Coleção pessoal de Eliot

1 - 20 do total de 1087 pensamentos na coleção de Eliot

⁠Regresso a Casa -

Regressa a casa um homem de coragem,
pálido mármore sombreado pelo tempo,
perfil endurecido, severa imagem,
fria, cinzelada sem voz nem pensamento!

Um mágico silêncio carregado de virtude,
constância, altruísmo, um tão alto nivel
que por tal destino, por tal vicissitude
ficou de tantas memórias insensível ...

Homem de grandes causas, um mecenas,
uma Alma d'oiro que a Évora se abraça
como às aves se abraçam suas penas.

E passa o tempo, vai-se a vida, tudo é vão,
mas hoje, de regresso, bem vindo a casa,
Jose Maria Ramalho Perdigão.

⁠Hora d'alba -

Não te esqueças, à hora d'alba, meu amor
quando me vires dormindo no silêncio da vida
que nunca vivi por mim mas por te amar
até àquele instante da nossa triste despedida.

E aqui, sem ti, não me resta nada mais,
mas se assim é, se assim vivi, agora,
todos vós que me assistis porque procurais
entre os vivos quem morre de hora a hora?!

A noite perdeu-se da madrugada
o dia reclinou amargamente frente á Lua,
ao fundo, já se vê o fim da estrada
e o movimento da casa continua ...

A hora d'alba vestiu de luto todo o corpo
ficou vida nas entrelinhas por viver
ergueu-se a solidão nos versos d'um poeta
e tudo o que ficou nas nossas bocas por dizer.

Testemunho -

⁠Nunca te canses de pedir a Deus
que te Guie na direcção certa!
Contra tudo e contra todos se preciso fôr,
sempre na recta de Deus,
salvaguardado a vida, esse Dom tão precioso ...

⁠Chave Partida -

E p'lo infinito silencio que brota aos molhos
das tardes soalheiras de quem vive à calma
há cansaços que caem dos olhos
p'la grandeza da imensidão da alma.

E há pessoas que trazem o céu na mão,
um vento frio, uma aragem, o âmago da cor,
mas por serem essa imensa vastidão
vestem-se de cansaço por amor.

E Trazem nos dedos gestos de poesia
em versos repetidos contra o vento
vivem de noite, dormem de dia
já não tem mão no próprio pensamento.

E o que fica depois de tudo terminar?!
... dor, saudade, noite e solidão ...
A promessa de seguir, a vontade de ficar,
a chave partida na porta do coração!

⁠Memória -

A vida é um vai e vem
que tantas vezes vai e vem
e volta sem sentido.
Tantas outras, muitas,
é um jardim florido
cheio de rosas plantadas
à beira mar...

É um campo a Céu aberto
onde o rir e o chorar
nos invade o coração.
Hoje, a saudade, a solidão,
cae-me dos olhos
do rosto para a mão.

Horas que te embalei no berço,
te aninhei em meu regaço ...
Oiço-te a voz,
sinto o teu abraço.
Há um eco profundo no meu
coração de mãe,
um vazio austero que páira
pelo mundo.
Um címbalo de prata,
um vento frio,
uma ausência também.

Óh carne da minha carne,
sangue do meu sangue,
parte da minha Alma ...
Arde em mim o teu amor,
a palavra mãe na tua boca,
e a dor é tanta que me vejo triste e louca.
E na verdade a vida é tão pouca,
tão pouca ...

Não sei onde encontrar-te.
Haverá rios ainda que corram
em qualquer parte?!
Mães que amamentem filhos?!

Em mim não nasce nada.
Só a fé de quem está cansada.
E esta noite vou adormecer
na minha cama
pensando em ti
minha doce Mariana.

(Poema para uma amiga que perdeu uma filha.)

⁠Quero sentir -

Quero sentir os teus dedos carregados de luar
onde nenhum dos teus gestos é mais que permanência.
Quero sentir-te ... amar, correr,
voltar ... sentar à mesa dos momentos que não tivemos junto ao mar.
E à beira dos instantes de mãos dadas com a vida,
olhar p'ra dentro, contemplar a tua imagem contra a minha, numa só,
tu esperando por mim eu adormecendo junto a ti.
Quero tocar-te, 'inda que não estejas, seguir a voz do vento que galga horizontes, conduzindo a minh'Alma à tua. E quando finalmente te encontrar amar outra vez ... aqui, ali, na rua ...
Pudesse o tempo não agir no pensamento e o que há em nós jamais se esgotaria.
Nada passaria por passar!
E o que seria?! Nada! Apenas nada!
Breves instantes suspensos por aceitar!

⁠E conforta-me saber
que não Somos deste mundo
que há algo maior que o ter,
mais eterno, mais profundo ...

Se aqui a VIDA não começa
nem tampouco aqui termina
p'ra quê ter tanta pressa
em viver numa rotina?!

E se um dia Voltaremos
ao sitio de onde Somos
o que temos perderemos
já não pomos nem dispomos!

Mas quantas vezes pela dor
passará nosso destino
até voltarmos com Amor
a seguir esse Caminho?!


Nos teus olhos há coisas que não leio
mar alto sem ondas nem maré,
fortuna, amor que quis mas nunca veio
e continuamente me tem tirado a fé.

Em mim há uma fadiga que se instala,
um lamento, uma agonia que se inscreve,
a musica por fim já não me embala
e a falta do teu toque não é leve.

Só penso no teu beijo amargo e quente ...
... ái ... aquele instante doce e morno
onde nada do que foi é já presente
e vive o pensamento ao abandono .

Se tu pudesses ver o que não vês
as lágrimas inundam a nossa cama
só lembram nossos corpos na nudez
entrelaçados em gestos de quem ama.

Fica entre nós algo vazio que nunca é
dois olhos que se tocam num enleio
a tua perna encostada no meu pé
a minh'Alma reclinada no teu seio.

⁠Toque Brando -

Eu não sei se morro ou vivo
quando o teu olhar toca no meu
- minha casa, meu silêncio, paraiso -
mas se o meu olhar toca no teu
sinto que o meu sonho está cumprido.

Talvez te prometa um toque brando
meu corpo frio, ágil, louco
minh'Alma de quando em quando
tudo o que trago, um grito rouco
talvez te prometa um verso branco.

Sonho-te a dormir num longo abraço
mar salgado de bruma e espanto
e prometo que passo a passo
te hei-de ser um doce canto
p'ra me aconchegar em teu regaço.

Não te prometo nada do que disse
meu pássaro de sangue, rio de medo
talvez se fosse outro o não sentisse
mas digo-te e digo-te em segredo,
não volto a repetir o que já disse.

⁠Eu sou livre -

Eu sou livre como os pássaros
como as bandeiras ao vento
que trazem barcos e poetas
e na memória dos Bárbaros
é na passagem do tempo
que permaneço como brecha!

Eu sou livre como a morte
como dois apaixonados
que se amam e se destroem
e lembro-me, por sorte,
daqueles dias cansados
que por doerem já não doem!

Eu sou livre como a chuva
como as folhas ao vento
como a voz de uma criança
e como lágrimas de viúva
sou como o pensamento
livre que se alcança!

Eu sou livre de prisões
das prisões do sentimento
das memórias dolorosas
e nas minhas afeições
quando amei o sofrimento
fiz-me livre como as rosas!

⁠Diz aos dias -

Diz aos dias que passem rápido
para vires para o pé de mim
o destino malogrado é sádico
juntou-nos e afastou-nos por fim!

Vai ... diz aos dias que passem,
não consigo viver assim, sem ti,
grito aos teus braços que me abraçem
desde aquele instante em que te vi.

E aqui estou, despido em hora exacta,
sinto-te passar sob uma aragem,
és saudade que não tem data ...

Há entre nós uma longa margem
um címbalo de bronze e prata
que prega no meu corpo a tua imagem.

⁠Lembrem-se de mim -


Lembrem-se de mim por aquilo que sempre fui
não guardem este meu estranho e triste fim;
na verdade neste mundo nada se possui
guardem em vocês o melhor que houve em mim ...

Amem enquanto é possivel, a morte nao avisa,
vou-me embora, vou passar a outro mundo
mas não chorem, que não haja despedida
porque o misterio onde habito é mais profundo.

A saudade ficará em meu lugar, bem o sei,
mas levo-vos em mim para o sitio onde vou
guardem, cada um, todo o amor quanto vos dei.

E no ocaso do momento, não vos digo adeus,
mas não batam à minha porta, já lá não estou,
porque agora entrego a minh' Alma a Deus.


(... se tiverem saudade isso significará o vosso amor por mim porque a saudade é o amor que fica ... a saudade nada mais é do que a presença da ausência ...)

⁠Ao Abandono -

Mal nos vimos brotou a palavra amor,
os olhares, os gestos, um toque de ventanias ...
As vontades, os sonhos, tudo da mesma cor,
"eu gosto de ti" - tantas vezes me dizias!

E havia qualquer coisa de paisagem
na expressão do teu olhar magoado
carregando de solidão a tua imagem
cheia de memórias do passado.

E pus as mãos sobre o teu corpo
na distância, na vontade de o tocar,
pensei que fosses minha casa, meu porto

mas foste um sonho que ao passar
me deixou ao abandono, absorto,
nas margens do silêncio a chorar ...

⁠Ao pé de ti sinto-me perto
da parte de mim que está
distante.
Sou mais inteiro junto a ti ...

⁠Que o Corpo e o Sangue de Cristo
arrefeçam as chamas do Purgatório
e aliviem as Almas especialmente as
mais abandonadas.

⁠O Tempo Dividido -

Que nenhum silêncio beba
dos teus olhos ...
Nenhuma estrela toque a
tua noite ...
Que nem de madrugada
se pronuncie o teu nome
porque em ti já nada é puro ...
Não há sonhos ...
Não há ondas em mar alto ...
... nem vontade de ser livre
com o vento.
Só há coisas vagas!
Palavras vãs no interior do
tempo dividido.

⁠Não houve amanhã -

- Avó.
Sim ...
- O Amor acaba quando as pessoas morrem?!
Claro que não!
- Mas o coração deixa de bater e deixa de sentir ...
Meu querido quando um relógio pára o tempo deixa de passar?
- Não.
Com o coração é a mesma coisa. Pode parar e deixar de bater mas o amor que trazia nunca vai passar porque o deixou ficar por onde passou.
- Que bom avó ... assim a avó ficará para sempre comigo e eu consigo!
Para sempre meu amado neto ... para sempre.
-Até amanhã avó.
Até amanhã meu neto.

... mas não houve amanhã e o texto cumpriu-se.

⁠Overdose -
(o Corpo entre o "demónio e a Alma" )

Abre-se uma estranha porta ao desconhecido ... um infinito de punhais, um demónio sem rosto.
Algo entra - profundo, intenso, poderoso, dominador.
A Alma humana é empurrada a um precipício de trevas internas angustiantes. Desce-se aos infernos da psiqué num continuado estado de permanência, um purgatório interior que sufoca, controla, manipula, por tempo indeterminado.
Uma dificil luta interior entre esse estranho que se instala e nós próprios que queremos, exigimos o corpo de volta.
É ser caçado dentro de nós mesmos sem ter meio de fuga. Só a força interior nos pode proteger, a fé e a vontade de voltar a ter "a casa" de volta e expulsar o invasor.
E nessa batalha travada no corpo evidenciam-se o demónio e a Alma.
A eterna luta entre o Bem e o mal. Aproximam-se Seres. Alguns querem proteger-te outros querem ter oportunidade de tomar-te o corpo também.
E tu, ali estás, como um vidro partido, parado a meio tempo, estático, diminuido, num passo de impasse sem saber o teu destino ... rezando ... porque parte de ti está consciente mas a outra já foi tomada.
É um medir de forças injusto e doloroso. Altera-se a percepção da realidade. Há paranóias, alucinações, desorientações sem espaço nem tempo, estados de pânico continuos e progressivos. A ansiedade parece lentamente diminuir ... mas volta sem piedade.
E há náusias, vómitos, tonturas, não te sentes nem te vês.
Uma espiral que ora sobe, ora desce, conforme a tua força interior sobe para a tua fuga e desce para te enterrar. Um vai e vem onde a meio da luta a tua já pouca humanidade consciente te traz à parte do cérebro que pouco dominas, imagens, histórias, pessoas, vivências, sonhos, planos, saudades dos mortos, medo de perder os vivos, é um quase descontrolo que o outro lado te gera pelo medo, pela ângustia, pela ansiedade.
E é aí nesse limbo que te situas!
Não adormeças, não podes adormecer, não deixes que "ele" te convença que adormecendo vai passar, é mentira, se adormeceres "ele toma-te", todo, por inteiro.
E a questão não é se acordas, mas sim, como acordas.
Podes nunca mais voltar a ser o mesmo.
Enfrenta-o, sê tu, determinado a deteres o teu corpo de novo mas verás que nada voltará a ser como foi. Não serás o mesmo mas serás mais forte ...

⁠Gonçalo Salgueiro
por Ricardo Maria Louro-

Quando tu nasceste
no céu da tua noite
cintilaram as estrelas mais doces
ouviram-se as melodias mais ternas.
Fixaram-te os horizontes fugidios
dançaram os poentes sobre o mar
e até a Lua, envergonhada,
se ocultou do firmamento!
O vento, ora vento brando, ora vento Norte
cantou ao menino d'oiro ...
És tu o vento! Um sopro de saudade...
E há quimeras, há silêncio - pausa e silêncio,
obtusas lágrimas por chorar, carentes em galgar-te a face!
Porque as seguras?! Porque as susténs?!
Porque as não derramas se quando caem
transformam-te o canto, moldam-te os versos,
abrem-te a Alma ...
Deixa que docemente te humedeçam a face
e te possuam o timbre da voz.
Por ti! Por mim! Por todos nós!
E depois ... depois sorri ... sorri chorando
nas margens de um rio junto ao tronco
de um Salgueiro, aí, onde morrem e renascem
as lendas dos amores ...
... eternas, sagradas, intemporais.
Tu estás vivo, tu és vida!
"Deixa que os mortos sepultem os seus mortos ..." e segue, veste a roupagem das andorinhas
e canta, canta, porque dás mais vida à vida
com teu canto e tudo renasce,
tudo é novo, de novo!
Não os oiças! "Eles" não sabem o que dizem!
Avança no trilho do coração ...
E um dia ... um dia tudo será como antigamente
porque voltarás aos braços quentes da tua Mãe ... para sempre!

*Para o cantor, fadista e autor Gonçalo Salgueiro.

⁠Silêncios e matizes -

Sem ti, meus dias tristes são lilases,
sempre à espera daquilo que nunca dizes
do tanto que de ti anseio e nunca fazes
do teu olhar pintado de silêncios e matizes.

Lá longe mal te vejo mas ainda ouço
o som dos poemas que te compus
sinto um aperto, uma corda no pescoço,
como se fosse um Sol em contra luz.

Há nos campos flores brancas e amarelas
de toda a parte oiço a voz das ventanias
há gente espreitando p'las janelas
encostada à sombra dos seus dias.

E o vento traz o eco do teu nome
um estranho odor de oliveira e de mel
mas hoje, de ti, ainda tenho fome
louco que sempre fui p'la tua pele.