Poemas de João Pessoa

Cerca de 20 poemas de João Pessoa

Thalita
Ela entrou sem pedir nada, apenas sorriu.
E como fosse pouco, deu carinho, beijo e abraço.
E cada hora era minuto, se desfez o tempo e o espaço.
E, nos seus braços, algo de bom em mim surgiu.

Mas cada centímetro de distancia é dor, é falta.
E a ausência do teu cheiro é quase inexistência de ar.
E ela, serena, me acalma quando sua presença ressalta.
Menina dos olhos puxados, como não amar?

Abrace-me, como fez no primeiro dia.
Me enlace como se não houvesse outro dia.
E a cada dia eu sei que por você tenho mais desejo.

Pois quando estamos juntos somos apenas um.
Me diga, como não amar uma pessoa tão afetuosa?
Meu anjo, meu bem, antes de dormir, meu beijo.

Marcos Francisco dos Santos

João Pessoa.

Cidade verde e arborizada
onde o teu xaxado ecoa
dentre tantas tão amada
não conheço outra tão boa
de Parahyba à Filipéia
não tem um que faça ideia
o quanto eu amo João Pessoa.

Guibson Medeiros
Inserida por GVM

Estou aqui na Ponta do Seixas



Curtindo esse sol que vem dentro

É assim que tu me deixas:

No mais alto sol de primavera.



Vou caminhando aos poucos

Rumo ao Farol do Cabo Branco

Aos passos pensando no teu corpo

Colando no meu, o meu corpo é teu!...



Porque esse amor pela Paraíba

Não se explica, é uma poesia

Que dá até a impressão

De estar sendo vivida...

Voltei a ser menina!...



Nesse litoral pessoense,

Não tem como não viver contente...

É sempre um despertar novo

Ao lado dessa linda gente

- Sorridente!...







Estou aqui na Ponta do Seixas



Curtindo esse sol que vem dentro

É assim que tu me deixas:

No mais alto sol de primavera.



Vou caminhando aos poucos

Rumo ao Farol do Cabo Branco

Aos passos pensando no teu corpo

Colando no meu, o meu corpo é teu!...



Porque esse amor pela Paraíba

Não se explica, é uma poesia

Que dá até a impressão

De estar sendo vivida...

Voltei a ser menina!...



Nesse litoral pessoense,

Não tem como não viver contente...

É sempre um despertar novo

Ao lado dessa linda gente

- Sorridente!...








Estou aqui na Ponta do Seixas



Curtindo esse sol que vem dentro

É assim que tu me deixas:

No mais alto sol de primavera.



Vou caminhando aos poucos

Rumo ao Farol do Cabo Branco

Aos passos pensando no teu corpo

Colando no meu, o meu corpo é teu!...



Porque esse amor pela Paraíba

Não se explica, é uma poesia

Que dá até a impressão

De estar sendo vivida...

Voltei a ser menina!...



Nesse litoral pessoense,

Não tem como não viver contente...

É sempre um despertar novo

Ao lado dessa linda gente

- Sorridente!...

Anna Flávia Schmitt Wyse Baranski
Inserida por anna_flavia_schmitt

A Paraíba também é um local para amar

Seja no sertão ou no mar,

Contigo quero passear

De mãos dadas no Pavilhão do Chá.



Do alvorecer ao crepúsculo no Rio Sanhauá

Quero você agarrado na minha cintura,

Indo muito além do forrozar

Vamos juntos namorar...



Eis-me aqui, e você aí

Dá até para escrever uma letra de forró,

Quando você não está aqui

Porque foi na Paraíba que eu te conheci.



Não existe o 'cedo', e nunca é tarde

Para amar sempre existe tempo,

Aos poucos vamos nos aproximando

Por causa desse amor que está florescendo...

Anna Flávia Schmitt Wyse Baranski
Inserida por anna_flavia_schmitt

Eu tenho uma poesia para bordar

em fios de algodão colorido.

Escrevo com a liberdade que só

a poesia concede, e nenhuma arte

se [atreve...

Poeticamente posso escrever ainda

o quê nem sequer foi vivido,

- e mesmo assim ter muita história

para [contar

Acabei de chegar na Paraíba para

visitar dois amigos: Ariano e Solano.

Porque na Paraíba tudo rima,

até a dor vira poesia.

E no fundo todo brasileiro também

é [paraibano.

Quem abriu primeiro a porta

foi o Seu Marinheiro que logo disse:

"- Temos visão privilegiada do

nosso jardim para o Rio Sanhauá."

E o respondi:

"- Frei Pedro Gonçalves me contou

que o pôr-do-sol mais belo visto do

Rio Sanhauá no Brasil outro igual não há."

Três crianças acenaram da sacada

desejando a minha feliz estadia,

escutei os nomes entre as risadas:

Cícero, Cassio e Vital.

Fiquei admirada

com a empolgação da criançada!...

Porque hoje na Paraíba ainda há

um misto de esperança e desesperança

de um povo que se reinventa debaixo

do sol ou da chuva - e enfrenta a seca

com bravura, e jamais abandona a

ternura...

Na costa bem desenhada e na poesia

tramada com fino algodão, em verdade

voz digo:

"- Paraíba [joia menina], tu moras em meu coração."

Anna Flávia Schmitt Wyse Baranski
Inserida por anna_flavia_schmitt

Barba Azul...

João Pessoa Chora! A Penha estar de luto! Um de seus filho talvez o mais sagaz e astuto fez a passagem para o outro mundo...

Zé Ramalho contemporâneo de geração com consternação no coração em sua homenagem fez uma canção!

E esse hino ecoa nos quatro cantos da terra na boca de todos aqueles que fazem da efêmera vida, eterna!

Nos olhos desse tipo de gente vais perceber que sua pupila traduz sua crença e sua religião é sua vivencia!

A cidade estar fria, Cinza, Triste...
...por não saber que nosso Pirata ainda existi! Quem deixa filhos sobre a terra faz de sua vida eterna!

Úze.

AO SAUDOSO MESTRE:


Nascido em João Pessoa
Capital da Paraíba
O menino de voz rouca
Corpo esguio ou delgado
Aos seis anos de idade
Mudou-se com a família

Para a pequena Taperoá
A quem chamava o guri
Minha linda princesinha
Aonde se projetaram
Seus primeiros madrigais
Logo imortalizados

Na memoria dos mortais
Com a mãe compadecida
Das mentiras infernais
Do chicó, e seu escudeiro
Floreando os recitais
Mais tarde, já homem feito

Fazendo o erudito
Se misturar aos cordéis
Introduzindo as artes
Ao nascente ARMORIAL
Movimento que queria
Popularizar a cultura

Do nordeste e do Brasil
Associando a ela
A linguagem do sertão
Em seu cavalo de fogo
E traseiro alardeado
Se não fosse um alazão

Carregava em seu gibão
A pedra do rei congado
Como o maior legado
Do povo de seu sertão
Sem alarde,
E bem pouca cerimônia

Apenas um violino.
Tocando em reverência
A vossa triste partida
Partiste a se encontrar
No reinado da “SARON”
Com nossa compadecida

Vou encerrar com pesar
Nesse meu coração físico
A saudade desse mestre
Nas rimas que vão ficar
Eternamente inseridas
No coração ARIANO
Do nordestino aguerrido.

Carlos Egberto Vital Pereira
Inserida por NICOLAVITAL
1 compartilhamento

João Pessoa

Os atrativos turísticos da capital João Pessoa,
Vai desde as suas lindas praias como a Tambaú,
Ao seu estilo urbano com quadras de esportes,
Além da praia, muito visitada, naturista de Tambaba.
João Pessoa é um berço de paisagens inesquecíveis...
Têm atrativos na arquitetura dos últimos três séculos.
Orgulho do povo paraibano em todos os seus cantos,
Restaurada preserva um belo atrativo aos turistas!

Djalma CMF
Inserida por 81024673

Oscar Pereira, Princesa Isabel, João Pessoa, Castelo Branco;
Aporto no Salgado Filho.
Todos os dias mesmas ruas, mesmo lugares, mesmas pessoas;
Em meio a alegria, monotonia.
Só faz um dia que não te vejo, já faz um dia que não escrevo.
Ideias banais passam pela minha cabeça, mas nada que interessa, nada que aconteça, nada que desperte uma descrição.
A nostalgia invade a alma, sem avistar a íris que um dia refletiam os verdes campos, e que em outros, irradiam o céu azul.

Rogerio Dutra
Inserida por rogeriodutra

REGIÃO NORDESTE!

João Pessoa e Teresina
Natal, Aracaju e São Luis
Maceió é uma piscina
Salvador é a matriz
Fortaleza é cristalina
e Recife também turbina
o nordeste desse país.

Guibson Medeiros
Inserida por GVM

João Pessoa...

Por esse mar tenho carinho
na mais bela João Pessoa
tem cantar de passarinho
tem passeio na lagoa
eu não troco o sol quentinho
pelo frio de uma garoa.

Guibson Medeiros
Inserida por GVM

Fiz dois cursos no SENAT
De João Pessoa. Te digo:
Primeiro de instrutor de trânsito,
Depois de transporte coletivo.

Um outro fiz no SENAI,
E não sei se serve pra lavoura.
Esse foi em Pernambuco,
O de motoniveladora.

Paulinho Alves
Inserida por paulinhoalves

JOÃO PESSOA!

João pessoa sempre bela
arborizada a toda hora
o ar da natureza dela
sustenta a fauna e a flora
vida tranquila e singela
protege quem nasce nela
e acolhe quem é de fora.

Guibson Medeiros
Inserida por GVM

Em cada canto do coração

Está o teu cheiro - especiaria,

Vou embora para João Pessoa

Que é a Capital da Paraíba,

Tenho o Rio Sanhauá,

Já não morro mais de sede,

Tenho o teu corpo

Para me alimentar,

Já não morro mais de fome,

- tenho o teu coração

Para me guardar,

Protegida para sempre vou ficar.



Porque há uma confluência

Entre os nossos rios e rendas,

- tramas da vida e nas fazendas

Tecidas em fios de puro algodão.

Bate um coração por ti Paraíba

Aqui em Santa Catarina,

- não resistimos o chamado

Da quadrilha,

Sabemos que a maior ficar lá

Em Campina Grande,

Não há ninguém que resista

Ao toque do baião,

- por isso sou a tua amante

És a minha Paraíba amada,

Escrita nas estrelas

E no meu coração...



Existem mistérios

Que ninguém explica,

Assim nasceu o meu amor

Pela Paraíba,

Provocado pela majestade da

Princesa do Sertão.

Porque lá mora a dor

De um povo e uma poesia

Que Ariano me ensinou a amar!

Paraíba também é a terra

Do mar bem bordada em finas

Linhas de algodão que me cativaram,

Vou deixar esse amor me levar...

Anna Flávia Schmitt Wyse Baranski
Inserida por anna_flavia_schmitt

Não sei de tudo e de nada sei,
Mas sei que do tudo que ainda não sei, tenho muito para saber.

E se não sei, finjo saber.
Por capricho, talvez.
Ou seja a insensatez, do porquê, do querer, do saber.

Mergulho nas dúvidas, com o apetite voraz.
Quero saber sempre mais.
E ninguém precisa saber,
Que eu não sei se querer é pior que saber,
Basta apenas pensar, basta só inventar,
Iludir, enganar, que ninguém vai notar.

Quando o tempo passar,
Quando tudo voltar, assumir seu lugar.
Certamente estarei, rodeado de certeza,
Conhecedor por clareza,
Que com toda a certeza, a mais certa que sei,
Que por fim nada sei e nem quero saber.

Franklin Costa da Silva - João Pessoa PB

É quase noite.
É quase madrugada.
É quase dia.
No quase-quase,
O que se via, era quase nada.

Também podia.
Se a noite cansa,
E a madrugada enfada,
Certamente tudo, vira quase nada.

Se falta tempo, sobra uma vida inteira.
Se a vida é curta, ou passageira,
Melhor seria, que ao fim do dia,
Pode ser à noite,
A madrugada inteira,
Agradecer sem murmurar.
Em vez de praguejar, abençoar.
Fazer de conta,
Mentir pro sono.
Achar-se o dono.
Sorrir por dentro, sem se importar
Se a alguém por perto, pra questionar.

O que se faz em oculto,
Ou mesmo em público.
Não importa a razão.
Se faz consciente, mesmo sem gente.
Passa a ser importante, regozijante,
Vem do coração.

Preferir a noite e adiar o dia.
Não suportar o sono como companhia.
Estender razões pra encurtar pensamentos
E escutar a voz que vem lá de dentro.

Busca teu destino, como um bom menino.
Se achar que deve, e ao soar do sino,
Sobe em teus sapatos, calça teu caráter.
Vai na fé constante, passa adiante.
Esquece da hora e lembra dos motivos.
Seja só um pouco, mais compreensivo.

Era só uma noite,
Era só uma madrugada.
Mais o dia veio.
E se tudo é nada,
Nada ainda é tudo,
Porque nesse nosso mundo,
Nada se acaba.

Franklin Costa da Silva - João Pessoa PB
2 compartilhamentos

Já colori o céu de azul e já retirei o verde do mar,
Já passei dias debruçado na noite vendo o luar dissipar.
Vislumbrei a esperança perdida num olhar ofuscado e sombrio.
Encontrei reais razões para a vida e assim assumi desafios.

Quando me achei me perdi, porque ainda não tinha me achado.
Vagava dias a fio eternecidamente amargurado,
Confundido pelos próprios olhos que só enchergavam o passado.

Foi numa dessas que ouvi uma voz mansa e bravia,
Que me entregou uns minutos e me falou de alegrias.

Quando não tinha mais sonhos a voz me ensinou a sonhar.
Quando o amor me faltava ela ensinou-me a amar.
Dar esse amor inconsciente que deve estar escondido,
Acreditando que nada se aprende sem nunca se haver esquecido.

Agora mais pleno de mim,
Mais cheio da esperança inaudita,
Prossigo em passos mais firmes
Buscando as respostas da vida.

Desta feita não mais me perturbo,
Pois sei onde espero chegar.
E se em lugar nenhum estiver,
Estarei aqui, no mesmo lugar.

Franklin Costa da Silva - João Pessoa PB
Inserida por franklincosta2

O cavalo alado dos meus sonhos

Um cavalo castanho pardo
galopa feilz ao vento.
E suas asas douradas
por desconhecidas estradas
estão levando meus sonhos
para muito além do meu tempo!

E no colchim,nos meus sonhos,marrados
feixes de esperanças em flor
entre pedras, seixos e cascalhos
certamente hão de florir
quando o verdadeiro amor
definitivamente,na minha vida surgir!

E neste dia então, em cavalgada
a caravana da fecilidade
pelo amor conduzida
há de acampanhar na minha vida.
.......................................
E sob um céu pontilhado de estrelas
entre principes,fadas e princessas
Lá,bem distante,em uma cidade encantada!

Josenete Dantas( Faculdade de Direito-1968-João Pessoa-PB)
Inserida por josenetedantas

Josias Mendes nasceu em Recife, pernambuco, em 1971. Veio para João Pessoa, capital paraibana, em 1986. É formado em filosofia, poeta, professor e autor de inúmeros artigos que nos fazem refletir sobre o mundo e o real valor da vida. Seus textos, pela sensibilidade e exuberância, são capazes de hipnotizar quem os lê.

autor, filosofia, poesia
Inserida por josiasmendes2

Ponto mais oriental das Américas, João Pessoa recebe os primeiros raios de sol do Brasil, e também oferece 56 praias naturais, cenário ideal pra se aventurar, Dona do Maior São João do Mundo com 30 Dias de festas, Campina Grande é destaque nacional no Forródromo, na gastronomia brasileira de comidas típicas, e somente em Campina Grande o algodão nasce colorido. Destaque tambem para outras cidades que se destacam por suas riquezas minerais e historicas. A Paraíba é Autossificiente.

Inaciano Almeida
Inserida por inaciano_almeida