Marinheiro

Cerca de 114 frases e pensamentos: Marinheiro

Melhor ser pirata, do que marinheiro...

Steve Jobs
292 compartilhamentos

musa sereia -
marinheiro bêbado
ouve baleia

Carlos Seabra

Às vezes Deus acalma as tempestades, às vezes Ele acalma o marinheiro. Outras Ele nos ensina a nadar.

Desconhecido
22 compartilhamentos

Faça como o velho marinheiro, que durante o nevoeiro põe seu barco devagar!

Paulinho da Viola
29 compartilhamentos

Mares calmos não fazem um bom marinheiro.

The Walking Dead
232 compartilhamentos

Marinheiro habilidoso não se faz em mar sereno.

Desconhecido
17 compartilhamentos

Estamos aprisionados no reino da vida, como um marinheiro em seu pequeno barco, em um oceano infinito.

Anna Freud
20 compartilhamentos

E se eu fosse um marinheiro,
eu iria navegar pelos sete mares
Pra te dizer "baby, eu não quero que vá embora".

Christofer Drew
13 compartilhamentos

Sinbad, o Marinheiro


Na cama não pude ficar esperando, como se o senhor regente dos domínios oníricos das Terras dos Sonhos se tivesse esquecido de me inebriar esta noite, com as areais do torpor.

Logo antes do crepúsculo estava eu a olhar a lua em toda sua majestade, abençoando os mares noturnos com sua altivez reluzente, e imaginando que lá de onde exerce seu reinado ela é um elo de ligação entre todos que testemunham suas bênçãos.

Não importa a distância, se é noite todos a podem contemplar, sem qualquer tipo de discriminação; e se assim o é, há quem encontre consolo no luar quando os amados partem em jornada para longe.

Os primeiros raios de sol da alvorada enfim prenunciam o dia que acabara de nascer. A vermelhidão que divide a noite e o dia se ausenta dando lugar a um céu azul radiante, povoado por pequenos aglomerados felpudos de nuvens brancas.

Com o alvorecer, o ímpeto de meus sentimentos proclamam essa uma manhã de encontros e despedidas. Oportuna se faz a idade adulta, quando os jovens se candidatam à aspirantes de marinheiros, com o que esperam conquistar grandes aventuras, repletas de fama e glórias.

Em mim não há lugar para o desjejum, é como se meus órgãos brigassem por espaço com toda a ansiedade que comporto em meu ser e meu estômago parece estar perdendo; trêmulo, se paro um segundo e observo o silêncio, tudo o que posso ouvir é a sanha de meu coração, a lutar na guerra por espaço, bumbando como um tambor de rituais bélicos, dentro de meu peito.

No porto, a brisa úmida e salgada da enseada sopra encantada pelos deuses dos ventos do norte, que são conhecidos pelas grandes salmouras de suas moradas.

As ondas lutam contra o velho cais de madeira das docas, pode-se ouvir ao longe o som de suas investidas.

O vento tece a água, que espirra das colisões, em minúsculos cristais, e ao serem atravessados pela luz do sol cintilam em mágicos arco-íris.

As grandes embarcações movimentam as águas: imponentes, lustrosas, com belas carrancas ornadas na proa. Seus mastros seguem aos céus, de onde pendem velas brancas e infladas como pulmões pelo vento.

Depois de longa viagem: terra firme; atracam para breve estadia, seus transeuntes se atropelam, num vai-e-vem frenético, trazem e levam cargas, há navios comerciais e de transporte, e Chronos não parece ser amigo dos que ali se encontram, pois a pressa parece ser a única senhora de seus templos.

O dia mal havia nascido e eu atropelava as horas, pois era chegado o momento. Tempo de embarcar, de ceder aos senhores do amanhã o meu devir: que usem o fôlego de seus pulmões e soprem as velas do destino rumo ao horizonte, onde o sol mergulha no mar até se apagar na água e dar lugar a noite.

Chegou o dia dos planos de deixar o porto, onde nascera e de menino me tornara homem, por terras desconhecidas além-mar.

Tornar-me-ei em um marinheiro mas é apenas o começo de minha ânsia.

O mundo é tão grande que nenhuma carta marítima sabe dizer ao certo o quanto, logo, ainda que navegasse todos os mares não os poderia conhecer como gostaria.

Contudo, de certa forma, para mim, tal fato não importa, o que diz respeito as Moiras somente diz respeito a elas, ocupo-me do que posso fazer agora. E, agora, resta-me isso: navegar.

Com o tempo, no entanto, os Oceanos, suas dádivas e tormentos, conhecerei. E a sabedoria de um lobo do mar, que conheceu muitos povos, viu muitas terras e águas, desbravou-as e então voltou, portanto, em mim há-de fazer morada.

Willian Silvers
3 compartilhamentos

Noturno

Agora, à noite, fujo às vezes
e aporto em algum bar

Como antigamente.
Marinheiro do amor, de porto em porto,
a vida como um navio, de mar em mar...

Pensei que tinha lançado ancora,
que plantara raízes,
que não partiria mais.

E de repente, desarvoraste meu destino,
e te foste
- volto a ser o antigo marinheiro -
e sozinho, preciso embebedar-me,
agora num navio encalhado,
sem mar...

J. G. de Araújo Jorge

Álvaro de Campos

A Fernando Pessoa

(Depois de ler seu drama estático "O marinheiro" em "Orfeu I")

Depois de doze minutos
Do seu drama O Marinheiro,
Em que os mais ágeis e astutos
Se sentem com sono e brutos,
E de sentido nem cheiro,
Diz rima das veladoras
Com langorosa magia
De eterno e belo há apenas o sonho.
Por que estamos nós falando ainda?

Ora isso mesmo é que eu ia
Perguntar a essas senhoras...

Álvaro de Campos

Olhe para o alto

Certa vez um jovem marinheiro teve que subir ao mastro do navio, durante uma tempestade.

As ondas levantavam o barco para alturas estonteantes e logo em seguida jogavam-no em direção às profundezas.

O jovem começou a sentir vertigem enquanto subia e estava quase caindo, quando o Capitão gritou: - “Olha para cima moço! Não olha para baixo senão cairá!”

O jovem desviou o olhar das ondas ameaçadoras e do abismo do mar, chegou ao alto com segurança e executou sua tarefa, até que cessasse a tempestade e o mar voltasse à calma.

Algumas vezes sentimo-nos iguais ao jovem marujo, quando as tempestades da vida nos cercam. As tribulações confundem nossos sentidos e nos fazem perder o equilíbrio, subtraindo-nos o raciocínio e a serenidade para enfrentá-las, e ameaçam arrastar-nos para o abismo.

Nenhuma palavra amiga, ninguém a quem recorrer. Tudo concorre para a nossa queda. E tudo porque insistimos em olhar para baixo, buscando os “amigos” que sempre desaparecem nessas horas, ou dando atenção às censuras e críticas, que por vezes se quer estão acontecendo, são frutos de nossa imaginação abalada pela vertigem dos acontecimentos.

Entretanto se olharmos para o alto, desviando nosso olhar dos “perigos”, veremos a luz que se derrama sobre nós e sentiremos a mão estendida em nossa direção. E encontraremos o conforto em nosso coração e a segurança do caminho a seguir.

A luz é o Espírito Santo de Deus renovando nossas forças, iluminando nossos passos, dando-nos vida nova. A mão estendida é a de Jesus, o supremo cirineu, ajudando-nos a carregar o peso da cruz de nossas aflições, aliviando nosso sofrimento e conduzindo-nos à ressurreição da nova pessoa que renascerá de nós, após as tribulações.

Então, quando a tempestade chegar em sua vida, olhe sempre para o alto e busque a força que necessita, na sincera oração ao Pai, na certeza de que o socorro nunca lhe faltará. E a paz estará em seu coração e a serenidade em sua mente, pela certeza de que nunca estará sozinho.

E quando menos esperar a tempestade já passou e o barco da sua vida singrará os mares, serenamente, levando a bordo um coração cheio de esperanças e de certezas que só tem quem confia em Jesus.

Que o Divino Mestre ilumine o seu dia e dissipe, com a Luz do Espírito Santo, todas as trevas.

Muita paz no coração!

Prof. Francisco Assis Melo
2 compartilhamentos

Assim me sinto sem voce

Um arco-íris sem a cor
Um marinheiro sem o mar
Eu sei,
Não sou ninguém sem o teu amor
Não tenho asas pra voar.
Como um jardim que não tem flor,
Como um dia sem calor
Eu fico triste sem voce
Como um mais que não é dois,
Como um agora sem depois,
Eu não existo sem voce
São sete notas sem canção
Sou noite escura sem luar,
Por quê,
Sem ter voce no coração
Não tenho como respirar.
Como uma chama que apagou
Como um rio que secou,
Assim me sinto sem voce
Como as estrelas sem o céu,
Como as abelhas sem o mel,
Eu fico triste sem voce
Meu amor
Meu coração sempre será todo seu
Só voce, me traz a paz,
Me faz feliz demais,
Demais!

Mara Maravilha

OLHAR PARA CIMA

Certa vez um jovem marinheiro teve que subir ao mastro durante uma tempestade.
As ondas levantavam o barco para alturas estonteantes e logo em seguida jogavam-no para profundezas abismais

O jovem marujo começou a sentir vertigem e estava quase caindo o capitão gritou:
"Moço olhe para cima".

De maneira decidida, o marinheiro desviou o olhar seu olhar das ondas ameaçadoras.
E olhou para cima. Ele conseguiu subir com segurança e executar a sua tarefa

Quando os dias de tribulação revolvem a nossa vida, quando as tempestades da vida.
Confundem-nos, perdemos o equilíbrio e somos ameaçados de despencar.

Entretanto se desviar-mos nosso olhar dos perigos e olharmos para o ajudador,
se buscarmos a face do senhor em oração e agarramos a sua poderosa mão, nosso coração se aquietará, receberemos força e paz para podermos executar as nossas tarefas em meio as tempestades e finalmente seremos vitoriosos.

Colaboração enviada por: Ana Cintia Souza Gomes

enviada por Ana Cintia Souza Gomes
2 compartilhamentos

SOMBRA DOS VENTOS

Cansado de ser marinheiro nauseado
De remar à unha rumo a dezembros nublados
Pus-me ao solo encravado
Aqui ando e corro descalço

Meu superego, campo farto de hectares
Da primeira à última porteira
Posse tenho das poças em que tanto afogo
Eu quem afaga a cada seca desse cerrado
Eu quem afaga
Espelho de faca

Plantarei um pássaro
Para asas fazerem sombra em meu quintal
Sujo, eivado, de esgalho (ou da migalha)

O assoalho de meu quintal...
Solo, sujo, sol e chão
Farto de folhas de feridas que secaram
No outono que se foi.

Não como a sorte que nasce nos trevos
Nas vielas dos meus dedos...
A minha sorte - eu tenho outras -
Ainda é cedo
Pra mostrar

Quero (mais do que posso); vê lá se posso
Oh, esperança tão teimosa

Quero comprar uma rede
Pra me balançar
E voar em vento
Pra mo'da vida não parar

A minha sorte - eu tenho outras -
Ainda é cedo
Pra mostrar

Fabrício Hundou - um autor desconhecido.

Por quantos mares bravios precisa um marinheiro navegar para descobrir a si próprio? Sete mares nunca serão suficientes...
Por quantas mortes trágicas precisa um doce poeta passar para saber que no final, o realmente valeu a pena foi a beleza da tragédia leviana e desnecessária? sete vidas jamais bastarão...

Lu Correia

não sou marinheiro muito menos mergulhador mas me afoguei neste mar traiçoeiro que se chama amor

Luiz Felipe

DESTINO

Soprava o vento
na vela de um veleiro
e o marinheiro
aportou em outro cais
fecha os portais
do coração aventureiro
que o verdadeiro
amor não se desfaz

Guibson Medeiros

É urgente
O tempo
Antes que se perca o amor.
Um marinheiro.
Antes que o barco encalhe na praia.
Construir certas palavras.
Antes de destruir palavras certas.
Inventar a felicidade.
Antes que sejamos invadidas pelo
Ódio
Solidão
Multiplicar os beijos.
Descobrir rosas.
Rios
Mar
Orvalho
Manhãs de luz.!

IsabelMoraisRibeiro

Bom marinheiro só se faz
Com tempestade no mar
Que o ensina velejar
São e salvo retornar.
E a pipa só pode voar
Se um vento forte a empinar
E com sua força arrastar
Seu corpo leve no ar
Tudo é difícil mas é só
até fácil se tornar
Boas notícias vão chegar
Se você acreditar.

Marcela Tais