Moacir LuÌs Araldi

201 - 225 do total de 591 pensamentos de Moacir LuÌs Araldi

Não precisa escolher.
Se não for o amarelo
Qualquer sorriso fica bem em você.

Moacir LuÌs Araldi
Inserida por Moapoesias

Menina sarada
Varou a madrugada
Não foi conquistada
Amanheceu de pá virada.
Pensou que a vida não vale nada
Amou e não foi amada
Pelo destino foi goleada
A depressão a deixou desanimada
Gritou por socorro desesperada
Silenciou, não viu mais nada,
Como indigente foi sepultada.

Moacir LuÌs Araldi
Inserida por Moapoesias

Sonhando com um pouso leve,
Percebe que seus pés nunca saíram do chão.
Inquieta é somente sua alma,
Que quer sobrevoar o mundo
Levitando sua fértil criação.
Nos ares a liberdade pra recriar num segundo
Um poema feito balão,
Pois o poeta fica imóvel,
Decola somente sua imaginação.

Moacir LuÌs Araldi
Inserida por Moapoesias

No meio da noite a vida se ativa.
Nos dedos perfume de rosas.
Agora repousam no vaso cristalino.
Ao menos assim imagino.
Aproxima-se delas para cheirá-las,
odor nostálgico dali exala
eu sinto, eu toco, inspiro,
invisível como o ar que respiro.

Moacir LuÌs Araldi
Inserida por Moapoesias

Seguir é aceitar as lembranças do que vivemos
E caminhar em busca de novas histórias
para lembranças futuras.

Moacir LuÌs Araldi
Inserida por Moapoesias

Mantenha tua mão elevada.
como quem quer tocar o céu.
Olhe, há frutas secas na salada.
Peça chuva
a nuvem é alcançável.
Dobre-se.
De joelhos a prece se afirma
orgulho naufraga
a gravata beira o chão.
Abaixe teu nariz
debaixo é que vem a água do chafariz.
Quem se aproxima de Deus
caminha pra ser feliz.

Moacir LuÌs Araldi
Inserida por Moapoesias

Canivete corta a corda
Na ponta da palha em breve brasa
A fumaça sobe sem rumo
Distorcendo a prosa rasa
Pois o ar não respeita o prumo
Como tudo na vida
Em fumaça, foi-se o fumo.

Moacir LuÌs Araldi
Inserida por Moapoesias

Não represe o rio da tua vida
Deixa em livre curso
O destino final não importa
Para águas que correm felizes.

Moacir LuÌs Araldi
Inserida por Moapoesias

Invisível menino pobre de rua
Cujo futuro nem a Deus entrega
Sutil como as fases trocadas da lua.
Nu de carinho como as pedras da calçada crua.
Sem paz nunca sossega
Sem amor a sua vida enfraquece
Com fome a ninguém se apega
Ainda assim pede aos céus em prece.

Moacir LuÌs Araldi
Inserida por Moapoesias

Minha poesia é nada do que sou,
é noite desgostosa de bebedeiras
é escrita em lugares que não vou
é delírio inocente antes da saideira.

Minha poesia mergulha no seco
ardente como pés no chão quente
sombreada com a ausência sentida
é vazio que ainda assim me dá vida.

Minha poesia intimista é chata,
penso que poucos a admiram,
minha inspiração pode ser ingrata,
mas ainda assim é por ela que respiro.

Moacir LuÌs Araldi
Inserida por Moapoesias

Engorde-se

Nestas épocas de festas e fé
Extrapole, solte-se, viva.
Engorde-se de amor,
Tome todas as doses de carinho possíveis.
Pegue pesado na doçura da vida,
Afinal, a magreza espiritual só atrapalha.
Deixe de lado a rotina,
Abra o sorriso,
Dê leveza as traços do rosto,
Abrace com firmeza
A vida é tão bela,
Não vale a pena viver a tristeza.

Moacir LuÌs Araldi
Inserida por Moapoesias

VELHOS ARQUIVOS
Escuto um poema falado,
mergulho em mim extasiado
tão recente... Tão passado.
Ao fundo uma música conhecida
que balança a sensibilidade
já abalada nesta idade.
Procuro em velhos arquivos
minha poesia mais linda,
tempos que me sentia poeta,
acho que eu nem tinha nascido ainda.
O mundo pra mim passou,
hoje sou papel amarelado
de um poema obsoleto e mal acabado.

Moacir LuÌs Araldi
Inserida por Moapoesias

"O meu primeiro verso fala de amor.
O segundo... Ratifica o anterior."

Moacir LuÌs Araldi
Inserida por Moapoesias

Com a rapidez nas informações, hoje em dia, tenho a sensação que todos os jornais impressos que chegam cedinho, são velhos.

Moacir LuÌs Araldi
Inserida por Moapoesias

Centro

Haveria de dormir sorridente
No centro do olho brilhante,
Mas tem o medo,
Pois todo brilho do olho
Traz consigo algum segredo.

Amantes fecham os olhos pra beijar.
Se abertos nada viriam,
Não se vê o que se sente
Amor não esta no olho...
Está na mente.

Mas tem o brilho,
E com ele os segredos
Olhar no centro e de frente
É coisa pra quem não tem medo.

Moacir LuÌs Araldi
Inserida por Moapoesias

Cena

A noite colou folhas na árvore
Um riozinho límpido também fez,
A lua cheia não ficou fora da paisagem,
Tudo perfeito e com grande nitidez.

Rabiscou um poema de amor
Decolou pensamentos sem limites
Sentiu-se livre para voar
Feito ave sem pressa de pousar.

Subitamente voltou para onde estava
Assim mesmo não desanimou.
Ainda que não fosse a vida que sonhava
Mantinha esperança já que nada desmoronou

Moacir LuÌs Araldi
Inserida por Moapoesias

O POETA DE PASSO FUNDO
O poeta de Passo Fundo
Faz versos para todo mundo
É o orgulho do Brasil
De Carazinho*, num segundo
Lançou um olhar bem profundo.
Para o céu azul anil.

Traz os versos na alma
Sua poesia acalma,
Amigo bom e gentil.
Traz a pena na palma,
É simples, fisionomia calma.
Esperança primaveril.

São versos de esperança,
Numa alma de criança,
Brincando com letras mil.
Para o futuro avança,
Em sua eterna andança,
Com o seu lápis servil.
(Regina Madeira)
Poema recebido da amiga poetisa Regina Madeira.

Moacir LuÌs Araldi
Inserida por Moapoesias

Suco de maçã
Aquela noite não quis sair. Preferiu ficar no aconchego da casa.
Na rua só fatos rotineiros, nuvens pesadas escondiam a lua, pela qual tinha grande atração.
Nos bares em frente a sua casa, os amigos riam e bebiam em mesas colocadas sobre as calçadas. Cenas absolutamente rotineiras. Na sua solidão fitava a rua pela janela de vidro e mantinha-se atento ao telefone celular. Como não surgia a tão desejada ligação resolveu fazer um suco. De maçã. Se sua amada estivesse ali diria que era da fruta proibida. Sempre era assim. Esta insignificante lembrança deu-lhe certo alívio e conforto.
Gargalhou da própria sorte. Fechou os olhos e deixou rodar na memória os mais belos momentos que junto passaram.
A rememoração do perfume dela enchia a casa de certo cheiro de saudade. Mas o telefone permanecia mudo e aquilo o angustiava. E aquela voz que o faria feliz não era ouvida.
Só uma ligação e bastava.
Contudo o dia amanheceu. O telefone não tocou. Ficou aquela lacuna sem ser preenchida.
Na noite seguinte quando ela chegou e perguntou se havia esperado muito pela ligação, orgulhoso, mentiu que tinha dormido cedo.
Assim teve uma noite perfeita.
Dessas que valem por uma vida.

Moacir LuÌs Araldi
Inserida por Moapoesias
1 compartilhamento

Estradas

As estradas me encantam em qualquer lugar que eu ande.
Tem suas próprias características. Seu ruído. Nada se compara ao barulho das rodovias.
Carros que vão, vão... Carros que vem , vem...
Quantos sonhos passam nas suas faixas. Gente levando sonhos e trazendo lembranças. Trazendo sonhos e levando lembranças. Mudando e levando mudanças. Construindo a sua história e seus álbuns. Quantos amores, por elas, vão e vem. Casais amando em suas extensões. Pais buscando nelas, o sustento da família. Valores que transitam em proporções gigantescas. A alegria e a euforia da chegada, o abraço da acolhida, o adeus da partida.
Sempre alguém diz: vá com Deus.
E as paisagens. Quantas ficam registradas em nossa mente e lá permanecem para sempre.
As serras serpenteando morros e montanhas. Beleza indizível. A passagem sobre pontes, viadutos e ferrovias me dá uma sensação de romper barreiras quase intransponíveis da vida. A gastronomia, com seus cafés coloniais deliciosos. Os artesanatos e fruteiras. A água que desce entre matos refrescando o ar. O cheiro da natureza, nestes pontos, é tão próprio. Os longos trechos em subidas e descidas. E tem as buzinadas de advertências e de agradecimentos pela gentileza na ultrapassagem.
À noite, as luzes, dão aquele efeito de cidades móveis. Quer maior lindeza? Os trevos que, como à vida, nos deixam em dúvida sobre o caminho a seguir.
Os locais não conhecidos sempre desafiando nossa imaginação. A música rodando e a cabeça, em outras viagens. A frenagem dos caminhões que assustam e emocionam.
Eu sei que tem buracos, acidentes, assaltos, pardais e pedágios, mas, sinceramente, não vivo sem viagens.
Nem falo das curvas, pois estas me encantam como me encantam as mais belas mulheres que por elas transitam.

Moacir LuÌs Araldi
Inserida por Moapoesias
1 compartilhamento

Lados

Sou um pouco mais do que fórmulas prontas,
Divido-me muito mais,
Minhas metades visíveis
São menores que às escondidas.

Sou mais talhado que minha fisionomia,
Meu interior é mais belo.
Minha introspecção não tem limites.
Mais do que isso, muito além de ser sincero.

Sou bem mais belo do que este desenho,
Que de mim fizeram quando nasci.
Sou descendente de um espírito empolgado
Que Deus reservou pra mim.

Sou bem maior do que meu tamanho,
Muito além do que você crê.
Aurora boreal da minha alma
É para quem consegue ver.

Sou bem mais ousado
Do que aquilo que dou a ver,
Meu pensamento decola fácil
E a noite, sonho encontrar você.

Sou bem mais frágil que as demonstrações
E do que deixo transparecer,
Minha emoção transborda o universo,
E em versos não sei dizer.

Moacir LuÌs Araldi
Inserida por Moapoesias

PORTAS DE RUA

Adoro portas espelhadas
Do centro da cidade,
Nas ruas mortas dos fins de semana,
E, passo na rua, sua,
Onde o trem dorme sossegado
E o pipoqueiro nem existe.
Adoro estas portas espelhadas
Onde acomodo os cabelos
E a camisa
Nas
Calças.
E vaio o vento
Que balança a chaminé.
Desperto o meu medo,
De faro aguçado.
Acordo um telefone
Mudo,
Surdo,
Numa sala trancada.
Esperança,
Num desses espelhos,
Estarás amada,
Retocando o batom,
Pela janela oposta.

Moacir LuÌs Araldi
Inserida por Moapoesias

O sol e a lua

Com o escuro da noite
A paisagem enegrece,
Mas seus raios cristalinos
Aos poucos aparecem.

O manto negro se desmancha
O astro rei vem à tona,
Enche o dia de relíquia
Seus raios de ouro ele aplica.

A lua, rainha da noite,
Pelo rei sol se apaixonou,
Deste amor brilhante
Muita estrela resultou.

Neste casal liberal
Os dois têm seus direitos.
E para dividirem o trabalho
Não tinha outro jeito.

Combinaram de acordo
Que o sol iluminaria o dia.
E a noite, sem compromisso,
A lua apareceria.

Moacir LuÌs Araldi
Inserida por Moapoesias

Você

Quando amanheceu dei-me sem rumo,
Desnudo de qualquer amor.
Meu grito poético sem prumo
Tomado por súplicas de dor.

Onde guardarei os versos que pra ti compus?
Que me deixaram rouco de te querer.
Pra que lado sopra o vento que me conduz?
Onde você foi de mim, se esconder?

Moacir LuÌs Araldi
Inserida por Moapoesias

Hemisférios

Meus hemisférios diferem entre si com muita clareza.
O norte é durão.
Odeia as convenções sociais, os bons modos e gentilezas.
Adora destruir o inimigo.
Golpeia com força para danificar o mais que pode.

O sul é doçura, é ingenuidade é amável em qualquer situação.
Tem bons modos é gentil. É prestativo, está sempre disponível.
É de uma ternura invejável.
O sul ama as pessoas.

O norte é possessivo, grosseiro.
É egocêntrico ao extremo.
É cheio de paranoias.
Estressado, violento e nublado.

O sul é humilde,
Relax, límpido e ensolarado.
Ah... O sul.
O sul é um amado.

Moacir LuÌs Araldi
Inserida por Moapoesias

Profecia Escatológica

2012. Dezembro.
Luzes no ar.
Luneta, binóculos,
Cometa?
OVNI?
Juízo final?
Fim do mundo?
Não. Vaga-lumes a voar.

Moacir LuÌs Araldi
Inserida por Moapoesias