Texto de Policial

Cerca de 40 texto de Policial

O Policial ficou diante de DEUS, para última inspeção.
- Fostes fiel à Igreja? Destes a outra face ao inimigo?
O Policial se perfilou respondendo:
- "NÃO SENHOR! Nós que andamos armados, não podemos ser só amor! Na maioria dos domingos, estava de serviço, não fui a igreja. Em vezes, falei de modo impuro. Outras fui violento, pois o mundo é muito duro. Mas nunca guardei um tostão que não fosse meu. E quando outra conta acumulava, aos trabalhos extras eu me dedicava, e de minha família me afastava. Às vezes, SENHOR, me perdoe, chorei à toa, por dores dos outros e usei da emoção de vez da razão. Reconheço que não mereço ficar em seu meio; jamais me quiseram por perto, a não ser no perigo. Se tiver um lugar pra mim, luxuoso não precisa ser. E caso não haja, eu saberei entender".
Faz-se silêncio em redor do trono.
E o Policial esperou, o veredito do SENHOR.
- Teu corpo serviu com alma e coração, fez-te escudo para o próximo. Portanto, anda em paz pelo paraíso. O INFERNO já foi tua missão.

Desconhecido
36 compartilhamentos

Somos a Teia e somos quem a tece;
somos o Sonho e o sonhador..."
No princípio eu era a Eva...
Nascida para a felicidade de Adão.
E meu paraíso tornou-se trevas,
porque ousei libertação!
Mais tarde fui Maria...
Meu pecado redimiria.
Dando à luz aquele que traria a salvação.
Mas isso não bastaria,
para eu encontrar perdão!
Passei a ser Amélia...
... a mulher de verdade!!!
Para a sociedade,
não tinha a menor vaidade.
Mas sonhava com a igualdade!
Muito tempo depois decidi:
Não dá mais!
Hoje não sou só esposa ou filha...
Sou pai, mãe, arrimo de família!!!
Sou caminhoneira, taxista, piloto de avião.
Policia feminina, operária em construção!
Ao mundo peço licença,
para actuar onde quiser.
Meu sobrenome é competência...
O meu nome é Mulher!

Fátima Aparecida Santos de Souza (Pérola Negra) - Policial Militar

⁠Tático Móvel
PapaMike

Oh, Senhor, meu Deus
Que em nosso peito não nos falte a coragem
Que em nossos braços não nos falte a força
Que nossas mãos sejam hábeis na batalha
Que a guerra não afaste a bondade dos nossos corações
Que a justiça e a honra sejam conselheiras do nosso juízo
E que cada cidadão mineiro saiba
Que a águia está altiva e vigilante
Zelando pelo sono daqueles que praticam o bem

Somos tático móvel
Somos tático móvel

Do tático sou fanático, frio como ártico
Certeza de matemático que o mal não avança
O crime fica estático, frente os dogmáticos
Doutrinadas no fogo, somos a ponta da lança

Tenta, mas não alcança nosso peso na balança
É feito de carcaça que não cansa os pulmões
Se faltar gás nas ações respiramos perseverança
Fisicamente mutações, o homem evolução

Darwinismo, criacionismo, erraram na previsão
Pois a ascensão humana são militares do TM
Homens indiferentes a dor, ao medo e a compaixão
Se tromba na escuridão, quem deve até treme


Aqueles que causam dor a fala é com pontapés
Cão pastor sou caçador, clamor desses fieis
Que pedem pelo amor de Deus um protetor sagaz
E Deus mandou direto do céu o tático de Minas Gerais

Zelando pelo sono de quem pratica o bem
De S10 acelerado na curva a mais de cem
Com armamento pesadão, semblante de ignorante
Postura de táticão, sempre altivo e vigilante

No convés da S10 abro mar feito moisés
Bato bota uso os pés com a tropa incursionada
Os (mérreis) dos cartéis são papeis de infiéis
Acham ser ramsés, mas minha fé é inabalada

Tropa centrada com caráter tradição BRP
Se for na mão é karatê, jiu-jítsu contra a praga
O crime é uma doença quem soluciona tem o brevê
Tupi maré, pra tripanosoma-cruzi, sou Carlos Chaga

De uzi estão os cabras da peste, lampiões
Eis que surgi na mata o que mata guerrilheiros
Mais venenosos que escorpiões são os monstrões
Em formações de motorista, comandante e patrulheiro

Três guerreiros o necessário pra barrar o avanço
Do inimigo, correm perigo ao trombar com a viatura
De seres destemidos, desenvolvidos sem descanso
Com ouvidos aguçados e olhos cheios de bravura

Contra o tráfico eu sou mais neurótico
Rústico, sistemático, contra o mundo caótico
Combato os narcóticos, sou fanático
Contra os sintéticos, eu sou tipo ácido

Cibernético, biônico, sou águia de aço
Genética de um taticano se define pelo braço
Traço plano, causo danos para boca, sou Listerine
Não passo pano pra quem está jogando em outro time

Zelando pelo sono de quem pratica o bem
De S10 acelerado na curva a mais de cem
Com armamento pesadão, semblante de ignorante
Postura de taticão, sempre altivo e vigilante.

Rap policial
Inserida por vilmar_volek

Sr. Santiago, estou ligando para informar que planejo pedir sua filha em casamento. Mas como estamos em 2017, não estou pedindo permissão, pois ela não é sua propriedade nem será minha se disser “Sim”. Ela é independente e não precisa de homem nenhum. Dito isso, espero que ela aceite. Mas a decisão é dela, não se meta!

Brooklyn Nine-Nine

⁠Ciclopes modernos.
Pedro é policial numa das regiões mais violentas do mundo – a América Latina. Juntamente com o Caribe corresponde a apenas 8% (oito por cento) da população mundial, mas é a fatia planetária onde ocorre um terço dos mais de 437 mil homicídios registrados anualmente.
De origem proletária, perseguiu seu sonho de se tornar um agente da lei.
Ele vive da segurança em meio à insegurança; sabe que a probabilidade de ser morto em um assalto chega a ser 6.000% (seis mil por cento) superior à de um cidadão comum. Também sabe que o número de roubos no continente onde vive é absurdamente alto.
Quando entrou para a polícia lhe prepararam para a guerra. Os testes físicos eram rigorosíssimos. Teve que fazer curso de sobrevivência na selva ficando quatro dias sem se alimentar e tomando água da chuva. Os sentimentos mais primitivos da evolução humana afloraram do seu interior naqueles dias.
Nos tempos de preparação da academia foi submetido a todo tipo de humilhação. Eram trotes, pancadas, xingamentos, castigos e até sessões de tortura.
Foi doutrinado na certeza de que aquele que conseguisse passar por tudo isso estaria pronto para cumprir sua difícil missão e suportar os desafios da carreira. Algumas pessoas também lhe disseram que tudo aquilo iria lhe causar traumas violentos e fazer com que ele descontasse no cidadão parte do que sofreu no seu treinamento.
Pedro odeia o discurso de alguns sociólogos que dizem que o Estado treina uma polícia para a guerra e a coloca para trabalhar em atendimento ao cidadão. Na sua concepção, a lida diária correndo riscos da profissão e enfrentando criminosos com fuzis e metralhadoras demonstram um estado de guerra urbana.
No mês passado ele trocou tiros e matou o assaltante de um supermercado. Há aproximadamente seis meses ele auxiliou no parto de uma moradora de rua cuja criança nasceu dentro da viatura enquanto era levada para a maternidade pública. Pedro não é Deus, mas já trouxe uma pessoa à vida e levou outra à morte.
No bairro onde trabalha o índice de homicídios é muito alto. Em quase todos os seus plantões sempre atende a pelo menos um homicídio. São tantos os atendimentos que ele já não sente mais a compaixão pelo defunto – virou rotina, é algo muito normal. Costuma dizer que o ruim desse trabalho é no dia que tem que enfrentar algum homicídio cuja vítima é criança; isso lhe estraga o dia, embora tenha medo de que a rotina também lhe transforme em um ser indiferente a um cadáver infantil.
Leu em um livro de autoajuda que o ser humano para ser considerado normal precisa despertar e ter o controle de todos os sentimentos (amor, ódio, paixão, compaixão, raiva, alegria, inveja, orgulho, piedade ...). Alguns desses ele já não tem, outros não consegue conter e o pior é que alguns se manifestam em ocasiões erradas. Sua engrenagem cerebral de sentimentos parece estar um pouco desajustada ultimamente.
O meio em que vive não é nada favorável. Lida com pessoas alcoolizadas, entorpecidas, psicóticas, criminosas, vítimas chorando, gente gritando, famílias brigando, gente lhe xingando etc. A jornada de doze e às vezes de vinte e quatro horas corridas também lhe confunde o relógio biológico. Quando trabalha à noite sente sono, quando termina o turno e vai para casa descansar tem dificuldade em dormir (fica pensando no próximo plantão).
A vida conjugal também não anda nada bem, mas isso é visto com normalidade, afinal, dos colegas de profissão ele é o único que ainda está suportando o primeiro casamento.
Alguns sinais de estresse já apareceram como a hipertensão e a diabetes; “nada preocupante” reponde ele, “é coisa do dia da dia e da alimentação de rua”. Nos turnos de trabalho se alimenta em lanchonetes ou restaurantes que dão descontos para policiais.
Nas madrugadas sombrias, Pedro e os demais ocupantes da viatura são a única presença e a representação física do Estado. Não tem julgador, legislador, fiscalizador nem consultor – os problemas surgem e o Estado age pelas mãos de Pedro e seus colegas de trabalho.
O salário não é grande coisa, mas ajuda a manter um padrão de vida diferenciado no bairro pobre onde mora. Ele se orgulha de ser tentado à corrupção todos os dias e nunca ter cedido a ela.
Nos telejornais e nos sites de notícias aparecem analistas econômicos dizendo que Pedro e os demais servidores são os responsáveis pelo desastre das contas públicas. Pessoas como ele são consideradas privilegiadas e que se aposentam cedo demais. Nos intervalos de cada programa surge o patrocinador: sempre um banco, uma financeira ou um operador de fundo de pensão que lucram fortunas emprestando dinheiro ao governo com juros estratosféricos.
Ontem à tarde o parceiro de trabalho de Pedro foi convocado para fazer a segurança do parlamento onde estavam sendo votadas as novas leis que regridiriam o regime previdenciário dos funcionários públicos. Havia um grande protesto nos acessos à casa de leis. No tumulto eles empurraram o amigo de Pedro que sacou a arma e atirou a esmo atingindo fatalmente um professor que lutava por seus direitos.
Hoje o noticiário só fala desse assunto. Curiosamente, algoz e vítima estavam socialmente no mesmo lado – ambos seriam prejudicados com as alterações legais.
Provavelmente o policial continuará preso por mais algum tempo e será expulso do serviço público. Suas perspectivas futuras não são nada boas.
Pedro foi visitar o amigo e passou a refletir sobre os acontecimentos: está em dúvida sobre qual lado é o certo e qual é o errado.
Na expectativa de que Deus lhe desse uma palavra nesse momento, abriu a Bíblia aleatoriamente e leu um versículo em 2ª Timóteo 4:7-8:
“ Combati o bom combate, acabei a carreira, guardei a fé. Desde agora, a coroa da justiça me está guardada, a qual o Senhor, justo juiz, me dará naquele dia ...”
Está confuso sobre qual seria o “bom combate”; como diferenciar as batalhas que devem ser enfrentadas e as que não compensa combater ?
Pedro vivencia a saga de “Dom Quixote de La Mancha” imortalizado por Miguel de Cervantes. Ficou mentalmente transtornado pelo descompasso entre seu idealismo e sua realidade de vida.
“...Enfrentar o inimigo invencível,
Tentar quando as forças se esvaem,
Alcançar a estrela inatingível:
Essa é a minha busca.” (Dom Quixote)

adriano peralta
Inserida por Peralta71

Sou um policial
Ganho uma miséria pelo meu heroico trabalho
Na formação jurei ser sempre justo, porém a minha fome me corompeu e me atribui vários nomes como curupto E•T•C•
O meu salário não cobre as minhas necessidades
Vendi a minha honra pelo meu salario.
Trabalhei tanto tempo como um homem justo
Porém, cada ruido do meu estomago ruìa a minha honra
E acabei caindo na tentaçäo
Por falta de opçäo, Agora sou um currupto
Queria poder desinfetar o virus da currupção que circula nas minhas veias, porêm quando olho pro meu passado não vejo nada colorido e näo vejo nada que possa me fazer reviver o passado se näo a minha honra que näo me beneficiava

Oque eu quero è ser feliz, nunca mais ouvir o ruido do meu estomago e nunca mais ver os meus filhos derramando lágrimas cecas de fome.

Inspirado em factos reais.. .

Thino Ussney Mussagy

PENSAMENTOS DE UM SOLDADO POLICIAL

Um dia, andei de viatura policial, andei de Fusca, Veraneio V6, Opala, Ipanema, Blazer, e as poderosas, mas nem tanto as Hilux...
Andei fardado pra cima e pra baixo, com cinto que tinha apenas um revólver canela seca com cinco munições no tambor, 12 de recarga e uma algema.
Não havia pistola .40 com 15 cartuchos mais dois carregadores sobressalentes, radio digital, poderosas lanternas, celular, nem tão pouco colete.
Fui policial quando da antiga Constituição, cabos e soldados não podiam votar. E o cidadão tinha direitos até de ir e vir, e bandido tinha o direito de puxar cadeia.
Prestei continência, cantei o Hino Nacional, da Bandeira e da Infantaria e da Polícia Militar. Patrulhei, tirei guarda, fiz faxina, puxei pernoites, pagava 10, 20... Ficava de serviço por horas, sem ir embora pra casa.
Em meu serviço aprendi muito sobre honra, retidão, respeito, confiança e companheirismo. E que as más críticas acertam as pessoas de caráter e não a quem deveria acertar. E as críticas verdadeiras te ajudam a crescer.
Aprendi que o poder nem sempre está com quem deveria. Aprendi também que armas não geram violência e flores não trazem a paz. E sim, a intenção das mãos que as carregam. Aprendi que devemos respeitar pai e mãe. Que a família é a base da educação. Aprendi que devo crer em DEUS, e não em igreja, e que ele nos ouve quando falamos com ele.
Hoje estou quase encostando minha farda. Algumas fotos já amareladas pelo tempo, me acertam o peito e fazem meus olhos jorrarem. Minha garganta já está sufocando por um nó da saudades de meus verdadeiros amigos, mas lembro que a minha Missão já foi cumprida.
Que minhas batalhas em viaturas super equipadas já não são mais minha realidade.
As noites na guarda vão ficar na lembrança e os amigos de companhia em meu coração.
Logo mais não usarei farda, nem a lua será nossa companheira, nas noites frias. Logo não prestarei mais continência, nem farei ordem unida, nem aula de tiro!
Mesmo assim, minha alma nunca deixará de ser de um Soldado!...

Sargento Galesco
1 compartilhamento

Alta Velocidade - Cronicas Pequenas e Divertidas
Já fazia um bom tempo que aquele policial estava de olho naquele motorista apressadinho. Ele pensou:
Amanhã esse cara não vai me escapar. Vou pará-lo e lhe darei uma multa daquelas bem salgadas. O engraçadinho não perde por esperar.
No dia seguinte o policial fez o sinal para que o motorista infrator parasse. O motorista atendeu prontamente e parou o veículo. Sem perder tempo o policial foi logo dizendo:
- hãm!...hãm! Bonito heim! Até que enfim nos encontramos. Por acaso o senhor sabia que já faz um bom tempo que eu estava a sua espera.
- Puxa vida seu policial! Sinceramente, sinto muito! Eu juro que eu não sabia, só fiquei sabendo disso há alguns minutos atrás e, como o senhor mesmo viu, eu vim o mais rápido que pude...

Edilson Rodrigues Silva
Inserida por danielbezerrarn

O que chateia a gente neste País Fora da Lei:

Se o Policial Militar é Condenado e preso por um crime...perde tudo: salário, liberdade, saúde, dignidade!
Se um Policial Civil, sendo até um delegado...acontece a mesma coisa!
Se uma Trabalhador assalariado é Condenado e preso por um Crime...também!
Não sou Tucanista...nem Petista...mas estou Putista com essa safadeza desse nosso país...
O Político é Condenado e Preso por um Crime...continua a ser chamado de Deputado, não perde o Salário...não quer pagar o preço pela safardage que cometeu...! Viva o Brasil! Eu odeio a Política desse País que troca apenas os partidos, mas a safadeza continua a mesma..

Sarah Oliveira da Silva
Inserida por SARAHOLIVEIRAFRANCO

não sou um aquecedor
mais posso te aquecer
não sou um policial
mais posso te proteger
não sou um mecânico
mais posso consertar
seu coração
não sou um avião
mais posso te
levar nas
alturas
não sou uma cama
mais posso te
fazer relaxar
não sou um palhaço
mais posso te
fazer feliz.

Ricardo Souza
Inserida por nijari

Talvez, você já tenha dito ou pensado, "tomara que esse policial morra", "que policial arrogante", "quem é você seu policialzinho?", "você sabe com quem você tá falando?". Porém, acredito que poucas ou nenhuma vez você deve ter agradecido por ter tido uma noite tranquila de sono enquanto eles faziam as rondas em sua rua, por tê-lo visto correr em meio a multidão com uma pessoa em seus braços tentando salvá-la, por ter passado o natal em sua viatura enquanto você e a vossa família deliciavam-se na festa em casa, ou até por ter feito frente em uma troca de tiros contra bandidos.
Nós somos homens e mulheres que muitas vezes por destino, por escolha ou por acaso, abraçamos uma das melhores e ao mesmo tempo piores profissões do mundo; nós literalmente trocamos, doamos as nossas vidas ao bem de outras, mesmo que as vezes façamos isso obrigados.
Nós choramos sim, sentimos dores, erramos, somos filhos e filhas, pais e mães, esposos e esposas, cunhados e cunhadas... Nós também somos gente, e sofremos muito a cada morte de nossos outros irmãos por mais longe que estejam, mesmo não os conhecendo. Nós também votamos, pagamos nossos impostos como qualquer outro CIDADÃO, não somos de aço, cansamos também, suamos e sangramos. Para nós, apenas o DEVIDO respeito nos basta, para nós a vida é tão importante quanto o ar que respiramos, para nós os sorrisos dados nunca serão esquecidos.
Ser policial é saber a hora de sair e não ter nunca como dizer a hora que vai ou se vai retornar. Nós, somos tão gente quanto você que lê esse depoimento agora.
Que Deus possa cobrir todos os colegas nossos onde quer que estejam, que possa confortar as nossas familias e nos manter sempre alertas, que possa ter misericórdia da alma daqueles que se doaram e que possa trazer paz as familias que perderam esses HOMENS E MULHERES que também são gente.

Ricardo Noronha
Inserida por RicardoNoronha
1 compartilhamento

Quando era MENINO brincava de muitas coisas: já fui super-herói, já fui cowboy, já fui policial, já fui bombeiro e até médico e, naquela época, tudo isso era fácil.
Quando fiquei ADULTO os personagens mudaram: fui profissional, fui esposo, fui pai e esses personagens exigiram muito de mim e eu tentei representá-los da melhor maneira e que a minha capacidade, na época, permitia.
Atualmente, já bem mais MADURO, cabe a mim representar o papel de ser humano, ou seja, de uma simples pessoa e, confesso, este é um dos mais difíceis da minha carreira nos “palcos da vida”, porque com o decorrer do tempo e a evolução, ou involução, do comportamento das pessoas, neste momento atual, chego à conclusão de que o amor é algo que está desaparecendo do coração dos indivíduos e ser humano é extremamente difícil nestas condições! (Pedro Marcos)

PMarcos
Inserida por PMarcos

Policial.
Certo dia um garoto chegou para o espelho e disse:
Quero ser policial!
Este garoto que pobre ou rico. decidiu que queria fazer a diferença neste mundo tão mal.
Este garoto que talvez tenha visto, o pai, mãe,irmão, amigo serem abatidos pela arma do inimigo.
Mesmo assim sentindo tanta tristeza, talvez chorando por dentro.
Não encontrando justificativa para perda de uma pessoa querida.
Cresceu, estudou, se esforçou.
Conseguiu vestir a tão sonhada farda.
A partir dali seria o herói da sociedade.
Com aquela farda surrada o colete pesado.
Uma arma em punho que por muitas vezes falhava.
Não foi reconhecido pela sociedade, que com muitas críticas aos poucos o matava.
Não foi reconhecido pelo Comando, que só o criticava, tirava deste policial toda dignidade.
Este policial lutava com alguns poucos amigos para continuar servindo e protegendo a sociedade.
Por vezes com fome, frio, medo ele encarava o temido bandido, sabendo que poderia ser abatido.
Caiu na emboscada do inimigo, que não teve respeito nem pena. " O MATOU SORRINDO"
Mais um homem caído no chão ferido, MORTO.
A família chorando e sofrendo os amigos de farda correndo para capturar o BANDIDO.
Assistiam nos telejornais e liam também, que os policias são despreparados, eles matam sempre alguém.
Nesta guerra desigual, quando morre um POLICIAL, a história é sempre igual.
Não é lhe dado o devido apoio, principalmente daqueles a quem ELE perde a VIDA tentando proteger do mal.
Ali presentes no velório,a família e amigos choram desolados.
Buscam respostas para a morte do herói abandonado.
Buscam consolo nas lembranças, da história do HERÓI que tinha tanta esperança.
Triste REALIDADE deste policial que só sonhou fazer o BEM.
Recebeu em troca o MAL.
ENTERRADO agora está, NADA mais pode ser feito.
Só uma breve oração.
A pergunta que fica é:
" SERÁ QUE AINDA TEM JEITO???
Uma homenagem aos 91 policiais mortos no Rio de Janeiro.
TRISTE REALIDADE!!!!

Sônia Britto
Inserida por soniabrittolima
1 compartilhamento

BOTINAS E BOTAS

Demétrio Sena, Magé – RJ.

Toda vez que as botinas truculentas de um policial derrubavam a porta frágil daquele barraco de favela em busca de armas e drogas que não havia como encontrar, algo mágico acontecia: Pedrinho, filho pequeno de Maria lavadeira e de Sebastião estivador tinha um sonho feliz.
O menino sonhava com um fim de ano em que ao invés das botinas policiais, adentravam com suavidade a porta previamente aberta, vistosas botas vermelhas forradas de lã mais alva do que neve. Quando elas saíam, levando os pés de um velhinho bondoso de pele rosada, ficava no cantinho da parede uma caixa com brinquedos e gostosuras natalinas.
Isso faz tempo. Pedrinho cresceu, estudou e progrediu. Já sabe discernir lendas de realidade. No entanto, ele ainda prefere crer na bondade lendária e branca do bom velhinho, a crer na truculência de homens para os quais é crime ser pobre, negro e morador de comunidade.

Demétrio Sena - Magé-RJ.
Inserida por demetriosena

PARÁNOIA

Na rua
O policial
Olha o transeunte
Desconfiado

Desconfiado
O transeunte
Olha o policial

E
Cada um
Seguindo o seu caminho
Com medo
Sem saber
O que os espera
Na esquina

Em casa
O policial fecha as janelas
Tranca as portas
Apreensivo

Apreensivo
O vizinho
Busca nos classificados
Outra casa
Pra morar

Na Igreja
Todos olham para o altar
Olhos bem abertos
E a Fé por um triz
Um olho em Deus
E outro
No portal...
"

NELSON VITOR PEREIRA
Inserida por nelsonvitorp

Geraldino Pereira de Oliveira!
Um Policial Rodoviário Federal de primeira!
Conhecido por todos como “AMIGO”,
No trabalho e na vida,
Sabia enfrentar o PERIGO!

Profissional honesto, incorruptível,
Cumpridor do dever, nunca baixava o nível!
Cheio de orgulho, afinado em sua farda,
Parecia estar em uma eterna GUARDA.

Com sua postura, intimidava todos,
Bastava um olhar,
Mas quem conhecia sabia,
Era só um jeito de atuar!

Tinha um grande coração,
Declamava poemas para os amigos!
E contava histórias com perfeição!

Construiu uma linda família,
Se orgulhava da vida!
Lutou até o último instante, e sua história,
Irá perdurar como um DIAMANTE!

Uma frase sempre dita por ele,
Foi para mim, a mais marcante,
Um pouco de humor e de mistério,
Quiçá bastante intrigante:

“Para a PARAÍBA eu não vou não...”

Fique em paz GUERREIRO,
Deixou para trás um fiel escudeiro.

Ulysses de Oliveira Campos Neto
12/03/2015

Ulysses de Oliveira Campos Neto
Inserida por ulyssescampos

⁠Um policial branco matou uma pessoa negra. Ok. Se for julgado e condenado cadeia nele.
Uma pessoa negra já matou um policial branco. E daí? Qual reportagem foi feita?
Agora protestar saqueando comércios de pessoas brancas ou colocando fogo nos carros nas ruas não pode ser chamado de protesto. Isso é selvageria.
O que importa não é a cor da pele e sim o que tem dentro de cada coração.

Heverton do Nascimento
Inserida por tom_nascimento

Deus me colocou em um caminho dificil, fui policial durante 20 anos, achei que tinha visto de tudo, enfrentei o povo marginalizado supostos bandidos reflexo de toda sociedade corrompida por aqueles que tinham a obrigação de semear a liberdade, o direito e a paz...Hoje enfrento o pior de todos os males: os homens de colarinho, os famosos politicos corruptos, o pior de todas pragas, fazem os "supostos bandidos" parecerem formiguinhas perante a voracidade que roubam e destroem os direitos da humanidade...
nene policia

ANTONIO CARLOS DE OLIVEIRA
Inserida por nenepolicia

ORAÇÃO POLICIAL MILITAR

Senhor, obrigado pela prerrogativa de que me deste, de servir e proteger a sociedade.

Sei que a jornada que escolhi me trará uma vida difícil e tortuosa,

do básico serei privado;

sangrarei e não serei reconhecido;

sei também que viver significa lutar, e disso não tenho medo!

Mas quando meu sofrimento passar, que minha glória seja eterna!

Que a minha arma, embora letal, seja a espada da sua justiça;

Que a minha viatura embora chegue em tempo, traga esperança àqueles que necessitam;

Que eu acredite na minha missão!

Que eu tenha um espírito livre e a sensação de dever cumprido;

Que o bem sobreponha o mal;

E como instrumento de sua providência,

eu possa realizar o impossível!

Pelo simples fato de acreditar que é possível fazê-lo!

Amém!

Cap PM Galvão - PMESP
Inserida por cap_galvao

Pessoas desaparecem o tempo todo, pergunte a qualquer policial. Melhor ainda, pergunte a um jornalista. Os desaparecimentos fazem parte do dia-a-dia dos jornalistas.
Adolescentes fogem de casa. Crianças desgarram-se dos pais e nunca mais são vistas. Donas-de-casa chegam ao limite de sua paciência, pegam o dinheiro das compras e um táxi para a estação de trem Banqueiros internacionais mudam de nome e desaparecem na fumaça de seus charutos importados.
Muitos dos desaparecidos serão encontrados, por fim, vivos ou mortos. Afinal, os desaparecimentos têm explicação.
Quase sempre.

A viajante do tempo, Outlander

Diana Gabaldon
Inserida por iamvivianlira