Coleção pessoal de NemilsonVdeMoraes

81 - 100 do total de 578 pensamentos na coleção de NemilsonVdeMoraes

Que vivamos em família, em luz; como estrelas que brilham em constelações.

Nemilson Vieira de Morais

Astros luminosos que se foram de nós,nos querem juntos de si, em mesma sintonia; não desejam estar, nem brilhar, sozinhos onde estão. - Creio.

Nemilson Vieira de Morais

Um tanto de estrelas,como areia do mar,não brilham em lugar algum. Perderam para sempre a intensidade da luz.

Nemilson Vieira de Morais

Estrelas que brilham mais que outras, não se gabam de tamanha grandeza.

Nemilson Vieira de Morais

Todos nós temos alguém brilhando além do firmamento. Pós, brilhar conosco em plano terreno.

Nemilson Vieira de Morais

Há palavras para todos os gostos vivendo por aí,resistindo ao tempo; precisando ser lembradas por nós. - Desejando ser caçadas,vistas,coletadas, ditas ou não.

Nemilson Vieira de Morais

As palavras sentem a minha falta e me procuram. - Quando não as acho.
Então as escrevo depressa, antes de esquecer-las.

Nemilson Vieira de Morais

Se algumas palavras,fugidias,insistirem em não querer-me não ficarei aborrecido: talvez não mereçam meus dizeres.

Nemilson Vieira de Morais

Não deve ser bom: viver se "achando", sem público para achar graça.

Nemilson Vieira de Morais

Se desejo morrer bem,preciso viver com dignidade.

Nemilson Vieira de Morais

MINHA RUA...

A Rua do Comércio foi a primeira rua que conheci em Campos Belos (GO). Aos onze anos de idade. Por volta de 1969.

À primeira vista, me encantei por ela; depois passei a amar as outras ruas também.

Sua numeração menor se dá, das proximidades da GO 118, e a maior, na Praça Nossa Senhora da Conceição.

Minha rua é cortada pelos rios principais da bacia hidrográfica da cidade: o Ferrerinha e um outro que me fugiu o nome.

Há dezenas de anos esta rua conserva esta nomenclatura. Mas não era assim desde o princípio...

Nos primórdios da cidade era conhecida como Rua Cascavel; - uma alusão ao temível animal peçonhento. Encontrado por lá na época.

Os moradores, urbano e rural, se comunicavam e ainda se comunicam por esta importante rua.

- Da nossa casa, na Vila Baiana, eu via e ouvia o chiado do carro de bois de Biapino, carregadinho de produtos da roça,subindo sentido Igreja Matriz.

- Os ônibus da Alto Paraíso, disparavam suas buzinas ao chegar e sair da cidade. Passando pela minha rua. Traziam alegria e deixavam saudade aos lugarejos da região...

A Rua do Comércio não é a primeira do lugar, mas pela sua localização estratégica, tornou -se "uma artéria principal"...

Ao longo da rua, sentido poente,mais acima
moravam importantes famílias... figuras influentes da sociedade campo-belense.

Estabelecimentos comerciais se instalavam continuamente nesta rua, naquele tempo, e provavelmente até hoje.

Os comerciantes mais tradicionais como Manoel da Costa, Bruno da Farmácia, Agripino Xavier,Edmar, Quinquinha,Joaquim Ribeiro,Mariano Junior, Nelson do Açougue,Seu Edson,Juá ...

Os nordestinos: Seu Cícero Sombra,Juarez Amaral, Seu Vieira, Seu Natã, meu pai... Tocavam suas vidas.

Aos poucos a rua foi mudando suas características, diferenciando seus "aspectos espacial"; agora visualizamos uma diferença abismal entre uma Rua do Comércio de ontem, e de hoje.

Em sucessivas administrações municipais,esta rua sofreu algumas reformas, ao longo do tempo...

Recebendo calçamento em pedras paralelepípedos, camadas asfálticas, supressão de elementos arbóreo...

Passando por certa descaracterizacão, com relação ao meu tempo de garoto, ganhou mais conforto visual e ares de modernidade.

- Melhorando a acessibilidade, de transeuntes e veículos...

Ficou mais bonita a minha rua!

Os comerciantes que atualmente dominam a Rua do Comércio,na sua maioria, continuam sendo oriundos de outros lugares.

Se notabilizam em suas atividades supermecadista,venda de veículos,
produtos do agronegócio,farmacêuticos,
brinquedos,bijuterias,cosméticos, eletrônicos, peças de vestuário...

Suas políticas de preços convidativos,quando implantadas,enchem os olhos dos consumidores...

- Dando aos mesmos comodidade de aquisição. Tanto aos mais abastados, quanto aos de menores poder aquisitivo.

Vida longa à Rua do Comércio atual, quanto à antiga... Resta à gente, curtir um certo saudosismo...

(28.10.19)

Nemilson Vieira de Morais
Tags: outubro 2019

QUEIRA DEUS NOS PERDOAR - II

Bem cedo nos conhecemos e nos apaixonamos de vez. O mundo inteiro estava errado - sendo contra aquela união - só nós dois achávamos melhor: não dar ouvidos a oposição.
A raptei (literalmente). - Naquele tempo "roubar moça",mesmo em comum acordo com a "vítima", constituía-se em grave crime.
A gente pedia a moça em casamento. Hoje o sujeito a leva embora sem dar satisfação alguma aos pais.
Nunca alimentamos o medo,a tirania,... em nossa relação; o carinho,o respeito, o apego... era o recheio e a cereja da nossa vivência.
Sem olhar os rigores da Lei foste comigo pelos caminhos da vida, que diziam ser caminhos errantes.
Em nossas andanças, sem o conforto de um lar; sem guarida, sem ninho, sem teto, um trabalho definido... Nada disso nos fez temer.
Com muito amor para dar e receber. Vivíamos os dias, alegremente...
A tendo ao meu lado, nosso viver tinha verdadeiro sentido. E como tiveram...
Agora sei, em experiência, que o "amor supera tudo através do seu poder".
Achando que não, defraudei, fugi e penei pelos deslizes que cometi. Mas tudo fora por uma justa causa: sermos felizes. E fomos.
- Se não fosse assim, seria em vão o nosso esforço-aventureiro, em nos amar.
Nos amamos muito!...
Quando fui preso, estava presa comigo, também. Entre fuzis e punhais fizeram nosso enlace matrimonial.
Não quisera o destino que fosse d'outro jeito, nossa aventura de amor.
A não observância dos tramites legais de um cartório,sem as cerimônias matrimoniais e formalidades da sociedade, que não nos submetemos, foi um fardo pesado demais...
Mas, a lei do amor internalizada em nós, teve mais força... por isso vencemos.
A constrangedora punição discriminatória que sofremos ao longo do tempo não pode nos desobrigar...
Até que nos apartamos: vivemos em continentes separados. Tu na eternidade e eu palmilhando sozinho a terra dos mortais.
Se erramos em nosso proceder amoroso queira Deus nos perdoar!

Nemilson Vieira de Morais
Tags: setembro 2019

Creia que, uma vida em Minhas mãos,como uma semente,mesmo que caia,renascer em terra boa e ainda dará seus frutos no tempo certo...
(27.08.19)

Nemilson Vieira de Morais

Não permita a miopia espiritual atrapalhar tua visão de Mim; nem a névoa do pecado, escureçer Meu clarão de amor.
(27.08.19)

Nemilson Vieira de Morais

Em seus sacrifícios de adorador,os faça com ternura e fervor; e aceitarei a sua santa oferta em cheiro suave.
(27.08.19)

Nemilson Vieira de Morais

No ermo nasce a flor,
no desvaneio o pesar,
no coração o temor,
no contrito, o altar.
(27.08.19)

Nemilson Vieira de Morais

Prossiga para o alvo persistindo na verdade; e o sol da justiça brilhará em sua história.
(27.08.19)

Nemilson Vieira de Morais

SANTA HISTÓRIA - II

Se tu pudesse olhar na palma da Minha mão iria se maravilhar. Se vendo nela como um bebê,engatinhando... Fazendo leitura das coisas com os olhos. Quero que saiba que cuidei e cuido de ti, de verdade.
Todos os dias o contemplo e não o perco de vista, nessa relação de Pai amoroso. Você poderá não entender, nem agradecer Meus cuidados. Eu entendo, isso é comum acontecer. Mas siga os seus passos, na liberdade que o dei!, Eu, continuarei insistindo em não desistir de ti. Torcendo pelo teu sucesso em Me querer. Pois aquilo que o mundo oferece não é o mais importante. Não permita a miopia espiritual atrapalhar tua visão de Mim. Nem a névoa do pecado, escurecer o caminho do Meu amor... Nada forçado, mas se desejar retornar e,em gratidão, Me servir em adoração e santidade... Faça isso com ternura e fervor; e aceitarei sua santa oferta em cheiro suave...
Creia que uma semente de gente, em Minhas mãos, ainda que caia nascerá  de novo; frutifica,alinda a terra...
Se fraquejou, tenha fé e esperança; se esforce um pouco mais, em conhecer-Me!... 
No deserto nasce flores; 
em desvaneios,pesares;
Nos corações,temores.
Aos arrependidos,
Meus altares.
Ande na "Verdade" e o sol da justiça nascerá para ti, em "Santa história”.
(17.08.18)

Nemilson Vieira de Morais
Tags: agosto 2019

DA MINHA JANELA...

Da janela entraberta
do meu quarto
interior...

A vida acontecia,
pelo vão, do vão d'alma.

As curvas das montanhas
azuladas,mui além,
entortavam o cenário
que me achava.

Me vi então, a me acalmar,
quando ao dorso da montanha
cavalguei.

(23.07.15)

Nemilson Vieira de Morais

CLAMOR DAS ÁGUAS III

01 - No início do mundo, o Divino movia-se sobre minha face. Sou obra prima, presente do Criador ao homem.

02 - Combustível mais precioso da vida; em condições normais, em meu ciclo natural, mantenho harmonia e bem estar sem igual, entre aqueles que respiram e transpiram.

03 - Vivo no campo e na cidade. Sou rios, lagos, mares. Estou nas pessoas...

04 - Acondicionam-me em: reservatórios, picinas,tanques, torneiras,filtros,potes,... Mas, contorno obstáculos.

05 - Todos já me viram em algum momento. Sou tão grande, que sou vista do espaço e tão pequena, que me vejo numa molécula.

06 - Na Terra, sou infinitamente mais importante do que a prata,o ouro,o diamante, as pedras preciosas,as riquezas das nações...

07 - Em meu ciclo constante, caio do céu para vós. Broto da terra, em fontes termais, ou não; dos olhos em forma de lágrimas: alegres ou sentidas.

08 - Me ponho a correr por todos os lugares como deve ser a justiça dos homens.

09 - O Pai Criador outorgou-me a sublime missão de servir. Assessoro a Obra da Criação em suas mais variadas atividades; à vida inteira.

10 - Ocasiões mais marcantes...
As duas ocasiões mais marcantes em meu percurso existencial, foi quando me dividi em duas partes para dar passagem ao povo de Deus, que vivia escravizado por Faraó, no Egito. E, por ocasião em que o maior Profeta: João Batista, lançou mão do meu potencial para batizar o Homem mais importante: Jesus de Nazaré, o Salvador da humanidade.

11 - Nunca me neguei ao serviço de limpeza da vossa casa, do vosso carro e do vosso corpo. Sempre disponível, dou refrigério a quem me deseja,me procura e me acha; do micro ao macro organismo. Jamais os deixei de servi-los. Higienizo o mundo, e ponho o alimento na mesa de cada um de vós. Quando precipito sobre os bons e os maus. Tenho algo de meu Feitor: não faço acepção.

12 - Não haverás indústrias,trabalhos, trabalhadores,bens de cosumo,progresso...

13 - Quem mais me consome é a agricultura. Seus gestores,usam e abusam da minha boa vontade: quando adicionam veneno ao meu corpo,ao plantio e aos consumidores. Sou eu que dou a vida no tempo certo.Sem a minha presença, ainda que nasçam... a soja inferruja,o arroz torce a palha, o milho não dá espigas... nada cresce. O homem,aborrecido,com fome... morre em suas intrigas; não havendo fartura de pão.

14 - Como promotora da vida, uma vez contaminada, morro e torno-me veneno letal...

15 - Há muito, apresento sinais doentios; estou perdendo lentamente as forças, a saúde, a vida. – Há necroses em muitas partes do meu corpo; mundo afora.

16 - Morro a cada instante, um pouco, e a minha situação só piora a cada dia. – Falta-me o tão necessário oxigênio, que vocês usam para respirar e viver. 

17 - No Tietê, “São Paulo”, já me consideram como uma das mais sujas do planeta.

18 - Caso ainda haja humanidade...
Peço socorro!, com urgência. Para quê, minha morte generalizada e anunciada, não aconteça. Meu estado de saúde
é bastante crítico!

19 - Temo não sair com vida da situação que me encontro para contar a história. Dependo de vocês agora... Não quero morrer e levá-los comigo. Não seria interessante isso. Para ninguém.

20 - Peço em troca de tudo de bom que fiz e ainda faço a todos vós – cabeças pensantes –, é o “RESPEITO”.

21 - Há por toda parte, um clamor por JUSTIÇA, ao meu respeito; vindo das pessoas de bem... Mas pouco se faz.

22 - Ainda preciso dar assistência a um contingente enorme de outros seres viventes que ainda virão ao mundo. - A vida precisa continuar para outras gerações também: de homens e de bichos.

23 - Pela minha posição na hierarquia dos elementos da natureza, eu precisaria ser mais amada, reverenciada,defendida...

24 - Falta reflexões contínuas quanto a qualidade do nosso relacionamento. Perdemos a harmonia.

25 - Será que estou pedindo demais?querendo um tratamento mais digno, justo, humano?

26 - Lembrem-se da “lei da semeadura e da colheita”! não se lamentem, se algo der errado, por não observarem esse princípio.

27 - Vejam quantas agressões tem sofrido meus corpos d’água; bacias hidrográficas: nascentes, afluentes... Rios principais... Mares.

28 - Somente o homem maltrata-me, assim. Vós “cospem no prato que comem”. – Ao me poluírem...

29 - Sou mais 'eu' do que vocês, em vossas composições corpóreas. – Em mais de setenta por cento. Estou nos vasos,artérias e capilares; compondo e conduzindo o oxigênio e outras substâncias, para a nutrição das células.

30 - Até na medicação me faço presente...
Quando doentes, na vida adulta ou bebês, eu estava e estou, no medicamento farmacológico. No chazinho.

31 - Nunca vos neguei um gole de mim, quando sedentos; nem o pescado para o pirão de cada dia, indo ao rio lançarem vossas redes e anzóis...

32 - Lembram-se da “multiplicação dos pães, por Cristo”? Pois bem,... O complemento do milagre eram peixinhos, que cuidei com muito amor, para aquele momento especial. 

33 - Devido as suas atitudes irresponsáveis, recebo uma carga diária de poluentes in natura – todos os dias; das mais variadas origens.

34 - Muitos não mais me contemplam, banham-se ou pescam. Onde sou CARTÃO POSTAL, há placas às minhas margens... com os dizeres: “É proibido pescar. Peixes impróprios para o consumo.”

35 - Sou mais bonita em fotos. Quem se aproxima de mim sentirá um odor horrível!...

36 - Multiplicaram-se desordenadamente, como areias do mar e agora me a tem como culpada de seus problemas; principalmente em períodos em que caio do céu sem dó: e acontece enchentes, desmoronamentos, perdas, mortes...

37 - Aí me maldizem e recorrem a São Pedro – para dar um jeito nas situações calamitosas que surgem nessas épocas do ano – pedindo a ele qur feche as torneiras.

38 - Nas cidades grandes, ando como “Rios Invisíveis” em várias partes. Gestores sem noção do que fazem...
Em vez de me restaurarem, canalizam-me; e jogam os problemas para os moradores das jusantes.

39 - Destroem as matas ciliares, junto do meu leito, e minha clara visão do mundo exterior se esvaem. Os cílios são a proteção de meus olhos.

40 - Fui isolada dos elementos da natureza: como à luz, o ar, o solo... nestas canalizações.

41 - Não posso mais respirar, nem me infiltrar no solo, para recargar os aqüíferos subterrâneos.

42 - Veículos vivem sobre minha cabeça, em avenidas barulhentas. Não levo mais o lazer a população, não mato a cede dos animais; por causa da pouca saúde.

43 - Lamentável situação...
Não dou mais alegria aos meninos em longos banhos nos poções, ou em piscinas naturais. Porque não fizeram nenhum sacrifício para me salvar.

44 - Tenho saudade do tempo: que eu não tinha cor, odor, paladar; para agradar a todos os gostos. Agradava a “gregos e troianos”. Hoje, o mau cheiro que exala do meu corpo não agrado a ninguém. 

45 - Estou locomovendo-me com certa dificuldade, nos espaços rurais e urbanos, devido ao assoreamento... mas não deixo de seguir para o mar. É meu destino.

46 - Sem poder fazer muito agrado aos banhistas locais,turistas, que antes me apreciavam e não alavanco a economia das cidades e dos países, como devia.

47 - Será que meu maior pecado foi mesmo, o de viver a vida inteira fazendo o bem?! Será?!...

Nemilson Vieira de Morais
Tags: agosto 2019