Coleção pessoal de DiCello

1 - 20 do total de 282 pensamentos na coleção de DiCello

A revolta das águas!

A humanidade não ouviu
nem os avisos, muito menos gritos
Avisos não foram entendidos
e, os pedidos de socorro, muito menos
foram simplesmente ouvidos
Enviamos tsunamis, maremotos, ressacas
e até provocamos derramamento de óleo
Quantas décadas, anos e meses
os oceanos, mares e rios
além da vida marinha sentíamos o sufoco
o descaso da humanidade, todo o lixo
os barcos, iates, navios, jetskis,
toda sujeira espalhada indiscriminadamente
por esse povo humano, dito evoluído
O pulmão da Terra, os microrganismos,
todos agradecem a esse vírus
Que deu um basta, mesmo que provisório
mesmo que por um tempo a nós
Agora quem sabe nos sentiremos livres
mais uma vez, este é um aviso
Assinada esta declaração pelas águas
tanto a doce, quanto a salgada
e todos os seus milhares de micro, macro
todos os seus organismos!
(DiCello, 22/03/2020)
domingo , 22 de março- Dia Mundial da Água

DiCello, poeta

Lavro meus desejos, meus segredos
uma década escrevendo sobre o amor, a dor
os desejos e aflições, não quero eternizar
nem mesmo poetizar a dor... devo sim
anseio em propagar o amor, seja ela qual for
que não importe nem a cor, nem a opção sexual
Meu desejo nesta vida, ficou bem guardado
até hoje, neste dia de Natal, no limiar desta década
Quero continuar escrevendo, deixando marcas
deixando nas almas e corações um pouco de amor
um pouco de tudo para apaziguar a dor
Comecei a escrever, na época para libertar-me
para me permitir sentir as dores do amor
Quero deixar registrado, que não sou o máximo
nem mesmo desejo ser o astro
meu querer é imortal, escrever me deixa feliz
me faz escrever com amor, com o calor do momento
no estado que for... poetas são fingidores
Fogem de si mesmos, até dos secretos amores
aqueles platônicos e apaixonantes
Poetas são inveterados amantes
são autores das suas próprias biografias
sim, assim é a poesia...meus segredos
meus calores matinais...entorpeço-me de palavras
sinto as palavras fluírem sem voltar atrás
(25/12/2019)

DiCello, o poeta

Um segredo de estado
que eu revelarei agora ao mundo
aos que me leem, eu traduzo
Não vim a este mundo para ser famoso
nem mesmo, para deixar dor
muito menso sofrimento, tenho sido ajudado
muito bem guiado por um espirito
Alguém que se importa comigo
e me acompanha por vidas e vidas
Meu companheiro de luta
um amor dentre tantas existências
Já caminhamos lado a lado
Hoje, busco a lapidação
a reforma íntima tão propagada
Escrevo realmente para livrar meus medos
meus descaminhos de outras existências
Não vim a esta vida para desistir
nem mesmo para coexistir apenas
Deixarei marcar profundas
sem abrir feridas em quer que seja
Vim, deixar a palavra
Escrita em simples e ousados poemas
(25/12/2019)

DiCello, o poeta

A_mar

Na praia ainda vazia
lugar de águas claras, frias
areias brancas e finas
Você caminha, livre
Entrega tua mansidão
aos intensos raios de sol
Eles te seduzem
te induzem as incríveis
e delirantes sensações
Tua silhueta, sinuosa
curvilínea obra de arte
aquela que é minha 
e de tantos outros poetas
Ela é a inspiração
habita nosso imaginar
e assim, escrevemos
traduzimos a mansidão
poesia tem alma e emoção
tem paixão e frenesi
amor e tesão
(DiCello, 13/12/2019)

DiCello, o poeta

Na praia chamada solidão
Eu caminho sem rumo
Ando sozinho
Apenas com Deus
Nas profundezas do coração
Deixo meus passos
Aqueles pretéritos
Logo vem uma onda
Para apagar
Sigo adiante…sigo
Para um destino desconhecido
A vida me leva de lá pra cá
Faz comigo o que bem entende
Traz dor
Mesmo parecendo no paraíso
Caminho…sigo o caminho
(DiCello, 15/12/2019)

DiCello, o poeta

Van Gogh amou o amarelo
por não ter conhecido você
Nem mesmo pôde ver
Se inspirar nos seus olhos azuis
Num anil intenso
Nem mesmo pôde ver
Se deleitar com as curvas
As linhas sinuosas
Tua mansidão inteira
Teria feito obras menos amarelas
E com mais vida
Mulher, musa
Deusa feminina
A mais bela geografia
E todos os seus paralelos
(DiCello, 15/12/2019)

DiCello

Tenho aquela real convicção
que deixo fluir os meus desejos, meus delírios
minhas poesias acariciem tua mansidão
As linhas e curvas, cada detalhe teu
faz pulsar acelerado meu coração
Rimo em meus versos, nas poesias
cada detalhe teu, cada entalhe sedutor
minha sublime inspiração
és tu, Musa, Deusa a mais feminina
a mais eterna nos meus desejos
teu ser minha sublimação, escrevo sobre você
és, alimentas a libido, daqui até o infinito
Escreverei enquanto for permitido
com total e irrestrita emoção
(DiCello, 15/12/2019)

DiCello

Nada mais perfeito
Que o seu imperfeito, a sinuosa
Aquele ângulo mais saliênte
Estéticamente não me chama a atenção
Seus contornos, mulher
Porque beleza a gente simplesmente sente,
Fica totalmente evidente
O aflorar inconsequente... vem das profundezas
Reside na alma dessa gente
Que sabe ler, traduz um olhar
O espelho acaba encanado, seduzindo muitos
Que necessitam serem perfeitos
Mas são humanos como cada um de nós
Meus versos são a tradução
Daquilo que vejo e sinto com o coração
Com essa alma vibrante
(DiCello, 16/12/2019)

DiCello

Ofegante, quase sem ar!

Só tenho vontade de chorar
As lágrimas vem e vão nas margens do olhar
Um desanimo, não sei explicar bem
Me sinto sem rumo, sem vontade de viver
Meu corpo parece não ter vida
Fico aqui agonizante em meu pensamentos
Como se não houvesse saída
Não gosto do que faço, me sinto vazio
Sem nenhum tostão no bolso
E uma pilha de contas vencendo
Ganho insuficiente, o mundo precisona
Diz que sou forte e valente
Não sinto isso, me sinto fraco e doente
Escrevo minha poesia para aliviar
Para motivar a minha libido, minha mente
Não sei que caminho seguir
Nem mesmo para onde devo ir
As vezes dou umas risadas, mas é disfarce
Para os outros não saberem
Não desconfiarem o que acontece comigo
Dói...arde, queima, dilacera, aflige...
Como sairei deste imbate, um ataque ao meu ser
Não sei no que vai dar, só quero paz
Quero mergulhar no meu eu, e alí ficar
Retirado do mundo, sem motivo certo a continuar
Respiro, suspiro forte, me sinto afogado
Me sinto completamente sem ar
Tenho fé... estou precisado ser resgatado
Para poder dessa aflição liberar
(DiCell0, 16/12/2019)

DiCello, o poeta

Ah, este tal amor
Que é tão falado, tão divulgado
Está apregoado por aí
Ele me faz escrever
Fazendo assim meus ser traduzir
Cada uma das sensações
Os sentimentos mais ímpares
Aqueles que até hoje senti
Nunca esquecendo
Com ele vem também as dores
Os ardores e as frustrações
Assim é a poesia, a vivência
Que pulsa em nós
Nas entranhas de cada um
Em especial, no coração dos poetas
Afinal são amantes
Tão eternos quanto errantes
Destas atribuladas tentações

DiCello

Tão breve,
Assim é a vida
Tão leve
Assim pode ser
Ao senti-la
Simplesmente fluir
Ela pulsa
Embriaga os dias
Dá cor
As noites sem luar
São belos
Aqueles instantes
Quando podemos
Nos permitimos amar
Entregar-se é pleno
É incrivelmente ímpar
Nesta caminhada
Tudo passa
E sempre seguirá
Passaremos de fase
Novas experiências
Umas com mais
Outras com menos intensidade
Mas viveremos as boas
E também as ruins
Tudo vale
E valerá sempre a pena

DiCello

Shakespirando

Sim, por vezes me sinto assim
Qual arte é essa que invade meu ser
Tomando posse simplesmente
Sem perguntar se se desejo ou não ceder
Fazendo meus pensamentos
Meus desejos se atreverem, escrevo assim
Todas as minhas sensações
Aqueles infinitos delírios e flexões
Trazendo a tona vorazes
E compulsivas loucuras e sensações
Tradução viva, pulsante
Sem politica, nem discriminatória
Fujo daquele hipocrisia
Minha escrita é pura, simples de entender
Não sou conhecido como aqueles
Sim, os mais famosos em seus momentos
Mas seus escritos ecoam além de qualquer espaço
Em qualquer indefinido tempo
Assim, ao ler, ao viver minhas própria histórias
Pus minha mente a funcionária
Me permitindo escrever tudo
Meus próprios desejos, aqueles delírios
Fazendo assim minha alma florescer
Incorporei Neruda, Bell, Espanca sem esquecer de Gel,
Drummond e até Pessoa
Senti assim, a flor da minh’alma
O desejo inexorável de expressar-me em palavras
Tudo aquilo que vivi, que senti...amei e sofri
Poesia... poema deve ser visto, sentido
E expressado com intensidade... com garra e emoção
Sem esquecer do pulsante, acelerado coração
E todas as suas sensações...
Eu proponho que seja erguido um brinde
Aos apaixonados, as paixões... aos poetas
E aos amantes os quais permitiram ecoar
Numa voraz exaltação
Cada um no seu estilo, eu mesmo dedico
Um a um os meus escritos
As mulheres, minha madura inspiração
No limiar de cada uma
Sinto a leveza... o amor e suas variações

DiCello

Uma mulher caminha nua
no escuro de uma noite sem lua
nada a ilumina, mas posso vê-la
me deleito com sua silhueta
cheia de sedutoras curvas e saliências
Ela caminha livre, leve e solta
Sem amarras desta sociedade
Que é hipócrita e apenas aponta
Os pecados, os deslizes
As vontades das outras pessoas
Uma mulher nua no escuro
gera um esplendor radiante
aos olhares de um observador
que se inspira e escrever poesia
ao deter seus olhares em sua beleza
Tão bela, radiante e feminina senhorita
Uma mulher , uma Musa, uma Deusa
És tu a vocação para minha escrita
Que em ti simplesmente se inspira
Uma mulher nua caminha
gerando sua própria luz
e ela loucamente me excita
A escrever, reescrever poesias
(02/07/2019)

DiCello

Hoje, ao entardecer
Quando o sol começa
A simplesmente desaparecer
Sob a silhueta da montanha
Foi assim, ali mesmo
Que eu lembrei de você
Pensei nos momentos
Naqueles dias que vivemos
Quando pudemos sentir o vento
A brisa seduzir os nossos seres
Me entorpeci nos desejos
Nos delírios que juntos
Nossos corpos e almas
Quando o dia findou em si
(03/07/2019)

DiCello

Dentro do meu peito
mora um inconsciente desejo
um ser que se torna verdadeiro
quando chamado a lutar
A fugir dos sofrimentos
Esse eu quase não conheço
Dentro do meu peito arde a chama
A qual vem sem eu pedir
Fazendo um prelúdio que não vem
Sinto que ao escrever
Essas sensações vorazes
Escrevo para aliviar o peito
Livrar os detritos da alma
Uma loucura ímpar
A poesia que eu escrevo
Tem alma e emoção
Amor, paixão e tesão

DiCello

Eu tinha juntado
Cada um dos pedaços,
costurei bem as bordas
para que não houvesse rasgos,
nem mesmo rompesse
Não quero que sirva
Como simples decorações,
Ninguém tem o direito
Nem podem apontar meus erros
Que atire a primeira pedra
Quem nunca errou
Eu me fiz algumas promessas
Disse a minh’alma
Aquilo que eu preciso
Necessito crescer, ser melhor
Bem melhor que hoje
Deixando o ontem pra lá
O que passou, passou
Quero, pretendo ser melhor
Me amar mais, me dar valor
Para me amar é assim
Desejo cumplicidade e calor
(04/07/2019)

DiCello

Se te amar me fez enlouquecer...
Imagina só, quando me amares
me tornarei totalmente insano
Numa intensidade a flor da pele
Sensações vorazes e impares
Amar mais ou menos comigo
Não tem graça, não gosto de morno
Quanto mais intenso melhor
Amar deste jeito pode ser delírio
Pode provocar infames sensações
(04/07/2019)

DiCello

Sou muito feio
Sendo assim, não tente me convencer de que
Sou uma pessoa muito linda
Porque no final do dia
Me odeio de todas as formas
E não vou mentir pra mim mesmo ao dizer que
Existe beleza dentro de mim que importa
Sendo assim, tenho certeza de que me lembrarei de que
Sou uma pessoa inútil e terrível
E nada do que você diga me fará acreditar que
Eu ainda mereço amor
Porque não importa o que aconteça,
Não sou suficiente bom pra ser amado
E não estou em posição de acreditar que
Exista beleza dentro de mim
Porque cada vez que me olho no espelho, penso:
Sou tão feio como as pessoas dizem que eu sou?
(Agora leia de baixo pra cima)

Abdullah Shoaib

Mais vale uma amizade colorida
que um amor em preto e branco
ou em milhares tons de cinza.

DiCello

Ah, esse tal de tempo
ele costura as feridas sem anestesia
Não deixemos chegar a esse ponto
vamos encarar a vida
por outras e novas perspectivas
Para nos livrarmos das dores
das feridas desta existência
Sem orgulho, muito menos ódio
em paz por toda essa vida

DiCello