Coleção pessoal de michelfm

161 - 180 do total de 1017 pensamentos na coleção de michelfm

⁠⁠Difícil Distinguir

⁠Narre-me o que não me convence,
Banhe-me de lorotas que me alimentem. 
Não sei mais se pago pela sua prece,
Por ter me nutrido como os que sentem. 

⁠É pesado demais, 
mas não cobiço. 

Já estou há tanto nisto, 
Que não mais distingo. 
⁠Seja lá o que distinguir. 

Logre-me, ludibrie-me. 
Faça-me crer que é admissível, 
Seja razoável e me faça cabível. 

⁠Se não lhe couber não se acuse. 
Viste como é pesado demais o que visto ? 
Vestimenta abençoada que amaldiçoa-me. 

Mas gosto-a. 

⁠Já estou há tanto nisto, 
Que não mais distingo. 

Michel F.M.

⁠A beleza obscura de criaturas noturnas é dedicada a raros apreciadores.

Michel F.M.

⁠Já estou há tanto nisto, 
Que não mais distingo. 

Michel F.M.

⁠Se não lhe couber não se acuse. 
Viste como é pesado demais o que visto ? 
Vestimenta abençoada que amaldiçoa-me. 

Mas gosto-a. 

Michel F.M.

⁠Seja lá o que distinguir. 

Logre-me, ludibrie-me. 
Faça-me crer que é admissível, 
Seja razoável e me faça cabível. 

Michel F.M.

⁠É pesado demais, 
mas não cobiço. 

Já estou há tanto nisto, 
Que não mais distingo. 

Michel F.M.

⁠Narre-me o que não me convence,
Banhe-me de lorotas que me alimentem. 
Não sei mais se pago pela sua prece,
Por ter me nutrido como os que sentem. 

Michel F.M.

⁠Longa Róliudiâno 

Produção barata, 
Intérpretes de terceira, 
Tapumes pré-moldados, 
Um script de asneiras, 

O possante, os malvados, 
Pancadaria e bebedeira, 
Rachas, berros, tiroteio, 
A cachoeira, a ribanceira, 

Jaquetas pretas, o rodeio, 
Marshmelows e a lareira. 

Trampando em lanchonete, 
Tramando contra o tédio, 
Trafegando na internet, 
Traficando seu assédio. 

Nível tático e diabólico, 
Arremessando o currículo, 
Adversários do bucólico, 
Avaliados num cubículo. 

Degustando a programação, 
Cuspida de seu televisor, 
Vomitando a superstição, 
Que veio impor um estupor. 

Taquei noutro canal, cansei daquela vista, 
Tive a impressão de que me vi Protagonista. 

John, Jane and Joanne, 
Loucamente alucinados,  
Trucidando o quotidiano, 
Exaltados, desvairados,  
Num Longa Róliudiâno.   

Michel F.M.

⁠John, Jane and Joanne, 
Loucamente alucinados,  
Trucidando o quotidiano, 
Exaltados, desvairados,  
Num Longa Róliudiâno.   

Michel F.M.

⁠Taquei noutro canal, cansei daquela vista, 
Tive a impressão de que me vi Protagonista. 

Michel F.M.

⁠Degustando a programação, 
Cuspida de seu televisor, 
Vomitando a superstição, 
Que veio impor um estupor. 

Michel F.M.

⁠Nível tático e diabólico, 
Arremessando o currículo, 
Adversários do bucólico, 
Avaliados num cubículo. 

Michel F.M.

⁠Trampando em lanchonete, 
Tramando contra o tédio, 
Trafegando na internet, 
Traficando seu assédio. 

Michel F.M.

⁠Jaquetas pretas, o rodeio, 
Marshmelows e a lareira. 

Michel F.M.

⁠O possante, os malvados, 
Pancadaria e bebedeira, 
Rachas, berros, tiroteio, 
A cachoeira, a ribanceira, 

Michel F.M.

⁠Produção barata, 
Intérpretes de terceira, 
Tapumes pré-moldados, 
Um script de asneiras,

Michel F.M.

⁠Num oceano de tristezas, uma gota de alegria.

Michel F.M.

⁠15 pras 8 em Hiroshima 

Numa segunda-feira fresca de agosto,
Novidades repetidas soavam no rádio.
Asami despertou, com o assovio Angelical dos rouxinóis. 

Lavou seu rosto na bacia, 
Escovou os dentes, 
Arrumou seus lençóis, 
Calçou os sapatos de feltro, 
Após colocar as meias de algodão, 

Seus tornozelos doloridos, 
Um repuxão, devido à queda do balanço. 
Mas surgia um novo dia, 
Ela enrolou seu lenço no pescoço,

Mostraria àquele parquinho, 
Quem era a menina das acrobacias,
Desceu as escadarias, ligeira; 
Na mesa comida típica, 

Um desjejum de algumas delícias. 
Mamãe abotoou a gola de linho, 
Penteou seus cabelos, fez carícias, Regou as plantas com carinho. 

Colheu um ramo de cerejeira, 
Organizou a estante, os bibelôs 
E as porcelanas na penteadeira; 
Encostou as tramelas dos vitrôs. 

A esta altura estava atrasada, 
Asami ficou sem carona, 
O ônibus passou na estrada, 
Teria ela uma maratona. 

Uma milha a pé caminhou, 
Pelo bosque sacro andou, 
Uma árvore de Ipê avistou, 
Cruzando a praça e a venda. 

Comeu algumas guloseimas, 
Ao colégio chegou pra merenda. 

Ás 15 pras 8 em Hiroshima, 
Asami despertou, com o assovio 
Angelical dos rouxinóis. 

Enquanto isso, no extremo 
Oposto do planeta, 
Magnatas despertaram 
Obstinados a uma ordem. 

Nunca viram seu rosto, 
Não sentiram o gosto do café, 
Esqueceram que existe pureza, Tornaram-se escória, ralé. 

Num abismo ruiu o humanismo, 
Perpetuou-se o sacrilégio, 
Entre o maligno e a bondade, 
Um eterno conflito cego. 

Asami alcançou a imortalidade, 
Mártir por sua alvura e conchego. 

Mamãe nunca mais arrumou sua gola, 
Asami nunca mais, calçou seus sapatos 
E foi à escola. 

Ás 15 pras 8 em Hiroshima, 
Asami despertou, com o assovio 
Angelical dos rouxinóis. 

Ás 15 pras 8 em Hiroshima, 
Asami despertou...

Michel F.M.

⁠Ás 15 pras 8 em Hiroshima, 
Asami despertou... 

Michel F.M.

⁠Mamãe nunca mais arrumou sua gola, 
Asami nunca mais, calçou seus sapatos 
E foi à escola. 

Michel F.M.