Carta de São Paulo a Coríntios

Cerca de 136 carta de São Paulo a Coríntios

Ainda que eu falasse as línguas dos homens e dos anjos, e não tivesse amor, seria como o metal que soa ou como o címbalo que retine.
E ainda que tivesse o dom de profecia, e conhecesse todos os mistérios e toda a ciência, e ainda que tivesse toda fé, de maneira tal que transportasse os montes, e não tivesse amor, nada seria.
E ainda que distribuísse todos os meus bens para sustento dos pobres, e ainda que entregasse o meu corpo para ser queimado, e não tivesse amor, nada disso me aproveitaria.
O amor é sofredor, é benigno; o amor não é invejoso; o amor não se vangloria, não se ensoberbece,
não se porta inconvenientemente, não busca os seus próprios interesses, não se irrita, não suspeita mal;
não se regozija com a injustiça, mas se regozija com a verdade;
tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta.
O amor jamais acaba; mas havendo profecias, serão aniquiladas; havendo línguas, cessarão; havendo ciência, desaparecerá;
porque, em parte conhecemos, e em parte profetizamos;
mas, quando vier o que é perfeito, então o que é em parte será aniquilado.
Quando eu era menino, pensava como menino; mas, logo que cheguei a ser homem, acabei com as coisas de menino.
Porque agora vemos como por espelho, em enigma, mas então veremos face a face; agora conheço em parte, mas então conhecerei plenamente, como também sou plenamente conhecido.
Agora, pois, permanecem a fé, a esperança, o amor, estes três; mas o maior destes é o amor.

Paulo de Tarso
5.9 mil compartilhamentos

A Outra Noite

Outro dia fui a São Paulo e resolvi voltar à noite, uma noite de vento sul e chuva, tanto lá como aqui. Quando vinha para casa de táxi, encontrei um amigo e o trouxe até Copacabana; e contei a ele que lá em cima, além das nuvens, estava um luar lindo, de lua cheia; e que as nuvens feias que cobriam a cidade eram, vistas de cima, enluaradas, colchões de sonho, alvas, uma paisagem irreal.

Depois que o meu amigo desceu do carro, o chofer aproveitou o sinal fechado para voltar-se para mim:

-O senhor vai desculpar, eu estava aqui a ouvir sua conversa. Mas, tem mesmo luar lá em cima?

Confirmei: sim, acima da nossa noite preta e enlamaçada e torpe havia uma outra - pura, perfeita e linda.

-Mas, que coisa...

Ele chegou a pôr a cabeça fora do carro para olhar o céu fechado de chuva. Depois continuou guiando mais lentamente. Não sei se sonhava em ser aviador ou pensava em outra coisa.

-Ora, sim senhor...

E, quando saltei e paguei a corrida, ele me disse um "boa noite" e um "muito obrigado ao senhor" tão sinceros, tão veementes, como se eu lhe tivesse feito um presente de rei.

Rubem Braga
175 compartilhamentos

Quem ama é paciente e bondoso.
Quem ama não é ciumento,
nem orgulhoso, nem vaidoso.
Quem ama não é grosseiro nem egoísta;
não fica irritado, nem guarda mágoas.
Quem ama não se alegra com o erro, mas goza com a honestidade.
Quem ama nunca desiste,
porém suporta tudo com fé, esperança e paciência.

Paulo(Corintios 13.1-7)
985 compartilhamentos

O Morumbi será um excelente palco para abrir a Copa, e o Maracanã outro ótimo palco para o encerramento. Em curto espaço de tempo, o Brasil precisa ter competência para fazer reformas e construir estádios. Mas não é só isso. Precisamos melhorar na cultura, infra-estrutura, transporte, saúde, educação. Estádio podemos construir. Gente é difícil corrigir. Espero que as pessoas encarregadas pelo planejamento sejam dignas.

Rogério Ceni, goleiro do São Paulo Futebol Clube
16 compartilhamentos

TEU TOQUE

Ainda te sinto em toques ardentes
No deslisar das minhas lembranças,
A despertar sensações quentes.
E na pele, a loucura me alcança

Sentindo calor e frio, livremente
Me entrego ao arrepio que avança
Ainda te sinto em toques ardentes
No deslisar das minhas lembranças,

E enfim buscando teu amor urgente
Firmo no olhar de paixão, a aliança
De tantos desejos ora frente,a frente
Como nossos corpos,em plena dança
Ainda te sinto em toques ardentes

Rita São Paulo
2 compartilhamentos

BUSCA

Esse sentimento que em mim procuro
Talvez eu nem soubesse responder
Como algo ou alguma coisa a conhecer
Que é óbvio mas disfarço no escuro

Pois sou busca de mim, sou neblina,
Um grito que ecoa, pelo chamado,
Vendaval por mim há tempos esperado
Que responde à mim essa minha sina

Pois na retina, é tua imagem tatuada,
É tua história me ocupando o pensamento
Diga-me, que te parece esse meu sentimento?
Que faço eu dessa minha'alma inflamada?

Bendito são esses versos que por hora clamo
Quando negar já não posso mais... eu te amo...

Rita São Paulo
Inserida por RitaSaoPaulo

ENTREGA

Ao teu amor, já me dou por refém
Dos desejos, insanos e indecentes...
Que na forma de me amar, bem além
Torna cúmplice minha pele, e não somente

Pois que tudo em mim te contém
E mesmo sem estar, mas nunca ausente
Faz-me sonhar, o que o peito não detém
Revelando os mistérios, que minh'alma sente

No balé das palavras, dessa tua eloquência
Ou na canção, a que descreve o momento
De verdades que não se aprisionam a aparência

Dá-me pois, tua boca por alimento
E teus braços, ninho dessa minha essência
Eu... Apenas mulher, ao teu olhar atento.

Rita São Paulo
Inserida por RitaSaoPaulo

TEUS SINAIS

Sinto na pele teu som
Embalo na cor do tom dos dedos
Na delicadeza das palavras, um segredo
Que escorre das mãos o que é bom

Da tua presença tão forte
Aromas, sabores, tuas cores
Que sutilmente revela amores
E no sorriso da menina, teu Norte

Um caminho que conhece tão bem
Onde escorrem cachoeiras mais além
Nesse enroscar de leito de rio

Até desaguar, céu e mar em desvario
Pois desvendados já estão os sinais
Eu e você...Nada mais!

Rita São Paulo
Inserida por RitaSaoPaulo

MARAMAR

O que cabe no teu mar, amar?
Cabe o tom, o som
Sinfonia de sorrisos bons
Cabe o mel e o céu
Cabem barcos de papel
Cabe até tua brilhante armadura
Pois que nada mais é que doçura
Uma ilha, castelos, princesa?
Em ti, cabe toda a Realeza
Cabem flores no jardim?
Ahh...elas cabem sim
E um tigre nas redondezas?
Esse cabe, com certeza

No teu mar, amar...
Cabe o que for delicadeza
Com a intensidade da natureza

Rita São Paulo
Inserida por RitaSaoPaulo

DOCES DESEJOS

Pousa teu olhar sobre meus sonhos
Vê que em ti reside o prazer e a razão
De insanos desejos, ânsias que exponho
Entre ternos toques e o fogo da paixão

A mágica sensação que ora te proponho
Traz ao peito o fulgor cristal do coração
Acendendo da vida a chama, eu suponho
Em sermos nós, sol e mar de eterno verão

É beleza, é luz de um invólucro de ternura
Pois que da pele também brota a candura
Fascinante equilíbrio na sinfonia do amar

Que faz do meu corpo teu barco, teu mar
Eu, tua...Entregue aos meus doces desejos
Eu, tua...Perdida no sabor dos teus beijos

Rita São Paulo
Inserida por RitaSaoPaulo

TUA LUZ

Nas multicores de tão bela pintura
Busca minh'alma, ao distinto olhar
O que a bem descreve em candura
E com seus encantos a faz brilhar

Seria loucura essa tal procura?
É sinfonia a magia desse sonhar
Que no ritmo das linhas sela a jura
Da estrada de estrelas juntos trilhar

A lançar semente, ver nascer a flor
Nos jardins da vida revelar o amor
Abrir o peito aos matizes da beleza

Pois de todos os tons é o da pureza
Que Ilumina a face no brilho a oferecer
Clara luz, clara alma...eterno amanhecer.

Rita São Paulo
Inserida por RitaSaoPaulo

QUIMERAS POÉTICAS

Poesias são belas colchas de retalhos
Nelas, a imaginação revela ternos sonhos
Criando estes versos, que agora componho
Buscando tocar teu coração por um atalho

E nas terras da quimera brincar nos galhos
Até sentir o olhar de tão leve ficar risonho
Pois pelos traços do versejar eu exponho
A magia que nos banha como o orvalho.

Agora vem, vem a brincar nessa ciranda
Como crianças, ver o sol se por da varanda
E cantar, e sorrir, e dançar, render-se ao tempo

Fechar os olhos, saborear tão raro momento
Para na alma sorver da calma, o sossego
Da mágica Poesia em seu doce aconchego.

Rita São Paulo
Inserida por RitaSaoPaulo

QUERERES

Ainda me habita a cristalina luz
Nos sonhos que guardo na retina.
Bobos desejos, quereres de menina,
Cores e amores da vida que seduz.

Permito-me, na ternura viver o momento
Do cúmplice olhar que revela a plenitude,
Brisa das palavras guardadas em quietude,
Na flor do desejo solta em versos ao vento.

Pois, em tudo me encanta a delicadeza
Que pinta no céu da minh'alma a leveza
Em ternos sentimentos de tons infinitos

Tudo que é bom, tudo que é bonito
São suaves gestos das mãos, a nobreza
Nas linhas que me invadem em clareza

Rita São Paulo
Inserida por RitaSaoPaulo

ROTINA

Tão suave o sabor, aquele de fruta vermelha
Na memoria das minhas manhãs de cada dia
Despertando os nossos corpos em poesia
Nos beijos, que n’alma acendem a centelha

E envoltos na tênue luz que o quarto invade
Ao teu olhar, o de malícia, revelo o meu jeito
Eu e você...Na maestria dos toques perfeitos
N’um amar, e amar, na loucura da felicidade

Pois são só teus todos os meus momentos
Do doce desejo que perdura além do tempo
Força do sentimento que ilumina meu ser.

O nosso castelo não é quimera, é bem querer
E dia-a dia, no conforto do teu peito proclamo
Você é minha loucura mais sã...Eu te amo!

Rita São Paulo
Inserida por RitaSaoPaulo

PACTO DE AMOR

Luto por essa minha busca tão infinita
Que grito em lágrimas no silêncio face a ti
Nesse desespero do que hoje me habita
Sou apenas a dor infinda ao te ver partir

Rompe-me o peito e a solidão me visita
Em sentimentos que não posso discernir
Já que te odeio, mas o coração não acredita
Te amando loucamente confiante no porvir

Do futuro que busca a verdade no passado
Onde juras proclamavam "sempre apaixonados"
Com doces promessas para além da eternidade

Unindo nossas vidas na mais pura afinidade
E entre olhares trocados selava-se o pacto
Do real amor, ora quieto no peito, mas intacto.

Rita São Paulo
Inserida por RitaSaoPaulo

COLHEITA

Eu colho palavras
Caras...
Poucas...
Simples...
Raras...
Eu as toco,
e deixo escorrer
por entre os dedos.
Experimento na tez,
um acordar de energia.
Tom, cor, som...
Luz que acaricia.
Ando aprendendo
a tirar o peso do dito,
e o valor do que não foi dito
Eu ando sem pressa...
Preferindo falar com os olhos,
e o sorriso.

Te interessa?

Rita São Paulo
Inserida por RitaSaoPaulo

SUBLIME AMOR

Abro o olhar, tal qual a janela da aurora
E deito em insanos sonhos sob teu céu
Todos os sentidos, versos envoltos em véus
Que descortinam os segredos de outrora

D'um amor, que não traz a medida da razão
Apenas almas entregues e incandescentes
N'uma história de desejos plenos, e não somente
Pois que do encontro, a magia se fez perfeição

Entre toques e sussurros n'um mágico momento
Que sinto da vida a força, de um coração sedento
Findando pois em ti minha busca, meu paradeiro

Epicentro de emoção, em verdade e por inteiro
Deixando na pele bem mais que o perfume, a flor!
Marcas cravadas pela eternidade, sublime amor!

Rita São Paulo
Inserida por RitaSaoPaulo

MATIZES

Navego em sentidos por pura emoção
O sorriso sente, quão simples é o amor
Encontro do céu e o mar para eu me por
Que acende do olhar a luz, tons de paixão

E dá à vida força, tal qual água corrente
Pela leveza do som, onde flutua a poesia
Que em matizes azuis colore meus dias
Cruzando Norte a Sul d'um querer latente

Pois bem maior que nós, é o sentimento
Infinito da existência de tão raro momento
Sem que dos sonhos desvie o olhar amante

Em primavera de cores, do sublime instante
Fazendo d'almas laços, que essências exalam
E diante de nós, todas as palavras calam

Rita São Paulo
Inserida por RitaSaoPaulo

Poesia na Escola Pública: Livro “Folheto de Versos”

De como a USP-Universidade de São Paulo, com um Projeto de Culturas Juvenis sob a Coordenação da Professsora-Doutora Mônica do Amaral, trabalhou Poesia e Folclore do Cangaço em Sala de Aula, Rendendo um belo Livreto de Alunos Produzido Pela Mestranda Maíra Ferreira e Colegas.

“Perdi minha origem
E não quero voltar a encontrá-la
Eu me sinto em casa
Cada vez que o desconhecido me rodeia(...)”

Wanderlust, Bjork (Cantora Islandesa)



Com a suspeita midiática culpabilização dos Professores de Escola Pública pela falência da Educação Pública como um todo, o que engloba na verdade suspeitas políticas neoliberais de sucateamento de serviços públicos em nome de um estado mínimo (e no flanco o quinto poder aumentando os índices de criminalidade além da impunidade já generalizada em todos os níveis), quando uma universidade de porte como a USP vai até onde o povo está, no caso, uma comunidade carente da periferia de São Paulo, trabalhando com o corpo discente da EMEF José de Alcântara Machado Filho, fica evidente aquela máxima poética de que “tudo vale a pena quando a alma não é pequena”.

Intervenções em salas de aula, leituras trabalhadas, declamações com suporte afetivo, oficinas de palavras e rimas, trocas, somas, cadências didático-pedagógica num contexto de criação a partir da ótica de um humanismo de resultados, e assim, a Mestranda Maira Ferreira e colegas acadêmicas e mesmo profissionais da escola, e, quando se viu, pronto, estava semeada a leitura, estava plantado o verbo criar no assento poético, e, os manos sim, os manos, as minas, mandaram bem: saiu a produção “Folheto de Versos” como arte final do projeto de ótimo alcance literal e humanizador que é que vale a melhor pedagogia no exemplo.

Sou a favor das chamadas antologias, em que alguém visionário e generoso se propõe a bancar autores novos, temas específicos, tentando juntar turmas, abranger variadas óticas, fomentando a divulgação lítero-cultural de anônimos criadores desses brasis gerais, em nome da poesia porque assim a emoção sobrevive, a arte se torna libertação, e, falando sério, enquanto houver arte ainda há de haver esperança, parafraseando um rock moderno aí.

A escola pública carente, a escola sem estrutura técnico-administrativo funcional, os professores mal-remunerados, e, um conjunto de profissionais de educação segurando a barra pesada do que é mesmo a docência, então, uma luz no fim de tudo apresenta jovens acadêmicos potencializando intervenções em classes. É o caso da Sétima Série (2007), Oitava Série (2008) da EMEF José de Alcântara Machado Filho, que rendeu o livreto – que bonitamente lembra edições de cordel – chamado Folheto de Versos. Resistir na arte é uma criação histórica que tende a mudar planos de vôos, para os alunos carentes. A periferia agoniza mas cria.

Com um enxuto projeto gráfico da Comunicação e Midia-FEUSP, a arte letral composta no Projeto “Culturas Juvenis X Cultura Escolar: Como Repensar as Noções de Tradição e Autoridade no âmbito da Educação (2006/2008, Programa Melhoria do Ensino Público), a Mestranda Maira Ferreira e a Bolsista Técnica Pátria Rabaca foram a campo. Foram a luta. Levaram a universidade ao seio da escola pública, a sala de aula. Daí a aula fez-se verso, o verso lembrou hip hop ou mesmo RAP (Ritmo e Poesia), o verbo poetar virou verbo exercitado, da poesia fez-se o humanismo de abrir espaços, quando e viu, Saravá Baden Powel, a voz da periferia soou suas lágrimas com rimas e contações de realidades escolares.

Trinta e duas páginas de produção poética de alunos. “Chegando em casa, pensei bem/Vou fazer este cordel/Resumir nossa conversa/De maneira bem fiel/Pros alunos do Alcântara/Acompanharem no papel(...) (Pg. 3 Maira Ferreira). Estava dado o mote. Sinais e parecenças. E daí seguiu-se o rumo: Escravidão – Nós Somos Contra o Preconceito (Emerson, Stéffani, Adriely, Paloma), Depois Diogo, Bruno, Roberta in “Sou Afro/Sou Brasileiro/Sou Negro de coração(...)”. Ensinar, passa por ensinar a pensar. Pensar leva ao criar. Criar é colocar amarguras e iluminuras no varal das historicidade e chocar dívidas sociais impagas desde um primeiro de abril aí.

Nesse rocambole de idéias, os achados do projeto: alunos devidamente trabalhados, estimulados, compreendidos, sabem exercitar a sensibilidade muito além de suas rebeldias às vezes com as vezes sem causas.

E daí descambou a criação, acrósticos, versos brancos, rimas e rumos, citações (Rap é compromisso), até liberdades poéticas (O Cangaço e o Bope), rascunhos, resumos, xérox de despojos criacionais em salas de aula, despojos e, quem mesmo que disse que aula tem que ser chata, que sala de aula tem que ser cela de aula? Pois é. FOLHETO DE VERSOS é um achado como documento de um momento, um tempo, um espaço, um lugar, uma comunidade.

Dá identidade a quem precisa. Dá voz a quem se sente excluído. Imagine um país sem divisas sociais. E a emoção de um aluno simples, humilde, podendo colocar no papel – e ver-se impresso – como se no quarador das impossibilidades pudesse tentar reverter o quadro de excluído das estatísticas de dígitos estilo Daslu, para se incluir (certa inclusão social na criação de arte popular, literária) porque lhe foi dado palco e vez, palanque educacional e espírito criativo aguçado pelas sóbrias intervenções, debates cívicos, críticas dialogadas, esparramos de idéia, mas, antes e acima de tudo e sobre todas as coisas, o aluno tendo vez e voz-identidade num livreto que, sim, pode ser a página de rosto de sua existência, colorir o livro de sua vida, fazendo dele um cidadão que quer soltar a voz (precisa e deve soltar); botar a boca no trombone, dizer a que veio, e, sim, se a escola ainda é de certa forma uma escada, quando a sua criação impressa é um documento de identidade de cidadão enquanto ser e enquanto humano. Já pensou que demais?

O canto dos oprimidos.

“Fizemos essa letra com força de vontade/Só queremos expressar um pouco da realidade”(...), in Realidade Não Fantasia (Cesário, Diógenes e Gabriel).

Quando o sol bater na janela de sua esperança, repara e vê “Folheto de Versos” resgata e registra poemas de jovens querendo libertações, porque além de “ser jovem” ser a melhor rebeldia deles, há corações em mentes querendo mais do que ritmo e poesia.

A dor dessa gente sai no jornal e os seus cantares joviais oxigenam perspectivas, arejam possibilidades.

“Uma aurora a cada dia” diz a Canção do Estudante do Milton Nascimento.

Há coisa mais bonita do que o sonho?

-0-

Poeta Prof. Silas Correa Leite
E-mail: poesilas@terra.com.bnr
Site: www.itarare.com.br/silas.htm
(Texto da Série: Resenhas, Críticas e Documentos de Lutas e Sonhos)
Blogues: www.portas-lapsos.zip.net
ou
www.campodetrigocomcorvos.zip.net

Silas Correa Leite
2 compartilhamentos

Amor e perdão


Das passagens bíblicas temos o exemplo de São Paulo que antes de ser Paulo era só Saulo de Tarso e perseguidor dos cristãos. Antes da visão que teve na estrada para Damasco, matou inúmeros seguidores de Jesus. Mesmo sendo assassino, tornou-se um dos maiores seguidores de Jesus e cumpriu sua missão pregando o Evangelho de Jesus ao mundo, em especial aos pagãos.
Pois é temos um santo que antes fora assassino e a nossa visão hoje dos criminosos? Como pode ser termos um santo que antes de sua conversão havia matado milhares de fies e não aceitarmos que alguém que já cumpriu sua pena tenha convívio na nossa sociedade.
Paulo de Tarso teve numa mesma existência a oportunidade de nos mostrar que é a mudança é possível, uma vida de crime passou a ser uma vida de amor. Ninguém sequer cita o passado de Paulo, todos são falam do amor que ele transmitiu em suas mensagens.
Porque então não podemos perdoar aqueles que cumpriram sua pena?
O que há de errado em nossa criação? Porque não conseguimos esquecer o erro alheio? Porque ficamos sempre indagando o porque, o motivo do que levou a fazê-lo?
Falta ainda muito amor em nossos corações. Incrível como o amor somente se manifesta em nossas relações mais próximas. Sabe aquela frase: “É preciso amar as pessoas como se não houvesse amanhã”? Pois achamos lindo, cantamos com toda força dos nossos pulmões. Mas acho que nunca paramos para questionar que pessoas? Amar a quem?
Pois é o que devemos fazer preciso amar a quem?
Precisamos aprender amar a todas as pessoas do mundo sem distinção. Não é nada fácil, porque temos uma coisa dentro de nos chamada preconceito, que precisamos eliminar esse sentimento para então dar vazão ao amor.
Amor é a única forma de perdoar, só consegue perdoar quem sabe amar!
Faça disso seu projeto de vida: aprender a amar!!!!!!!!!!!!!!!
Para quem sabe consiga perdoar!!!!!!!!

Tamy Henrique Reis Gomes
2 compartilhamentos