Cartas de Aborto

Cerca de 68 cartas de Aborto

Como pode o Estado – isto é, um delegado de polícia, um promotor de justiça ou um juiz de direito – impor a uma mulher, nas semanas iniciais da gestação, que a leve a termo, como se tratasse de um útero a serviço da sociedade, e não de uma pessoa autônoma, no gozo de plena capacidade de ser, pensar e viver a própria vida?

Luís Roberto Barroso

Mas eu sinto que o maior destruidor da paz hoje é o aborto, porque é uma guerra contra a criança – um assassinato direto da criança inocente - assassinato pela própria mãe. E se nós aceitamos que uma mãe pode matar até mesmo sua própria criança, como nós podemos dizer para outras pessoas que não matem uns aos outros?

Madre Teresa de Calcutá
153 compartilhamentos

Aborto Não!

Eu ia ser sua razão de viver,eu ia segurar na sua mão quando tivesse medo.
Você ia me dar abraços e todos os confortos.
Nós iriamos enfrentar os problemas juntos.
Eu iria te magoar,mas você iria me perdoar e me ensinar.
Eu iria cuidar de você mamãe,eu já te amava.
Mas,você me abortou,eu tento entender mãe,mas era minha única oportunidade.

Rayanne Matos

Eis porque o aborto é um pecado tão grave. Não somente se mata a vida, mas nos colocamos mais alto do que Deus; os homens decidem quem deve viver e quem deve morrer.
Se aceitarmos que uma mãe mate seu filho dentro do próprio ventre, como poderemos impedir que as pessoas matem umas as outras?
Dizer que há bebê demais é como dizer que há flores demais.

Madre Teresa de Calcutá
68 compartilhamentos

[ ABORTO ]

Diante da gravidez indesejada,
a jovem desesperada diz a si mesma:
“Minha mãe vai me matar!”,
então escolhe o caminho
que lhe parece mais fácil,
o aborto.

Lá dentro do útero,
se pudesse se expressar,
o filho também diria:
“Minha mãe vai me matar!”,
mas a escolha não lhe cabe,
está morto.

Luciano Caettano

Mãe que aborta, mãe que abandona, mãe que troca o filho por qualquer coisa mais "importante" é mãe desafeiçoada!
E você pai? Acha que só mãe tem obrigação e que você faz um grande favor quando dedica tempo para o seu filho? Faz sim, um grande favor para você mesmo, plantando amor no coração de seu filho. Hoje ele quer você, amanhã você é que vai querer ele!
Mulheres abortam por existir caras como você!
O Adão culpou a Eva, a Eva culpou a serpente, e você culpa quem por tanta maldade neste seu coração?

Neste jogo de egoísmo quem sofre mais é o único que não teve culpa nenhuma! Até quando você vai querer se ver livre dele?

Quem não é capaz de amar nem um inocente, amará quem?

Nannye Dias
290 compartilhamentos

Desabafando sobre a realidade...
OBS: Leia até o fim e NÃO, NÃO é sobre política, é sobre VIDAS!
Tento entender e acabo não entendendo: Porque pessoas vivem meramente para viver sem se importar com o próximo? Porque jovens estragam as suas vidas com drogas e bebidas? Porque a mãe gravida pensa em aborto e porque o pai que tanto quer ser homem não é homem para assumir seu filho? Mundo egoísta, seres humanos ameaçados por questões políticas, pessoas baleadas nas ruas, pessoas morrendo nas filas dos hospitais, hoje crianças amanhã adultos analfabetos, A QUE PONTO CHEGAMOS NESSE MUNDO? Cidades com nem 10 mil habitantes e o tráfico está dominando a juventude, MEU DEUS, onde chegaremos, quem fará algo?
E antes que você venha falar que estou falando de política, eu falo que NÃO, NÃO é política, isso é aquela briga em família que muitos filhos estão cansados de ver, aquela separação de pais que estressou a criança, a falta de educação de qualidade, a falta de vontade de educar de alguns pais, ESSE É O MUNDO SENDO CRUEL COM QUEM "MERECE" CRUELDADE, a dor será eterna, muitos de nós já perderam ou esqueceram alguém por causa de alguma idiotice desse mundão ao inverso, O CERTO É ERRADO E O ERRADO É CERTO...
++MAIS AMOR
-MENOS ÓDIO
+++MAIS HUMANIDADE
-MENOS ÓDIO
++++MAIS VIDA
-MENOS ÓDIO
+++++MAIS DEUS
-MENOS ÓDIO
++++++MAIS SAUDADE
----MENOS ÓDIO, MENOS, MENO, MEN, ME, M,........ #PAZ
Recomeçar, o ser humano precisa entender que é necessário um novo começo com menos ÓDIO, e mais AMOR!

Gean Marcos Kaspary
1 compartilhamento

O direito das mulheres a uma vida sexual ativa e prazerosa, como se reconhece à condição masculina, ainda é objeto de tabus, discriminações e preconceitos. Parte dessas disfunções é fundamentada historicamente no papel que a natureza reservou às mulheres no processo reprodutivo. Mas justamente porque à mulher cabe o ônus da gravidez, sua vontade e seus direitos devem ser protegidos com maior intensidade.

Luís Roberto Barroso

O aborto pode ser combatido mediante a adoção. Quem não quiser as crianças que vão nascer, que as dê a mim. Não rejeitarei uma só delas. Encontrarei uns pais para elas. Ninguém tem o direito de matar um ser humano que vai nascer: nem o pai, nem a mãe, nem o estado, nem o médico. Ninguém. Nunca, jamais, em nenhum caso. Se todo o dinheiro que se gasta para matar fosse gasto em fazer que as pessoas vivessem, todos os seres humanos vivos e os que vêm ao mundo viveriam muito bem e muito felizes. Um país que permite o aborto é um país muito pobre, porque tem medo de uma criança, e o medo é sempre uma grande pobreza.

Madre Teresa de Calcutá

ABORTO NÃO - Respeito a opinião de quem é a favor do aborto.
Mas discordo que a mulher deva escolher entre abortar o filho ou ter. Eu acredito que o correto é ela ter a liberdade de escolher, em fazer um filho ou não fazer. Outra coisa, as situações mudam, e nos surpreendem a cada segundo, então o que ontem era desespero hoje é felicidade.Quem tem filhos,deve entender o grandioso amor incondicional que sentem por eles. Lembrei-me de algumas avós, que quando descobrem que a filha engravidou, brigam, xingam mas quando o netinho(a) nasce, transformam o coração de vó em o de uma segunda mãe.Eu sou a favor da VIDA e entrego a Deus a decisão de retirá-la.

Collares
Inserida por ColaresFilho

⁠Os falsos moralistas cristãos,
são aqueles que se dizem cristãos e são a favor do aborto. Criticam a fornicação, criticam a imoralidade, criticam novelas, pornografia, roupas curtas, e tantas outras coisas, mas, sobre o aborto, concordam plenamente, não defendem a vida de um inocente! triste!
Cristãos hipócritas!!!

08/03/2021

Marcio de Medeiros

Enquanto o país está em luto por Chapecó... Aborto é
indiscriminadamente liberado, projeto de medidas anticorrupção é rasgado e deliberadamente adulterado, terroristas vandalizam contra e PEC dos gastos, e agora está nas mãos do Temer sancionar ou vetar a lei "mela-jato"... E só pra constar: Enriquecimento ilícito de funcionário público pode sim! É ilícito, mas no caso deles é lícito, entendeu???
Paramos por ai ou ainda vem mais desgraça?
Acho que já deu pra 2016.

Ket Antonio
Inserida por ketantonio

Na campanha contra o aborto vejo muitos apelos com o seguinte argumento:

Ex: tenho 20 anos, mas já tive 03 meses. Não ao aborto!

Sem querer fazer apologia ao aborto, mas como o meu pensamento vai sempre na contramão da maioria, um dom que graças a Deus me foi permitido ter, bem como eu faço questão de provocar a mesmice intelectual e confortável da maioria das pessoas, deixo aqui uma reflexão para todos que acreditam na reencarnação.

Todos nós já tivemos três meses e, inclusive, já fomos "porra". Se o processo de aprendizado e resgate cármico, através da reencarnação, começasse pela "porra" já pensaram que todos já fomos desovados em vasos sanitários por diversas reencarnações quanto "porra" que fomos antes de recebermos o certificado de os mais "espertos"?

Desculpa aí a expressão "porra", mas é o termo popular mais fácil para todos entenderem. Desculpa aí a possível confusão na cabeça daqueles que não são limitados, logo possuem uma mente mais aberta para considerar novos conceitos levando em conta o avançar dos tempos, da ciências e das experiências humanas. Desculpa aí o incômodo aos que não se permitem crer em nada que vai além das velhas, e muitas vezes encantadas, escrituras. Desculpa aí por não pensar sempre igual.

Graça Leal
Inserida por Gracaleal
1 compartilhamento

Sou contra o aborto, todavia sou a favor da liberação ou descriminalização dele. É o corpo da mulher, o templo dela. Há o livre-arbítrio e a responsabilidade de cada um. Não julgo quem faz. Só me entristeço pela alminha que não pode nascer.
Há tantas crianças precisando de casa e de afeto, a sociedade deveria manifestar-se mais para que essas crianças fossem bem cuidadas, para um mundo melhor para TODOS.

Moacir Almeida
Inserida por MoacirAlmeida

Aborto sem motivos?

A pergunta a que os portugueses terão de responder no referendo tem, pelo menos, um mérito: não se enreda na explanação de putativos motivos que possam suportar a legalização do aborto.
Não se apela para motivos, porque, na verdade, não há motivos para abortar. Só que esta sinceridade causa arrepios e provoca calafrios. Ela resvala para a arbitrariedade, já que a única razão que se aduz é a «opção da mulher»!
Ou seja, o ser humano em gestação pode ser viável e pode ser perfeito. Mesmo que o não fosse, não deixava de merecer respeito. Desde que a mulher grávida manifeste vontade de abortar, a lei passará a permiti-lo!
Não se percebe como é possível filiar esta posição na promoção dos Direitos Humanos. Há quem prefira uma posição demissionista, deixando ao arbítrio de cada pessoa o caminho a seguir.
Em tal caso, a sociedade não deveria opinar, o Estado não deveria intervir. Só à mulher grávida caberia optar. O princípio seria o da liberdade individual. É um argumento pouco sólido e muito perigoso.
Pouco sólido porque a mesma liberdade individual não é requerida para outras situações. A liberdade individual pode ditar o não pagamento de impostos. O Estado aceita? A liberdade individual pode sugerir o furto de bens alheios? A sociedade concorda?
Mas trata-se igualmente de um argumento deveras perigoso. É que a liberdade individual é um direito e um dever. Não pode esquecer jamais a vida e a liberdade dos outros. A liberdade que não respeita será liberdade? Homenageará a liberdade do próximo? Não é legítimo pensar apenas em liberdade de. Urge incluir sempre a liberdade para.
Será que, numa matéria tão sensível como a vida humana, o Estado poderá deixar ao abrigo da liberdade individual a decisão final e a opção definitiva?
Não deverá ser o Estado o garante de valor tão importante que está na base, aliás, de todos os outros valores?
É claro que esta condição de garante não pode circunscrever-se ao plano judicial. É necessária toda uma ambientação a montante, isto é, a criação de condições para que, antes de mais, a vida humana seja desejada e, depois, para que se fomente o seu desabrochamento com dignidade.
Haverá quem alegue que a penalização do aborto não devolve ninguém à vida. Mas, pelo menos, não fomenta a sua eliminação. Agora, a despenalização é que não protege nem ajuda a salvar nenhum ser humano.
Daí que não seja possível (sem um brutal contorcionismo de raciocínio) a alguém declarar-se contra o aborto e, ao mesmo tempo, propugnar a sua despenalização.
Invocar a tolerância e a cultura da misericórdia para este caso não é admissível. Primeiro, porque a lei já é suficientemente moderada e a sua aplicação é bastante mitigada. E, segundo, porque a misericórdia tem de ser dirigida, acima de tudo, para os mais desprotegidos. Alguém tem dúvidas quanto a isto? Não é o feto que está mais desprotegido?
A penalização não é, em primeira instância, contra a mulher. É um instrumento de defesa e protecção do nascituro. De resto, a justiça, em nenhum caso (mesmo no domínio penal), tem um objectivo vindicativo. Tem, sim, um claro objectivo preventivo e curativo, protegendo os mais indefesos.
É importante enquadrar esta questão em toda a sua globalidade, não a parcelando. Colocar o enfoque na mulher grávida constitui, pois, um enviesamento do problema, menorizando a principal vítima.
Isto não equivale a ignorar a situação dramática por que passam tantas mulheres. Este ponto não há-de ser jamais negligenciado. Não se pode, contudo, engrossar o já elevado número de vítimas.
Fundamental é apoiar as vítimas, dando-lhes a ajuda necessária e o estímulo preciso. Alguém que se prepara para ser mãe (para oferecer uma nova vida ao mundo) merece todo o carinho.

NetSaber
Inserida por DavidFrancisco
1 compartilhamento

PASSAGEM

O que olha, o olhar do morto fixo no teto,
Pensa no aborto no feto,
No filho que seria o prodígio,
Porque os que vingaram,
Envolveram-se com drogas,
O que pensa o defunto?
Pensa no gerúndio do verbo morrer
Pensa nas coisas que deixou de dizer,
Pensa nos abraços que deixou de dar,
Pensa na esposa que deixou de amar,
Pensa no particípio do verbo finar
O que pensa o finado
No féretro fechado
No pranto caindo de alguém preterido
No pretérito imperfeito
E no mais que perfeito
Do verbo acabar
Acabara bem antes do lapso, do colapso

O que olha o olhar do morto,
Num ponto indeterminado,
Pensa no pigarro, na cirrose,
Pensa no enfisema,
Na cachaça que não mais beberia,
No cigarro, que não fumaria ...
O que olha o olhar do defunto,
Germes, vermes em festa,
Por um novo presunto,
A passagem? Alguma paisagem?
Trevas ou luz?
Ou A singular possibilidade de renascer?

Tadeu G Memoria
Inserida por tadeumemoria

Muitos pró-aborto vêem o embrião como um potencial ser humano. Contudo, está claro para mim e para muitos outros, que os dados biológicos nos dizem que um embrião, mesmo em seus primeiros dias, é um ser humano com potencial.
Todo o ser humano possui esta qualidade desde o início de sua existência, ou seja, desde o momento da fecundação.
O ser tem prioridade sobre o chegar a ser, o ato sobre a potência.
Para poder ser, a pessoa já deve ser. O embrião humano é um ser com potencialidade e não um ser em potencial.

professor William Reville, da University College Cork
Inserida por JAMIGO

MORTO POR UM ABORTO

(Esta poema é produto de uma ficção que traz à tona o veemente repudio do próprio feto, contra UM CRIME CHAMADO ABORTO.)


Mãe! Eu consigo e você comigo,
Poderíamos viver juntos por muito tempo
Se não fosse esse seu inescrupuloso intento,
Prestes a decretar minha não-vinda.
Esse intento que desenfeita a beleza feminina
De dois corpos num só.
Que desvenda o mal que você apronta,
Ao ilustrar na tela do desrespeito à vida
Ao apresentar a aparição dos contras
E o desenrolar da eliminação dos prós.


Mãe! Eu que queria ser o fruto de sua existência.
A rósea flor da sua façanha,
Regada com o choro da criança que viria,
Sou, no entanto, um botão pisoteado num canto.
SOU UMA CRIATURA sendo abatida, sem clemência.
SOU UM SER sendo assassinado nas entranhas,
Sob os mandos e desmandos
Da frieza, da perversidade, da covardia.


Mãe, como é pecaminoso esse seu delito!
Emolduras um quadro com falso desenho.
Colas um cartaz com rasurados manuscritos,
Ocultando, no ventre, a falência de seu juízo,
Ao agredir-me, às escondidas, com golpes doloridos,
Certificando-se, assim, que não mais tenho
O vigor que possuí outrora.
O calor materno daquela ocasião...
Nos minutos daquelas horas.


Mãe, eu me perco na escuridão desse desafeto
E, pouco a pouco, desfalecendo,
Sou um feto doado à dor e à agonia.
...Me remexo, me enfraqueço.
Desfaço-me nesse embaraço
Que tanto me judia.
Que me tinge com o corante da violência.
Que me queima com o fogo do sofrimento,
Levando-me a saborear
A ceia das conseqüências,
Como o mais recomendável dos alimentos.


Mulher!
Você é simplesmente mulher, adiante,
Porém, jamais pura ou sublime.
Você não é mais digna
Da minha admiração que se finda,
Ao ser impiedosamente detonada, explodida,
Pela exterminadora sem-vergonhice do seu crime.
Você, pra mim, vale menos que uma moeda,
Pois a gestante que se preza não pratica isso:
Não ignora a semente de sua vida,
Pondo-lhe um maltratante sumiço.


Mulher, conclui-se o seu insensato desejo!
Sei que, prematuramente, sairei.
Que sua barriga logo... logo eu a deixarei,
Para entre os seres vivos não permanecer.
Para não dar e nem receber
Sequer um... um único beijo.


Agora, mulher!
Agora... agora tudo está para ser desfeito.
Se o arrependimento a fizer voltar atrás,
Não será possível dar um jeito,
Porque já é tarde demais.
Porque eu já presencio a morte
Vindo ao meu encalço, ao meu encontro,
E, daqui a alguns segundos,
Ela fará com que eu esteja morto.
Morto por sua conduta contrária.
Morto por seu aborto.
Por essa injustiça cruel e voluntária,
Que me traz o ponto final
De um total desconforto.


Adeus,
Mulher que não quis dar-me ao mundo.
Adeus,
Mulher que não quis ser a minha mãe.
Adeus...
É o meu irremediável fim... ADEUS!

Poema de autoria do escritor Odair Rizzo, de Catanduva - SP.
Inserida por odair123
1 compartilhamento

ABORTO

Sou filho de seus anseios
Que com beijos e afagos
Afegante de respiração
Colocou-me intenso
Bem perto do teu coração.

Tive a chance de uma vida
De ver a luz tão querida
Sem direito e sem sopro
E sem chance de nascer
Transformou-me em aborto.

Sem mãe e sem futuro abrigo
Tive a chance de ser filho
Quem sabe ser professor
Que sem me deixar viver
Tirou-me mesmo sem dor.

Poderia também ser doutor
E viver para salvar
Mas sem direito de vir ao mundo
Com um antídoto qualquer
O que fez, foi me tirar.

Se todas as mães do mundo
Pensassem assim por segundo
O que seria do criador
Hoje não existia vida
E nem Cristo redentor

Antonio Montes
Inserida por Amontesfnunes

Doloroso Crime

- E o aborto provocado, Assistente? - inquiriu Hilário, sumamente interessado. - Diante da circunspecção com que a sua palavra reveste o assunto, é de se presumir seja ele falta grave...

- Falta grave?! Será melhor dizer doloroso crime. Arrancar uma criança ao materno seio é infanticídio confesso. A mulher que o promove ou que venha a coonestar semelhante delito é constrangida, por leis irrevogáveis, a sofrer alterações deprimentes no centro genésico de sua alma, predispondo-se geralmente a dolorosas enfermidades, quais sejam a metrite, o vaginismo, a metralgia, o enfarte uterino, a tumoração cancerosa, flagelos esses com os quais, muita vez, desencarna, demandando o Além para responder, perante a Justiça Divina, pelo crime praticado. É, então, que se reconhece rediviva, mas doente e infeliz, porque, pela incessante recapitulação mental do ato abominável, através do remorso, reterá por tempo longo a degenerescência das forças genitais.

- E como se recuperará dos lamentáveis acidentes dessa ordem?

O Assistente pensou por momentos rápidos e acrescentou:

- Imaginem vocês a matriz mutilada ou deformada, na mesa da cerâmica. Decerto que o oleiro não se utilizará dela para a modelagem de vaso nobre, mas aproveitar-Ihe-á o concurso em experimentos de segunda e terceira classe ... A mulher que corrompeu voluntariamente o seu centro genésico receberá de futuro almas que viciaram a forma que lhes é peculiar, e será mãe de criminosos e suicidas, no campo da reencarnação, regenerando as energias sutis do perispírito, através do sacrifício nobilitante com que se devotará aos filhos torturados e infelizes de sua carne, aprendendo a orar, a servir com nobreza e a mentalizar a maternidade pura e sadia, que acabará reconquistando ao preço de sofrimento e trabalho justos...

XAVIER, Francisco Cândido. Ação e Reação. Pelo Espírito André Luiz. FEB. Capítulo 15.

Pelo Espírito André Luiz
Inserida por AmauriMelo
1 compartilhamento