Poemas de Terror

Cerca de 457 poemas de Terror

Há um momento na vida
de terror definitivo,
de fracasso tremendo,
de sangrar a ferida.
Nada rende,
não há remendo,
nem consolo,
nem saída,
luta perdida,
a lágrima não significa,
o amor cruza os braços,
a saudade diz que vai
e fica.

É sem qualquer terror que eu vejo a desunião das moléculas da minha existência.

Creio no riso e nas lágrimas como antídotos contra o ódio e o terror. Os bons filmes constituem uma linguagem internacional, respondem à necessidade que os homens têm de alegria, de piedade e de compreensão. São um meio de dissipar a onda de angústia e de medo que invade o mundo de hoje... Se pudéssemos pelo menos trocar entre as nações, em grande quantidade, os filmes que não constituem uma propaganda agressiva, mas que falam a linguagem simples dos homens e das mulheres simples... isso poderia contribuir para salvar o mundo do desastre.

Ás vezes, a gente acha que atingiu o fundo do terror, desiste, e mesmo assim não morre.

Ensine seus filhos a fazer do palco da sua mente um teatro de alegria, e não um palco de terror.

Como um tempo de alegria, por trás do terror me acena,... E a noite carrega o dia, no seu colo de açucena... Sei que dois e dois são quatro, Sei que a vida vale a pena... mesmo que o pão seja caro e a liberdade, pequena...

Quem sabe o que é a verdadeira felicidade? Não a palavra convencional mas o terror manifesto. Para os solitários, usa máscara. A casta mais infeliz guarda alguma lembrança ou alguma ilusão.

No filme de terror a vitima sempre pergunta:
- Tem alguém aí?
Como se o assassino fosse gritar:
- Tô indo fazer compras, quer alguma coisa?

Deixe tudo acontecer a você
Beleza e terror
Apenas continue
Nenhum sentimento é final

Terror de te amar

Terror de te amar num sítio tão frágil como o mundo
Mal de te amar neste lugar de imperfeição
Onde tudo nos quebra e emudece
Onde tudo nos mente e nos separa

Nas noites escuras
As luzes da rua
Guiam meu caminho
Mudam meu humor, sem terror
Não existe medo, não existe angústia
Apenas eu e as luzes da rua.

Dias ruins.

Já houve dias ruins,
Dias sem sol,
Dias de temor,
Dias de terror,
Dias que me faziam implorar por um fim.
Houve sonhos partidos,
Flores secas e murchas,
Dores, cigarros,
Ruas e mais ruas.
Noites sem sono,
Noites de dramas,
Noites e noites sem cama.
Já sentei no escuro e esperei a luz,
Já pedi em pensamento agarrando-me a cruz.
Já pedi de olhos cerrados,
Com olhos abertos e molhados,
Já pedi, já perdi...
Mas o que eu queria era o fim.
Nem chance, nem fé, nem amor,
Incerteza, fraqueza,
Simplesmente a dor.
Passou, passou, ... passou.
Eu não vejo o fim,
O que o tolo falou,
Já passou, passou...
Graças a DEUS.

-Ela se matou...
-Como assim? Até hoje de manhã ela estava tão bem.
-Suicidas sempre carregam um belo sorriso no rosto.

Edward sempre havia pensado que pertencia ao mundo de histórias de terror. Claro, eu sabia que ele estava muito errado. Era óbvio que ele pertencia aqui. Ao conto de fadas.
E agora eu estava na história com ele.

O que há de característico no terror pânico é que ele não está claramente consciente dos seus motivos; mais os pressupõe do que os conhece e, se necessário, fornece o próprio temor como motivo do temor.

Eles foram fracos. Por isso é que morreram. E nós também fomos fracos. Por isso é que não conseguimos salvá-los.

Je Suis

Divirta-se com sua insanidade,
faça do terror obra de arte,
transforme harmonia em caos,
desordene a ordem das coisas.

Ordene que façam o errado,
seja o sádico,
faça um precipício,
atire-se e voe de olhos fechados.

Faça teu silêncio o grito mais alto,
queime-se por dentro,
corte-se por fora.

Ame a ti mesmo.
E morra, dignamente,
como o mais lembrado da história.

Mas, afinal, por que eu gosto de terror?
Talvez porque o terror hipnotize.
Porque impregna a alma.
E o terror alcança o subconsciente
em níveis em que as pessoas nem
imaginam que poderiam existir.
Mas, talvez, o principal motivo
seja o mais simples de todos:
o terror assusta.
Causa medo.

Meus olhos sem cor,
transbordam meu maior terror,
minha agonia, minha dor,
esse fato, te contagia,
tirando minhas forças.
Bebendo minha energia.

Quando a noite for
O muito de tudo
E um pouco do nada
Como nos filmes de terror
Ou nos contos de fada
Quando ela colocar o sol para dormir
Num sonho profundo
No silêncio se pode sentir
Todas as dores do mundo
Na calma madrugada