Textos de Escritores Famosos

Cerca de 102 textos de Escritores Famosos

Coração de escritor.
Escritores são pessoas mais sensíveis e apegadas as outras pessoas e memorias do passado, não é a toa que eles escrevem seus sentimentos.

Eles gostam de expor o que pensam ou o que sentem, fazer de um sentimento um texto poético, sempre tentando criar suas próprias histórias ou memórias.

O fato de poder escrever já é uma maravilha, nós amamos isso, é mais que um passa-tempo, o que nós escrevemos vem de nossos corações, e isso é o verdadeiro coração de escritor.

Heverton Hardt
Inserida por HevertonHardt
1 compartilhamento

Coração de escritor.(parte 2) ´´A inspiração´´.
A inspiração de poetas ou escritores vem das coisas mais simples do nosso cotidiano desde vendo uma bela paisagem ou até inspirações sobre outras pessoas,alguém em especial, ou,lendo outros poemas e livros.
Para um escritor escrever um poema, digamos assim ,ele passa por um processo de vida e renascimento,eles nem sempre são iguais aos outros até podem ser.
Mas cada um tem seu sentido e temática abordada, sem se esquecer que cada poema tem seu gênero pode ser sobre : filosofia,amor,morte,motivação na vida e etc..

Heverton Hardt
Inserida por HevertonHardt
1 compartilhamento

Os mas aclamados poetas, escritores e autores dão vida a sua arte, de forma que muitos possam ver e poucos entender.
Sou visto como desconhecido entre as letras, minhas aventuras muitas vezes se resumem e puçás palavras, que são lidas apenas por amigos ou de sangue, são poucas as palavras que uso, mas elas dão fora a frases claras a todos que assim as recebem.

Victor Muller
Inserida por victormuller
1 compartilhamento

LEIA COM CUIDADO

Demétrio Sena, Magé - RJ.

Escritores escrevem sobre o que sentem. E o que não sentem. Sobre o que sabem que a sociedade vive. Ou não vive. Falam do amor e a dor que choram, do amor e a dor que o semelhante chora. O escritor é um intérprete visionário da humanidade. Absorve os dramas e as alegrias, as frustrações e os sucessos, a grandeza e a mesquinhez do ser humano, e depois devolve ao mundo em forma de literatura.
São muitos os escritores que dizem quase ou tudo em primeira pessoa. E por essa intimidade, muitas vezes fazem com que segundas e terceiras pessoas, as que fazem parte do seu convívio, se julguem citadas ou inseridas, de formas positivas ou não, em seus escritos. Isso é bom, porque a mensagem os alcançou, e pode ser mau, se alguém acha que foi direta e publicamente flagrado.
No caso das formas negativas, cabe um conselho às tais segundas e terceiras pessoas: tomem cuidado com a injustiça. Por mais que o contexto de algum escrito aparentemente as flagre, aponte ou denuncie, na maioria das vezes - maioria, mesmo - quem o redigiu não pensava especificamente nesta ou naquela pessoa. Pensava no mundo. Na sociedade. Pensava na vida.

Demétrio Sena - Magé-RJ.
Inserida por demetriosena
1 compartilhamento

Onde a maioria dos escritores buscam segurança?

O desejo de segurança é um impulso normal do ser humano, e está mais predominante na maioria dos escritores, que, em vez de buscá-la numa intuição direta e pessoal, buscam-na na adesão coletiva às tendências de prestígio, encontrando alívio e proteção no sentimento de estar em dia com a opinião de seus leitores (ou com aqueles que tal lhes parece), não aceitando ser replicado ou que discordem de suas ideias. Isto é angustiante, porque fazem da inteligência uma mera soma de opiniões, ao invés de colocá-la na ordem da razão, perdendo oportunidades de contribuir na formação dos leitores.
A estes escritores, meu silêncio é imenso!

Rosemary Chaia
Inserida por Rose05
1 compartilhamento

Escritores

Escutei que hoje é dia do escritor:
daqueles antigos, eternos,
novos, modernos...
todos.


Tem escritor que escreve pouco,
mas com algumas palavras
já diz muito.


Tem outros que escrevem torto,
mas de um jeito cativante
e louco.


É bom mesmo brincar com as palavras.


Tem escritor que escreve bilhete em guardanapo,
mas fica com vergonha e esconde os versos
embaixo do prato.


Tem escritor que é amigo,
cada palavra tem um tom
de conforto e abraço.


Tem escritor que está ainda por vir,
ainda lendo alguns textos
que o motivará a escrever e depois sorrir.


Tem escritor que escreve e nem percebe
que em 140 caracteres todo dia diz o que quer
e alcança homens e mulheres.


Tem escritor por todo o canto,
tem escritor eternizado
e também os desvalorizados.


Tem dias em que ninguém se lembra dos escritores,
assistem sempre nas novelas os atores,
admiram, mas se esquecem dos autores.


Em cada esquina
há um escritor oculto:
na esquina da padaria,
da pracinha
e até num rabisco no muro.


Aqui vai o meu obrigada...
A cada poeta
que com algo bom nos presenteou.
A todos escritores
que as palavras conheci.


E é claro, quero registrar aqui
os meus singelos parabéns
a cada leitor,
que faz despertar milhões de sentimentos
no coração de um escritor.

Sarah Magalhães
Inserida por sarahmagalhaes
1 compartilhamento

É engraçado falarmos sobre amor, porque não há uma definição precisa. Alguns escritores mostram o sentimento como forte, avassalador e até ‘’cruel’’, porem na minha nada humilde opinião o amor é como um elo entre as pessoas, uma força inquebrável, um alicerce seguro, uma rocha inabalável. Quando crescemos encontramos uma pessoa muito especial, esta nos completa. Então decidimos viver nossa vida com ela. O fruto desta união é uma benção, sem a qual hoje vocês não estariam recebendo esta homenagem, são os filhos. Portanto a missão de vocês é cria-los com amor e dedicação, educa-los com sabedoria e justiça e prepara-los para que um dia eles possam receber esta benção. Afinal, ser pai é muito mais do que criar uma criança. É estar ali quando ela mais precisar, é estender as mãos quando ele achar que não tem saída, tirar as duvidas que um dia você teve, compartilhar suas felicidades, e assim como nosso pai Celeste faz conosco, é orienta-lo durante a caminhada. PAI, ser um não é para qualquer pessoa, poucos conseguem ter capacidade de ver que tudo que ensinou, teve um resultado benéfico. Todas as broncas e puxões de orelha especialmente pelas notas fez com que seus filhos se tornassem cidadãos exemplares e pessoas maravilhosas. Ter um filho e ter um pai é uma dádiva de Deus, e embora o dia dos pais seja todos os dias, precisávamos de um para declarar o quanto vocês são importantes e o quanto nós os amamos.
Deus os abençoe!

Débora Siqueira
Inserida por Debyhs
1 compartilhamento

MANIAS DOS ESCRITORES




O escritor Wolfgang Von Goethe escrevia em pé. Ele mantinha em sua casa uma escrivaninha alta.


O escritor Pedro Nava parafusava os móveis de sua casa a fim que ninguém o tirasse do lugar.


Gilberto Freyre nunca manuseou aparelhos eletrônicos. Não sabia ligar sequer uma televisão. Todas as obras foram escritas a bico-de-pena, como o mais extenso de seus livros, Ordem e Progresso, de 703 páginas.


Euclides da Cunha, Superintendente de Obras Públicas de São Paulo, foi engenheiro responsável pela construção de uma ponte em São José do Rio Pardo (SP). A obra demorou três anos para ficar pronta e, alguns meses depois de inaugurada, a ponte simplesmente ruiu. Ele não se deu por vencido e a reconstruiu. Mas, por via das dúvidas, abandonou a carreira de engenheiro.


Machado de Assis, nosso grande escritor, ultrapassou tanto as barreiras sociais bem como físicas. Machado teve uma infância sofrida pela pobreza e ainda era míope, gago e sofria de epilepsia. Enquanto escrevia Memórias Póstumas de Brás Cubas, Machado foi acometido por uma de suas piores crises intestinais, com complicações para sua frágil visão. Os médicos recomendaram três meses de descanso em Petrópolis. Sem poder ler nem redigir, ditou grande parte do romance
para a esposa, Carolina.


Graciliano Ramos era ateu convicto, mas tinha uma Bíblia na cabeceira só para apreciar os ensinamentos e os elementos de retórica. Por insistência da sogra, casou na igreja com Maria Augusta, católica fervorosa, mas exigiu que a cerimônia ficasse restrita aos pais do casal. No segundo casamento, com Heloísa, evitou transtornos: casou logo no religioso.


Aluísio de Azevedo tinha o hábito de, antes de escrever seus romances, desenhar e pintar, sobre papelão, as personagens principais mantendo-as em sua mesa de trabalho, enquanto escrevia.


José Lins do Rego era fanático por futebol. Foi diretor do Flamengo, do Rio, e chegou a chefiar a delegação brasileira no Campeonato Sul-Americano, em 1953.


Aos dezessete anos, Carlos Drummond de Andrade foi expulso do Colégio Anchieta, em Nova Friburgo (RJ), depois de um desentendimento com o professor de português. Imitava com perfeição a assinatura dos outros. Falsificou a do chefe durante anos para lhe poupar trabalho. Ninguém notou. Tinha a mania de picotar papel e tecidos. "Se não fizer isso, saio matando gente pela rua". Estraçalhou uma camisa nova em folha do neto. "Experimentei, ficou apertada, achei que tinha comprado o número errado. Mas não se impressione, amanhã lhe dou outra igualzinha."


Numa das viagens a Portugal, Cecília Meireles marcou um encontro com o poeta Fernando Pessoa no café A Brasileira, em Lisboa. Sentou-se ao meio-dia e esperou em vão até as duas horas da tarde. Decepcionada, voltou para o hotel, onde recebeu um livro autografado pelo autor lusitano. Junto com o exemplar, a explicação para o "furo": Fernando Pessoa tinha lido seu horóscopo pela manhã e concluído que não era um bom dia para o encontro.



Érico Veríssimo era quase tão taciturno quanto o filho Luís Fernando, também escritor. Numa viagem de trem a Cruz Alta, Érico fez uma pergunta que o filho respondeu quatro horas depois, quando chegavam à estação final.


Clarice Lispector era solitária e tinha crises de insônia. Ligava para os amigos e dizia coisas perturbadoras. Imprevisível, era comum ser convidada para jantar e ir embora antes de a comida ser servida.


Monteiro Lobato adorava café com farinha de milho, rapadura e içá torrado (a bolinha traseira da formiga tanajura), além de Biotônico Fontoura. "Para ele, era licor", diverte-se Joyce, a neta do escritor. Também tinha mania de consertar tudo. "Mas para arrumar uma coisa, sempre quebrava outra."


Manuel Bandeira sempre se gabou de um encontro com Machado de Assis, aos dez anos, numa viagem de trem. Puxou conversa: "O senhor gosta de Camões?" Bandeira recitou uma oitava de Os Lusíadas que o mestre não lembrava. Na velhice, confessou: era mentira. Tinha inventado a história para impressionar os amigos. Foi escoteiro dos nove aos treze anos. Nadador do Minas Tênis Clube, ganhou o título de campeão mineiro em 1939, no estilo costas.


Guimarães Rosa, médico recém-formado, trabalhou em lugarejos que não constavam no mapa. Cavalgava a noite inteira para atender a pacientes que viviam em longínquas fazendas. As consultas eram pagas com bolo, pudim, galinha e ovos. Sentia-se culpado quando os pacientes morriam. Acabou abandonando a profissão. "Não tinha vocação. Quase desmaiava ao ver sangue", conta Agnes, a filha mais nova.


Mário de Andrade provocava ciúmes no antropólogo Lévi-Strauss porque era muito amigo da mulher dele, Dina. Só depois da morte de Mário, o francês descobriu que se preocupava em vão. O escritor era homossexual.

Vinicius de Moraes, casado com Lila Bosco, no início dos anos 50, morava num minúsculo apartamento em Copacabana. Não tinha geladeira. Para agüentar o calor, chupava uma bala de hortelã e, em seguida, bebia um copo de água para ter sensação refrescante na boca.


José Lins do Rego foi o primeiro a quebrar as regras na ABL, em 1955. Em vez de elogiar o antecessor, como de costume, disse que Ataulfo de Paiva não poderia ter ocupado a cadeira por faltar-lhe vocação.



Jorge Amado para autorizar a adaptação de Gabriela para a tevê, impôs que o papel principal fosse dado a Sônia Braga. "Por quê?", perguntavam os jornalistas, Jorge respondeu: "O motivo é simples: nós somos amantes." Ficou todo mundo de boca aberta. O clima ficou mais pesado quando Sônia apareceu. Mas ele se levantou e, muito formal disse: "Muito prazer, encantado." Era piada. Os dois nem se conheciam até então.


O poeta Pablo Neruda colecionava de quase tudo: conchas, navios em miniatura, garrafas e bebidas, máscaras, cachimbos, insetos, quase tudo que lhe dava na cabeça.



Vladimir Maiakóvski tinha o que atualmente chamamos de Transtorno Obsessivo-compulsivo (TOC). O poeta russo tinha mania de limpeza e costumava lavar as mãos diversas vezes ao dia, numa espécie de ritual repetitivo e obsessivo.



A preocupação excessiva com doenças fazia com que o escritor de origem tcheca Franz Kafka usasse roupas leves e só dormisse de janelas abertas – para que o ar circulasse -, mesmo no rigoroso inverno de Praga.



O escritor norte-americano Ernest Hemingway passou boa parte de sua vida tratando de problemas de depressão. Apesar da ajuda especializada, o escritor foi vencido pela tristeza e amargura crônicas. Hemingway deu fim à própria vida com um tiro na cabeça.



O poeta português Fernando Pessoa tinha o hábito de escrever sob diversos pseudonimos, cada um com um estilo e uma biografia próprios. Ente os pseudonimos adotado estão Ricardo Reis, Alberto Caieiro e Álvaro de Campos.

Extraído de um site
Inserida por andre78reis
1 compartilhamento


Há quem se encante com as palavras dos escritores, e mergulhem em sonhos românticos de como seria interessante e uma intensa aventura, poder namorar ou viver ao lado destas figuras. A grande verdade, e que seja dita e devidamente enfatizada, é que você nunca deveria querer namorar um escritor.

Geissiane Aguiar
Inserida por usernamegui
1 compartilhamento

Escritores são assim. Acreditam nas maiorias das coisas que se falam por ai. Acreditam nos mais variados contos de fadas e nas histórias de amor do tipo Nicholas Sparks. Mas é que a vida é baseada em outra história, e as coisas ruins levam sempre a algum lugar melhor. Assim eu espero.
Será que as pessoas mudam ou elas se revelam?
Você bem que poderia responder: Foi você que nunca se preocupou em ver o outro lado…
Digite aqui o você de fato sente por mim, para abrir a porta e poder ficar.

Geissiane Aguiar
Inserida por usernamegui
1 compartilhamento

"Poetas, pintores, filósofos, escritores... Todos, inquietos viajantes de mundos abstratos por onde passeiam suas almas em voos solitários, se perdem e se distanciam da louca realidade das coisas concretas. Como assustados pássaros, vagueiam fugidios a desenhar matizes de incompreensíveis aquarelas”. (Mauricio A Costa, em 'O Elo Invisível' - O Mentor Virtual II - Campinas-SP)
Lançamento em breve...

Maurício A. Costa
Inserida por 1712PIGGY1208
1 compartilhamento

E não atoa que tenho me encantando por poetas e escritores que se aprofundam na América Latina... Assim, é possível encontrar as raízes desta árvore, incessantemente podada, e tentar entender os frutos de hoje, inclusive eu.
Atualmente colhemos a ignorância, plantada pela cruz e espada, perpetuada pela aculturação, maciça, de crenças, valores, estereótipos e modelos de sistemas que se sobrepõem aos demais com a desculpa do desenvolvimento...
Da história, parcialmente contada, glorificou-se a dominação covarde, a imposição das regras e estilos arquitetônicos que condenaram à destruição de construções e cidades, genuinamente locais. Na cidade do México, por exemplo, a Catedral metropolitana simboliza a arrogância dos dominadores, foi construída sobre o Templo maior dos Astecas... fizeram o mesmo no Perú, no Brasil....e em todos os países da América Latina.
Permanecemos “colonizados”... Criaram padrões que unificam o jeito de“ser”, o “como fazer” e como “crescer”... Continuamos a ser podados, a imperatividade permanece, infelizmente.
Estamos perdidos, há muito, mas se a profecia de Galeano acontecer, um dia seremos parte, enfim, de uma árvore frondosa e imponente: Uma América Latina orgulhosa e unida.

Rene Magalhães
Inserida por patriciafil
1 compartilhamento

O Escritor

Vivemos em um Era de escritores fascinantes, onde todo escritor se expressa com uma linguagem distinta.
Culturas Poéticas, Literárias, Romantismos, Reflexões, tudo nos leva em lugares que o universo dos sentimentos e imaginação nos trás um aperfeiçoamento bruto...
Com pleno conhecimento que tenho sobre os Dons que Deus dá para o Seu Humano, me pergunto... Como Deus dá um Dom tão surreal ao Ser Humano, onde tudo se encaixa no seu devido lugar no mundo escriturístico...?
Para um escritor de verdade, basta ter uma simples pedaço de papel que todos os elementos químicos que a vida o proporciona viram mágica, onde toda inspiração nasce com naturalidade como as ondas do mar se formam com esplendor.
Escrever é transforma tudo que a vida tem de melhor em Arte, assim como todo sofrimento de converte em alegria, cada lagrima numa eterna euforia, assim como o medo se vive na superação, a perda se apega na renovação....
O Escritor, Ele não quer Vender Milhares de Exemplares, ele quer Arrancar prantos de Olhares sofridos, um Sorriso do coração abatido, um suspiro do Amor correspondido, Esperança do Amor Oprimido.
O Verdadeiro Escritor Ele Transforma Sentimentos Em Letras.

Diego Garitano
Inserida por DiegoGaritano
1 compartilhamento

Querem a lista dos escritores brasileiros de esquerda que NUNCA consentiram em prostituir sua arte no leito da propaganda? Comecem por pensar em Graciliano Ramos, Érico Veríssimo. Alvaro Lins, Paulo Duarte, Paulo Emílio Salles Gomes, Sérgio Milliet, Carlos Drummond de Andrade, só para dar umas amostrinhas.
Estar na "direita" não autoriza você a pensar por estereótipos ou a ignorar a história da cultura nacional.

Olavo de Carvalho
Inserida por Ashlon
1 compartilhamento

"Os escritores são uma terceira força, que se põe entre governo e povo, entre a atividade dos políticos e o silêncio geral da população. Criam os escritores a linguagem que une toda a população. Essa terceira força, entretanto, só é significativa se for independente.

O poder dos escritores está na força de persuasão. Embora sejam frequentemente desconsiderados, em razão de sua impotência, são os escritores que dão vida às formas de representação e aos modos de pensamento. Tudo quanto fazem quiçá não passe de pregação no deserto, mas através dessa atividade se revelará talvez o que põe o mundo em movimento."

Karl Jaspers
Inserida por Ashlon
1 compartilhamento

AOS ESCRITORES, NO SEU DIA MUNDIAL

Sobre o ato de escrever, não se trata de coragem, ou de algo sobrenatural, se escrevemos é porque sentimos necessidade, isto ocorre sem os tambores de uma epifania.

Escrever é uma forma natural de comunicação entre os humanos, mas se fosse possível os gatos, cachorros e até baratas escreveriam, não se trata portanto de uma coisa espetacular...

Escrever não engradece a alma do escritor acima do pedreiro, do médico ou do professor... Somos todos da mesma essência, humanos...

Parabéns aos que com sua escrita acrescentam conteúdo, sobretudo, amor e paz à humanidade.
Evan do Carmo

Evan do carmo
Inserida por EvandoCarmo
1 compartilhamento

Os escritores muito Procuram
As mais belas histórias
Com sentimento, muito amor e carinho
Como aqueles contos de Fadas
Que faça Sucesso
Que seja mesmo de emocionar
Com aqueles olhares
Como na Bela Adormecida
Com um beijo apaixonado
Como na Branca de Neve
Com aquela incrível dança
Como na Cinderela
Mas Pouco Sabem
Que a nossa história é a maior inspiração para criar a delas

Geovana Souza
Inserida por GeehSouza9
1 compartilhamento

Muitos escritores fazer ‘’ romances, dramas…’’ por experiências vividas, eu não, escrevo o que não vejo, não vi, não vivo nem vive, apenas escrevo.
Podem pensar que sou lunático, não, não sou. Sou apenas mais que quer sentir o Amor como o Ar, não é preciso ver ele apenas deixa ele passar, e sentiras que para falar sobre ele não precisa do passado, mas sim do presente porque é esse que nos leva ao futuro.
Escrevo ‘’ cartas, poemas, prosas…’’ sobre Amor, Dor, Desejo e mais, mas vos garanto que não os tenho em minha mente, para mim eles são apenas ‘’um texto’’ não importa qual a sua Natureza, levo a vida para onde eu quero, tenho controlo sobre ela e não ela sobre mim.
Vendo o Por do Sol, sentir a Brisa do Mar, e respirar o Ar na Floresta, sinto palavras a fluir do meu Coração para minha mente, e isso faz de mim um homem Feliz, e com todos os sentimentos disposto a partilhar.
~~ANJO ARREBATADOR~~

EDEMILSON RIBAS
Inserida por ribasjose
1 compartilhamento

SOL DE GRATIDÃO SENTIDA
Peço licença aos amores, licença aos bons escritores.
O meu peito em puro amor agradece em versos ao mestre.
Gratidão pela inspiração; pela sublime decisão...
Um filho que então é gerado é um Sol a ser cultivado.
Grato ao jardineiro maior, palavras não irão definir.
Amei, cantei e escrevi, mas nada igual jamais senti.
Olhava a estrela crescendo, no ventre da tal escolhida.
Presente maior; minha vida, e uma vida se refazendo.
Encanto; um fruto chegando, quem sabe um elo maior.
Glórias, glórias meu Senhor; é um menino chorando.
E logo o vejo a sorrir e o riso em mim fez morada.
Agora a minha jornada tem nova razão de existir.
Amada minha amada, prenda por Deus escolhida.
Vida longa, vida a vida e a luz que se faz na estrada.
Verde o peito em brilho e festa celebra o rebento nos braços.
Abraços, mil beijos e afagos em tons de cores modestas.
Quisera eu dividir a seiva suave sentida.
Em chuva de paz vejo a alma, de fé a aura é vestida.
Pai; palavra que ecoa aos céus voando em canção.
A ave é a mente do artista repousando em oração.

Lorenzo Li
Inserida por LITYERE
1 compartilhamento

As pessoas esperam demais dos artistas
dos escritores
compositores
cantores
pintores, etc
Sempre acham que tem algo de especial
mas conheceram a obra
antes
Entendam
de uma vez por todas
a melhor parte do artista
fica na arte
Não espere nada tão grande
do ser humano
a arte fica depois que ele morrer
Lembro de um vizinho
levando a namorada
numa tarde
para me conhecer
pois ele havia dito a ela
que eu era poeta e compositor
Eu tomei um susto
não acostumei com as pessoas, ainda
Abri a porta
eu usava cueca larga
um calção de jogar futebol
meia e chinelo
nem banho tinha tomado, naquele dia
Naquele instante já percebi a cara de decepção dos dois
demorei para raciocinar o que estava acontecendo
Depois me senti um macaco de zoológico
Eles esperavam mais daquelas paredes escritas
do som do violão
dos gritos, de tarde
das mulheres que entravam e saíam
No fundo, também espero
Mas
por enquanto
sou pequeno demais para oferecer
mais que meus poemas
Não esperem tanto dos artistas
são só uns merdas que não suportam a realidade.

Kevin Martins
Inserida por kevinmartins6
1 compartilhamento