Rafael Junger de Castro Medeiros

Encontrados 21 pensamentos de Rafael Junger de Castro Medeiros

O ser humano não consegue conviver com dúvidas; para acalentar o seu eu, propõe respostas. O grande erro de todas as civilizações é atribuir o desconhecido às divindades sem nem mesmo propor respostas plausíveis. Entretanto, para mentes brilhantes, é o maior instrumento de controle de massas.

Rafael Junger de Castro Medeiros
Inserida por junger

Sempre me causou profunda revolta quando ouvia um orientador, com alta titulação, dizer: “felizes são os ignorantes”. Hoje percebo que deter certas verdades é gratificante por ter-las alcançado, mas uma maldição conviver com elas

Rafael Junger de Castro Medeiros
Inserida por junger

Todo ser humano idolatra os seus mártires, subversores e promotores da “liberdade”; tudo para se autodenominar livre. Tolos, ignorantes e idiotas que não se vêem amarrados a formas de domínio passiva, seguindo feliz todos os passos que são ditados.

Rafael Junger de Castro Medeiros
2 compartilhamentos

O ser humano se autodenomina em uma classe diferente dos animais, independente de filogenia, mas num parâmetro de “animal racional”; e existem mil argumentos nesse sentido. Não busco uma discussão sobre isso, apenas compreender certas coisas. Que animal destrói o seu próprio habitat conscientemente? Que espécie errante é essa que prolifera desordenadamente a ponto de esgotar seus suprimentos? Que animal racional se dividi em milhões de diferentes facções, tribos, grupos...., em eterno conflito, matando-se mutuamente? ... e com o crescimento dessa violência, se sentem bem dentro de suas gaiolas cheias de chaves. As perspectivas de futuro?

Rafael Junger de Castro Medeiros
9 compartilhamentos

Existem cenários cíclicos: Guerras foram travadas, territórios apropriados, destruição, desmatamento, magoas contraídas, ódio confeccionado, desmantelamento de laços fortes, destruição, escravização, abuso, ausência de limites, ... tudo em nome de um único instinto humano, a necessidade de ter o controle de tudo, o domínio... E fez isso em nome de ideologias, discurso desenvolvimentista, soberanias, amor... Mas no fundo, durante toda a historia, o homem sempre quis ser o controlador das massas, do desconhecido, dos territórios, .... de tudo.

Rafael Junger de Castro Medeiros
Inserida por junger

Ouso-me a aventurar por caminhos desconhecidos porque prefiro conviver com as incertezas e em paralelo a remedição das mesmas; do que viver a extrema calmaria da comodidade e segurança. Só assim consigo me sentir vivo.

Rafael Junger de Castro Medeiros
3 compartilhamentos

Barreiras sociais sempre foram colocadas e repassadas por gerações, reinventadas... e sua banalização é tão grande que aprendemos a conviver com as mesmas, sejam morais, éticas, intelectuais, ... Mas as vezes é divertido atravessá-las nem que seja por uma simples abstração momentânea de uma sociedade unificada; ou extrapolação do ser único; ou mesmo um momento de experiência para ter um discurso critico mais consistente.

Rafael Junger de Castro Medeiros
Inserida por junger

Vivemos em um mundo de muralhas que construímos para nos defender dos próximos; À medida que envelhecemos tornamo-nos melhores construtores.

Rafael Junger de Castro Medeiros
Inserida por junger

Na grande maioria das civilizações humanas, o processo de reabilitação dos que não conseguem viver em sociedade é a prisão. O que me parece obvio é que esse sistema não cumpre o seu papel apenas aprimora o delinqüente em suas atitudes desviadas. O homem só respeitas regras com punições mais severas, um pouco de opressão é fundamental em uma sociedade que protege seus desertores

Rafael Junger de Castro Medeiros
Inserida por junger

A grande tolice das massas idiotas e desprezíveis é esquecer-se do que é importante facilmente, basta existir uma festa, um evento, um “pão e circo” que todos os problemas passam, os corruptos são esquecidos, os erros apagados, ... não existe memória mas sim a esperança de um novo evento. Por isso desisti de lutar contra isso, vejo que é melhor mesmo serem enganados, roubados, ... controlados por mentes superiores, existem verdades que quando ditas podem chocar, mas é uma simples observação da realidade imutavel.

Rafael Junger de Castro Medeiros
Inserida por junger

O domínio passivo, não se usa armas nem violência, apenas o poder da palavra. Na historia sempre existiram os dominados e os detentores do poder e, em todas as relações humanas se faz presente. Estar no poder realmente são poucos, é uma seleção natural; em um grande contingente de pessoas apenas um pequeno grupo se destaca, a grande maioria opta em ficar na inércia, ou simplesmente não tem capacidade de se destacar. Isso independe de poder,... Um idiota que herda uma fortuna pode ter estudado nas melhores escolas, mas é fato que pelo simples fato de ser um idiota por natureza irá destruir o patrimônio. Entretanto uma mente brilhante pode morar nas ruas, estudar nas bibliotecas publicas e passar em um concurso. Essa é uma hierarquia imutável

Rafael Junger de Castro Medeiros
Inserida por junger

Muitos se acham espertos por passar uma vida inteira sendo apenas levado pela correnteza, espertos por ganhar sem trabalhar, por enrolar um dia inteiro em seus empregos públicos, por roubar algo que ninguém vai dar falta, em aplicar golpes, ou seja os verdadeiros parasitas. Mas existe uma pequena minoria que luta por alcançar algo novo, que não se limita em ver um problema e pensar “um dia alguém conserta” mas busca inovações, que anda no fluxo mas para e tem discernimento de observar a massa indo e ver o alem, podendo escolher o seu caminho; esses são aqueles que deixam as suas marcas em pedras, o seu nome em livros, que são ícones na historia, são aqueles que fizeram alguma coisa notável

Rafael Junger de Castro Medeiros
3 compartilhamentos

A vida é como o estado de embriaguez, hora vivemos a euforia, hora a reflexão; uma não existe sem a outra.

Rafael Junger de Castro Medeiros
2 compartilhamentos

Ainda que me derrubem por meio de decepções, traições, inveja,... eu sempre vou encontrar forças nos momentos menos oportunos; e estas serão a mola propulsora para me reerguer. Agradeço aos que um dia me proporcionaram a possibilidade de constatar minha capacidade de superação, a eles resta apenas o tempo e o questionamento se farão o mesmo.

Rafael Junger de Castro Medeiros
160 compartilhamentos

Muitas vezes, aqueles que se apresentam com as melhores intenções, bondade,... são os que escondem toda a maldade. Começa te oferecendo um sorriso, bondade, carinho, e um dia se depara desgraça e destruição.

Rafael Junger de Castro Medeiros
Inserida por junger

Aqueles que me prejudicaram, desejo apenas o tempo; porque de todos os males que me causaram não precisei retribuir, como um telespectador, o vi chegar como. Também não espero desfrutar desse ocorrido com satisfação, mas sim demonstrar solidariedade. A maior maldição não virá de uma vingança própria, mas da consciência do individuo mesquinho. Assim elevo-me frente aos meus inimigos.

Rafael Junger de Castro Medeiros
2 compartilhamentos

Podemos nos reportar ao maior dos luxos para buscar satisfação, mas encontrar realmente a paz na simplicidade. Assim também são as pessoas, muitas vezes traçamos perfis padrões para o convívio, mas encontramos bons sentimentos naqueles que fogem aos requisitos.

Rafael Junger de Castro Medeiros
Inserida por junger

Existem atos que poderiam ser bons, mas tendem a maldade. Não existe caridade quando associada à promoção pessoal, adoção sem educação, amor sem liberdade, carinho sem respeito... Pois do contrario, o ato pode ser drástico; o vento pode refrescar em um dia de calor, mas também pode machucar quando associado à areia.

Rafael Junger de Castro Medeiros
2 compartilhamentos

Quase sempre a miséria é mantida para gerar benefícios próprios de poucos. Afinal, entre os miseráveis está o voto fácil, a oportunidade de autopromoção, de captar recursos sob justificativa de bons atos, manipulação... Também existem aqueles que se mimetizam como miseráveis para como integrante do grupo, desfrutar destes benefícios, justificados por uma ascensão “justa”. De que adianta curar a ferida de um doente, apenas para obter a imagem do eterno caridoso e após o reconhecimento de todos desfrutar lucros vertiginosos e esquecer os “ideais”.

Rafael Junger de Castro Medeiros
Inserida por junger

O ópio da saudade

Muitas vezes em meio a correria, anseios, buscas, idealizações, superações, ...., em suma tudo o que remete a uma projeção do futuro , ficamos imersos nestes pensamentos e esquecemos de todo o resto. Mas às vezes, meio que repentinamente, nos deparamos com coisas sutis que nos chocam como uma batida de carro e nos colocam num estado de transe profundo, com sentimentos e sensações próprios de quem teve um passado e vem construindo uma história.

E em meio a esta viagem acolhedora permanecemos por alguns minutos até que alguém nos interrompa ou até que termine uma música, e quando retornamos à realidade voltamos cheios de si revigorados para continuar.

Mas forte que qualquer composto químico, droga, eletrochoque, manipulação da mente ou outra coisa que possa tirar uma pessoa da realidade, o estopim para esta viagem pode vir de um odor forte e característico de um perfume marcante, uma sensação, um lugar ou ainda mais funcional, uma música. Mas não é algo em que se possa reproduzir a todo o momento como um viciado que manipula droga a todo o momento, porque perderia toda a sua funcionalidade. São momentos únicos e irreprodutíveis que nos acometem meio que repentinamente como, ao abrir um frasco de perfume e remeter a um momento único de quando usava aquele perfume, ou uma pessoa para quem se produzia com aquele odor, ou ainda a uma carta perfumada que recebeu de alguém. E a partir daquele simples odor vem uma recordação e um arcabouço de outros sentimentos que provocam uma reflexão daquele momento até os dias atuais, como uma linha do tempo ou um longa metragem que passa em alguns segundos.

Sentimentos que tiram completamente a atenção como ao entrar em um carro e colocar naquela rádio que seus pais escutavam quando era jovem, e perceber que a música da sua adolescência agora toca lá. E ao se embebedar com uma imersão de sentimentos, passa a refletir sobre as baladas que dançou ao som daquela música, e quanto tempo passou desde então e não é mais aquele jovem; da inocência que tinha naquela época e se perdeu; das magas que fizeram você se tornar uma pessoa mais madura, mas completamente diferente; das pessoas que amou e das que te fizeram sofrer; os amigos que não vê mais bem como aqueles que não poderá encontrar; de como as coisas eram diferentes; da época que pensava em ser astronauta e no que se tornou; da vontade de mudar o mundo até o momento que se tornou apenas mais um; de como seus pais pareciam chatos em alguns momentos e que hoje, talvez, você cometa as mesmas chatices; de todo o que queria fazer e não fez; de quanto cabelo você tinha; das coisas que não precisava se preocupar e hoje te tornam uma pessoa estressada; mas também das superações que teve para chegar até onde está hoje e quem sabe, pensar melhor em para onde quer ir. E no final desta viagem de curta duração fica um bem estar e a retomada a realidade.

Rafael Junger de Castro Medeiros
Inserida por junger

Grandes soluções, inventos, alternativas mirabolantes... perdem todo o seu ar de ineditismo quando vistas do ponto de vista real: são meras observações de fluxos, ciclos, processos, ... naturais. Para cada ação existe uma reação, para cada estímulo existe uma resposta, ... e tudo isso é regido por ciclos mapeáveis e reproduzíveis. Como um rio que tende ao equilíbrio dinâmico após um distúrbio, como a proliferação de bactérias que reagem em um vazamento de óleo, como o crescimento demográfico em resposta a melhores condições de vida, como a insatisfação de uma população e queda de uma representação frente a deliberações que ferem os objetivos do povo,.... É incrível como em uma aula sobre revolução francesa, por exemplo, os alunos se identificaram semelhanças com momentos de contestação da forma de poder, até mesmo nos dias atuais e estabeleceram paralelismos e projeções, ou como em uma aula sobre “wetlands” os alunos mais atentos viam o que parecia óbvio: sua aplicação em tratamento de efluentes, ... Conheça a fundo os processos, busque na história fenômenos semelhantes, tenha sensibilidade de observar os as tendências naturais de resposta e conhecerás as melhores soluções. Mas nunca se considere um inventor, porque antes de ti alguém pode ter pensado a mesma coisa. Existe uma diferença grotesca entre inventar e descrever algo que observa, ou uma ferramenta que adaptou para solucionar um problema, otimizar, ... Invenção é uma palavra muito mais ligada ao ego que à sua real aplicação.
Por fim gostaria de me manifestar contrário à tendência atual de especialização, segmentação e limitação do saber. Grandes pensadores não estudavam, inovavam e faziam importantes descrições e constatações apenas em uma ciência, mas em praticamente todas. Isto porque não se limitavam a ser especialistas do sub segmento de uma parte de uma divisão de uma ciência. Eles tentavam entender o todo, as inter relações, ... e estas visões multidisciplinares lhes garantia uma visão mais clara de como realizar um teste, ou uma maior riqueza de argumentos, ou permitia uma ferramenta mais funcional... Filósofos eram engenheiros, matemáticos, cientistas naturais, ... é como o reger de uma orquestra, tiram o melhor de cada instrumento (ciência) para desenvolver sua canção (pensamento). Hoje se você se propõe interagir com diferentes ciências, se você explica algo sob diferentes pontos de vista ou fundamentado por diversos argumentos, provavelmente é prolixo, criticado pelos limitados (quem não acompanha tem aversão), ou vai ser um gestor, ou.... Quando tento juntar as áreas biológicas com exatas e humanas o resultado é o susto e as críticas dos ignorantes e a afeição de um futuro colega de trabalho. Uma vez ao termino de uma aula um aluno cabisbaixo me apresentou seu trabalho de conclusão de curso da primeira graduação. Abriu o arquivo aparentemente apreensivo e cabisbaixo aguardando criticas (o que seria bom se elas fossem legitimas e construtivas), mas ao final só consegui elogiar; foi então que ele me revelou o posicionamento da banca. Ele se propôs a desenvolver uma cadeira em um curso de designer, mas seu projeto com mais de 100 páginas, falava sobre a disposição dos órgãos humanos e que uma postura inadequada poderia, por exemplo, comprimir o diafragma limitando a respiração, a oxigenação do cérebro e consequentemente a capacidade produtiva; ele também falou sobre os custos de diferentes materiais e as possibilidades de aquisição do produto/público; falou sobre segurança/risco de tombo e como o seu modelo mitigava isso; sobre designer em si; sobre como desenvolveu um protótipo; ângulo de visão frente a uma TV ou tela de PC; sobre mudanças e adaptações para diferentes ambientes; ... e segundo ele, a banca criticou. Me veio à mente situações semelhantes onde pessoas que viam o que não lhes era familiar, criticavam para não admitir suas limitações pessoais ...

Rafael Junger de Castro Medeiros
Inserida por junger