Poemas de Separação

Cerca de 1123 poemas de Separação

Soneto de separação

De repente do riso fez-se o pranto
Silencioso e branco como a bruma
E das bocas unidas fez-se a espuma
E das mãos espalmadas fez-se o espanto.

De repente da calma fez-se o vento
Que dos olhos desfez a última chama
E da paixão fez-se o pressentimento
E do momento imóvel fez-se o drama.

De repente, não mais que de repente
Fez-se de triste o que se fez amante
E de sozinho o que se fez contente.

Fez-se do amigo próximo o distante
Fez-se da vida uma aventura errante
De repente, não mais que de repente.

Vinicius de Moraes Livro de letras

Amor é isto: a dialética entre a alegria do encontro e a dor da separação. De alguma forma a gota de chuva aparecerá de novo, o vento permitirá que velejemos de novo, mar afora.
Morte e ressurreição. Na dialética do amor, a própria dialética do divino.
Quem não pode suportar a dor da separação, não está preparado para o amor. Porque o amor é algo que não se tem nunca. É evento de graça.
Aparece quando quer, e só nos resta ficar à espera. E quando ele volta, a alegria volta com ele. E sentimos então que valeu a pena suportar a dor da ausência, pela alegria do reencontro.

Toda separação é triste. Ela guarda memória de tempos felizes (ou de tempos que poderiam ter sido felizes...) e nela mora a saudade.

Afinidade é retomar a relação no ponto em que parou sem lamentar o tempo de separação. Porque tempo e separação nunca existiram. Foram apenas oportunidades dadas (tiradas) pela vida.

Artur da Távola

Nota: Trecho de um texto do autor.

A morte é meramente a separação dos átomos que nos compõe. Não anuncia portanto nem castigos nem recompensas para os homens. Não devemos temer nem a morte e menos ainda, as punições infernais inventadas pela ignorância e pela superstição.

Separação. Calma, você vai ficar bem .
Vai doer, mais você vai ficar bem . Doerá ainda mais quando não haver independência finaceira, mas Deus será contigo e te dará todo apoio necessário .
Irá doer, mas irá passar, irá doer ainda mais se você continuar se machucando fisicamente e verbalmente.
Aguenta, segura na mão de Deus, que tudo dará certo, às vezes não conseguimos entender os planos de Deus, mais seus planos, são maior quenossos

Tenho a péssima mania de me preocupar demais com o que pode vir.
Se serei traída, se serei abandonada, se ficarei magoada.
Isto me consome tanto, que eu vivo o agora simplificadamente, cautelosamente.
Sempre com um pressentimento de que o pior está por vir.
Serei eu louca?
Não. Apenas estou com medo de viver toda a angústia da separação novamente.

Mais Um Adeus

Composição: Vinicius de Moraes / Toquinho

Mais um adeus
Uma separação
Outra vez, solidão
Outra vez, sofrimento
Mais um adeus
Que não pode esperar

O amor é uma agonia
Vem de noite, vai de dia
É uma alegria
E de repente
Uma vontade de chorar

Contraponto

Olha, benzinho, cuidado
Com o seu resfriado
Não pegue sereno
Não tome gelado
O gim é um veneno
Cuidado, benzinho
Não beba demais
Se guarde para mim
A ausência é um sofrimento
E se tiver um momento
Me escreva um carinho
E mande o dinheiro
Pro apartamento
Porque o vencimento
Não é como eu:
Não pode esperar

O amor é uma agonia
Vem de noite, vai de dia
É uma alegria
E de repente
Uma vontade de chorar

Vinicius de Moraes Álbum "Como dizia o poeta"

Nota: Letra composta por Vinícius de Moraes e Toquinho.

Texto para uma separação

Olhe aqui, olhos de azeviche
Vamos acertar as contas
porque é no dia de hoje
que cê vai embora daqui...
Mas antes, por obséquio:
Quer me devolver o equilíbrio?
Quer me dizer por que cê sumiu?
Quer me devolver o sono meu doril?
Quer se tocar e botar meu marcapasso pra consertar?
Quer me deixar na minha?
Quer tirar a mão de dentro da minha calcinha?
Olhe aqui, olhos de azeviche:
Quer parar de torcer pro meu fim
dentro do meu próprio estádio?
Quer parar de saxdoer no meu próprio rádio?
Vem cá, não vai sair assim...
Antes, quer ter a delicadeza de colar meu espelho?
Assim: agora fica de joelhos
e comece a cuspir todos os meus beijos.
Isso. Agora recolhe!
Engole a farta coreografia destas línguas
Varre com a língua esses anseios
Não haverá mais filho
pulsações e instintos animais.
Hoje eu me suicido ingerindo
sete caixas de anticoncepcionais.
Trata-se de um despejo
Dedetize essa chateação que a gente chamou de desejo.
Pronto: última revista
Leve também essa bobagem
que você chamou
de amor à primeira vista.
Olhos de azeviche, vem cá:
Apague esse gosto de pescoço da minha boca!
E leve esses presentes que você me deu:
essa cara de pau, essa textura de verniz.
Tire também esse sentimento de penetração
esse modo com que você me quis
esses ensaios de idas e voltas
essa esfregação
esse bob wilson erotizado
que a gente chamou de tesão.
Pronto. Olhos de azeviche, pode partir!
Estou calma. Quero ficar sozinha
eu co'a minha alma. Agora pode ir.
Gente! Cadê minha alma que estava aqui?

Elisa Lucinda O Semelhante

Despedir-se de um amor é despedir-se de si mesmo. É o arremate de uma história que terminou, externamente, sem nossa concordância, mas que precisa também sair de dentro da gente.

Martha Medeiros Crônica "A Despedida do Amor", 2001

Nota: Trecho da crônica "A Despedida do Amor" de Martha Medeiros

Dilema do homem
Na vigência do casamento ele se sente preso e atado. Quer, quer a separação. Não agüenta mais as limitações da vida comum. Aí pinta a separação e ele, mais do que a mulher, entra em pânico.

Um dia a maioria de nós irá se separar. Sentiremos saudades de todas as conversas jogadas fora, as descobertas que fizemos, dos sonhos que tivemos, dos tantos risos e momentos que compartilhamos...

Saudades até dos momentos de lágrima, da angústia, das vésperas de finais de semana, de finais de ano, enfim... do companheirismo vivido... Sempre pensei que as amizades continuassem para sempre...

Hoje não tenho mais tanta certeza disso. Em breve cada um vai pra seu lado, seja pelo destino, ou por algum desentendimento, segue a sua vida, talvez continuemos a nos encontrar, quem sabe... nos e-mails trocados...

Podemos nos telefonar... conversar algumas bobagens. Aí os dias vão passar... meses... anos... até este contato tornar-se cada vez mais raro. Vamos nos perder no tempo...

Um dia nossos filhos verão aquelas fotografias e perguntarão: Quem são aquelas pessoas? Diremos que eram nossos amigos. E... isso vai doer tanto!!! Foram meus amigos, foi com eles que vivi os melhores anos de minha vida!

A saudade vai apertar bem dentro do peito. Vai dar uma vontade de ligar, ouvir aquelas vozes novamente... Quando o nosso grupo estiver incompleto... nos reuniremos para um último adeus de um amigo. E entre lágrima nos abraçaremos...

Faremos promessas de nos encontrar mais vezes daquele dia em diante. Por fim, cada um vai para o seu lado para continuar a viver a sua vidinha isolada do passado... E nos perderemos no tempo...

Por isso, fica aqui um pedido deste humilde amigo: não deixes que a vida passe em branco, e que pequenas adversidades sejam a causa de grandes tempestades...

Almany Falcão - Poeta do sol

Nota: Apesar de muitas vezes ser atribuído a Vinícios de Moraes, trata-se de uma adaptação de "Eram nossos amigos", cuja autoria é reclamada por Almany Falcão - Poeta do so.

Não se apaixone por pessoas como eu.
Eu te levarei a museus, e parques, e monumentos, e te beijarei em todos os lugares bonitos, para que você nunca volte neles sem sentir meu gosto como sangue na sua boca.
Eu vou te destruir das formas mais belas possíveis. E depois eu vou te deixar, e você finalmente vai entender porque tempestades recebem o nome de pessoas.

o espaço entre nós
é similar à vez que quebrei o braço e fiquei imaginando
que nunca mais seria a mesma pessoa

o braço continuaria ali, porém não intacto

Eu vou deixar você vir
no tempo que você considerar apropriado,
no momento oportuno,
na situação que você achar melhor.

Minha porta estará aberta,
mas ao chegar
não vá você reclamar
se encontrar outro alguém por lá.

Eu vou deixar você ir
sem rancor, sem mágoa,
levando contigo apenas meus presentinhos meigos,
meus versos bobos, e sentimentos bons.

Eu vou deixar você ir, simplesmente,
porque não posso te obrigar a ficar.
E vou deixar você vir pelo mesmo motivo,
mas não pense você
que me encontrará sem ninguém
quando você voltar.

Desculpa...

Eu tentei ser o cara perfeito para você. Se não consegui, eu já previa. Desculpa ter feito você perder tempo. Desculpa ter gastado suas energias planejando um futuro que você não quer.

Desculpa ter feito você se cansar de mim e, mesmo que minhas lágrimas rolem em cima do meu teclado, que meu instinto poeta esteja abalado e que isso me faça falar muita coisa sem pensar, mas vem do coração.

Desculpa se não olho para a tela do meu computador com medo da sua próxima mensagem. Desculpa por ter sido o cara que te amou com todas as forças.

Desculpa por ter sido o cara que se dedicou dia após dia para tentar cumprir a promessa de um futuro com você. Desculpa se eu quis o seu bem, assumo não ser perfeito, assumo que, sim, meu coração está muito abalado, chorando como uma criança, eu digito mensagens que no final nem lembranças serão.

Mil pensamentos a toda hora atormentam minha mente, me pergunto "E agora, o que vou fazer?" ou "Como vou viver? Se a única que amei foi ela".

Sabe, nunca fiz nada certo, quando começo a ver minha vida fluir, sempre existe algo que me impeça ou me faça desistir.

Não prometa que você vai escrever,
Não prometa que você vai ligar,
Só prometa que não vai esquecer que nós tivemos tudo.

Você está na minha cabeça
No meio da noite quando não sinto bem
Eu sonho que posso te abraçar

Queria que nós pudéssemos nos sentir sozinhos agora.
Se nós achássemos um lugar pra nos esconder,
Fazer da última vez como a primeira,
Apertar um botão e voltar.

A perda

Já chorei mais pelos animais que perdi do que pelas pessoas que convivi.