Rafael Junger de Castro Medeiros: Grandes soluções, inventos,...

Grandes soluções, inventos, alternativas mirabolantes... perdem todo o seu ar de ineditismo quando vistas do ponto de vista real: são meras observações de fluxos, ciclos, processos, ... naturais. Para cada ação existe uma reação, para cada estímulo existe uma resposta, ... e tudo isso é regido por ciclos mapeáveis e reproduzíveis. Como um rio que tende ao equilíbrio dinâmico após um distúrbio, como a proliferação de bactérias que reagem em um vazamento de óleo, como o crescimento demográfico em resposta a melhores condições de vida, como a insatisfação de uma população e queda de uma representação frente a deliberações que ferem os objetivos do povo,.... É incrível como em uma aula sobre revolução francesa, por exemplo, os alunos se identificaram semelhanças com momentos de contestação da forma de poder, até mesmo nos dias atuais e estabeleceram paralelismos e projeções, ou como em uma aula sobre “wetlands” os alunos mais atentos viam o que parecia óbvio: sua aplicação em tratamento de efluentes, ... Conheça a fundo os processos, busque na história fenômenos semelhantes, tenha sensibilidade de observar os as tendências naturais de resposta e conhecerás as melhores soluções. Mas nunca se considere um inventor, porque antes de ti alguém pode ter pensado a mesma coisa. Existe uma diferença grotesca entre inventar e descrever algo que observa, ou uma ferramenta que adaptou para solucionar um problema, otimizar, ... Invenção é uma palavra muito mais ligada ao ego que à sua real aplicação.
Por fim gostaria de me manifestar contrário à tendência atual de especialização, segmentação e limitação do saber. Grandes pensadores não estudavam, inovavam e faziam importantes descrições e constatações apenas em uma ciência, mas em praticamente todas. Isto porque não se limitavam a ser especialistas do sub segmento de uma parte de uma divisão de uma ciência. Eles tentavam entender o todo, as inter relações, ... e estas visões multidisciplinares lhes garantia uma visão mais clara de como realizar um teste, ou uma maior riqueza de argumentos, ou permitia uma ferramenta mais funcional... Filósofos eram engenheiros, matemáticos, cientistas naturais, ... é como o reger de uma orquestra, tiram o melhor de cada instrumento (ciência) para desenvolver sua canção (pensamento). Hoje se você se propõe interagir com diferentes ciências, se você explica algo sob diferentes pontos de vista ou fundamentado por diversos argumentos, provavelmente é prolixo, criticado pelos limitados (quem não acompanha tem aversão), ou vai ser um gestor, ou.... Quando tento juntar as áreas biológicas com exatas e humanas o resultado é o susto e as críticas dos ignorantes e a afeição de um futuro colega de trabalho. Uma vez ao termino de uma aula um aluno cabisbaixo me apresentou seu trabalho de conclusão de curso da primeira graduação. Abriu o arquivo aparentemente apreensivo e cabisbaixo aguardando criticas (o que seria bom se elas fossem legitimas e construtivas), mas ao final só consegui elogiar; foi então que ele me revelou o posicionamento da banca. Ele se propôs a desenvolver uma cadeira em um curso de designer, mas seu projeto com mais de 100 páginas, falava sobre a disposição dos órgãos humanos e que uma postura inadequada poderia, por exemplo, comprimir o diafragma limitando a respiração, a oxigenação do cérebro e consequentemente a capacidade produtiva; ele também falou sobre os custos de diferentes materiais e as possibilidades de aquisição do produto/público; falou sobre segurança/risco de tombo e como o seu modelo mitigava isso; sobre designer em si; sobre como desenvolveu um protótipo; ângulo de visão frente a uma TV ou tela de PC; sobre mudanças e adaptações para diferentes ambientes; ... e segundo ele, a banca criticou. Me veio à mente situações semelhantes onde pessoas que viam o que não lhes era familiar, criticavam para não admitir suas limitações pessoais ...

1 compartilhamento
Inserida por junger