Poema de Outono

Cerca de 1214 poema de Outono

"Num cantinho da floresta, o Outono toca flauta para que as folhas dancem".(Marilina Baccarat De Almeida Leão).

"Assim como as folhas do outono, às vezes é preciso cair, para entender a beleza das estações."

Era Uma tarde fria de outono Ela sentava no balanço em seu quintal Via o que se passava em volta Pensava: "Será que isso é normal?" E a vida continuava a passar E aquela garotinha sentada em seu balanço Já não se perguntava mais nada Vivia aceitando o que a vida lhe dava Sem pestanejar , ela guardava pra si, as magoas Magoas que sofreu por uma vida que ela deixou passar Enquanto ficava sentada em seu balanço Balançava, pra lá e prá cá Desejando talvez poder voltar ao tempo E rever coisas que passaram despercebidas Coisas que foram deixadas de serem vividas Agora a menina em seu balçano só quer paz Ela senta, deixa a vida passar E descança pensando no que ela poderia ter mudado Tudo o que poderia ter encontrado Se não tivesse apenas se sentado Só lhe resta sentar-se e ser feliz ao seu modo Foi assim que ela escolheu viver, e assim será.. A menina no balanço, por um momento sente a paz... ....Mas será que será feliz assim?

Assim como as folhas das arvores caem no outono para poder suportar o inverno nós também nos modificamos para seguir vivendo.

Como um caminho no outono: assim que é varrido, volta a cobrir-se de folhas secas.

Mais um outono chegou, o primeiro sem ela. Nossa mãe, que hoje faria anos... Infelizmente, ela não está mais entre nós. Quem dera fosse apenas por uma estação! Assim como as folhas, as pessoas se vão e você partiu para não mais voltar… isso é tão definitivo, o que faz doer ainda mais. Para nós, o que resta são os momentos vividos ao seu lado que nunca serão esquecidos...

...como admirava, então, aquelas enevoadas tardes de outono ou de inverno! Como respirava, ansioso e embevecido, a sensação de isolamento e melancolia, quando, noite adentro, enrolado em meu capote, atravessava as chuvas e tempestades de uma natureza hostil e revoltada, e caminhava errante, pois naquele tempo já era só, mas ia repleto de profunda satisfação e de versos, que mais tarde escrevia, em meu quarto, à luz de uma vela, sentado à beira da cama.
(O Lobo da Estepe)

Somos ciclos... Primavera, verão, outono e inverno. Depois de nos vermos podados pelas provas da vida, renascemos em flores com as lições aprendidas... Brilhamos como o sol ao passá-las adiante. Começamos então a ver nossas flores e folhas, antes tão belas, amarelarem e caírem, pois novas lições estão prestes a serem aprendidas, então, no frio da insegurança de nossas aprendizagens, nos fechamos, esperamos o mau tempo passar... Com ele, novos brotos começam a surgir e logo, logo as flores de uma nova primavera...

" Folhas: Primavera elas crescem, no Verão amadurecem, Outono caem e no Inverno ressurgem mais fortes.
Faça o mesmo de sua vida, cresça, amadureça, caia e levante-se fortalecido. "

No outono caem as folhas, na primavera nascem as flores, o inverno é muito frio e o verão faz muito calor. Entre as estações prefiro a Prima-Vera por ter o cheiro das rosas e o nome do meu amor.

"O Verão te molda, o Outono te solta, o Inverno te enfeita, e a Primavera se rende aos teus encantos."

Lacrimejam-se os olhos, chegou o outono
trazendo a fragilidade do encanto das flores
as folhas caem, desprendendo-se em prantos
é hora de transformação e novos amores!

No inverno te proteger
No verão sair pra pescar
No outono te conhecer
Primavera poder gostar

ESTAÇÕES
Te conheci no outono
No outono seguinte te perdi
E foi neste triste abandono
Que de folhas secas me cobri...
Chegou o inverno sem dono
De um frio úmido estremeci
Como semente fértil
Na primavera já renasci
Eu que era alma inerte
De flores perfumadas me vesti...

Cheguei a uma lógica conclusão
Se queres mudar tua vida
Espere a próxima estação
Ela renova a esperança perdida
Ainda deixa feliz teu coração...

mel - ((*_*))

Outono, uma nova estação.
As arvores perdem as folhas
A chuva cai devagar
De noites silenciosas
Nos leva a sonhos sem par
Não é nem cravo nem rosa
Mas nos convida a amar.
Terê Cordeiro.

E um vento acariciante
resolveu balançar os coqueiros,
embaraçar os cabelos...
É o outono
começando a se despedir
com seu espetáculo itinerante....

mel - ((*_*)) 08/06/2014

Sou primavera
Sou verão
Sou outono
Sou inverno.
Sou o simples mas posso ser o eterno.

Assim como as folhas
despencam das árvores no auge
do outono, sopradas para longe
pelos ventos do inverno ,as
memórias se desprendem do ser
e são levadas para longe pelo
tempo.

Pela
data do meu
nascimento...
Eu sou outono!
Por isso,
não levo comigo.
Folhas secas.
Sonhos demorados.
Amores impossíveis!
Tudo que me
causa volume
sem necessidade,
deixo-os cair.
Jogo-os ao vento.
E deixo em mim,
florescer,
sempre uma
nova primavera!

PASSANDO A LIMPO...

Ela escreveu o seu passado na folha do outono.
Deixou-o secar...
E quebrou-o em pedacinhos de raios de sol.