Coleção pessoal de LucianoSpagnol

1 - 20 do total de 1290 pensamentos na coleção de LucianoSpagnol

Minha terra, richiamo

Ah! Quem há de gabar, recordação impotente e escrava
O que o presente diz, o que a saudade escreve?
- Cutucas, sangras, pregadas nas lembranças, e, em breve
Olhas, desfeito em espanto, o que te encantava...

Passou, andou, e é num veloz turbilhão, a ilusão forjava;
Ilusões. Um dia na inocência, hoje já não mais serve,
A forma, e a realidade espessa, a lembrança leve,
De pureza, canduras, numa quimera que voava...

Quem a prosa achará pra poetar o conteúdo?
Ai! Quem há de falar as saudades infinitas
Do ontem? e as ruas que omitem e agiganta?

E o suspiro muda! e o olhar surdo! o andar mudo!
E as poesias de outrora que nunca foram ditas?
Se calam nas recordações, e morrem na garganta...

© Luciano Spagnol
poeta do cerrado
20 de janeiro, 2019
Araguari, Triângulo Mineiro.
Paráfrase Olavo Bilac

Luciano Spagnol - poeta mineiro do cerrado

O dia é como bolha de sabão, linda majestosa colorida, se não apreciar com celeridade, estoura... E já passou!

Luciano Spagnol
poeta do cerrado
cerrado goiano

Luciano Spagnol - poeta mineiro do cerrado

IMMAGINAZIONE

Eu queria uma sumarenta poesia
Que as rimas dessem paladar e analogia
Aos aromas do fruto maduro do amor
Onde todos degustassem com prazer e sabor
O universo do vário gosto de cada verso
Do poema, carcomendo sentimento diverso

© Luciano Spagnol
poeta do cerrado
Janeiro de 2016
Cerrado goiano

Luciano Spagnol - poeta mineiro do cerrado
1 compartilhamento
Tags: luciano spagnol

E o ano assim termina,
outra vez, afoito, que a vida promove.
É o tempo em sua sina.
Que seja então, e do bem se prove...
O novo floresce, o velho declina.
Vai-se 2018, vem-se 2019!

© Luciano Spagnol
poeta do cerrado
Cerrado goiano
28 de dezembro, 2018

Luciano Spagnol - poeta mineiro do cerrado

A RUA

Não era itinerário nem outra nova direção
Suspiros! Calor no cerrado. Lembrança
Aqui havia uma rua, casa em demolição
O tempo era maior. A nostalgia uma lança
Tantos são os mortos na minha indagação
O tempo roendo a recordação, em dança!
E nas casas, impregnada de tenra poesia
A saudade, e não mais havia vizinhança
Tudo em ruína, mais nada dizia...

© Luciano Spagnol
poeta do cerrado
2018, dezembro
Cerrado mineiro

Luciano Spagnol - poeta mineiro do cerrado
1 compartilhamento

UMA ROSA

Uma rosa é uma rosa
De uma beleza caprichosa
De um perfume em prosa
É comunhão, é jóia preciosa

Uma rosa faz sedução
Em ramalhete e ou botão
É fecho para o coração
Dengosa, alicia a emoção

Tão fugaz em sua real vida
A rosa flor se faz em despedida
Majestosa, torna-se flor despida
Uma rosa sempre uma rosa. Garrida!

© Luciano Spagnol
poeta do cerrado
2014, fevereiro
Cerrado goiano

Luciano Spagnol - poeta mineiro do cerrado
2 compartilhamentos

Uma rosa é uma rosa,
de uma beleza caprichosa...

© Luciano Spagnol
poeta do cerrado
do poema "Uma Rosa"

Luciano Spagnol - poeta mineiro do cerrado
1 compartilhamento

ALVORADA CHUVOSA

Fulge em nebuloso dia, o cerrado. O céu delira
As nuvens rugem, chora chuva rojando ao chão
Há torrentes de pujança, suprema é a renovação
De gota em gota, banham as folhas da sucupira

Bulcões pintam a paisagem na sua vastidão
O sol miúdo no horizonte quer arder em pira
O bem ti vi na carnaúba saúda com a sua lira
A alvorada, raiando a vida em doce gratidão

E o vento emborcando os galhos da paineira
Rolam no ar, andorinhas, gritam as maritacas
Clangorrando... - e avigora o sertão molhado

Novembro, é o mês das chuvaradas primeira
No tropel alinhado das barulhentas curicacas
Em cinza, em glória, o céu chuvoso no cerrado...

© Luciano Spagnol
poeta do cerrado
Novembro de 2018
Cerrado goiano
Olavobilaquiando

Luciano Spagnol - poeta mineiro do cerrado
2 compartilhamentos
Tags: alvorada chuvosa

NATAL, CHEGOU!

Ah! Natal, soam sinos na noite iluminada
Ecoam cânticos vivos de cândida poesia
E toda a vida palpita em festa, em alegria
Na modesta estrebaria, de divina morada

Sobre a palha, sem rendas, ou dourada
Seda, o Menino Deus, nasceu de Maria
E dos pobres, oferendas, numa romaria
Entre os animais, singeleza, mais nada!

Não nasceu entre pombas reluzentes
Presentes os humildes e a paz do luar
Cheio de graça, nume dos diferentes

Jesus nasceu! pra nós ensinar a amar
Sobem os hinos de louvores torrentes
Foi para os pobres seu primeiro olhar...

© Luciano Spagnol
poeta do cerrado
Novembro de 2018
Cerrado goiano
Olavobilaquiando

Luciano Spagnol - poeta mineiro do cerrado
2 compartilhamentos

PAIXÕES

Amores, latejo em ti, nas saudades, por onde
Estive! e sou estórias, e rasto, e madrugadas
E, em recordações, o meu coração responde
Num clamor tal ao vendaval e folhas levadas

Daqui do cerrado, e teus cipós, e tua fronde
Gorjeiam as melodias, e desenham estradas
Na memória, onde, além, o passado esconde
Da pressa, e as doces perfumadas alvoradas

Recordo, choro em pranto, eram dias felizes
No prazer, tal uma flor, de ti, pimpo e exulto
E eu, suspirando, poeto loas com cicatrizes

Tu golpeada e finda, - e eu fremirei sepulto:
E o meu silêncio cravado, em vão, tal raízes
Se estorcerão em dor, penando sem indulto.

© Luciano Spagnol
poeta do cerrado
Novembro de 2018
Cerrado goiano
Olavobilaquiando

Luciano Spagnol - poeta mineiro do cerrado
2 compartilhamentos

PER VIVERE DI NUOVO

Se aos iguais pesares me convidas
Com as mesmas dores dilacerantes
Para eu saudosar pelas horas idas
Na lembrança de tempos vibrantes

Não me digas nada! Já são perdidas
As recordações. Ilusões dissonantes
Desvanecidas pelas outroras vidas
E à emoção, outras razões de antes

“Per vivere di nuovo”, - o que importa!
Desatrele do passado… - vida nova!
Pois a nossa estória já trancou a porta

Amei-te! Mais que os amores tantos
E se apartado, resta está única trova
Não mais por ti evocarei meus prantos...

© Luciano Spagnol
poeta do cerrado
Novembro de 2018
Cerrado goiano
Olavobilaquiando

Luciano Spagnol - poeta mineiro do cerrado
1 compartilhamento
Tags: viver novamente

Os 60

Os sessenta anos duma alma inquieta
Cabelos brancos, a face vivida, poente
Os olhos no qual se trova inteiramente
Bagatelas, onde mora a emoção poeta

Um sonhador de sentimento profeta
De palavras que falam, inda inocente
Versos que do peito saem de repente
Docemente, em uma parição secreta

Uma determinação tão só, tão largada
Que o silêncio urge, no invento venta
A sorrir, e ou a chorar, lhe é camarada

E se na parada se senta, pouco tenta
Aquieta, numa má sorte da derrocada.
São os encantos de se ter os sessenta...

© Luciano Spagnol
poeta do cerrado
Novembro, 19 de 2018
Cerrado goiano

Luciano Spagnol - poeta mineiro do cerrado
1 compartilhamento
Tags: sessenta luciano

ME PERDI, E ME ACHEI

Não me perdi na imensidão... me perdi
Na melancolia do cerrado. E me julguei
No chão, e da terra então, eu me achei
Se daqui eu sai, hoje, meu lugar é aqui

Mas há ilusão no tempo, se acolá e ali
Outros houve, e assim, eu então farei
Caminho, na diversidade, caminharei
Num ardor sublime, na terra araguari

Ah! Ó saudade de cólera tremenda
Os sonhos sonhados agora fugitivos
E as lembranças ao coração inflama

Poetizaram nas rimas desta lenda
A emoção tão comuns dos vivos
Os desenganos os deixo na lama.

© Luciano Spagnol
poeta do cerrado
Novembro, 2018
Triângulo Mineiro
Olavobilaquiando

Luciano Spagnol - poeta mineiro do cerrado
2 compartilhamentos

PROFISSÃO DE FÉ

Sempre, uma crença mal afamada
Vives na letargia, duma farsa matula
No eco do inferno que ali especula
Só a sorte, sem querer mais nada

E neste amar que referve e ulula
A alma sem sonhos vai na estrada
De dores, egoísmos, invejas e gula
Devorando a piedade em derrocada

E assim, a vida abominando, chora
Implora aos céus por este hórrido
Vazio, por um sustento sem demora

E nos íncubos e súcubos agarrido
A profissão de fé, é que faz a hora
Sem que faça ter o crédito iludido.

© Luciano Spagnol
poeta do cerrado
Novembro de 2018
Cerrado goiano
Olavobilaquiando

Luciano Spagnol - poeta mineiro do cerrado
1 compartilhamento
Tags: profissão poeta

MATEMÁTICA DO AMOR

O amor é matemática:
soma felicidade,
divide dor,
eleva ao quadrado a
solidariedade;
subritai o desamor, multiplica a
amizade e, manda flor...

© Luciano Spagnol
poeta do cerrado
Cerrado goiano

Luciano Spagnol - poeta mineiro do cerrado
1 compartilhamento

VEJO-TE

Vejo-te: - a magia nos meus olhos aprecia
- Do belo em pranto no admirar por inteiro
Do por do sol ao alvorecer o doce cheiro
Do cerrado. Delicado e grosseiro. Ironia!

Todo o teu vário: - a diversidade é poesia
Dum tal primeiro olhar, ao olhar primeiro
Encantamento, - neste trovar verdadeiro
Tudo ao contentamento é total simpatia

Olho o teu horizonte de um infinito flavo
E quanto mais o olho, mais eu te folheio
Passeio e releio, assim o glorio... bravo!

Ouço na admiração a tua vida em gorjeio
E cuido ouvi-la, e na emoção eu alinhavo
Vendo tu, cerrado que vejo, no teu ceio!

© Luciano Spagnol
poeta do cerrado
17/11/2018, 17’27”
Cerrado goiano
Olavobilaquiando

Luciano Spagnol - poeta mineiro do cerrado
1 compartilhamento
Tags: vejo-te luciano

Nostalgia

Como quisesse amado ser, deixando
O coração sonhador, espaço em fora
A paixão, sem olhares e sem demora
Vestir tua quimera e partir em bando

Excêntrico senso, tonto, malversando
O tempo e a hora, sem valia: e, agora
Que passou, sente a solidão, e chora
E implora, a aura antiga recordando...

E, o agrado rebelando compungido
Atrás, volta carente de convivência
Do abraço com calor e de amante

E assim, nos versos andei perdido
- Já! pranteio a dor em reverência
Murmurando o amor daqui distante

© Luciano Spagnol
poeta do cerrado
Novembro de 2018
Cerrado goiano
Olavobilaquiando

Luciano Spagnol - poeta mineiro do cerrado
2 compartilhamentos
Tags: nostalgia luciano

VERSOS TATUADOS

Corpo do soneto, em versos tatuados
A poesia em delírio, e a mão a poetar
Impulso que pulsa, sonhos sonhados
E vida, em cada estrofe o vário estar:

Do beijo, do laço, desejos desejados
A fé ao nosso lado ajoelhada no altar
Ah! e o amor nos corações acordados
Em perfumes que nos fazem embalar

A inspiração: - messe e dádiva, tributo
Pra alma, semeando e colhendo fruto
Hóstia da ideia em purgação. Pensar!

E assim, saudades: - dolorosa rama
Que pelos versos, chora e derrama:
Quimeras e sorte, na pele a versejar!

© Luciano Spagnol
poeta do cerrado
2018, novembro
Cerrado goiano

Luciano Spagnol - poeta mineiro do cerrado
1 compartilhamento
Tags: versos tatuados

ANDOU

Como quisesse alegre ser, deixando
O queixume rotativo, zunindo a hora
O tédio, ao bafejo sequioso da aurora
Do cerrado, dentro de ti, comandando

Estranho querer, no peito te cortando:
Melancolia, silêncio, a paz indo a fora
Que te cala, maltrata e também chora
E chora... saudades então recordando

E logo, uma imaginação, compungida
Te perseguindo, surge como senhora
Dos teus sonhos, torturando a razão

Assim queixosa minha alma perdida
Andei largo instante, sem ir embora
E agora, o tempo antigo, é oposição!

© Luciano Spagnol
poeta do cerrado
11, novembro de 2018
Cerrado goiano
Olavobilaquiando

Luciano Spagnol - poeta mineiro do cerrado
1 compartilhamento

NO TEMPO

Sou o eu que marcha, que andeja
Princípio, sou fim, poesia agarrida
Levo o plural: a tristura e a peleja
As vaidades, e os alardes da vida

O tempo passa, repassa, ou seja
Corre, e nesta ventura, a medida
Pra cada hora: a fé, assim esteja
Os anos no muito na sua torcida

Vou levando acertos e os danos
Vou levando o tudo e o instante
O amanhã a extensão dos anos

Ninguém pode evitar o talvez
Assim, que tudo seja vibrante
E o amor, o primordial da vez!!!

© Luciano Spagnol
poeta do cerrado
Novembro de 2018
Cerrado goiano
Olavobilaquiando

Luciano Spagnol - poeta mineiro do cerrado
2 compartilhamentos