Poemas Líricos

Cerca de 72 poemas Líricos

Os tempos primitivos são líricos, os tempos antigos são épicos, os tempos modernos são dramáticos.

Victor Hugo
193 compartilhamentos

A minha rima deixaste em estado lírico,
rap galáctico scratch bombástico,
ficas estático em modo lunático,
mano fica atento k isto vai virar um clássico.

Real Poeta ( Tiago Suil )

É amigo,
mas ela anda longe,
perdida, num mundo lírico e confuso,
cheio de canções, aventura e magia...

Vinicius de Moraes
47 compartilhamentos

*Lírico Soneto*

Tum...
Tum tum...
Tum tum...
Assim se faz a mais bela das melodias que um dia eu pude escutar.

O som que vem de dentro do peito, do sublime soneto que me postes a criar.
Quando jovem me criei, por alguém me apaixonei ao primeiro olhar.

Por fim me casei, meus filhos criei sem ao teu lado estar.
Pois por mais bela que seja a vida, tão injusta e corrosiva seu coração ela fez parar.

Até hoje me lembro, o quão calmo se tornou o tempo quando ele pouco a pouco parou de pulsar.

Me debrucei sobre teu peito, afim de ouvir pela última vez este soneto que agora nas estrelas eis de brilhar.

Ramoski

Ainda que seu eu lírico te confronte e lhe cause dúvidas de qual máscara usar, não hesite em escolher ser você mesmo.

Jean Andrade

Quando o "eu lírico" transborda, os versos envergam até à beira do riacho, e nele despeja suas lágrimas... são as pequenas cascatas como véus de noiva...

Melania Ludwig

Proponho-te
Beijos líricos,
Inesperados,
De mil formas,
De multiformes sabores

Idenir Ramos

As serenatas rompem os silêncios !
É madrugada , Varela e Castro Alves ,
Líricos , após tragos e mais taças
De cervejas vão abraçados com

Duas donzelas ! Byronismo é lâmpada
De postes nas ruelas ! A Veneza
É um mundo à parte , eles estão
Na comarca de São Paulo , garoa

Bastante e nessa graça ambos os gênios
Declamam os versos na orla da cidade
Adormecida, ao sabor de Baco !

Os trôpegos passos, as mentes lúcidas!
Nos ocidentes, os faróis dos mares
Ascendem idéias na mocidade !!!

Cláudio J. Morais

Eu Lírico

Ó Grande Pensador
O Que me deste
Além de dor
O que eu deveria relevaste?
O que posso considerar Impostor?
Além da vida que me Traste

O que eu posso falar sobre tal lírico
Se nem de verdade sei quem sou
O mundo tão hipnótico
Pois a realidade não lhe aconchegou

Talvez se eu fosse lírico, seria mais real?
Pois o mundo está cheio de pessoas
Que são tão líricas quanto Superficial

O grande pensador
E além de tanta dor
O tanto que pensou
A realidade virou lírica como o Impostor.

LUCAS NUNES DE ASSIS

Ao Meu Eu-lírico

Ahhh como você se mostra forte
Almejo um dia ser como você...
Chegará esse dia antes de eu morrer?
Talvez até lá eu perca a fé e a sorte

A música não lhe deixa fraco ou covarde
Ela não o despedaça vagarasomente...
e nem faz ideia do que você sente
Estou descobrindo isso um pouco tarde?

Como você consegue fazer tal proeza?
Por que você é apenas um ser poético?
Você com muito gosto me ensina a frieza
e a felicidade da arte de ser cético

Seria possível eu ter inveja?
Inveja do meu próprio eu-lírico?
Por que assim... tão satírico...
Não mereço nem ao menos uma cerveja?

Rodolfo Boechat "Shinoda"

⁠Ano lirico 2021 (vivendo os sonhos)

Se acomode ou sï incomode, não basta só ter fé se você e preguiçoso e não quer fazer sua parte.
Pare de sonha e vai agir e aonde esta toda sabedoria.

Oh Fé Sigo na paz de um monge
❤️🕉️☘️🌅🏄🏼‍♂️

Poeta: Ângelo Neto

RETIRADA


E enquanto este teu lírico canto,
soluça o lépido pranto
do olhar sereno da aurora,
ela, aquela que seria capaz
de revolucionar o mundo por ti,
transcende aos teus protestos
em silêncio indiferente
E, lentamente, vai embora...

Siomara Reis Teixeira
Inserida por siomarareisteixeira

Tarde de terça

Perdi meu lírico numa tarde de terça,
Enquanto o sol ia no horizonte,
Os versos aos poucos tornavam-se elegíacos
Porém livres, num abraço duma nênia.

Numa tarde de terça,
Fui atingido pelas sombras de um passado
Tão meu quanto a solidão,
Deste ser contemporâneo que a mim foi forçado.

Numa tarde de terça,
Sou tão livre quanto artistas do barroco
Que entregam toda criatividade,
A homens de coração oco.
Sujam a arte com sangue chumbado.
De trabalho forçado,
Em uma mina de lágrimas e coração d’ouro
Que sustentará o céu angelical,
Para que não desabe sobre mim a desgraça.

Numa tarde de terça,
Sou tão livre quantos os parnasianos,
Que são cegos e veem apenas carne.
Mas são tão naturais e sinceros,
Que despertam em mim os louvores de Eros.
Me sustentam tanto quanto céu d’ouro
Da minha própria insuficiência espiritual.

Numa tarde de terça,
Sou tão livre quanto um racionalista,
Que medita sobre os padrões,
Vende a alma à verdade.
Deixa escapar a vida pelas mãos perfeitas.
Quadradas e regulares
Idênticas.

Numa tarde de terça,
Sou tão livre quanto uma lágrima
Que foge em fluxo no verso que rima
Que umedece o chão e lubrifica
Prepara o fechamento dos portões do coração.
E se desfaz na queda eterna.

Numa tarde de terça.
Sou tão livre quanto sou real.

J. Eliseu
Inserida por jpeliseu
1 compartilhamento

Um amor só meu

"Não preciso de amores líricos,
nem de palavras coloridas que despertem
a inveja de ninguém!
Eu preciso de um amor..
Só de um amor que ame apenas a mim."
☆Haredita Angel

Haredita Angel
Inserida por HareditaAngel

Enigma lírico

Em seu sorriso melancólico,
vi um fatalismo tácito
seguido de um silêncio morno
incompreensível

Subitamente
revelo-se o crepúsculo de um mito,
o fim da ilusão dolorosa...

A resseca dionísica do um festejo
carnal, onde quase virou apoteose
de um carnaval em Veneza...

Encenamos um ato da tragédia goethiana
a morte do sonho mascarado
que fez do mendico de Fausto
um Rei Lear, em seu apogeu
glorioso de terna insanidade e lucidez
antes da traição lírica da musa
ao poeta da divina comédia
do amor platônico.

Evan do carmo
Inserida por EvandoCarmo

Livro Lírico

Peguei nosso livro, e abri,
Bem naquele dia que te conheci,
Feliz, assim me senti,
Foi tão bonito quando escrevi.

Parecia uma criança com esse doce,
Que eu não queria largar,
O sabor no momento fez eu parar,
Meu coração bater, e meu mundo girar.

É fabuloso, eu reconheço,
Qualidades, defeitos,
O jeito que descrevo para mim.

É incrível como o começo,
Se perde nos meios,
E é difícil enxergar um fim.

José Teodoro
Inserida por joseteodoro

"" É lirico como a felicidade parece escorregadia
Esvai pelas mãos no simples gesto de se tentar agarrá-la
Se vai da mesma forma que veio, sorrateira
Não mostra as companhias que lhe ronda
Solidão, saudade, lágrima
Que sempre ficam mais do que devem...
Quando a felicidade vai
O amor entra em panico
E solitário vagueia por hospícios reais
Nessa hora a dor se junta ao grupo
Que ao verem a felicidade partir
Riem da desgraça alheia.
Até que um novo amor apareça
A festa da maldade estará garantida... ""

Oscar de Jesus Klemz
Inserida por OscarKlemz

Inconsciente querer

Amor é como uma tempestade inesperada
de líricos sonhos,
um raio súbito riscando teu céu poético,
um estrondoso trovão de versos,
que você só ouve quando já aconteceu
Quando você se dá conta, já estás no meio
da tempestade sem se quer ter tido tempo,
de perguntar-se: Será que eu quero?
Teu coração responde antes.
(Edna Frigato)

Edna Frigato
Inserida por ednafrigato

Cerne Lírico

Surgiram esses versos
De um coração perverso
Em mar de amor imerso
Isso é tudo que me descreve
Um “tudo” que na verdade é pouco
Só um a mais que escreve
Mas para quem dedico
Ela que me dedica amor do qual não abdico
Essas palavras vindas de meu cerne lírico
Compõe uma poesia que para ela serve
Escreveria livros que não iriam me expressar
Como Machado “tinha orgias de latim”
Mas não sabia o que falar
Não saberei como começar, muito menos como terminar
Esses que serão os momentos mais felizes de minha vida... Mas só se você me abraçar
Abraça-me forte e beija-me devagar
Não sei de rima mais manjada, pois tudo que sei é te amar

Caíque Gondim
Inserida por kiq2d

LÍRICO

A golpes lentos, divago:
antiga a paz que me guia.
À sombra o rosto e o lago
onde Narciso, o mirado,
me desvia.

De onde venho, me mato.
E onde me acham, há dor.
Alguém apaga meus passos
(um mago?) com uma flor.

E os golpes, cadenciados,
fundem o lago e o rosto
à voz de um outro, sem lábios.

Roberval Pereyr
Inserida por IrineuMagalhaes