Letícia Del Rio

176 - 200 do total de 418 pensamentos de Letícia Del Rio

Ausência,
Vazio,
Um frio na alma,
Uma tristeza sem calma,
Sentir saudade,
Mas, não de verdade,
Como se pode querer o que te maltrata?
Se dar de graça,
Relacionamento unilateral,
Eu te avisei não sou adepta ao tal,
Sua presença é como faca afiada,
Com palavras bem apontadas,
Viceral,
Em fingimento,
Com efeito colateral,
Lamento.

Letícia Del Rio
Inserida por LeticiaDelRio1987

Mantenho-me cuidadosa,
Não pertenço à mim mesma,
Em Teu Espírito me fortaleço,
Importa-me que eu desapareça,
E Tu cresça,
Faço de mim vazo de barro,
Em Argila, Tu me faças formato,
De gente do Céu,
Assumo o meu papel,
Levo-te comigo,
Tu és meu abrigo,
Que derrota todos meus inimigos,
Então perco, para que Tua Glória venha à ganhar,
Desperto-me do sonho da carne,
Para Teu Sonho sonhar,
Errei,
Em cada caminhar,
Sozinha,
Na minha,
Para o meu sonho sonhar,
Arrependo-me,
Aceito-te,
Vivo,
Novamente vivo,
Para fazer em Ti meu sorriso,
Onde nem a morte,
Nem a sorte podem me tocar.

Letícia Del Rio
Inserida por LeticiaDelRio1987

Como uma bela canção entoada,
Minimalista,
Feita pelas mãos do Mestre,
Entre sons e silêncio,
Aguardo,
Faço-me e refaço-me,
Em letras disfarçadas,
Embaralhadas,
Acordes dissonantes,
Entre cordas e metais,
Tempos e contratempos,
Distraio-me,
Perdendo-me no compasso,
Partitura rasgada,
Vista embaçada,
Regida pelas mãos do Maestro,
Retorno,
Desprovida de semitons,
Permaneço,
Agradeço,
Olhos fixos no Maestro,
Até o fim do concerto,
Mantendo-me em acerto,
Plateia singela,
Quieta, feito vaca amarela,
Sem grandes aplausos ao findar,
Para que toda Glória ao Grande Maestro,
Eu possa dar.

Letícia Del Rio
Inserida por LeticiaDelRio1987

Poesias são pra mim,
Como um mundo paralelo,
Particular,
Onde me transporto à uma nova dimensão,
Meu pensamento se expande,
As pupilas se dilatam,
Mergulho em palavras,
Dissolvo-me,
Não como fuga,
Sim como reencontro,
Comigo mesma,
Em palavras,
Meu refúgio,
Em palavras,
Meu Mestre tudo criou,
Em palavras,
Transfomo-me em trevas ou luz,
Escolho a luz,
Escolho as palavras de Quem criou as palavras e com elas tudo criou.

Letícia Del Rio
Inserida por LeticiaDelRio1987

Bonecos de cera,
Pré moldados,
Infames listrados,
Esculpidos de sorriso,
Falso brilho nos olhos que atraem,
E passado o encanto do início,
Se torna propício,
Ao fogo queimar,
Derretendo-se em cera,
Te mostra em caveira,
As entranhas de um ser de mentiras,
Onde só restam sobras,
Amostras de algo que nunca existiu.

Letícia Del Rio
Inserida por LeticiaDelRio1987

Triste e desvairada,
Alucinada,
Embriagava-me,
Entre aflições e torpezas,
Jogava todas as cartas na mesa,
Sombria,
Parecia uma pessoa fria,
Apenas máscara,
Por dentro um coração quente,
De chama ardente,
Que sem precedentes,
Buscava o amor loucamente,
Em outros corpos,
Em muitos copos,
Substâncias tão vazias quanto o frio da minha alma,
Que se escondia muito bem,
Disfarçada em sorrisos.

Letícia Del Rio

A maior sensação de paz,
Misturada ao leve sopro da brisa do mar,
Aquela canção feita pelo som das águas,
As nuvens espalhadas pelo céu,
Como feitas de pincel,
Rodeavam as montanhas,
Como crianças,
Bailando ao tocar de cantigas de roda,
O massagear dos pés,
Com a leveza da textura das areias da praia do Campeche,
Ao avistar da sua ilha,
A solidão representada por aquele barquinho atracado,
Solitário na escuridão daquela noite fria de inverno,
No beco do surfista,
Com juras de amor eterno,
A lembrança,
Quase que fotográfica,
Daquele céu estrelado,
Dava para ver as Três Marias,
As mesmas que moravam no teu corpo,
Tão de perto,
À ponto de tocá-las,
Sentindo em meu corpo,
A euforia da manifestação do teu corpo,
Para depois me deitar,
Pegando no sono,
Acordar no meu lugar,
O preferido do mundo.

Letícia Del Rio
Inserida por LeticiaDelRio1987

O mundo é um nexo sem nexo,
Tentando manter o controle,
Sobre algo que não pode ser controlado,
O mundo está infeccionado,
Procurando perguntas,
Onde não existem respostas,
E respostas,
Onde não existem perguntas,
Questionando o inquestionável,
Tentativas inacertivas daquilo que não se aplica em resolução,
O mundo se converteu numa confusão inevitável do embate dos vários "Eus",
Uma contradição da versão do amor,
Uma dor,
Uma aflição,
Sufoco,
Inquietação,
O oposto da definição do concreto,
Uma única certeza,
É a incerteza,
Para quem joga,
Nesse jogo da vida.

Letícia Del Rio.

Letícia Del Rio
Inserida por LeticiaDelRio1987

Chave que abre a porta da esperança,
Que engole o desespero,
Apareça,
Desmistifique essa necessidade de solidão,
Mãos serradas ao apego,
Pés no alto,
Desgrudados do chão,
Vôo ao céu,
Em caneta e papel,
Sem necessidade de foguetes,
Nem ao menos avião,
Brisa que bate de leve,
Na janela do meu quarto,
O vento me leva,
Eleva,
Os pensamentos dentro de mim, fluem audíveis,
Para os outros invisíveis,
Sem ressentimentos,
Passo breve,
Bem de leve,
Vida que segue.

Letícia Del Rio
Inserida por LeticiaDelRio1987

A boca se fecha,
As mãos descansam,
O pensamento se cala,
A caneta repousa sobre o papel já marcado em letras,
Dentro de mim sempre claras,
Fora,
Um emaranhado de idéias,
Até hoje nunca entendido,
Há os que se fizerem à saber,
Mas, era mentira,
Aos poucos desmoronava,
Ele era o álcool,
Eu era a tinta,
Sou azul,
Não sou eu que escolho o verso,
Sim, ele me escolheu,
E escorregando pelo papel,
Me mostra em letras,
Sou um pensamento aprisionado,
Liberto e compreendido pela esferográfica.

Letícia Del Rio
Inserida por LeticiaDelRio1987

Eu gostaria que pessoas fossem feitas de letras,
Fossem um livro de poesias,
O favorito de alguém,
Que fosse pra sempre,
Não passageiro,
Dói, depois passa,
As feridas ficam,
Se tornam cascas,
Depois marcas,
Cicatriz.

Letícia Del Rio
Inserida por LeticiaDelRio1987

As grades da sociedade que enibem o pensamento,
A falsa escolha de liberdade da vida,
As algemas monetárias,
A falta de consciência, a maldade,
Engolindo nosso povo mais que areia movediça,
O sol que um dia iluminou,
Hoje se apaga,
Envolto na fumaça que sobe das chaminés da ignorância,
Valores invertidos,
Amores corrompidos,
Famílias se esmigalham,
Com essa chuva ácida de falta de valores,
Nesse jogo de interesse,
Pessoas se fazem e fazem outras descartáveis,
Se usam,
Se estragam,
Se machucam,
Os olhos se secam com a poeira da corrupção,
Cegos,
Não só de governantes,
Mas à todo instante,
Uma enxurrada de hipocrisia constante,
Onde as palavras não tem peso de regra,
E tudo vira uma tremenda bagunça,
Enquanto isso...
As bocas se calam,
As mãos se fecham,
E o mundo não para de girar.

Letícia Del Rio
Inserida por LeticiaDelRio1987

Nem felicidade,
Nem tristeza,
Dentro de mim,
Nada se passa,
Faz chover na alma,
Numa forma tão rala e sem jeito,
A ponto de irritar a carne,
Nada me excita,
Nada me passa,
Chuva que fez meu tempo parar,
Sinto sono,
Sinto nada,
A vida me atrapalha,
Enquanto isso,
O tempo se esmigalha.

Letícia Del Rio
Inserida por LeticiaDelRio1987

Em todas as minhas palavras,
O que há em comum?
Somente o vago,
O inexplicável,
Ou uma explicação fora do padrão,
Tipo ficção científica,
Em todas as minhas conclusões,
Incertezas me tomam,
Como num vôo alto,
Pendurada em borboletas,
Em todos os pensamentos,
Visão com asas,
Minha única certeza,
Vem de lá,
Vem do alto,
Não do asfalto do vazio da cidade,
Meu cérebro não descansa,
De tanto raciocínio que me cansa,
Em todos meus sentimentos,
Intensidade,
Nunca fui de me entregar em metades,
Isso se faz sentir em meu corpo frágil,
Dores intensas da alma,
Em todas as minhas atitudes,
A falha, o impulso, a incompreensão,
É assim quando se ignora a razão,
A predominância da emoção maltrata,
Machuca,
Intensifica devaneios,
Em minhas poesias me encontro,
Nessa tinta azul,
Derramada num papel em formato de letras.

Letícia Del Rio
Inserida por LeticiaDelRio1987

Liberte-me,
Desses sentimentos humanos e mesquinhos,
Não participo de competições,
Minha vida não é um jogo,
Deveria, sim,
Ser uma prova para evolução,
Perdendo-se pontos com banalidades, futilidades,
Superficial,
É quem enxerga apenas o que vêem os olhos,
Enxergo com a alma,
Sem carnalidade,
Olhar seco,
Sem cobiça,
Sem desejo,
Busco encontrar-me,
Ao máximo mais serena,
Ao mínimo mais tolerante,
Em tudo que difere ao meu ponto de vista.

Letícia Del Rio
Inserida por LeticiaDelRio1987

Eu almejo alguém que dance abraçadinho comigo no tapete da sala ao som de um disco de vinil,
Que segure firme minha mão e não solte até que s morte nos separe,
Que não mude depois que ache que me conquistou,
Não sou troféu, nem brinquedo para estar numa prateleira,
Alguém que saiba que casamento é coisa séria, infinda,
Representação da vida com Deus,
Que saiba que fidelidade é imprescindível,
Que quem olha para o que existe do lado de fora, não é capaz de fazer feliz quem está dentro,
Quero um cabeça,
Sou um corpo sóbrio,
Jamais aceitarei novamente uma cabeça embriagada,
Um coração gelado,
Um espírito conturbado,
A mentira de alguém que me conquistou com flores de palavras,
Mas, com tiros de espingarda,
Todos os dias assolava minh' alma,
Descobri da forma mais dolorosa,
Que sua palavra não valia nada,
Virou tudo fumaça,
Nossa história desmoronada,
Hoje vira passado,
Assolado de dores,
Nada de bom ficou,
Era mentira,
Você nunca me amou,
Não pedi mais nada,
Nada além do óbvio,
Nunca gostei de flores,
Dinheiro pra mim sempre foi papel,
Só queria de você, aquilo que vinha do céu,
De um Deus que você me disse que conhecia,
Mais uma mentira,
Daqueles princípios e o caráter que você disse que tinha,
Se entregou à você mesmo,
Eu casei sozinha,
Havia te dito que não era adepta à relacionamento unilaterais,
Você amava minhas palavras,
Em poesias sempre me fiz visível,
Eu não mudei,
Realmente te amei,
Cuidei de você,
Enquanto você cuidava de olhar outras mulheres,
Enquanto você cuidava de gastar o suor do meu rosto com seu egoísmo,
Enquanto você cuidava de me deixar horas sozinha,
Enquanto você cuidava de planejar como me deixaria,
E me deixou,
Sabe quando?
Desde o primeiro dia em que a gente casou...
A pergunta que não cala...
Porquê?
Conquistar o meu amor?
Eu estava bem só,
Pois, nunca estive só,
Deus sempre foi comigo,
Eu estava bem envolta à todos que me amavam,
Você apareceu,
Tuas palavras me ludibriavam,
Você dizia,
Que eu era a mulher da sua vida,
De papel passado assim você me fez...
E porque?
Se iria me deixar depois?
E os princípios?
E a palavra?
E o caráter?
Pra onde foi?
Eu tenho a resposta,
Pra lugar nenhum,
Porque foi tudo mentira,
Você não podia me dar o que em você não havia,
Só pode dar Amor quem O tem,
Eu pensei que você tinha,
Mas, era mais uma de suas mentiras,
Assim como não gostar de joguinhos,
Sendo o maior jogador,
Não sou adepta à jogos,
Quem joga cedo ou tarde perde,
E vai continuar perdendo,
Existe uma ordem,
Uma justiça,
E um Rei,
Que você teve coragem de subir no SEU Altar,
Fazendo votos de fidelidade,
Na riqueza e na pobreza,
Na alegria e na tristeza,
Você não conseguiu olhar nos meus olhos,
Porquê?
Você era uma mentira,
Desonrou à Deus, à você mesmo,
à mim...
Maculou nosso leito,
Com seus desejos grotescos,
Vivendo em sua carnosa vaidade,
Dando mais importância para o seu próprio corpo, do que para a alma,
Ficamos invisíveis pra você,
Deus e eu,
Enquanto eu trabalhava,
Você procurava em outros corpos,
Encontrar o que você tinha em casa,
Mas, já não me enxergava,
Porque já não enxergava o meu Senhor...
Eu gritei em silêncio,
Eu chorei à cada dia,
À Deus, à mim mesma, à você, que se alimentava da minha tristeza para se sentir maior,
Isso não existe...
Lutei sozinha,
Pedindo à Deus,
Mas, Deus é bom,
Não violenta as escolhas de ninguém,
Só entra em quem O permite,
Com humildade,
Ele não pode entrar onde existe o orgulho,
No impuro,
Onde existe cobiça,
Imundícia,
Amar primeiro à Deus,
O próximo como a si mesmo,
Você gostaria de ser tratado como me tratou?
Você gostaria que eu agisse com você como você agiu comigo?
Marido, era pra ser um abrigo,
Você só foi desmoronamento,
Levou tudo que cabia na mala,
E mais uma sacola,
Mas, uma coisa não pôde levar,
Foi a minha alma,
Ela é de Deus,
Um Deus tão maravilhoso e profundo,
Que me ama tanto,
De verdade,
Que não suportou toda essa maldade,
Soprou o vento forte,
Levou-te pra bem longe,
Num caminho sem volta,
Já fechei a porta,
Para você nunca mais entrar.


Desabafo.

Letícia Del Rio

Há quem goste de exclamações,
Levemente me interesso por elas,
Não sou adepta a pontos finais,
Prefiro vírgulas,
Entretanto,
O mais intrigante não seria porventura a interrogação?
Ou alguém sabe me dizer o que será amanhã?
Ou daqui à uma hora?
Ou até mesmo dez segundos...
A certeza é uma só,
Não temos humanamente certeza de nada,
Além de que um dia morreremos,
E aí?
Com quem ou Quem estaremos?
Isso só depende da nossa escolha,
O que será?
Interrogação?
A interrogação é como um aspiral,
Não se sabe de onde vem,
Nem pra onde vai,
A não ser quando realmente,
Encontrarmos escondida atrás da interrogação, uma resposta.

Letícia Del Rio

Somos apenas projeções,
Imagens daquilo que pensamos ser,
Os outros, projeções dos pensamentos que temos sobre eles,
Nada nítido,
Nada exatamente claro,
Um caminho perigoso,
Onde se vê um belo Oasis,
Cuidado!
Pode ser uma miragem.

Letícia Del Rio

Inconstância,
Sentimentos,
São as grades que trazem o aprisionamento,
Paixões,
Questionamentos,
São círculos,
E ciclos que vivem em círculos

Letícia Del Rio
Inserida por LeticiaDelRio1987

Não ligo de perder um jogo,
Minha competição é a vida,
E eu meu maior adversário,
Por isso me desafio todos os dias,
A ser sempre uma pessoa melhor.

Letícia Del Rio
Inserida por LeticiaDelRio1987

Cuidado com os que dizem que são,
Mais são os que não são do que são.

Letícia Del Rio
Inserida por LeticiaDelRio1987

Sonhos lúcidos.

Viajo à Alma,
Para libertar o corpo,
Alimento o espírito,
Para aliviar a mente,
O desejo de ser livre realmente,
Libertando totalmente o pensador que mora em mim,
Passar horas a fio à luz do luar,
Vendo o dia amanhecer,
Vendo o sol raiar,
Na beira da praia,
Sem medo do tempo voar,
Sem as cadeias que as horas trazem ao ter que trabalhar,
Quero sentir o ar de outros ares,
E falar tão claramente sobre eles,
A ponto de te fazer tocá-los com minhas palavras,
Dentro de minhas próprias sensações,
Descobrir lucidez em cada parte,
Nesse mundo de insanidade sana,
A reviravolta do meu ser em palavras,
Nem sempre tão claras,
Em sua maioria criptografadas em verso,
Para que sinta o que eu vivo,
E viva dentro de si,
A razão que há em mim.

Letícia Del Rio
Inserida por LeticiaDelRio1987

A maioria das pessoas busca notoriedade pela aparência, porque suas mentes estão vazias e seus corações petrificados pelo orgulho.

Letícia Del Rio
Inserida por LeticiaDelRio1987

Cacto.

Pensei que era flor,
Mas,
Era um cacto,
Me estrepei,
Agora tô bem!

Letícia Del Rio
Inserida por LeticiaDelRio1987

Você cresce, quando aprende que tudo que acontece na sua vida, é apenas resultado da sua escolha.
A culpa sempre será sua...
Faça a escolha certa, ouça a voz de Deus, aplique, colha bons frutos.

Letícia Del Rio
Inserida por LeticiaDelRio1987