Havia, num lugar distante, um homem velho muito pobre, tão pobre que não tinha o que comer.

Um dia, roubaram o tesouro do rei e este disse que, quem adivinhasse a pessoa que o tinha roubado, ganharia uma grande soma de dinheiro.

Mentiram sobre o senhor muito pobre e foram contar ao rei que ele tinha dito que sabia quem havia roubado o tesouro. O rei mandou-o chamar e deu-lhe três dias para adivinhar, sob pena de morte.

Ficou o pobre homem no palácio, com ordem de comer do bom e do melhor.

Logo no primeiro dia, apareceu um criado que o serviu de muitos bons manjares e o homem comeu até não poder mais. Quando acabou, virou-se para o criado e disse:

— Graças a Deus, já vi um.

Isto foi referindo-se ao bom tempo que estava passando, pois na sua vida aquele era o primeiro dia que tinha comido melhor.

No entanto, o criado, que era um dos cúmplices do roubo, ficou muito espantado e foi dizer aos outros dois companheiros o que tinha ouvido do velho.

Então, combinaram que no outro dia iria outro criado servir o velho para ver o que ele dizia.

Depois de ter comido e bebido bem no segundo dia, diz o velho para o criado:

— Graças Deus, já vi dois.

O criado muito desconfiado disse aos outros:

— Não há dúvida, o homem sabe que fomos nós que roubamos o rei.

Então, o terceiro criado para ter certeza, foi servir o velho no terceiro dia. Este, depois que comeu bem, repetiu:

— Graças a Deus, já vi três.

Assustado, o criado ajoelhou-se aos pés do pobre homem e declarou que tinham sido eles que tinham roubado o tesouro do rei, mas que ele guardasse segredo, que eles prometiam entregar toda a quantia.

O velho, que estava condenado à morte, assim que se viu senhor do segredo, jurou não declarar quem tinha feito o roubo e foi logo entregar o tesouro ao rei. Este ficou muito contente e recompensou o velho com uma grande soma de dinheiro.

Os criados, por sua vez, não roubaram mais, com medo de serem descobertos.

Veja também: