Coleção pessoal de SantosVasconcelos

1 - 20 do total de 22 pensamentos na coleção de SantosVasconcelos

Notas

Ver a alegria correr os olhos em devaneio
É incansável, incessante.
Lembro-me das boas memórias.
Um dia era a noite, memórias eternas.
Apesar de tanto tempo...
ainda somos parte do momento.

Santos Vasconcelos

Vi o verso vencido e velado nos meus olhos
E em um pedaço do meu coração
Adormeceu-se um poema.

Santos Vasconcelos

Conhecimento

O que pensar do ser pensante?
O homem.
Pensam de tantas maneiras, porém impensantes;
Atrelam o meio ao fim, e o marco á vindima.
Rosas maculadas que desferem caos.
Caóticos e deslumbrantes: assim são os homens.

Nesses traços peculiares, deixam o medo.
Não dorme cedo ou chega tarde,
o medo.
Constroem o novo e esquecem o velho.
Urutus indecorosos que emancipam a hecatombe.
Resplandecentes e minazes: assim são os homens.

Poucos diferentes de muitos poucos mortos ou vivos,
de poucos lugares, paulatinamente vagos e impregnados:
assim são os homens.

Santos Vasconcelos

O tempo é indissolúvel

Há de mil poesias que compõem a face do poeta
Não retrata nele quem é ou a falha do falta ser
Apenas se deve, deve o cumprimento da poesia
Não que o poema acabe;
mas que o poema não faceie.

Veracidade é característica dos severos
O poeta já não é severo, porém abstraído
Do tempo que o rodeia e o sonda,
das margens que o circunscrita e absorve.

Não será um ponto final de poesia
Nem moldura de jornal
(seria a noticia do dia?)
Há de mil poetas que compõe o jornal
E sobre as notas de observador: Indago;

Será poeta o tempo
Na manhã, na véspera da noite ou no silêncio das palavras
Será poeta o tempo
Indissolúvel, estonteante.
(Dá graça que ninguém vê mais).

Santos Vasconcelos

Por que dizer adeus?

Nos tempos velhos da infância;
A fantasia do dia nos consome;
Sol e chuva em mesma estância;
Abstinência de banho e fome;

As ruas nos pertence em alma frágil;
Não há nem penitência ou alvará;
O dia não cede à noite o sufrágio;
E todos os dias vem cedo nos acordar;

Então por que dizer adeus?
Essa palavra tão triste e nostálgica?
Adeus de tantas maneiras
Simples, subjetiva, discreta, cálida.
Então por que dizer adeus?
Não há de formas meigas
O adeus que herda lágrimas
São fendas no abismo
O momento que se afaga
Subitamente
em silêncio nossas almas.

Santos Vasconcelos

Mundo, este poema

I

Não me atrevo a falar sobre as pessoas
Nem sobre os trajes humanos, desenvolvidos
Filhos da faminta industrialização
Fetos de insetos, merdívoros, repugnantes

O homem venera a destruição
Guerra, fome produz inocência
Inocência produz o novo produto
Consumido pelos merdívoros

Em cada hemisfério suas fumaças sobem
Cavando o buraco onde se põem os ovos
Impregna-se
Porém a lentidão dos olhos não vê
É fugaz, essa evolução merdívora

Pena...
Pena tem-se de um copo d’água
Metamorfoseado em vinho
Produtos alcoólatras
Que desperdiçam o fruto pela decadência

II

Nas antigas alamedas
Hoje as ciências obscuras
Não haverá mais o novo velho
Cientificamente haverá o velho novo
Imerge-se e emerge-se
Através de uma nova Lei Gravitacional Tecnológica

As lágrimas coroem o rosto
Os próprios Oceanos consomem os peixes
O ar irrita os olhos
E a terra, estas várzeas continentais, absorve os pequenos seres...

Mas há um lugar...
Um lugar onde esse poema se dissolve
Não se sabe bem onde
Talvez no futuro de uma criança
Ou no coração moribundo de um velho
Ou no significado das palavras de uma dócil mulher
Um lugar onde os olhos adormecem
E o mundo é mundo.

Santos Vasconcelos
1 compartilhamento

Em Um Jardim de Flores Azuis

Em um jardim de flores azuis
Passeavam caracóis amarelos
Borboletas voavam o céu anil
Coloridas com pintinhas de caramelo

Em um jardim de flores azuis
As rosas alegres cantavam a vida
Joaninhas brancas e pretas
E um jovem pássaro de asas coloridas

Em um jardim de flores azuis
O inverno ocupava a noite e o verão o dia
A neve hibernava e a manhã trazia o sol
As flores bocejavam e um pequeno esquilo sorria

E no jardim de flores azuis
A tristeza era feita de alcaçuz
Enfim, nessa terra houvera paz
Em um jardim de flores azuis.

Santos Vasconcelos

Sobre as Letras

P o e t i c a m e n t e
p o e s i a
s e
f a z
l e t r a s
c a n e t a s
e x c l a m a ç ã o
d e d o s
d a m ã o
s o b r i a m e n
t r i s - t e
e m
p a z
e s c r e v o
- t e
p o e m a

Santos Vasconcelos

Sobre o Tempo

Paralisados os olhos
Vejo o medo por trás das córneas
Medo de perder cada momento
Pois cada momento são apenas horas

As horas são o refúgio
Que se constrói a cada minuto
Dizem que o tempo é coisa de louco
Mas coisas de louco é amar por um segundo

Os segundos são os atos
Que nos prendem ao mundo
Em especial ao esquecimento
De que talvez há um grande significado
Nas palavras de um mudo

Ninguém vê, observa, procura
A paz extinta, antes em crise
Que vida egocêntrica!
Que o tempo ainda não muda.

Santos Vasconcelos

Parafasia Indefinível

Quando as moscas entram na sala
As luzes se apagam
Os versos não rimam
As letras embaralham-se através dos dedos que soluçam o medo

Não há tempo no presente
O futuro que se estagnou no passado
É imediato à fome, ao lixo, ao humano
Distante da verdade
Essa verdade mundana e inconsciente.

Santos Vasconcelos

Doce Amor Descontente

Ganha-se coragem, perde-se certeza
Conquistas, se para algo te serves à liberdade
Para que em meras palavras encontre sutileza
Em alguém que se conforma
Em agonizar por infame beleza

Se é tão pequeno esse amor
Porque não serve amar falsamente?
Pois de pouco amor que o coração sente dor
E de muita dor esse amor é descontente

Santos Vasconcelos

Soneto Sobre Amor

Sentei-me a uma cadeira ao lado
Transbordando outra cadeira vazia
Não fechei os olhos por medo de sentir-me triste
Em cada relógio em que as horas não passam

De minha boca gelada esvaem-se suspiros desanimados
Em momentos em que o frio cristaliza-me interiormente
Interiormente sou inóspito
Que nem a dor atreve-se a se aprofundar

E horas se vão, horas não vêem
E profundamente paralisam-se
Em um segundo...

Enfim... e quando me levanto da cama
Permaneço estagnado em uma lágrima
Perguntando-me... O que é amor?

Santos Vasconcelos

Reticências

Como poeta escrevo um pequeno verso
Como criança escrevo em uma folha meu nome
Dou risada, encontro felicidade
Da meninice passada

Hoje... Como poeta escrevo um pequeno verso
Como menino eu conto mentiras
Dou risada, encontro felicidade
Nas lembranças passadas

Ontem... Como poeta escrevi um pequeno verso
Como poeta eu abro o coração
Dias sim, dias não
Sou uma caixa de surpresas
Desvenda-me então...

Santos Vasconcelos

Quatro maneiras de pedir perdão à uma mulher.

1º. Compre-a, jóias, parafernálias,
Diga as falácias mais belas
Segure suas mãos e lhe prometa a ternura da vida
Prometa uma promessa inesquecível
Perdão, é uma palavra inexistente quanto a isso

2º. Compre- a flores e uma caixa de chocolate
Ofereça-a um jantar selado à luz de velas
Diga as palavras mais singelas
Recordadas de um dicionário
Suavemente peça-lhe perdão

3º. Flores morrem rápido assim como chocolate derrete
Crie a dúvida de que se ela te amar
Perdoará-te

4º. Deixe-a que ouça em um abraço apertado, seu perdão.

Santos Vasconcelos

Um Poema Desesperado

No horizonte se vai o camisa dez treinar o trabalho duro de viver
Onde?
Enquanto o camisa zero de nossas ruas acorda o mais cedinho
Tão cedinho
Esquecendo-se do penteado dos cabelos, do café bem requintado
Não lhe cabe a exuberância do olhar
O olhar é ora triste ora vago
Que não desfaz a satisfação de mais um dia de vida
É singelo... Quem lhe diga não valer nada

Mas quem lembra por nossa farda ora laranja ora maltrapilha?
Quem?
Vale mais lembrar por nossa farda elegante, sincronizada?
Vale?
Digo eu e quem quiser que se opunha
Valha mais o maltrapilho “poeta” de nossa gente que o galante “poeta” por si só.

Santos Vasconcelos

Brasilidade

Pendurei um pomar nas várzeas do meu sertão
Não uxicuruá ou paxiúba
Minha caatinga, meu vau
Que de raiz à raiz molha a laranjeira
Aqui não há tucunaré ou guanumbi
Só semente da terra que seca em meus pés descalçados

Nem o moço tupi me perdoa
Que terra seca, que olhos pálidos
Oxalá! Dita o negro surrado
“Não te preocupe, fí de Deus, terra há de se tornar teu berço!Oxalá!”.
Pois sim
Lá está um fruto graúdo do meu pomar
Felicidade do meu Brasil!

Santos Vasconcelos

Amar V.t:

Amor significa expressar, compreender, amparar, estremecer
Mas não chorar as lágrimas de outro alguém
Deixe que ele as chore
Para que assim tu possas enxugá-las

Santos Vasconcelos

Menina Da Garoa

Senta-se na chuva a menina da garoa
Que carrega um guarda-chuva que de nada te serve
Procura pequenina um abrigo solitário
Onde o medo te conhece
Abrigando teus olhos amedrontados

Menininha sem coragem que nem o amor lhe perdoa
Que carrega um coração que a inocência aquece
Desabrocha pequenina um sentimento apagado
Quanto à vida, que lhe espere
Com seu brilho ofuscado

Santos Vasconcelos

Coração:

Nascido
Crescido
Conhecido
Martirizado
Amado
Cansado
Sofrido
Odiado
Transformado
Partido
Compreendido
Repreendido
Retalhado
Caído
Erguido
Cosido
Abraçado
Prometido
Casado...
Nascido

Santos Vasconcelos

Paróquia

Inestimável opúsculo dos Céus
Incrédulo Chacal das liras
Puro e maquiavélico
Paladar de fera e visão de Quimera
Cabal e trucido
Na imensidão que assola o olhar do Santo Filho do Homem

Astuto que consome à veia
Em Oração que tísico é o coração
Minutos antes da mão que peia
Em plena Morféia de interna reclusão

Santos Vasconcelos