4 min. de leitura | indicado para +3 anos

Era uma vez um príncipe que desejava uma princesa, mas ela deveria ser uma princesa de verdade. Ele viajou ao redor do mundo para encontrar uma, mas sempre havia algo de errado. Havia muitas princesas, mas se eram princesas de verdade ele tinha muita dificuldade em descobrir; sempre havia algo que não estava certo sobre elas. Por fim, ele teve que voltar para casa e estava muito triste porque queria tanto uma princesa de verdade.

Uma noite houve uma terrível tempestade; trovejou e a chuva caía em torrentes; na verdade, foi uma noite terrível.

No meio da tempestade, alguém bateu no portão do castelo e o próprio rei foi abrir para descobrir quem era.

Era uma princesa que estava do lado de fora, mas ela estava em um estado terrível por causa da chuva e da tempestade. A água escorria de seus cabelos e roupas; entrava no topo dos sapatos e saía no salto, mas ela dizia que era uma princesa de verdade.

_ Bem, logo veremos se isso é verdade, _ pensou a velha Rainha, mas ela não disse nada.

Ela foi para o quarto, tirou toda a roupa de cama e colocou uma ervilha, depois pegou vinte colchões e empilhou-os em cima da ervilha, e depois vinte colchões de penas em cima dos colchões. Era ali que a princesa dormiria naquela noite. De manhã, eles perguntaram como ela havia dormido.

‘- Oh, terrivelmente mal! - Disse a princesa. - Mal fechei os olhos a noite toda! Deus sabe o que estava na cama. Eu parecia estar deitada sobre alguma coisa dura, e todo o meu corpo está marcado nesta manhã. Isto é terrível!'

Eles perceberam imediatamente que ela devia ser uma princesa de verdade quando conseguiu sentir a ervilha em vinte colchões e vinte camas de penas. Ninguém além de uma princesa de verdade poderia ter uma pele tão delicada.

Então, o príncipe a tomou para ser sua esposa, pois agora ele tinha certeza que havia encontrado uma princesa de verdade, e a ervilha foi colocada em um museu, onde ainda pode ser vista se ninguém a tiver roubado.