Coleção pessoal de Licocarneiro

1 - 20 do total de 135 pensamentos na coleção de Licocarneiro

Há muita diferenciação entre regras, que são para o bom funcionamento de um grupo e autoritarismo.
Autoritarismo é quando a autoridade acha que o sistema serve à autoridade.
Autoridade é um conjunto de regras que eu estabeleço para conviver em conjunto.

Leandro Karnal
20 compartilhamentos

Ditaduras matam e prendem mas seduzem, tiranos seduzem essa é a ideia de Etienne de La Boetie. Política tem relação com cinquenta tons de cinza: Quem manda em mim, me amarra, quem me controla também me seduz. Quem me da a liberdade me joga num vazio difícil de ser preenchido.

Leandro Karnal

Diálogos

Alice estava tentando fazer regime, na verdade, não era bem um regime, mas estava tentando não comer tantas guloseimas, não ceder aos alfajores, bombons, brigadeiros. Mas hoje acordou meio "sem sal", sentindo-se com a moral baixa, triste com "sabe-se lá o que". Decidiu comer um brigadeiro só, daqueles que a Maria passa vendendo na firma.
- Maria vê um brigadeiro desse pra mim?
- Tá aqui.

Ao seu lado estava Beto. E Alice na verdade estava se sentindo extremamente culpada por devorar sozinha um gigantesco e monumental brigadeiro, decidiu oferecer.
- Quer uma mordida Beto?
Aceite Beto, aceite.
- Não quero não, obrigado.
- Come comigo, só um pedacinho?
- Não quero mesmo, brigadão.

Beto , o cara mais cruel do mundo

Lucas Carneiro de Oliveira

Enquanto os homens, de forma desinteressada e quase que mecânica, questionam-se sobre o que querem as mulheres, seguido pela constatação de essa ser uma pergunta sem resposta, ao lado de outros já conhecidos questionamentos de semelhante fim (qual o sentido da vida?), elas, por sua vez, parecem já saber exatamente o que os homens querem, e se encontram entediadas pela falta de mistério e de olhares. Não o mistério de um conto infantil, mas o de um simples e confiante "não saber" que permeia a imaginação, porque lá o universo feminino acontece, um não saber que te arrasta pela mão e te coloca na garupa sem dizer pra onde vai. Não de um olhar limitado, previsível, aprisionante, mas de um olhar quase neutro, de caçador. Que não capture apenas imagens estáticas (ela é assim, ela é assado), mas que reinvente a cada novo foco. Fixo e vazio, Onde é possível sentir-se dentro. Onde seja possível, até mesmo, viver.

Lucas Carneiro de Oliveira

Toda academia tem:

- O gordinho empolgado: Faz spinning, muay thay, zumba, musculação, treino aeróbio, kinect sports e cross fit de domingo a domingo. De quebra ainda faz suplementação, tem os "treino macetoso" e sobe os 6 andares da "firma" pelas escadas. Tudo isso há quase 5 dias e meio. Tem tatuado no antebraço esquerdo: Foco, força e fé. Ele vai conseguir.
- O cara do "Tô magro porque fiquei doente semana passada e perdi 6 kilos": Ele sempre perdeu 6 kilos semana passada. SEMPRE. Ontem, hoje, amanhã, daqui há 10 anos. Estima-se que tenha nascido com 3.422 kg.
- O cara que cumprimenta: Ninguém sabe o nome dele. Mas não adianta estar na esteira correndo a 15 km/h, ele vai meter a mão no botão vermelho, vai pará-la e vai te cumprimentar. Mesmo que se esconda no banheiro, vá treinar às 5h45 da manhã ou se matricule numa academia em Diadema, ele vai te achar. Ele nasceu com o dom de cumprimentar e vai fazê-lo. 3x/treino.

Sugestão: Se o cara do "Tô magro porque fiquei doente semana passada e perdi 6 kilos" fizer amizade com o gordinho empolgado, mantenha distância. De preferência abandone a musculação e matricule no yoga, pilates, natação, qualquer coisa. Para o bem de sua saúde mental.

Lucas Carneiro de Oliveira
1 compartilhamento

A verdade é que na ânsia de saciar o nosso próprios egoísmos a gente acaba amando um monte de gente e nem percebe.

lucas carneiro de oliveira

Recentemente tive uma conversa com uma amiga, onde discutíamos sobre o projeto da jornalista Patrícia Secco de "simplificar" obras de Machado de Assis, entre outros escritores, substituindo termos entendidos como de difíceis entendimento e até arcaicos por alunos que não possuem prática e nem detém um prazer natural por literaturas mais "complicadas", aquelas que necessitam de um certo aprofundamento gramático e de vocabulário.
Entre alguns motivos citados pela repulsa por esse projeto, citou :
"Quando você altera o que o autor escreveu você está descaracterizando seu estilo, sua linguagem, enfim, sua obra. Os trechos "complicados" devem ser discutidos em sala de aula. As palavras "difíceis" devem ser desvendadas. É assim que a gente constrói conhecimento, Meu Deus do céu![...]. Outra amiga também envolvida no debate sentiu que tal ponto de vista não a incluía o seu próprio ponto de vista, e defendeu-se: " Acontece é que quando não temos esse tipo específico de interesse, estamos condicionado a não ler. É igual um livro da Mirian Leitão que eu estou lendo. Um livro muito muito bom. Explica a história das nossas moedas, os impactos sociais e etc. Pense que pra escrever muitas coisas, ela usou termos que eu desconheço. Isso é normal, afinal, não sei muita coisa sobre área financeira. Mas o que torna o livro interessantíssimo pra mim, é que quando ela cita um termo complicado em seqüência ela explica para qualquer leigo entender. E quando leio, parece que ela está falando diretamente pra mim! Ou seja, eu passo a entender a sua ideia, pois ela se fez clara e objetiva para uma pessoa bem leiga no assunto.". Independente de rotular certo ou errado, o que situações como essa nos demonstram?
Afinal, o que acontece conosco quando alguém tenta mudar ou dar outra visão àquilo que tanto nos identificamos, que tanto amamos e nos dedicamos e acostumamos a ver como sendo o nosso próprio chão?

Bukowski - Blue bird

Será que buk era um velho realmente isolado e , ou era só um papel representado pra vender? Será que faz diferença para sua obra?

Talvez um dos principais motivos da frustração que sentimos diante da constatação de que o temos como sendo sólido e imutável na verdade é como uma dama linda e voluntariosa esperando ser convidada pra dançar

xxxxxxxxxx
1 compartilhamento

Queria ter vindo de um lugar melhor. Ter pelo menos uma história bonita pra contar de como nasci, de onde eu vim. A verdade é que me contentaria com pouco, quem sabe até ter nascido de algum sapato esquecido em alguma porta de boate ou então de alguma briga antiga de famílias rivais. Apesar de clichê, não deixam de ser histórias. Mas esse luxo eu não tenho, nasci de uma simples ajeitada no cabelo. Mas como eu posso explicar?
Pra ser sincero não foi tão simples assim. foi uma ajeitada cruzada (ajeitou o cabelo atrás da orelha direita com a mão esquerda) e depois acompanhou o contorno do rosto com a ponta dos dedos. Quando me dei conta já tinha nascido, já tinha vindo ao mundo. Cheio de ideais, alegria, coragem e completamente apaixonado (pode parecer estranho mas nem todos nós nascemos também apaixonados).
Quer dizer, deve ser difícil entender isso, afinal pra vocês só existe um jeito de dar vida a algo. Somente os sentimentos nascidos de batalhas épicas ou de contos de fadas são dignos de respeito. Mas no nosso caso, dos amores, a regra é proibida e não há também um "how to do". Eu sei que você já tentou encontrar a minha fórmula no Google, mas não é assim que funciona.
Mas meu objetivo não é apenas lamentar a minha suposta falta de origem digna, o que eu tenho a fazer na verdade é um pedido, pra ser mais específico um apelo. Eu, apesar de não ter pedigree nem linhagem, sou um amor tão bom quanto os outros, vindos de berço enfeitado. E se por acaso algum dia encontrar por aí um como eu, nascido assim dos lugares mais inesperados, por favor, não lhe pergunte da onde vem, somente o convide pra entrar.

Lucas Carneiro de Oliveira
1 compartilhamento

Se o vinho que derramas
à taça
É suficiente apenas pra matar
a própria sede
Entendes muito de vinho
mas pouco do amor

Amar é algo como
transbordar uma taça
Além do que é necessário
pra saciar a si mesmo

É despertar a beleza
com desdém aos próprios olhos
É poder amar
Através do desejo de amar

Lucas Carneiro de Oliveira

Para além das ideias de certo e errado, existe um campo. Eu me encontrarei com você lá.

Rumi
632 compartilhamentos

Tens um olhar lindo enquanto dança,
Não pude deixar de notar
Teus olhos funcionavam como meu eixo
Por mais que tudo girasse,
se desencontrasse e se perdesse,
meus olhos não queriam perder os teus.
Não podiam.
Não deviam.

Sempre atenta, concentrada em mim.
Totalmente tomada,
Não para com os meus hábitos à mesa
Na hora do almoço,
pro carro que dirijo
Ou pro modo como me visto.
Somente pro meu corpo
Pra onde a conduzo,
Pro modo como te desejo

Era como se o mundo
virasse do avesso,
e o palco não fosse mais perante a plateia,
mas sim, atrás das cortinas.
Num lugar só nosso
onde não há uma só crítica,
atenta aos nossos deslizes e gracejos,
um lugar onde exista apenas dois corpos,
suados, envoltos, encaixados
Pulsando, juntos
Sem nenhum repulsa
Sem qualquer pudor

A música termina,
e como um sol se pondo,
as cortinas se erguem
e nos devolvem à realidade.
Beijo seu rosto,
me despeço
e sigo para o outro canto do salão.
Paro por um segundo
para tentar lembrar seu nome,
e tentar me lembrar do aroma
tão adocicado do seu pescoço

Dança, não é só passo.
Talvez seja um universo
que nos devolva tudo aquilo que,
pela vida, nos foi tirado
É caso de amor com o seu outro lado
É aquele braço tão disposto,
firme,
Em que você tantas vezes
quis se deixar levar

É a possibilidade
de se apaixonar
cada vez que a música começa

E, se ela dura tão pouco,
É preciso que seja intenso
É preciso que seja pra sempre,
Até que a música acabe

Mas não há tempo para considerações
nem devaneios
A música vai começar de novo

E eu,
preciso me apaixonar novamente.

Lucas Carneiro de Oliveira
1 compartilhamento

Grandes homens não estão preocupados com coisas grandiosas. Talvez esse seja o problema do mundo. E também a salvação pessoal de cada um desses homens. Talvez um deles esteja neste exato momento sentado em algum banco de praça, e não há nada mais poético do que um banco de praça, apenas observando o universo, questionando os intangíveis porquês, gargalhando com o que lhe aquece a alma e se deliciando com os nuances do sorriso de uma mulher. Enquanto o resto degladia-se lutando por coisas que, de fato, nunca serão suas, ele continua boiando de mente e braços abertos em um momento que existe somente em nossas cabeças: O momento.
Já parou pra pensar como é triste a vida de um momento? Pois pense agora, quando ele se dá conta que existe, já não existe mais, passou. Seria isso triste ou o fato de viver uma vida sem futuro, acorrentada ao momento presente nada mais é que a chave pra felicidade? Livre de expectativas e perspectivas, só o seu melhor neste exato momento. Bom ou ruim?
Eu adoro essa imagem, alguém pode imaginar alegria maior do que não ter um centavo no bolso, ainda nao ter garantido o almoço, mas estar sentado em algum canto fazendo carinho num cachorro vira lata enquanto compartilha com ele toda essa vida de cão, sentindo que, no fundo, já tem tudo que precisa? Às vezes sinto estar enlouquecendo mas, pense, quantas vezes a loucura já te pareceu a parte mais sensata de tudo isso?

lucas carneiro de oliveira
1 compartilhamento

Voce é meu ponto de quietude, e acredite isso é muito

xxxx

Um lugar qualquer

Um dia eu ainda encontro

Um lugar qualquer
onde a liberdade não seja comprada nem dada
Somente exista, e coexista
em cada sorriso livre que você me der

Um lugar onde possa te ver
Com aquela saia rodada, iluminada
Me desejando, se desmanchando em mim
Sem se importar se é só o início, meio
ou fim.
Não há cronologia para nós, somos nós
e ponto.

Onde lamberia a melanina
de todo o seu corpo bronzeado
Ouvindo você me dizendo no ouvido apertado:
Safado!
Enquanto a gente se consome, se gasta
Percebendo que o mundo, só,
já não nos basta

Eu te olharia desfilando até a janela,
num fim de tarde,
Praquela vista que tanto gosta
E diria, mesmo às costas, Fica sem roupa?
De pele exposta, com os pelos eretos
De polos e poros abertos, Qual o mal?
Se é tão mais gostosa assim,
Ao natural

É só um lugar,
Chame-o como quiser
Ou talvez nem chame,
Nem tudo precisa de nome
É só um lugar que você pode vir
Quando quiser me amar, tiver sede ou fome

Eu ainda não o encontrei, mas não desisto
Se você me disser, meu bem,
Que, caso o encontre,
Comigo você vem.
Você vem?

Lucas Carneiro de Oliveira
1 compartilhamento

O apelo suplicante da sua pele

xxxx

Sou pele sou pelo
sou de carne e osso

Sou mais bicho do que gente
Uma bússula com a agulha apontada pro meu instinto

xxxxxxxx

O nosso amor talvez tenha muito mais corpo,
do que o resto
Talvez seja um gemido engasgado
que encontrou um ouvido atento
Naquela vez em que minha língua
percorria o seu corpo,
o seu coração bateu tão forte...
Era amor?

O nosso amor, quem sabe,
Tenha muito mais de corpo
do que de amor

xxxxxxxxxxx

Maria clara gostava de nadar. Todo fim de semana, pelo menos nos que havia sol, colocava um top, uma saia rodada, sandália rasteira e ía ao clube. Por baixo seu biquíni florido. Gostava de deitar nas cadeiras de sol e ler seu livro, ouvindo seu disc-man enquanto simultaneamente observava as pessoas. Pra ser mais específico, as outras mulheres e o modo como agiam. Maria Clara sempre teve isso de dividir seu cérebro em vários pedacinhos. Prestava atenção em como se bronzeavam no sol durante horas lambuzando-se com protetores e, em alguns casos, até usavam com coca-cola com urucum, lembrou. Evitavam na maioria das vezes mergulhar pra nadar, e quando o faziam, era sempre aquele ritual: Primeiro as pontinhas dos pés, depois as canelas, um pouquinho de água no pescoço, um pouquinho mais nos braços e depois iam entrando bem devagarinho, sempre na parte rasa. E não passava disso, algumas caminhadas na ponta dos pés com pavor de molhar a espinha já eram o suficiente. Era um "quase-mergulho" cheio de postura. Se é que isso pode ser dito. Maria Clara não gostava assim, Não gostava dessa coisa de quase, ou mais ou menos. Mas as observava atentamente. E tinha seu ritual próprio: Tomava seu sol, ouvia seus cd's e quando a piscina estava próxima de fechar ia dar seu mergulho. Transbordava de vontade de tomar distância e dar um daqueles mergulhos bomba onde jogasse água pra tudo que é lado, exatamente como fazia antes. Mas lembrava-se sempre da vez em que, ao estatelar-se na água, todas as pessoas do clube a torceram o nariz. Diziam: O que essa menina tem? Além do mais havia também as vezes em que batia com a barriga ou as costas na água, deixando aquelas marcas vermelhas e doloridas. O clube também estava cheio e não poderia fazer isso de forma alguma. E então, mais uma vez cumpriu o ritual, começou com a pontinha dos pés, experimentou a água, pescoço, braços, entrou até a cintura, caminhadinha na ponta dos pés. Tão sem graça, no fundo sentia vontade de poder mergulhar como quisesse. Antigamente, era bonito de ver Maria Clara mergulhando. Corria e se jogava na piscina como uma bigorna. Estatelava-se na água, que respingava pra todo lado. Às vezes se machucava, e isso no fundo acabava sendo motivo de risada, porque o que realmente gostava era da sensação de se jogar, daqueles poucos milésimos no vazio. Nem se importava se os braços daquela piscina seriam os melhores para a segurar ou não, e fazia todas aquelas mulheres "quase-interessante" parecerem tão superficiais quanto seus bronzeados no fim do dia. Era lindo ver como se divertia em ser simplesmente ela. Era tão lindo, e pensei: Porque não mais?
Resolvi aproveitar a oportunidade, já que estava lá deitada com seu disc-man e seu livro, e a perguntei:
- Já percebeu como essas mulheres fazem? Tudo na pontinha dos pés...
- Sim, já reparei
- Sem graça né?
- Um pouco
- E porque faz igual?
- Porque eu quero, pode parar de me incomodar?
- É porque eu gosto de te ver mergulhar
- Você gosta de me ver cair de barriga não é?
- Gosto. E você não gosta?
- Sim... Talvez
- E porque tem que se culpa por gostar?
- Porque às vezes dói. Sem contar que o clube está cheio e eu não estou afim de que fiquem falando idiotices sobre mim.
- E não sente falta daqueles poucos instantes em que está no vazio e que nada mais importa?

Não me respondeu. Recolheu suas coisas e foi embora. Fiquei algumas semanas sem ver Maria Clara, mas um ou dois meses depois ela reapareceu. Mais bonita. Não estava mais magra, nem mais gorda. O cabelo era exatamente o mesmo, a pele da mesma cor e até o disc-man era o mesmo. Mas tinha um sorriso no rosto que começava pela testa, dando-a um leve franzido, e descia inquietando as sobrancelhas e dando brilho aos olhos, contagiando as maçãs do rosto, esticando covinhas, escancarando o sorriso e terminava na pontinha do queixo, onde aparentemente não mudava nada, mas sei lá, com certeza havia um pouco do seu sorriso no queixo. Deitou-se tranquilamente na cadeira de sol, tirou seu livro, seu disc-man e leu durante toda a tarde. Já perto de fechar a piscina, levantou-se recolheu suas coisas e ao invés de fazer o que sempre fazia, somente foi embora. Passou por mim, e me desejou uma : Boa Tarde. Me deu mais uma amostra do seu lindo sorriso e se foi. Embora eu esperasse poder ver, mais uma vez, Maria Clara se jogando nos braços do nada, fiquei feliz por ela entender que, naquele dia, não falávamos propriamente sobre água, mergulhos ou piscinas. No fundo eu sei que ela entendeu, seu sorriso não poderia mentir

Lucas Carneiro de Oliveira
1 compartilhamento

Simplicidade era seu tema preferido. O pequeno filósofo, quando não falava, olhava e ria sozinho de coisas corriqueiras. Parecia que ele guardava algum segredo. E que o seu segredo era sagrado. Eu havia me acostumado a conviver com homens cheios de confiança no que diziam. Homens que não conviviam com a dúvida. A certeza sempre me pareceu ignorância. Só os incultos têm tanta certeza. Ou melhor, os semicultos. Exatamente. Aqueles que sabem muito pouco e, do pouco que sabem, acham que sabem muito. Saber muito é outra coisa. É saber que não se sabe. Humildade. Das margens, não se é possível conhecer o rio, ainda mais à noite."

O pequeno filósofo

A política do falso sorriso e do tempo curandeiro

xxxxxxxxxxx