Nicola Vital

1 - 25 do total de 263 pensamentos de Nicola Vital

UNIVERSO SEM FIM

Meu gigantesco universo
Pobre de ti que não ver!
É maior que teus pertences
Mais forte que teu querer!
Amiúda-se perdido, diante do teu prazer,
Não tem forças, nem guarida,
Quando teus olhos a mim ver...

Nicola Vital
Inserida por NICOLAVITAL

POEMA PARA O VIOLÃO:

A poesia que nasce
Das cordas do coração
É sentimento que freme
Num turbilhão de emoção
Confunde-se ao som da gaita
Ao oco da solidão.
É como se fosse a lira
De uma nova paixão
Repicada nos acordes
Desse comboio de cordas
Que se chama violão.

Nicola Vital
Inserida por NICOLAVITAL

SÓ ASSIM EXISTO:

Tenho me procurado
Universo a fio.
Como tal, menos um se viu.
Em meu intimo,
Não se pode adicionar!
Ante a multidão
Multiplico-me íris a íris
Só assim, me encontro
Como tal.

Nicola Vital
Inserida por NICOLAVITAL

SER!...

Dorme, dorme!
E parem tudo!
Tudo, tudo o que?
Tudo que parece ser...
O universo que existe
Também o que não se ver.
Os astros bem pequeninos
As estrelas que não se veem
No minúsculo universo
Do meu magistral ser...

Nicola Vital
Inserida por NICOLAVITAL

QUIMERA TARDIA:

Numa tarde chuvosa e fria
Liderava imaginário veiculo
Lotação de fêmea maioria
Não era catamarã ou chalana
Nem anfíbio, nem marítimo
A maquinha bem discreta
Não tinha teto!
Não tinha assento!
Tampouco se tinha nexo...
Sem encharque, sem sangria
Sob a chuva que caia
A nau que submergia.
Do outra lado da margem
Minha quimera tardia
Muitos a mim recebia ...
De volta ao mundo real
Findava minha fantasia.

Nicola Vital
Inserida por NICOLAVITAL

INSENSATEZ:

O cansaço que me fadiga
Furta-me a sensatez
Faz-me cobrar-lhe a paga
Por tudo que não o fez.

Nicola Vital
Inserida por NICOLAVITAL

CONTOS QUE A NOITE CONTA:

A noite é fria e tímida
Em seus becos, seus piteis.
Suas contas que são poucas
Conta-se noutros viés
Os contos que não se conta
Dos que jaz em seus bordéis.

Nicola Vital
Inserida por NICOLAVITAL

CARA-METADE:

Minha cara-metade
Não se integra à minha
Outra metade!
O que não se é integro
Salutar não se pode ser.
Como terei saúde?
Sem a integridade do ser...

Nicola Vital
Inserida por NICOLAVITAL

SACODE A POEIRA:

Sacudir a poeira?
Se não desalinho
Provoca sandice
Obstruindo as vias.
À volta por cima?
Pode ser metódico
E o método, quiçá,
Sem méritos.

Nicola Vital
Inserida por NICOLAVITAL

POEMA TRISTE:

Quando me procurar
E não me encontrar
Deveras se fará tarde
Não chores!
Nem muito alarde...
Deixeis que o tempo enterre
As mágoas, as intempéries,
Aos sonhos que não se mede
Risos que antecedem
Soluços que há de vir.
Ah!...
Quando me procurar
E não me encontrar
Verás que a tudo inexiste
E assim eu te escrevi
Esse poema triste.

Nicola Vital
Inserida por NICOLAVITAL

NADA É EXATO!

Por que motivo, Razão,
Somos todos desiguais?
Por quê?!
Todos os iguais são banais!
Ninguém é exato
- Tampouco feliz
Permaneço eu! Deveras,
A madrugada que passou
Não é mais!
As aves, os rios, e montes,
Jaz...
Como será em mim o normal?
Se não fosse tão banal.

Nicola Vital
Inserida por NICOLAVITAL

REVENDO CONCEITOS:

Vou fazer uma faxina em meu jardim
Vou guardar com zelo a razão
Vou abrir sem métrica o coração
Hoje eu vou cuidar de mim!

Vou anular de vez a solidão
Quero ver chover em meu "cantim"
Eu vou regar o amor, enfim,
Vou sorrir viver com emoção.

Tô revendo meus valores
Minha vida, meus atores,
Hoje eu vou cuidar de mim!

Vou limpar a minha casa
Vou cortar as minhas asas
Vou podar o meu jardim.

Nicola Vital
Inserida por NICOLAVITAL

NADA SABEMOS SOBRE...

Que alma não almeja
Conhecer a alma?
Quem ao menos sonhará?
O coração de outrem é outro orbe
A quem não se vê, nem comunica-se,
Com quem não se há entendimento.

Nada sabemos sobre...
Quando de nossa própria
Aquelas que são alheias
Veem, gesticulam, e falam apenas,
No mais supomos alguma semelhança,
Ou mera coincidência.

Nicola Vital
Inserida por NICOLAVITAL

MEU FORMIDÁVEL LADRAR:

Este formidável silêncio noturno
Muito me apraz.
Quando estou dormindo para o nada...
Quando nada sinto que sou
Enquanto vivo...
O sossego da noite que orvalha Minh ‘alma,
Acentua-se no silêncio das coisas que se acalma
O que mais se acentua me atordoa,
O silêncio que murmura aos meus ouvidos,
Coisas que não há no escuro da madrugada.
Ah, não me é formidável ou apraz-me,
O esparso ladrar de cães de guarda noturno
Por fazer quebrar-se o noturno murmúrio do nada (...).
Como eu queria ladrar à noite!
Para não ser fiel aos que ladram sociedade a fio.
Contudo me é formidável o estrepe essencial,
De ser consciente.

Nicola Vital
Inserida por NICOLAVITAL

AMOR COMERCIAL:

É fria e úmida a chuva que cai
Madrugada adentro.
E eu a senti-la aqui sozinho
Encontro esse poema, meu alento,
Esse poema comercial... Ele versa o amor
Fala do amor? Ou de amor?
Ah! Quem falar do amor seria capaz?
Sobre a vidraça em brumas que nos separa
Eu posso exprimir seu rosto,
Meu sonho é comercial!...
Porque assim são iguais todos os textos,
Todas as cenas, e todos os temas,
De amor... São iguais.
Do amor que se expele que se explicita.
Eterno (...). Que como o ódio, e como a libido,
O homem prova para reprovar
E falar de amor é comercial.
Também é comercial,
A criatura que não é do criador.
Deveras minha poesia é comercial.

Nicola Vital
Inserida por NICOLAVITAL

A CRIANÇA QUE PERDI:

Esta noite eu não dormi, com meu siso,
Decidi... Viajei no passado (...).
E presente me encontrei com a criança
Que havia deixado a chorar na estrada sem tino
Do alto do consciente, a vi... E entendi.
Pra rever meus sonhos, planos, e desejos...
Eram todos fúteis!
Nasciam da fértil e quimérica imaginação
Daquela homérica criança.
Neste instante, inexoravelmente anseio
Seu resgate
Porém não me é dado êxito
Ah! Meu mundo surreal
Ofusca a aura clara
Do régio ser que um dia fui.
E dormi apenas eu...

Nicola Vital
Inserida por NICOLAVITAL

MEU INCONSTANTE:

Não sei quem eu sou!
Tudo porque me conheço
Inconstante...
Não sei se queria ser como estou!...
O dom de ser feliz
Não me é mérito.
Destarte,
Eu não sou estou.

Nicola Vital
Inserida por NICOLAVITAL

A VOZ DO VENTO:
A brisa fria da noite
Bate levemente ao meu rosto
Levemente sem toca-lo!
Sem toca-lo... Levemente fria,
Fala ao meu ouvido incompreensivo.
Porque o vento,
Ao vento fala.

Nicola Vital
Inserida por NICOLAVITAL

CANSADO DE SER VIL!...

Eu estou trêmulo de agonia
Cheio de cansaço... Todo o cansaço
Que o mundo me pode ofegar,
Cansaço do labor,
Cansado de fragrâncias... E seus fregueses,
Cansaço da leitura que não se ler,
Dos mestres a mestrear a metafisica,
Cansado de pecar
Pelos crentes que não pecam à vida,
Por um deus de igualdade.
Que deus não sei...
Eu...
Pechoso? Incógnito? Divinal?
Eu...
Assim como a noite ofusca-me o brilho do olhar
Cansado sinto-me da vileza de todo eu...
Na incógnita do existir e ser.
Cansado de tudo que nada somos
Cansado de me ser vil, reles, imperfeito,
Ao que me parece, não há gente no universo!
Todos perfeitos, nobres, magníficos.
Eu sou eu,
Permaneço eu.

Nicola Vital
Inserida por NICOLAVITAL

Amor?
Sentimento que não se explica.
Se bem ou mal;
Se volúvel ou se fraternal;
Se eunuco ou garanhão.
O amor não tem grão...
Tanto chão como quão,
É canção ou refrão!
Não se mede ou se pede,
É inverno ou verão.
Sol de primavera
Arco-íris ou sabão.

Nicola Vital
Inserida por NICOLAVITAL

NO VÃO DO SILÊNCIO...
(Nicola Vital)
Às vezes, me sinto tão perdido!
Como se perdido fosse o existir.
No reluzir do sol,
Fecho os olhos e não me encontro
Meu infinito sou eu...
A noite e seus fantasmas
Me convém!
No vão do silêncio noturno
Escuto o ladrar dos cães
A guardar as mansões
Perdidas de medos...
Quão seus guardas sem bravura
Bradam de pavor do existir
Que lhes restam.

Nicola Vital
Inserida por NICOLAVITAL

CARA E COROA:
(Nicola Vital)


Oh! Saudades da aurora
De minha existência!
Se a vida a ti se faz ruim
A vida para mim promove
Se para ti diz-se do fim
Sua realidade a mim comove.
Enquanto jovens, temos fome
De vida...
Acorda, levanta para a vida!
O mundo é teu e não morrerás!
A busca independente da verdade
Promove à vida...
A vida que perfaz!

Nicola Vital
Inserida por NICOLAVITAL

REALIDADE INCONTESTE:
(Nicola Vital)


A arte de escrever, cantar...
Não se sobrepõe à mera metafísica,
Confunde-se visceralmente
A evolução da mentalidade espiritual.
A mentalidade possui um processo
Em que você escrevendo... Ela
Vai conversando com você
Por viés satisfatoriamente palpáveis
Por vertentes verdadeiramente reais
E de bons legados.
Há qualquer coisa de bom em mim
Nesse momento,
Em que jamais explicaria
A metafisica.
Eu posso conversar com o místico!
Ante essa mentalidade,
Explicitar o pensamento ascético
Que me proporciona à letra.
07Set2015.

Nicola Vital
Inserida por NICOLAVITAL

FILHO DA OUTRA!...
(Nicola Vital)


Eu pintei o meu Deus
E marquei para mim.
Não me deram azul,
Nem dourado!
E a cor foi carmim.
Não me deram bolas,
Não me viram à hora
Que malhei toda cola
Não pintaram, enfim.
Não brindaram-me a escola,
Onde rola a bola
E a bola rola
Só na cor de cetim.
Eu fiquei de fora,
facultaram-me a esmola
Meu padrão é morim
E o Deus de nanquim.
02Set2015.

Nicola Vital
Inserida por NICOLAVITAL

AMOR PRÓPRIO:
(Nicola Vital)


O amor? Ah, esse amor!...
Assim como o brado do vento
Que imensuravelmente veloz
Passa.
Se funde quão folha seca ao horizonte
Solitário...
Solidão? Ah, essa solidão!...
Mera integração
Entre poesia e poeta.
Da primavera ao verão.
E se acaso alguém bater
À tua porta...
E ao abrires ser eu...
Bate-me a porta!
Porque meu amor
Deveras é só meu (...).
29Ago2015.

Nicola Vital
Inserida por NICOLAVITAL