Coleção pessoal de LucianoSpagnol

141 - 160 do total de 2388 pensamentos na coleção de LucianoSpagnol

⁠ALHEAMENTO

Quase não tenho mais a falta... Enfim,
de ti, um vazio a poetar. Rara a saudade
suspiro, aperto no peito, a dor de festim
no mais brando e favorável alheamento
Se atormento, é mais um pensamento
cá na solidão, a solidão poente, no fim
a escrever sensações, e o sentimento
vai me ensecando d’alma, tão, assim!

Razão não mais tenho pra outro gesto
se o tato foi mentiroso, pouco modesto
não foi de um meu capricho este intento
E, cá no silêncio o olhar, meditabundo
e a emoção partida e levada ao vento
tudo, sustentado apenas num segundo

© Luciano Spagnol – poeta do cerrado
25 de abril, 2022, 22’22” – Araguari, MG

Tags: alheamento amor

⁠PERMISSÃO

E escrevo assim: alma chamejando em ânsia
no cerrado sob o olhar das rubras alvoradas
e o pensamento a se devanear na distância
do sonho e poética das prosas enamoradas
Da saudade aquele aperto e a sua fragrância
duma ausência, a esplandecer as faltas dadas
de um peito a suspirar a devida importância
e, bem perto do íntimo as ilusões desejadas

E poeto assim: com sussurrantes caligrafias
da noite, do silêncio, das imaginações vazias
que murmuram os sentimentos e sensações
E da flórea poesia, entre fantasia e realidade
o poeta, que se nutre da imaginosa liberdade
da pluralidade, da permissão e das emoções...

© Luciano Spagnol - poeta do cerrado
23, abril, 2022, 17’36” – Araguari, MG

Tags: permissão devaneios

⁠o livro

o livro é a morada do vocábulo,
pábulo da imaginação,
asas da ilusão,
fonte de prazer,
sede,
saber ao se ler...

© Luciano Spagnol - poeta do cerrado
23 abril, 2022 – Araguari, MG
dia internacional do livro

Tags: internacional

⁠girassol

girassol, gira
pira, mira, vira
num carrossel pro sol
e se curva em mesura
em uma beleza pura
para o arrebol...
gira, girassol!

© Luciano Spagnol - poeta do cerrado
21, abril, 2022, 15’03” – Araguari, MG

Tags: girassol luciano

No entardecer do dia
atrás da Igreja, em poesia
o pôr do sol...
Sentidos, magia, o dia em bemol
A alma se expande em reverencia ao encanto
divino, poético... deslumbre... tanto! tanto!
Misericórdia, o dom maior...
do Criador!

© Luciano Spagnol - poeta do cerrado
19, abril, 2022, 18’55” – Araguari, MG

⁠E A POESIA DISSE AO POETA

Ao poeta disse a poesia: “Vai infante,
e rime tua inspiração, tuas jornadas
cante, e que o teu canto seja avante
poético, com narrativas apaixonadas
Vai, prose com teu verbo sussurrante
de amor, tal o rubor das madrugadas
do cerrado, ardente, de belo instante
alucinante, com manhãs encantadas

Apóstolo do fado, e da doce emoção
desfie a tua estória com terna calma
à mercê do romantismo e do coração...
Trove o sentimento e os seus diversos
fascínios, todos tantos, vindos d’alma
e então, ver suspirar os versados versos.”

© Luciano Spagnol - poeta do cerrado
18, abril, 2022, 16’48” – Araguari, MG

Tags: poeta poesia

⁠O CERRADO

Melancolicamente, árido, vibrando
com o seu vento aflado, ondeante
nos tortos galhos, assim, chiando
o céu amplo e o horizonte distante
De múltipla coloração inconstante
em uma diversidade, espadanando
ao olhar, em um encanto sonante
que cativa com graça, poetizando!

Meu cerrado goiano, afável alento
feiticeiro, tão cheio de cabimento
em seu planalto de cobiças plenas
Diverso, e de um variegado em flor
misterioso, chão de ventura e teor
na complexidade, o sertão apenas!

© Luciano Spagnol - poeta do cerrado
17, abril, 2022, 16’20” – Araguari, MG

Tags: cerrado luciano

⁠SONETO RETROSPECTIVO

Ah! se da saudade, agora recordando
um aperto de lembrança a lagrimejar
quando só era para, assim, ir levando
a tal sensação que tem ao saudosar
Ah! olhar, mãos, que, mimam, quando
por entre afogos, tem, aquele gostar
que, de novo, robustecido, vai dando
na recordação, que então, faz suspirar

Porquê da prosa, o mesmo persistir
que sussurra n’alma e faz mais sentir
desesperações da infortunada sorte
Do silêncio a quietude, unicamente
murmúrios, que ativa o dia poente
arrastando a noite, insone, sem suporte...

© Luciano Spagnol - poeta do cerrado
16, abril, 2022, 18’45” – Araguari, MG

Tags: soneto retrospectivo

⁠LAVA-PÉS

dá-se para se lavar
a fé, o lenho, a sujeição
as mãos, a alma, o olhar
areie o cunho, o coração
permita-se lavar
a selvageria
a falta de amar
asseie-se com poesia
banhe-se na verdade
raspe a hipocrisia
então, sentirá
alegria
companhia
sabedoria...
varre-se de bem
sem revés
o Divino é além
é através
permita-se lavar
a boca, o mal viés
empunhe sua cruz
e no seu convés...
o caminho, a verdade... Jesus!
permita-se no lava pés!

© Luciano Spagnol - poeta do cerrado
14, abril, 2022, 17’11” – Araguari, MG
paráfrase Frei José Ariovaldo

⁠SAUDADE AJOELHADA

Cá, sob este chão de superfície rude
de pouca chuva, seco, natal morada
meu eu, jaz pra sempre em plenitude
a causa da minha narrativa poetada
Fora-se-me nostálgico a cada parada
e, vãos, os sonhos da terna juventude
aqui, pelas calçadas, firme e devotada
lembranças, de um tempo de virtude

Repousa, cá, em paz sob este sertão
emoções, as recordações, do genuíno
sentimento... suspirados do coração!
E, cada sensação sentida, sussurrada
da alma, mescla com o dobre do sino
da Matriz, pondo a saudade ajoelhada...

© Luciano Spagnol – poeta do cerrado
03 abril, 2021, 13’58” – Araguari, MG

Tags: saudade ajoelhada

⁠CERRADO LOTADO DE POESIA

Imensidão, profundo e denso labirinto
em que há diversos, e encanto brando
cheio de fascínio de detalhe destinto
teus cantos, extasiantes, só estando!
Do teu variado ser diferente, é ressinto
no teu rico entardecer o rubro vibrando
que nos surpreende e nunca é suscinto
é aquela graça que n’alma vai gafando

Ora o teu vento nos galhos musicando
e a passarada nos jatobás florescendo
canto e contos, todos, contigo rimando
Os ipês, caliandras, lobeiras, em junção
que, faz da sensação, prazer querendo
é o cerrado lotado de poesia, de sedução!

© Luciano Spagnol – poeta do cerrado
02 abril, 2021, 14’28” – Araguari, MG

Tags: cerrado poeta

⁠LATEJA-ME

Lateja-me na emoção, o agrado que ventura
o sentimento que a nobre felicidade carrega.
E, como trilhei, meu Deus, a amável ternura
eu, a quem a direção produtiva pouco nega...
Vou vivendo, nesta dita, e que não sossega
em torno do prazer, que luze, que fulgura!
Ah! como é satisfação a sorte que me lega
a cortesia que tem o entusiasmo que figura

Ergo a gratidão, então, com um doce aceno
nestes versos que se tem em poema sereno
largando prostrado os espinhos e o amargor
Dou graças, assim, em plena consagração
da bonança, do cuidado e da doce paixão
que palpita do coração no apurado amor...

© Luciano Spagnol – poeta do cerrado
30 março/2022, 10’35” – Araguari, MG

Tags: lateja-me luciano

⁠AINDA...

Saudade! como negar sua existência, ouvindo
nas entranhas do peito este sussurrar de dor
comichando, num suspirar profundo, infindo
quando se tem a lembrança do antigo amor
Tudo uma solidão, vazio, o aperto intervindo
naquela sensação de agrado, o talvez supor
olhos lacrimejados, e aquela angustia vindo
deixando inquieto o propósito de um amador

Ah! amar, de uma poética doce e abundante
em cada querer a jura, uma ilusão fascinante
que pulsa o coração e tem a alegria tão linda
E, assim, no tempo andarilho, a falta palpita
a emoção soluça, recorda, transborda e grita
numa poesia que insiste, que persiste ainda! ...

© Luciano Spagnol – poeta do cerrado
29 março/2022, 19’00” – Araguari, MG

Tags: insistencia ainda

⁠MATINADA

Um alvor. Um feixe doirado
do arrebol, um doce sabor
e, alvoroçado no enredado
da trepadeira, um beija flor
Delgado, assim, apressado
fremente e leve, um primor
cá pras bandas do cerrado
num bailar de brando amor

Neste cenário, a borboleta
numa vermelha flor, poeta
tão mimosa, tão iluminada
Neste fulgor do amanhecer
cantarolas, voejadas a tecer
aclamando a sutil matinada

© Luciano Spagnol – poeta do cerrado
28 março/2022, 05’47” – Araguari, MG

Tags: matinada alvorada

⁠RELÍQUIAS

Num velho sentimento de um passado
que no matiz do tempo já tem outra cor
retalhos do versar, assim, relembrado
poetizam em prosa, a saudade, o amor
São sussurros, juras, hino apaixonado
que se transformaram em vazio e dor
restos de olhares do estar enamorado
e a recordação daquela concedida flor

Ah! breve a ação do fado que aparta
deixando no espirito lembrança farta
de sensação aflitiva que doridas são
Relíquias... de valedouiro tão presente
guardadas em uma poética tão latente
dos versos reminiscentes no coração!

© Luciano Spagnol – poeta do cerrado
27 março/2022, 12’47” – Araguari, MG

Tags: relíqueas lembranças

⁠NAS ENTRELINHAS

Se alguém pudesse ler a alma da poesia
secreta, onde cada sentimento a traçou
talvez entenderia mais sua terna melodia
os sonhos, os suspiros que elevaram voo
Estar é o destino e, se acaso, algum dia
a condição no sofrer, então, lacrimejou
esse verso não era a poética de alegria
nem tão pouco a emoção que enlutou

É a vida, ilustrada, da direção da gente
tateando a cada momento eternamente
trajando o além dum agrado ou aflição
Nessa prosa, na composição reservada:
um olhar, um sussurrar, a afeição velada...
nas entrelinhas de uma variante sensação!

© Luciano Spagnol – poeta do cerrado
26 março/2022, 14’41” – Araguari, MG

Tags: entrelinhas luciano

⁠SONHANDO...

Daquele mesmo sonho sonhado, repentino
rico de venturas, colorido de doce sensação
de imagens aromáticas, mirífico, tão divino
minha alma sonhou cada sentir de emoção
A cada alvor, a esperança e o seu destino
e para o amor, suspira o emotivo coração
a cada imaginação um despertar genuíno
a expectativa de um porvir, de uma ilusão

E, assim, cada trova, cada prosa, criando
a poesia e eu na poética íamos sonhando
chilreando paixão numa canção especial
Sonhando... e como é bom poder sonhar
tem sempre gosto de quero mais, idear...
Velando por aquele sentimento adicional!

© Luciano Spagnol – poeta do cerrado
25 março/2022, 13’10” – Araguari, MG

Tags: sonhando sonhar

⁠PADECER

Ainda às vezes, a prosa saudosa
que outrora me foi com afeição
vem cruel tal desfolho duma rosa
macular a poética da inspiração
E, dantes a poesia tão carinhosa
que da alma era vital dedicação
agora em tom áspero, nebulosa
chora no verso cheio de solidão

Ah! esse aperto que tem a toada
de sensação dura e amargurada
põe a trova em um dano sem fim
Pois, o fado ainda bem maldoso
unta de suspiro, pondo pavoroso
o soneto a padecer junto de mim....

© Luciano Spagnol – poeta do cerrado
24/03/2022, 15’30” – Araguari, MG

Tags: padecer luciano

⁠PRAS MARIAS

Maria, Marias... poética, és poesia
Força no nome, as Marias caseiras
Das dores, as José, as de idolatria:
A Mãe de Jesus, Amém... Fé e valia!
Maria, de Fátima, Brasileiro, brasileira
São muitas, e todas com sua quantia
A da cidade, a caipira, a lerda, a ligeira
Mulher faceira, as Marias, no dia a dia

Cada Maria: as filhas, as mães, as tias
Família, vigor, amor, ternas melodias
Quem em casa não tem a uma Maria?
São versos na emoção, assim, escritos
Ditos, afinal, são de sentidos benditos
Vivas se dão!... nesta láurea melodia!

© Luciano Spagnol – poeta do cerrado
22/03/2022, 05’30” – Araguari, MG
pra minha tia Maria de Fátima Brasileiro, nos seus 80 anos

Tags: maria fatima

⁠DOR SUPREMA

Cai a noite, é outono, o cerrado chuvoso, prosa
o amplo e deserto céu, místico e tão sombrio
uma saudade rameira de angústia tenebrosa
geme, ladeia, se fazendo de um silente vazio
É noite. Chove. A sensação se vê preguiçosa
que só tortura... a recordação provoca arrepio
porque sofre na poética do bardo calamitosa
que só tem nas sombras de um nublado estio

E a noite adentra, e as saudades, uma a uma
pesam na solidão, e assim, a tristura exuma
acordando no sentimento o aperto que aflora
Ah! Eu quisera, planear a felicidade no poema
dum dito amor, um amor, não a dor suprema...
Chove lá fora! Cá dentro a minha alma chora!

© Luciano Spagnol – poeta do cerrado
20 março, 2022, 17’52” – Araguari, MG