Coleção pessoal de LucianoSpagnol

81 - 100 do total de 2388 pensamentos na coleção de LucianoSpagnol

⁠FORÇA INSPIRADORA

Quem dera, oh poética, se o verso fosse
Sentimental e mais ingênuo, boa sorte
Que não chorasse todas as dores, forte
Levasse valeria, ritmo, a alegria... doce!
Quanta lágrima fez no versar suporte
Sem norte, a solidão que judia, atroce
Quanta poesia vil, distante e agridoce
A ter suspiros no coração sem aporte!

Estranhas rimas de sentimentos ermos
Num conúbio de amores e de paixões
Eis o que é a sensação no exato temo:
Sujeitos aos males próprios e emoções
Também, os agrados, porém, estafermo
Se dos acasos não causasse inspirações

© Luciano Spagnol - poeta do cerrado
10 agosto, 2022, 15’47” – Araguari, MG

Tags: inspiração luciano

⁠SONETO POÉTICO

Não mais desfruto do prazer de outrora
Do teu olhar, do teu riso, tudo desfeito
Agora em cada prosa uma dor no peito
E, em cada canto a sofrência que chora
Ah! poesia, que da alegria era um feito
De sensação e não uma agrura sonora
Era afeto, agrado, de sedutora aurora
Ó emoção, dá-me um versar com jeito

Pois, o carpindo no soneto é amargo
E tão letargo o poetizar, um embargo
Ao coração, que sonha e quer o teor
Deixai-me com o desprezo e o desdém
Na dita sorte, e no transtorno, porém,
Poético! Sempre hei de crer no amor!...

© Luciano Spagnol - poeta do cerrado
09 agosto, 2022, 19’47” – Araguari, MG

Tags: amor sofrencia

⁠FOSTE

Aquele amor, foste, em outras eras
Olhar no olhar, saudade que povoa
A emoção, foste minhas primaveras
O afeto dentre todos, a boa pessoa
Pros desejos tão cheios de quimeras
Foste os mais ávidos, sonho que voa
Felicidade mais, promessas sinceras
Aquele sentimento que não foi à-toa

Foste: essência, a sombra generosa
Aquele poema de poética amorosa
O cheiro impregnado na inspiração
Fez da minha poesia o rimar inteiro
E do meu versar um verso primeiro
E ao poeta a sua mais doce paixão!

© Luciano Spagnol - poeta do cerrado
07 agosto, 2022, 19’21” – Araguari, MG

Tags: amor foste

⁠ESQUECIDO

Talvez já de tudo tenhas esquecido:
Do olhar, dos sussurros e da prosa
Da memorável dada elegante rosa
Talvez em tudo tenhas nos perdido
Aquele deliciosa sensação saudosa
O abraço sensual e tão enternecido
Cada momento, o momento vivido
Cheios de mimo e carícia generosa

Ah! não me tens na afetiva poesia
Mais... só este silêncio na vastidão
Do abandono, sentimento mudo!
E, só, nostálgico, numa dor sombria
Me tenho: penoso, na doce ilusão...
É... talvez tenhas esquecido tudo!

© Luciano Spagnol - poeta do cerrado
06 agosto, 2022, 19’57” – Araguari, MG

Tags: esquecido abandono

⁠Casa florida

É ter-se a casa acolhedora, ao sol, florida
Aonde tudo é amor, graça e encanto...
Mais puro e doce, ornada e tão querida
Numa glória, poesia, luz, num só canto...

© Luciano Spagnol - poeta do cerrado
06 agosto, 2022, 11’39” – Araguari, MG

Tags: flores casa

⁠SONETO BEM-AVENTURADO

Deixa poética que eu cante mais um canto
De amor, simples que seja, tonto e sedento
Porém, que seja com todo belo sentimento
Composto de alegria e aquele doce encanto
E, assim, um poetizar leve e sem desalinho
A desejar o solfejar num ritmo de verdade
Paixão, aquela que nos deixa com saudade
Que não seja com fatuidade, e sim carinho

Consinta, afinal, ó poética... é só um canto
Cantado dum Bardo que quer tanto, tanto
Os versos certos, se certo, então, eu juro!
E, que traga sentimentalismo, o momento
E tão mais que um canto, um sacramento
Bem-aventurados versos dum amor puro!

© Luciano Spagnol - poeta do cerrado
05 agosto, 2022, 14’02” – Araguari, MG

Tags: aventurado

⁠ENTRELINHAS

Se o ledor pudesse ler as entrelinhas da poesia
Minha, que cada surpresa do fado me reservou
Entenderia os suspiros, a dor e toda a antinomia
Dos versos agridoces, que no meu versar chorou
A desdita está em cada poética, tanta a agonia
Imbuídas naqueles perdidos sonhos que sonhou
Cada desejo, num gesto que não era de alegria
E sim, apertos no peito, que o causar idealizou

Poeto sentimento, o sentimento inteiramente
E nunca indiferente, e tão pouco eternamente
Devaneio, amo, idealizo, busco ir sempre além...
Porém, do calvário não se pode ficar sem nada
Cada qual com seu traçado e com a sua estrada
Tudo passa! E do destino aquele servo e refém!

© Luciano Spagnol - poeta do cerrado
04 agosto, 2022, 20’22’ – Araguari, MG

Tags: entrelinhas amor

⁠RELÍQUIAS

Nestas velhas páginas amareladas
Duma poesia de outrora, de amor
Retalhos das prosas tão choradas
Sussurro em verso, versos de dor
Relíquias... eram ilusões doiradas
Que cá versam nostalgia e clamor
Os restos de poéticas enamoradas
Num soneto sofrente, sem pudor

Ai! verso a verso, vai, e tudo parte
A ideia se apaga, e vem outra arte
Nas lembranças, que doridas são!
E, passo a passo, que se esquece!
Tudo envelhece! e assim, fenece...
Deixando o seu cunho no coração!

© Luciano Spagnol - poeta do cerrado
03 agosto, 2022, 05’40’ – Araguari, MG

Tags: relíquea lembranças

⁠TANTO MAIS

Queixo-me da redação de uma distinta prosa
Com mimos, amor, daquilo tudo que agrega
Uma sensação envolta naquela ofertada rosa
Suspiros, a quem o destino liberal nada nega
Assim, um versar, da ânsia que não sossega
Em torno do ideal, que esplende, da viçosa
Forma, dos sonhos que a ventura nos lega
Ah! irreal poeta! Quanta reticência fabulosa!

Então, dá-me iluminação divina, ó imaginação
Aquele cântico sussurrado do poético coração
E não apenas os versos habituais e tão iguais
Dá-me a consolação da beleza, dá-me ovação
Ver fulgir na inspiração sentimento e emoção
Com de vida, sentidos, prazer e tanto mais...

© Luciano Spagnol - poeta do cerrado
2 agosto, 2022, 06’30’ – Araguari, MG

Tags: tanto mais

⁠Inquieto Coração

Meu coração é um eterno sonhador
Viaja nas mais longínquas paisagens
A procura de encontrar o seu amor
Onde o sol arde e a alma vê miragens

Meu coração tem sempre pensamentos
Que deslizam pelo corpo como clamor
Impulsivas emoções e contentamentos
Que mesmo calados, ainda falam de dor

Meu coração chora lágrimas contidas
Perturbando o silêncio da madrugada
Rasgando o peito com abertas feridas
Acorrentando os desejos nesta morada

Meu coração está sempre a desafiar
Perdido nos corredores dum labirinto
A procura do algo mais para acalmar
Sua inquietude latente neste recinto

Minha razão transita entre espinhos
E leva na bagagem toda sua emoção
Traz consigo, também, o seu carinho
Para ver serenar o inquieto coração!

© Luciano Spagnol - poeta do cerrado
19/05/2008, segunda feira, Rio de Janeiro, RJ

Tags: inquieto coração

⁠PAINEL

Matinada. O raiar na sua romaria
Do alvor, agradável e tão disposto
Verseja em uma encantada poesia
No marco da invernada de agosto
E, as flores em sua principiante via
Da primavera, dum belo composto
Curvado pelos bafejos da ventania
Num balé, vibrante e predisposto...

Lantejoilando o olhar, a borboleta
Que aformoseai os versos do poeta
Versos, estes, de cor, vida, do viver
Um painel, poético, leve, mimoso
Criando um versar tão primoroso
Pintando, no cerrado, o amanhecer!

© Luciano Spagnol - poeta do cerrado
31, julho de 2022, 06’23’ – Araguari, MG

Tags: alvorada painel

⁠SAUDADE SUPREMA

Silêncio, tarar, ideia envolta na solidão, murmura
Nos versos sussurrantes do meu versejar sombrio
Eu, agoniado, privado, numa poética de amargura
Velo a minha angústia com cântico insosso e frio
De onde? quem? Essa sensação de uma clausura
E está dor, um acaso demente, um talvez doentio
Que deixa meu sabor com aquela amarga doçura
Apertando o peito, e a emoção sem o suave feitio

E vai a madrugada a meio, nostálgica, importuna
Nos rogos de minh’alma, e tão repleto de lacuna
Divagando falta no pesar de outrora, triste tema!
E eu quisera, outro ponto, nesta pontual sofrência
Na aflição de cada rima ter aquela muita existência
Na suprema ausência de uma saudade suprema! ...

© Luciano Spagnol - poeta do cerrado
30, julho de 2022, 03’23’ – Araguari, MG

Tags: saudade suprema

⁠MISÉRIA POÉTICA

Vi-a, erodente trova, chorã, fustigada
Vãs rimas, mesmo assim, com melodia
Em seu lânguido versejar, desvairada
Queixar do amor, qualquer, na poesia
Sensível, miserável. Verso apaixonado
Duma emoção, que assim, me seduzia
Escorrendo na trova ardor enamorado
Num prelúdio divino de afeto e agonia

Me feriu. Em cada cântico a dor ecoava
Do poeta golpeado, então, resvalava
Da poesia: pranto, sussurro e clamor
Suspirei. Gemia o verso num lamento
De inquietação, sensação e sentimento
Da miséria poética sofrente de amor...

© Luciano Spagnol - poeta do cerrado
29 julho, 2022, 14’33” – Araguari, MG

Tags: sofrente poesia

⁠Flores: acalentam a alma... nina os olhos.... enfeia o agrado.

Tags: flor luciano

⁠SUPERAÇÃO

Quando poesias de amor eu escrevia
Entre poética e sentimentos singelos
Cercados de mágicos enredos, belos
De agrados e de venturas, eu me via
Eu era só agitação sem a monotonia
A essência atraente da emoção, elos
Onde construía a ilusão e os castelos
De um bem querer, o que mais valia

Cá estou, seguindo, e ainda escrevo
Sensações, estórias e em nada devo
Ao tempo... audaz... ligeiro... voraz
A esperança que no fado se repara
Com o oportuno desenlace, ampara
E que no prosseguimento se refaz!

© Luciano Spagnol – poeta do cerrado
14 de julho, 2022, 16’29” – Araguari, MG

Tags: superação amor

⁠SENDO

Nos remotos idos da minha biografia
Entre desejos e aqueles muitos apelos
Os mais intensivos sentimentos, belos
Eu experimentei a essência da estesia
Nesta poética sentimental, a poesia
De sensações em versos tão singelos
Os amores, onde, também, os flagelos
Conheci. Assim, a minha alma polia...

Agora entre lágrimas e risos, enlevo
Cada sentido, ação e comigo eu levo
Porque tudo no viver é muito breve
Se leve ou pesado, há o que renova
Em uma batalha de continua prova
Pois, sem o necessário à sorte deve!

© Luciano Spagnol - poeta do cerrado
06 julho, 2022, 14’44” – Araguari, MG

Tags: vida viver

⁠A POESIA É UMA PROSA

Mas como não entreter se a poesia é prosa
Um momento singular, feito duma quimera
Da flutuação e uma imaginação em espera
Ora triste, ora contente... mas harmoniosa!
Assim, cada verso, naquela direção airosa
Cheio de cheiro, do colorido da primavera
Que o encanto de um bardo nos assevera
E, sempre duma existência, a rima jeitosa

Ah poeta! Da poesia um criado e senhor
Num só sonho de inspiração a compor:
Desencavando a sensação inteiramente
Palavras da entranha que alegram o triste
Ou que entristecem a alegria, mas insiste:
Naquela emoção que prosa à toda a gente.

© Luciano Spagnol - poeta do cerrado
05 julho, 2022, 16’14” – Araguari, MG

Tags: poesia prosa

⁠MANANCIAIS DOS VERSOS

No infinito da inspiração há quimeras
Há olhares, lágrimas, poética, emoção
Em versos que buscam certa direção
Aquele sentido, fervilhante, deveras!
E, vem em sensações da imaginação
Ornando a poesia tais as primaveras
Multicor, também, apertos e esperas
A caçar, a montante, tinos e paixão

No infinito dum ’alma, murmurante
Os desejos, os ensejos, tudo adiante
Sempre em junção... não dispersos!
Que juntados, aos poetas, a valeria
Ádito dum sentimento em travessia
Ilusão... nos mananciais dos versos!

© Luciano Spagnol – poeta do cerrado
Julho de 2022, 14’38” - Cerrado goiano

Tags: mananciais versos

⁠CANTO

Canto o sentir que habita a imaginação
Fértil, tão cheio de fatos e de ventura
Que coa d’alma a sentimental figura
Inundando a fantasia de magia, ilusão
Coloca o suspirar com aquela mistura
Que acalora o prazer e a terna paixão
Ó acaso! Deixai vir toda essa sensação
Que torna o versar uma emoção pura

Verso que me faz repleto e por inteiro
Como se fosse aquele sonhado roteiro
Do fado, do amor, assim, tanto, tanto...
Trovador! Trovador! restrito, tão tudo
Que do nada arranca poético conteúdo
E, faz irromper sonhos, ritmo e canto...

© Luciano Spagnol - poeta do cerrado
01 de julho, 2022, 19’05” – Araguari, MG

Tags: canto luciano

⁠QUESITO

Por que será que a saudade não tem pena
Do coração, dos suspiros? Devorando tudo
Com o seu apetite insensível e tão sanhudo
Pondo a alma da gente aviltada e pequena
Tudo frio, de um sentimento tão vão, rudo
Onde a sensação para aquele aperto acena
Uma infinidade de emoção, selvagem cena
Ó saudade, donde vem teu tosco conteúdo?

Dói, está tão dura sorte que no peito chora
Por que será? Pois, a tudo e a todos devora
Sem pena, deixando no ser aquela saudade
Ah! Saudade! Saudade! Bárbara e faminta
Do teu sentir a vida se torna crua e absinta
Por que apego se bastaria pouca intimidade?

© Luciano Spagnol - poeta do cerrado
29 junho, 2022, 06´44” – Araguari, MG

Tags: questão quisito