Coleção pessoal de NemilsonVdeMoraes

41 - 60 do total de 579 pensamentos na coleção de NemilsonVdeMoraes

⁠Toleramos os espinhos da relação, mas a maior preocupação é cultivar as rosas do nosso jardim.

Nemilson Vieira de Morais

⁠APAIXONANTE EUGENIA 

Por Nemilson Vieira (*)

Hoje foi um daqueles dias especiais para mim: conheci a EUGENIA.
O meu olhar achou o seu e rolou de imediato, a química do amor. Fato que se deu de uma maneira muito espontânea, natural. 
Não creio desse relacionamento ter acontecido por uma coincidência, mas por uma providência.
Com tanta intimidade à primeira vista que tivemos alguém deve ter imaginado sermos velhos amantes.
Combinamos tanto… Continuamos firmes e fortes nesse propósito de querer-nos sempre.
Depois daquele sim inicial e do entrelaço sentimentimental só sabemos andar, a nos amar como dois eternos apaixonados.
Assim vamos a tocar os nossos dias e a nossa comum união. Cada vez mais presentes, um, na vida do outro, a alicerçar os nossos vínculos.
Continuamos nessa livre relação, à distância, a todo vapor.
Eugenia no seu canteiro público, no São João Batista, eu no meu espaço de sempre, no Luar. 
Posso ter novos amores e ela também. Com pouco de ciúmes, mas sem contendas. 
Podemos amar outros(as), que nos afeiçoarmos.
Aos que torcem contra o nosso apego afetivo, quase anormal, que desistam. — Ele veio para ficar; até que o destino ou a morte nos separe.
Fica aqui um pouco dessa nossa história sentimental.
Se o caro leitor desejar saber melhor sobre nós e mais especificamente sobre EUGENIA pergunte ao Dr. Google, ele lhe informará detalhadamente.

*Nemilson Vieira
Gestor Ambiental, Acadêmico Literário 
(12:07:20).
Fli e Lang 

Nemilson Vieira de Morais

⁠VOCÊ…

Por Nemilson Vieira (*)

É a minha música mais preferida que aprendi a gostar de ouvi-la;
É a melodia perfeita que me acalma em momentos de preocupações;
Canção de ninar que me faz dormir na esperança de dias melhores;
A minha musa inspiradora que embala o meu mundo de ideias, de poesia…
Possui uma candura toda especial, uma beleza natural, um olhar penetrante que me deixa fascinado.
Ao se expressar verbalmente 
ou na escrita é tão diferente das outras…
No tecer, na coesão, na coerência, em tudo que faz.

*Nemilson Vieira, 
Acadêmico Literário 
(03:05:15).
Fli e Lang

Nemilson Vieira de Morais

Posso ouvir dizer que sou.O que não devo é me achar. (07.03.18)

nemilson Vieira de Moraes

⁠A minha inclusão num grupo de risco nenhuma diferença faz, se o risco maior foi nascer.

Nemilson Vieira de Morais

⁠Há preciosas lições audíveis, para as nossas vidas que só iremos aprender em sonhos. Hoje recebi a minha, enquanto dormia, ouvi sobre “verdades ditas com palavras erradas”.

Nemilson Vieira de Morais

⁠QUERO A PAZ

Por Nemilson Vieira(*)

Quero a paz do cisne no lago. No meio à tempestade: afagos.
Paz no campo e na cidade; sobre as ondas bravias, nas noites obscuras, tenebosas.
Paz ao partir e ao retornar, no dormir, no acordar. — Do colibri a proteger a sua prole; da natureza harmoniosa.
Quero a paz do agricultor depois da boa colheita; paz nos campos, nos montes, nos vales, por todos os lados.
Quero a paz dos pássaros nos voos recreativos; dos pirilampos na escuridão da noite, por ermos caminhos. — Do paciente depois do tratamento.
Quero a paz do pecador que alcançou o perdão; de quem ama e é correspondido, moças e rapazes eternos enamorados.
Quero a alegria dos inimigos ao fazerem as pazes; a doce sintonia de um poeta ao fazer a sua poesia; os seus versos, as suas rimas...
A paz dos fiéis na inquisição:
Jogados às feras a entoar canções.
— Das crianças a brincar; de um salvo a louvar, jogado aos leões. Quero a paz dos agentes polinizadores, ao fecundarem as flores na primavera.
Torço pela paz na Terra, entre os homens de boa vontade...

*Nemilson Vieira
Acadêmico Literário 

Fli e Lang
(07:08:15).

Nemilson Vieira de Morais

⁠A MINHA DESPEDIDA

Por Nemilson Vieira (*)

Chegou o momento da partida…
Na rodoviária lembrei-me do hino da Harpa Cristã: “Se Cristo comigo, vai, eu irei”…
“O ônibus está a sair”. — Lembrou-me, uma das minhas irmãs.
Esse momento é difícil…
Enfim o abraço nos irmãos, no pai e na mamãe. Vi lágrimas nos seus olhos. — Imagino: quanta ingratidão minha ao deixá-la! Tudo por uma busca de um nada, talvez…
Havia comprado a passagem previamente, os meus pés estavam no caminho, ainda ao alcance da visão e da voz de alguns dos meus.
Mais um tchau eu dava e recebia…
— Tchau! pai. Tchau! mãe.
— Tchau! filho. Vai com Deus! meu filho. — Amém! fica com Deus também, mamãe.
Guardados os pertences no ônibus os abraços finais aos irmãos queridos que foram à rodoviária comigo.
A conferência da passagem e da localização da poltrona. Os últimos gestos de despedidas; são marcantes.
Na BR 118 que corta a cidade, mais tchau, aos velhos conhecidos que margeavam a rodovia.
A minha história seguiu o seu curso natural porque fui sonhar o meu sonho…
O mais importante disso tudo é ter tido a certeza de que Deus ficou com o meu povo e que segui com Ele pelo mundo afora.
É confortante ter a esperança do retorno; não entendo às pessoas que deixam os seus familiares no seu lugar de origem e nunca mais voltam lá; nem mesmo a passeio fazem isso. Acho uma tremenda ingratidão. No meu caso, como bom saudosista nunca irei desistir do retorno ao lugar que nunca deveria ter saído.
Sempre tenho feito as minhas visitas familiares;
Continuo a imensa necessidade de fazer o caminho inverso. — Regressar a casa dos meus pais para ficar.
Para sair foi traumatizante, mas para voltar é gratificante. Só alegria!
O dia mais feliz de um migrante é poder voltar à sua terra amada.
Se no meu retorno conseguir levar comigo “os molhos” mais alegre serei.
Como seria bom se eu pudesse repetir os vencedores que ao retornar às suas origens dizem: “fui e venci! Voltei”.
Não mais correr atrás do que não guardei; como as formigas que criam asas e se perdem.

*Nemilson Vieira de Morais, 
Gestor Ambiental e Acadêmico Literário.
— (23:12:14).
Fli e Lang

Nemilson Vieira de Morais

⁠TÍNHAMOS QUE IR

Por Nemilson Vieira(*)

É um grande desafio de repente termos que deixar tudo para trás: a parentela, os amigos, uma cultura, o ambiente em que se viveu desde os primórdios da vida e aventurar-se num lugar que não o conhecemos, distante e diferente do nosso. Muitas vezes o apoio de alguém por lá não acontece; fato até justificável pelo não conhecimento das partes. Um ditado diz que boi erado na sua terra, em outro lugar é bezerro. Assim passamos a ser quando deixamos o nosso lugar e pegamos a estrada da cidade grande; eu e o colega de escola Carlos; vizinho de porta. Deixamos a nossa pacata Campos Belos(GO), nordeste goiano, no final dos anos 80, e nos aventuramos na capital dos mineiros. O corte abrupto do nosso cordão umbilical doeu muito. Tudo o que havíamos conquistado ficou para trás: o nosso mundo afetivo, o ambiente sagrado, familiar, os parentes de perto e de longe, os amigos, muito deles de infância e mocidade. Precisávamos ir, mesmo que o novo mundo de possibilidades que propusemos desbravar, desconhecido fosse a nós. Deixávamos o certo pelo duvidoso? Provável que Sim. Geralmente os jovens tão cheios de sonhos; por um ideal são capazes de fazer algumas ‘loucuras’ na vida, mesmo que isso se converta numa ilusão. Nesse frenesi de sonhos acabam indo a lugares remotos arriscar-se necessário ou desnecessariamente; por alguns caminhos da vida. Na busca da concretização desses sonhos; nada mais justificável, para que, depois não se queixarem de não terem tentado aquilo que desejavam. Assim nos acontecera: entramos nessa aventura há muitos anos… A situação social, econômica e tantos outros desafios que surgem abalam grandemente o emocional do imigrante. Com o tempo, algumas dificuldades vinham e iam-se de nós; as superavamos uma a uma; umas maiores outras menores. As visitas familiares, as cartas, os telefonemas que realizávamos amenizavam um poucos a solidão. “A dor da despedida só sabe quem passou”, diz uma letra de música. A do viver distante das raízes também. Talvez mais acentuada com o agravante de viver latente em nós. Uma angústia, um aperto no peito, uma vontade de chorar daquelas, de vez em quando aparece. A ida ou vinda de alguém a um determinado lugar é um mal, às vezes necessário. 

*Nemilson Vieira de Morais 
Acadêmico Literário.

Nemilson Vieira de Morais

⁠UM POUCO DO QUE SOU

Por Nemilson Vieira (*)

Do coco sou água isotônica; do corpo, a água de cheiro.
Morro na praia todos os dias. Lavo os pés, em cerimoniais batizo os fiéis; refresco o corpo e tiro a fadiga...
Sou a poça nas estradas e da criançada, o poço. O suor do rosto, a chuva, a enxurrada, o sereno da madrugada, as lágrimas caídas…
… A esperança dos idosos, a doce alegria das crianças; o fiel da balança, o ouro da torneira a entornar.
Sou o direito, o amor-perfeito que brota do chão, que desce do céu.
No organismo, carreio as impurezas metabólicas, ao ser bombeada pelo coração.
Sou um devoto em súplicas, a água benta; estou no pássaro que voa, no lago e na lagoa; no Rio Mosquito, no Bezerra no Montes Claro...
Sou a vida na Terra acontecendo. Uma célula pulsando em cada canto.
Estou no predador e na presa fugidia; fonte a brotar água cristalina, nos brejos, juntinho dos buritis…
Sou de todos os lugares: do Planalto Central, da Serra da Mesa, da Moeda, da Canastra… Da Serra do Geral.
Sou das veredas do Guimarães Rosa, da Serra do Curral; do Pantanal…
Sou das Minas Gerais, Universal.
Fui vista até em Marte; visualizada do espaço sideral.
Por fim, sou a justiça qual rio a correr, que não pode secar.
Sou a vida a escoar na direção do mar.

* Nemilson Vieira,
Gestor Ambiental, Acadêmico  Literário

Nemilson Vieira de Morais

⁠RIO MOSQUITO, O NOSSO BEM MAIOR

Por Nemilson Vieira (*)

Percebo a preocupação dos moradores conscientes, do Pouso Alto, distrito de Campos Belos (GO), com o Rio Mosquito; sobre os impactos ambientais que se intensificam com o tempo; devido ao aumento populacional do povoado e pelo acesso das pessoas oriundas dos mais variados lugares que convergem a ele atraídas pelo refrigério das suas águas e pelas belezas paisagísticas do lugar.
Às imagens do rio divulgadas favorecem a confluência humana a esse paraíso natural.
Fico a torcer com aqueles que desejam ver essa relação, mais harmônica possível.
Seus cidadãos consideram esse rio como a galinha dos ovos de ouro: a mais expressiva e relevante fonte de abastecimento de água doce à população local e grande potencial turístico da cidade e região.
Temos sofrido na própria carne os reflexos das nossas atitudes impensadas, de não gerirmos sabiamente os nossos recursos naturais.
Como a escassez hídrica é uma realidade constatada em várias regiões do país e do mundo temos motivos de sobra para colocarmos as nossas barbas de molho e cuidarmos melhor desse recurso vital de Campos Belos, terra abençoada por Deus também com essa premissa Divina batizado por Rio Mosquito.
Não nos esqueçamos: a natureza se encarregará de nos ensinar a lição que carecemos, quanto a ela, às duras penas.
Ficam as minhas considerações!

*Nemilson Vieira de Morais
Gestor Ambiental, Acadêmico Literário
(10:03:15)

Nemilson Vieira de Morais

⁠HÁ UM FOGO…

Há um fogo lá fora!
Na Serra das Almas;
Fumega, queima a fauna.
Lambe à terra, a flora...

Há um fogo lá fora!
No Morro da Cruz,
Que a tudo devora;
Tenha dó Jesus!

Há um fogo lá fora!
No Monte da sedução.
É o que mais queima:
Abrasa o tição...

No Lago da Angústia
Há um fogo abrasador…
Do lado de cá, o fogo
Acalma a dor…

… Só vive em rogos
Convence, do pecado
O mais vil pecador;

Fogo brando que muda
A história:
Apura o ouro do ourives:
Lança fora a escória.

Do lado de cá
A brisa inflama a chama
Do fogo. — Que não lesiona;
Queima e não causa dor.

Nemilson Vieira de Morais

⁠As escamas dos olhos do entendimento não podem cair, se rigores austeros perdurar.

Nemilson Vieira de Morais

⁠A cultura do respeito, bem como ao do consumo sustentável precisa ser implantada todos os dias  na mente e no coração da sociedade.

Nemilson Vieira de Morais

⁠Os programas mitigadores dos impactos ambientais, só colherão  melhores resultados se forem acompanhados ao trabalho permanente em educação ambiental.

Nemilson Vieira se Morais

⁠A curiosidade e o conhecimento se entrelaçam; o amor e o respeito se afeiçoam. Juntos de mãos dadas, felizes seguirão.

Nemilson Vieira de Morais

⁠A natureza se encarrega de nos ensinar a lição que carecemos, quanto a ela, há duras penas.

Nemilson Vieira de Morais

⁠POETA SEM INSPIRAÇÃO 

Por Nemilson Vieira (*) 

Poeta sem inspiração não respira o bom ar que carece, nem vê o brilho do sol. Só vê a vida passar em tristes ais… Não tem razão nem prazer de brincar; até mesmo com as palavras. … É um peixe fora d'água, um rio sem o mar; um garimpeiro sem lavras; represa que não desagua sentindo a dor de não expressar-se, (poeticamente); falta-lhe a graça dos versos, o brilho nos olhos, o prazer de rimar… Vive num deserto desejo de retornar à motivação, o caminho a caminhar; o norte a seguir. Encontrar-se é o que mais quer. O poeta sem inspiração é como ave sem: ninho, filhos, penas para voar. É como atleta sem pernas a querer correr; sem cabeça para pensar teme que lhe falte o melhor da vida: a imaginação, alegria de versar. O poeta sem inspiração não consegue o que quer; não tem olhos para enxergar, sensibilidade para sentir, chão para pisar. O poeta assim tem um coração na mão e não no peito; sem o compasso perfeito não há forças direito para bater. Pernas para correr pelos campos do sentir... Perdeu o gosto de amar, de se divertir, de viver. No entanto segue a vida como pode e como um bom paciente acamado: esperançoso, ainda que em fase terminal, insiste com a vida a pesar do mal.

 *Nemilson Vieira de Morais, Acadêmico Literário.
Fli e Langu 

Nemilson Vieira

⁠ÁGUA BOA, É O QUE IMPORTA 

Por Nemilson(*)

A terra, os seus microorganismos, nós humanos e viventes de modo geral, precisam de bastante água boa para o bom funcionamento do mundo celular.
A água, iniciando a sua função no nosso corpo — presente no sangue —, percorre as artérias, veias e capilares, oxigena e nutre as células com os mais variados nutrientes.
Fazendo o caminho inverso carreia as impurezas metabólicas (dióxido de carbono e outras toxinas).
Como se fosse pouco a sua função de gerar e manter a vida na Terra, o homem a despreza com as suas atitudes insanas.
Ao descartar nas águas superficiais, em campo aberto, os seus resíduos e rejeitos. Em vez de dar a estes uma devida destinação.
Não dá para entender como esse descaso ainda acontece nos dias atuais. Quase todos os rios estão poluídos por quem mais poderia cuidar: o homem.
Devemos a ela (a água) um tratamento mais humanizado possível; respeitoso e digno. 
Agradecemos ao Pai Supremo em primeiro lugar por estar vivo; em segundo, a nossa água de cada dia.
Eu já disse uma vez que a água, pela sua importância deveria ser mais amada, reverenciada ou adorada até; mas claro que foi um desajeiro, não chega a tanto.
Nascentes estão a secar em todo o país e mundo afora; exclusivamente por nossas irresponsabilidades…
Só sabemos da real importância da água quando ela acaba ou não cumpra as suas funções naturais. Infelizmente!
Façamos alguma coisa no sentido da geração, preservação e uso racional desse recurso natural; enquanto há tempo, não somente nos lamentemos.

* Nemilson Vieira, Gestor Ambiental, Acadêmico Literário 

(07:10:2014)

Flip e Lang

Nemilson Vieira de Moraes

⁠DOCE COMUNHÃO

Os cultos devem ser realizados para Deus — unicamente. “A Minha honra a outro não darei.”
Neles (nos cultos) engrandecemos o Seu nome, buscamos a Sua face adorável e O louvamos.
Sentimos a Sua doce presença… De uma maneira coletiva.
Nessas reuniões sagradas os cristãos aprendem mais e mais a cada dia, sobre a Santa Palavra; — uns com os outros.
Pela exposição litúrgica das Escrituras por vasos de honra da Casa de Deus. Nos testemunhos sinceros dos fiéis, somos edificados, fortalecidos em fé.
Nesse compartilhar da doce comunhão com o Pai-Supremo e com os nossos irmãos de fé e crença, nos fortalecemos na graça de Deus.
Desde o início do cristianismo, os que criam nos ensinos bíblicos “estavam juntos na comunhão, no partir do pão, nas orações” nas obrigações cristãs de modo geral.
Isso nos torna mais íntimos do nosso Amado Pai e Ele de nós.
Nesse ambiente de convivência saudável, alegre, de reverência, respeito, adoração santa os propósitos de Deus são lembrados, ensinados, propagados; a Sua Glória manifesta…
A vontade Dele em nós, cumprida.

(27:04:18) 

Nemilson Vieira de Morais