Poesia da Cerveja

Cerca de 226 poesia da Cerveja

GRITAR, so c for pra pedir uma cerveja...
AMOR, so c for pelo dono do bar...
BEIJAR, so c for o gato da revista...
CAIR, so c for na gandaia...
BASICO, so jeans...
GOSTOSA, so eu!!! logico neh???

pitanguinha
Inserida por Pitanguinha

Aviões do Forró
corrigir letra
De bar em bar
De mesa em mesa
Bebendo cachaça,
Tomando cerveja.

De bar em bar
De mesa em mesa
Bebendo cachaça,
Tomando cerveja.

Foi assim...
Que eu te conheci.

Olha que
Foi no risca faca
Que eu te conheci
Dançando...
Enchendo a cara
Fazendo farra
To nem ai...

Foi no risca faca
Que eu te conheci
Dançando...
Enchendo a cara
Fazendo farra
To nem ai...

De bar em bar
De mesa em mesa
Bebendo cachaça,
Tomando cerveja.

De bar em bar
De mesa em mesa
Bebendo cachaça,
Tomando cerveja.

Foi assim...
Que eu te conheci.

Olha que
Foi no risca faca
Que eu te conheci
Dançando...
Enchendo a cara
Fazendo farra
To nem ai...(x2)

eu
Inserida por ataner

A vida é como uma garrafa de cerveja.
Começa lacrada e é preciso força para abri-la.
Gelada, apetitosa, deliciosamente juvenil.
Sobe e desce, deita e levanta.
Escora-se em copos ou em bocas.
Afoga mágoas ou celebrações.
Mas o tempo lhe consome, torna-se amarga.
Já não tem mais tantos amigos, tantas companhias.
Só lhe resta o vazio, o nada, o âmbar trespassado pela luz.
A vida é como uma garrafa de cerveja.

Luiz Riva
Inserida por luizriva

Chegou sabadão e vou detonar
Tomando cerveja estou ou querendo te amar
É noite e o show do amor já vai começar
Dançando forró meu som vai te conquistar
Vou te tirar pra dançar voçê vai pira gira no salão
E vai beber remecher na batida lá do sertão

E quando cançar de dançar vou te dar carinho e paixào
Tu sentiras que viver e amar pra valer tem condição

Vladi Du Kavako
Inserida por VladiDU

Beber minha cerveja eu BEBO,
Jogar meu joguinho eu JOGO,
Contar umas piadas eu CONTO,
Cantar umas modas eu CANTO,
Trabalhar um pouco....
...Calma lá eu tô ocupado no FACEBOOK!

Leandro Nascimento
Inserida por LeandroNascimento

Economize agua beba cerveja

li um livro sobrre parar de beber resultado parei de ler

to na dieta da sopa deu sopa eu como

abbccc
Inserida por abbccc

Garçom, por favor! Uma cerveja.
Um isqueiro também... Esqueci do meu!
Ei, não me olha assim,
Olhe para dentro de si.
Não perca seu tempo recriminando-me,
Gastando seu dedo torto sobre mim.
Não se preocupe comigo, meu bem!
O veneno que mata,
Que apaga a alma,
Não faço uso!
Garçom, por favor! Mais uma cerveja!
Traga o isqueiro de novo,
Quero fumar mais um cigarro!

Camila Senna
Inserida por camilasenna

- E ai, Seu Moço?
Mudou de opinião, de endereço, de vida, de história, de marca de cerveja, de amigos, de caminho...
Mas e eu?
Continuo morando no seu coração?

Mell Glitter
Inserida por MellGlitter

Ela ria, sem nexo, enquanto enchia mais um copo de cerveja naquele bar de quinta onde tocava umas músicas do passado ao fundo.
Ela ria, mas chorava por dentro.
Chorava por causa de nada.
Como sempre, a dor dentro dela apertava involutariamente o botão do choro toda vez em que ele aparecia por perto, só ou acompanhado, bebendo ou fumando, chorando ou sorrindo. Ela chorava pois sabia que era feliz com ele e sem explicações o deixou.
Ele sentia falta dela no começo.
Agora os dois se amam e se odeiam, sentem falta e desprezo, lembram-se de tempos bons e tempos ruins.
Mas o orgulho de tomar a iniciativa, o beijo, o abraço, ou simplesmente o sorriso, não deixam que o doce amor daqueles amantes inocentes voltem.
E é triste saber que nada vai mudar essa história.

Roger Effe
Inserida por degenerativo

Hoje é sexta feira
A cerveja com cara de fim de semana
Dia de leveza, falar bobeira
Ver as horas de forma insana
Vestir a alma de anseio, de baladeira
Porque hoje é sexta feira...

Que não tem nada de santa
Pois agiganta a vontade rueira
Os goles zoeira na garganta
E os convites companheiros
É sexta feira! Somos brasileiros...

Bom final de semana!

Luciano Spagnol - Poeta mineiro do cerrado
Inserida por LucianoSpagnol

Família desencontrada
O verão é um senhor gordo sentado na varanda reclamando cerveja. O inverno é o vovozinho tiritante. O outono, um tio solteirão. A primavera, em compensação, é uma menina pulando corda.

( in: Caderno H, 1973.)

Mario Quintana
Inserida por portalraizes

Retumbante

Me dê 100 Reais. Eu vou sair e comprar R$90 de cerveja pra mim. Na volta, pensando em você, gasto R$4,50 com uma caixinha de Doril pra dor de cabeça que eu mesmo vou te causar, mais R$1,60 comprando um chá de Camomila e R$1,50 com um pacote de Clube Social. Aí você usa o Doril pra dor de cabeça quando souber que gastei a maior parte comigo,
depois bebe o chá pra se acalmar e come com satisfação o Clube Social. Então eu te dou o troco dos dez reais que gastei com você. No final você ainda me agradece, esquecendo completamente que os 100 reais deveriam ser gastos totalmente com você. Nunca vi uma maneira tão simples de explicar a forma como o governo e algumas igrejas controlam o seu dinheiro.

Fusco Abaré
Inserida por FuscoAbare

A cerveja foi um baita invento, depois, a estrada de ferro para leva-la mais longe. Porém ela azedava nos longos caminhos de trem.
Os porões também ficavam pequenos pra armazenar e conservar a produção.
Solução: oxigênio comprimido. Depois, oxigênio com hidrogênio, perfeito! Temos o freezer, bons negócios e bêbados.
Luis Pasteur, pasteurização, conserva a cerveja sem refrigeração.
Então, comprimindo oxigênio, hidrogênio mais etanol criamos o combustível dos foguetes, bombas e fomos a lua.
Conclusão: Nunca duvide das utopias, ideias e coragem de um bêbado, louco ou sonhador, você pode considera-lo um lunático e ele pode leva-lo até lá.

Leandro Pantera
Inserida por LeandroPantera

"Dai-me dois cigarros e uma cerveja.
Não vou beber, nem vou fumar.
Mas esta mesa de bar, e os objetos que vais buscar, a Ela sempre me fazem recordar."

Kaíque de Azevedo
Inserida por KaiqueDeAzevedo

O gelo foi feito para a cerveja na mesma proporção que o fogo foi feito para a picanha.
Nunca deixe a tristeza esquentar sua cerveja e esfriar a sua picanha.

Professor Galvão
Inserida por galvibest

Viva para o mundo de poesia, uma cerveja é poesia, o amor , a família os amigos
As paisagens naturais e artificiais tudo com amor é poesia.

rafael ladeia
Inserida por rafaelladeia

Instante mágico

Sentados na calçada, abrimos a última cerveja. A mágica noite ia ficando na eternidade. Não havia mais nada a ser dito. O silêncio continha todos os sentimentos do mundo.

RODRIGO OLIVEIRA
Inserida por rodrigooliveirasjc

Se em suas mãos
Há uma garrafa
E um copo de cerveja
Vem ser, me veja
Que eu quero lhe amar

Se em suas mãos
Há uma garrafa
E um copo de cachaça
Graça acha
Se eu quero lhe amar

Se em suas mãos
Há uma garrafa
E um copo de uísque
Me Leminski
Eu quero lhe amar

Se em suas mãos
Restou o vazio
O coração frio
O escuro calado
Que nem o silêncio fala
É nessa hora, que eu vou
Lhe amar.

Gabriela Oliveira
insta: @sejaamodaantiga

Gabriela Oliveira
Inserida por sejaamodaantiga

VAI MEXENDO

As gatinha fazendo fila
Na balada do aue
A cerveja ta gelada
Camarote tamo aer
Só mexendo só mexendo

Vai mexendo vai mexendo
Mexendo o bumbum
Vai tremendo tremendo
Tremendo o bumbum

Bum bum bum
Vai tremendo o bumbum
Bum bum bum
Vai mexendo o bumbum,

Ela vai empinar
Quando eu mandar
Não quero ver ninguém parado
É pra rebolar é pra rebolar

Vai mexendo vai mexendo
Mexendo o bumbum
Vai tremendo tremendo
Tremendo o bumbum

Bum bum bum
Vai tremendo o bumbum
Bum bum bum
Vai mexendo o bumbum

Poeta Antônio Luis

poeta antonio luis
Inserida por PoetaAntonioLuis

Logo ela, que cantava, encantava, tomava uns bons goles de cerveja, dava um sorriso sincero, fazia umas gracinhas e geralmente se despedia dizendo que hoje não, muito obrigada. Logo ela, que sempre teve uma quedinha por aproveitar a vida, que é tão curta quanto a mais comprida de suas saias. Logo ela, que sempre perdeu o celular, a carteira, o Bilhete Único, a hora e os campeonatos de cuspe à distância… É, parece que agora ela ganhou.

Dizem por aí que ela, valentona como é, ainda resiste a confessar que foi picada pelo mosquito da ternura – conta pra todo mundo que todas aquelas manchinhas avermelhadas foram obra dos borrachudos no último fim de semana de praia. E que todas aquelas risadas são obra de mais livros de anedotas que ela vem lendo. E que aquelas canções românticas cantaroladas meio que sem querer debaixo do chuveiro são mera casualidade. Mas ainda bem que, por mais que a gente tente impedir, o sentimento, quando é bonito, sempre cresce. E arranca as cascas, cicatriza as feridas, lava a alma. Bota uma dúzia de sorrisos no rosto por minuto, 300 ême-éle de chope sem colarinho no copo de vidro por noite e apetite pra bater um PF no capricho por almoço. Leva embora os nossos medos, as nossas mágoas, o batente da porta e o que mais estiver pela frente. E traz de volta a coragem de se arriscar. Porque sentir é para os fortes. Só para os fortes.

E se acaso ela chegar perguntando como é que todo mundo ficou sabendo que ela está apaixonada, diz que foi o passarinho verde e aquela mania HORRÍVEL que ele tem de sair fazendo fofoca da vida de gente de bem.

Bruna Grotti
Inserida por mylena15
1 compartilhamento