em excesso para mim escolhida.

As lições da escola, feitas sob sua supervisão, as idas ao cinema, a pipoca, o refrigerante.

Quantas lembranças, mãe querida!

Dos dias da adolescência, do desejar alçar vôos de liberdade antes de ter asas emplumadas.

Dos dias da juventude que idealizavam anseios muito além do que você, lutadora solitária poderia me oferecer.

Lágrimas de frustração que você enxugou. Lágrimas de dor, de mágoa que você limpou, alisando-me as faces.

Quantas vezes ouço sua voz repetindo, uma vez mais: “tudo tem seu tempo, sua hora! Aguarde! Treine paciência!”

E de outras vezes: “cada dia é oportunidade diferente. Tudo que você tem é dádiva de Deus, que não deve desprezar.

A migalha que você despreza pode ser riqueza em prato alheio. O dia que você perde na ociosidade é tesouro jogado fora, que não retorna.”

Lições e lições.

A casa formosa, entre os tamarindeiros assomou na minha emoção.

Voltei aos caminhos percorridos para invadi-la novamente, como se eu fosse alguém expulso do paraíso, retornando de repente.

Mãe, chegou um momento em que a carta me penetrou de tal forma, que eu já não sabia se a escrevera.

E porque ela falava no meu coração dorido, voei, vencendo a distância.

E vim, eu mesmo, a fim de que você veja e ouça as notícias vibrando em mim.

Mãe, aqui estou. Eu sou a carta viva que ia escrever e remeter a você.

Entre as quadras da vida e as atividades que o mundo o envolve, reserve um tempo para essa especial criatura chamada mãe.

Não a esqueça. Escreva, telefone, mande uma flor, um mimo.

Pense quantas vezes, em sua vida, ela o surpreendeu dessa forma.

E não deixe de abraçá-la, acarinhá-la, confortar-lhe o coração.

Você, com certeza, será sempre para ela, o melhor e mais caro presente.

Autor (Equipe de Redação do Momento Espírita a partir do cap. XVI do livro Pássaros Livres do Espíri
8 compartilhamentos

Não sei quem amo,apenas amo..



te amo tanto mas nunca te encontrei
falta paixão esse meu coração eu sei
essa alma que não ilude me amar
esperança que um dia venha te encontrar


que sentido faz esse ar que respiro
pra que guiar as pernas no caminho
se não sei onde devem chegar
que sentido faz caminhar nesse lugar


bem no meu coração existe um desejo
a esperança que um sonho possa se realizar
o dia em que a alma abraçar um beijo
só assim as lágrimas cessarão de chorar


te sinto com o poder que exerce a mente
o teu beijo,essência do perfume da flor
quero demais esse beijo que respira o amor
alucinação ardente mostra o inconsciente.

Gaudrya Tonaco
12 compartilhamentos

Quando tua alma
Parecer pequena,
Mesmo quando achar
Que amar não mais vale a pena,
Abra teu coração!
E quando a noite chegar
E a solidão te alcançar,
Ainda assim, eu peço,
Abra teu coração!
Vou te contar um segredo:
Um coração
Só abre por dentro
E só o dono tem a chave!
E se ele se fecha ou se abre
Depende unicamente de ti.
Abra!
Tire as mágoas,
Jogue fora as tristezas,
Deixe somente doces lembranças
E faça um lugarzinho
Pra acolher as belezas
Que a vida te reserva.
Tenho certeza
Que a ternura vai fluir.
Teu coração renovado
Será fonte de alegria,
E será maravilhoso te ver sorrir.

(Letícia Thompson)

Letícia Thompson

ESTAR SÓ NAO É GERALMENTE ESTAR SOZINHO... VOCE PODE ESTAR ENTRE MILHARES DE PESSOAS E SINTIR O CORAÇÃO VAZIO, SOLITARIO....
AS VEZES POR TER SE ENGANADO DEMAIS COM AS PESSOAS
AS VEZES POR MEDO DE SE DECPCIONAR, AS VEZES POR TRAUMAS QUE JA TENHA PASSADO
POR DECEPÇOES OU MAGOAS QUE ALGUEM TENHA LHE CAUSADO E VOCE SE SINTA SÓ...
AS VEZES É PRECISO SOLIDAO PARA QUE SE POSSA CRESCER E OBSERVAR QUEM REALMENTE DEVE FAZER PARTE DE NOSSO CUIRCULO DE AMIZADE...
QUEM AMA SOFRE
SÓ NAO SOFREU QUEM NUNCA AMOU
EU SEI PORQUE EU AMO...
E SOFRO MUITO TODOS OS DIAS PARA MANTER ESSE AMOR INTACTO E COMO É DIFICIL
COMO É TRABALHOSO AMAR...
NAO SE SABE SE É PARA SEMPRE APENAS SE ESPERA QUE SEJA PARA SEMPRE...
MAS SABEMOS QUE O PARA SEMPRE...SEMPRE ACABA.....
ENTAO QUE SEJA ETERNO ENQUANTO DURE E SEJA INTENSO SE DURAR PARA SEMPRE.........

MICHELI PAFUME

Cora Coralina

Minha doce Ana
humildade que encanta
das suas mãos
a doce profissão.

Transformou a doçura em palavras
e palavras em poesia
e poesia em sentimentos
e sentimentos em pessoas.

Sem se importar com gramáticas
com escolas literárias
priorizou a mensagem
para a forma virar simplicidade.

Dos becos históricos de Goiás
o cotidiano da nossa gente
canônica eternamente
doceira das palavras.

Leva o Prêmio Juca Pato
com o carinho da sua gente
Ana, Aninha
nossa doce Cora Coralina.

Danielli Rodrigues
Inserida por danielliokamura

A CORA CORALINA
Cora- Coragem,
Cora- Poesia,
Cora- Palavra,
Cora- Protesto,
Cora- Justiça,
Cora- Paixao,
Cora- Mulher!
Na inquietação- Coralina,
Na procura- Coralina,
Nos combates- Coralina,
Nos Goiases- Coralina,
E de Cora Coralina
Veste-se a noite de hoje,
E de Cora Coralina
E o verbo que se fez verso!
Ave poesia, cheia de graça!
Nave Goias- Anhanguera,
BENÇÃO CORA CORALINA

Antonio Jose Junior
Inserida por juniorrv18

Cora coralina

Que desde menina
Mesmo sem ser muito letrada
Conseguiu abismar a moçada educada

Seus versos simples !!
Como de uma cabocla
Desse imenso Brasil
Varonil

Monstrou a todos nós ,
Que as mulheres
Desse pais continental
Que ela é a tal

Inteligente ......simples
Bem humorada
Deixou....... imaculada
Saudades em nossos corações

Raimundo grossi
Inserida por Rai1945

De Goiás a Brasília –
Memórias de Minas Gerais
[J.W.Papa]

E como se eu carpisse três quartos de chão duro de terra vermelha numa empreitada só, e ensimesmado olhando para o sol visse meu futuro por entre as folhas já quase secas de um abacateiro - sem abacates.
E a lua antes da hora de costume, já fosse se aproximando e se antecipasse a mim, feito os beijos quando são roubados.
E as estrelas raivosas não me alumiassem e desconjurando-me negassem seu pisco aos meus olhos, já marejados de tanta tristeza e solidão.
Feito se eu fosse de pedra, dos pés ao fio de cabelo mais encravado do couro cabeludo ou se eu fosse de veludo, feito o fundo mais profundo de uma caixinha dessas de guardar segredos e quinquilharias.
Feito se eu olhasse mudo a transição de mundos e a patifaria que ocorre todos os dias e em silêncio, tivesse de permanecer até que se secasse a última gota de suor de minha testa escaldada pelo calor dos raios deste sol enorme posto no céu de Minas Gerais.
E visse o vento ligeiro soprando ainda tímido por entre as frestas das coisas, trazendo-me a brisa, que me aliviaria por hora deste meu sofrimento.
Se pudesse, veria o vento, se curvando a todo tempo para não se chocar com a montanha avermelhada - do pó da terra que eu carpia logo ali perto!
Mesmo que topasse com onça brava no caminho ou outro bicho grande, destes que habitam as matas selvagens.
Mesmo se topasse de frente com bicho bravo, seguiria a pé pelas trilhas e pelos caminhos de terra por mais distantes que fossem, seguiria ereto e rijo até o ponto mais alto do vale.
E desceria o abismo escuro enrolado em cipó de macaco numa queda só, até a cachoeira d'alça d'água, só para me refrescar desta quentura toda.
E se eu fechasse a janela às três horas da manhã sem um pingo de sono sequer e me deitasse na cama de olhos abertos e ficasse olhando o escuro e tateasse o mundo, o meu mundo...
E pontilhasse no ar constelações inteiras de insetos luminescentes ponderando acerca de conferir ou não o incômodo do Xixixi... Das formigas e cupins desfazendo minha porta, transformando-a em minúsculas esferas de madeira marrom.
E eu acordasse todas as manhãs bem cedo desejando do fundo de minha alma que já fosse de noite, só para recomeçar tudo de novo.
Desejando que fosse esse, o meu mundo; que fossem esses, os meus sonhos; que fosse esse, o meu futuro!
E mesmo que esta terra nunca mais me quisesse, nem eu a quisesse, e mesmo que ambos não se quisessem - (E mesmo que eu não fosse daqui, e nessa terra não tivesse nascido) – só desejaria carpir um quarto desse chão de terra fértil, plantar uma roça inteira de pés descalços pisando o chão quente aquecido pelo sol.
Mesmo que o chão fosse duro e a terra fosse vermelha e a colheita não fosse assim tão farta, mesmo se a terra fosse arrendada do patrão, e os impostos para explorá-la fossem muito caros acima de minhas possibilidades, mesmo assim!
Mesmo que este chão não se tornasse meu um dia, mesmo que não se tornassem meus os sete palmos de terra prometidos a mim. Mesmo assim, seria um sonho!
Se deste sonho um dia me despertasse e nada me adviesse, mudar-me-ia para Goiás, mudar-me-ia para Brasília.
Quem sabe lá não encontrasse as minhas origens, as tais raízes... Que nos fazem querer retornar à nossa terra natal.
Que nos faz enxergar os traços em comum com gente que a gente nunca viu, mas se sente bem ao ver pela primeira vez, e é como se as conhecesse desde sempre.
E neste caso, voltaria para Goiás Velho, iria revisitar as memórias de Cora Coralina e quem sabe não escrevesse algum verso sentado em sua cozinha!
E perto do fogão a lenha, sentindo o calor do tacho quente a me aquecer no inverno sorriria, saboreando as delícias feitas pela poetiza. Com um pedaço generoso de bolo de milho com queijo às mãos e rodeado por vários cães e gatos manhosos, por todos os lados que olhasse me lembraria de Minas!
Dada toda essa alegoria política, talvez eu seja mesmo de Brasília, talvez seja um filho bastardo de Juscelino!
Pensava ser de Minas... Mas agora não tenho tanta certeza se sou. Se fosse de Goiás não me importaria.
Pensando bem... Vou para o Planalto Central tocar viola caipira, comer arroz feito com pequi e falar de política ao largo do Lago Paranoá.

J.W.Papa
2 compartilhamentos

ouço seu andar pelos morros dos meus olhos
nem sei se aqui é Minas
mas vejo pontas de minhas raízes ressequidas nessas páginas
conheço esse caminho de pedrinhas miúdas, reviradas...
florzinhas acanhadas, pisadas, maltratadas.

- aqui há sol! muito sol!
sua voz de nascimentos sopra-me versos

feinha vou milagrando em letras nas rachaduras
da dureza da vida
frágil, relutante, bravia...
integrando na lição terna

curvo em seu ouvido
-semear, vigiar, colher...

Ah, Aninha, ainda faço doces com suas receitas.

Fátima Fonseca

[...] E perto do fogão a lenha, sentindo o calor do tacho quente a me aquecer no inverno sorriria, saboreando as delícias feitas pela poetiza. Com um pedaço generoso de bolo de milho com queijo às mãos e rodeado por vários cães e gatos manhosos, por todos os lados que olhasse, me lembraria de Minas!


Fragmento do poema
"De Goiás a Brasília –
Memórias de Minas Gerais".

J.W.Papa
Inserida por JotaW