DiCello, o poeta: Ofegante, quase sem ar! Só tenho...

Ofegante, quase sem ar!

Só tenho vontade de chorar
As lágrimas vem e vão nas margens do olhar
Um desanimo, não sei explicar bem
Me sinto sem rumo, sem vontade de viver
Meu corpo parece não ter vida
Fico aqui agonizante em meu pensamentos
Como se não houvesse saída
Não gosto do que faço, me sinto vazio
Sem nenhum tostão no bolso
E uma pilha de contas vencendo
Ganho insuficiente, o mundo precisona
Diz que sou forte e valente
Não sinto isso, me sinto fraco e doente
Escrevo minha poesia para aliviar
Para motivar a minha libido, minha mente
Não sei que caminho seguir
Nem mesmo para onde devo ir
As vezes dou umas risadas, mas é disfarce
Para os outros não saberem
Não desconfiarem o que acontece comigo
Dói...arde, queima, dilacera, aflige...
Como sairei deste imbate, um ataque ao meu ser
Não sei no que vai dar, só quero paz
Quero mergulhar no meu eu, e alí ficar
Retirado do mundo, sem motivo certo a continuar
Respiro, suspiro forte, me sinto afogado
Me sinto completamente sem ar
Tenho fé... estou precisado ser resgatado
Para poder dessa aflição liberar
(DiCell0, 16/12/2019)

Inserida por DiCello