Sêneca

226 - 250 do total de 283 pensamentos de Sêneca

"Vê aqueles que elogiam a eloquência, escoltam a riqueza, adulam os benfeitores, louvam o poder? Todos são inimigos, ou podem sê-lo."
Da Felicidade

Sêneca
Inserida por AlanRibeiroRJ

"Busquemos as coisas boas, não na aparência, mas sólidas e duradouras, mais belas no seu interior. Devemos descobri-las. Não estão longe, serão encontradas; apenas se precisa saber quando as encontramos. No entanto, passamos como cegos ao lado delas, tropeçando no que desejamos..."
Da Felicidade

Sêneca
37 compartilhamentos

" A felicidade é, por isso, o que está coerente com a própria natureza, aquilo que não pode acontecer além de si."
Da Felicidade

Sêneca
2 compartilhamentos

"Qualquer tipo de maldade é resultado de alguma deficiência."
Da Felicidade

Sêneca
175 compartilhamentos

Há pessoas que não param de se atormentar com lembranças das coisas passadas; outras se afligem pelos males que virão. É tudo absurdo, pois o que já aconteceu não nos afeta e o futuro ainda não nos toca... Devemos contar cada dia como uma vida separada.

Sêneca
10 compartilhamentos

O que adianta saber o que é uma reta,se não se sabe o que é retidão.

Sêneca
Inserida por AraOliveir

Poderoso é aquele que é senhor de si mesmo.

Sêneca
3 compartilhamentos

O perigo não nos é externo, nenhum muro nos separa do inimigo. Ao contrário, os perigos mortais estão dentro de nós.

Sêneca
Inserida por lucijordan

"A religião é vista pelas pessoas comuns como verdadeira, pelos inteligentes como falsa, e pelos governantes como útil

Sêneca
151 compartilhamentos

"As grandes injustiças só podem ser combatidas com três coisas: silêncio, paciência e tempo".

Sêneca
164 compartilhamentos

Todos podem viver bem, ninguém tem o poder de viver muito.

Sêneca
2 compartilhamentos

A expectativa é o maior impedimento para viver: leva-nos para o amanhã e faz com que se perca o presente

Sêneca
3 compartilhamentos

O Descontentamento Consigo PróprioO caso é o mesmo em todos os vícios: quer seja o daqueles que são atormentados pela indolência e pelo tédio, sujeitos a contantes mudanças de humor, quer o daqueles a quem agrada sempre mais aquilo que deixaram para trás, ou dos que desistem e caem na indolência. Acrescenta ainda aqueles que em nada diferem de alguém com um sono difícil, que se vira e revira à procura da posição certa, até que adormece de tão cansado que fica: mudando constantemente de forma de vida, permanecem naquela «novidade» até descobrirem não o ódio à mudança, mas a preguiça da velhice em relação à novidade. Acrescenta ainda os que nunca mudam, não por constância, mas por inércia, e vivem não como desejam, mas como sempre viveram. As características dos vícios são, pois, inumeráveis, mas o seu efeito apenas um: o descontentamento consigo próprio.
Este descontentamento tem a sua origem num desequilíbrio da alma e nas aspirações tímidas ou menos felizes, quando não ousamos tanto quanto desejávamos ou não conseguimos aquilo que pretendíamos, e ficamos apenas à espera. É a inevitável condição dos indecisos, estarem sempre instáveis, sempre inquietos. Tentam por todas as vias atingir aquilo que desejam, entregam-se e sujeitam-se a práticas desonestas e árduas, e, quando o seu trabalho não é recompensado, tortura-os uma vergonha fútil, arrependendo-se não de ter desejado coisas más, mas sim de as terem desejado em vão. Eles ficam então com os remorsos de terem assumido essa conduta e com medo de voltarem a incorrer nela, a sua alma é assaltada por uma agitação para a qual não encontram saída, porque não conseguem controlar nem obedecer aos seus desejos, na hesitação de uma vida que pouco se desenvolve, a alma paralisada entre os desejos abandonados.
Tudo isto se torna ainda mais grave quando, com a repulsa do sofrimento passado, se refugiam no ócio ou nos estudos solitários, que uma alma educada para os assuntos públicos não consegue suportar, desejosa de agir, inquieta por natureza e incapaz de encontrar estímulos por si mesma. Por isso, sem a distracção que as próprias ocupações representam para os que nelas andam, não suportam a casa, a solidão, as paredes; com angústia, vêem-se entregues a eles mesmos.

Séneca, in 'Da Tranquilidade da Alma'Tema(s): Contentamento

Sêneca
13 compartilhamentos

"Para quem não sabe para onde vai, qualquer caminho serve."

Sêneca
64 compartilhamentos

Hoje compreendo que a causa principal de tamanho sofrimento era que eu nunca imaginara que ele pudesse morrer antes de mim. Como se a morte respeitasse uma ordem de passagem

Sêneca
2 compartilhamentos

Se o que tens te parece insuficiente, então, mesmo que possuas o mundo, ainda assim serás miserável.

Sêneca
7 compartilhamentos

longo é o caminho do ensino por meio de teorias; breve e eficaz por meio de exemplos.

Sêneca
Inserida por Patriciacarvalho

''O amor não se define;
sente-se. Se quer ser
amado, ame.''

Séneca

Sêneca
Inserida por Luzmarcia

De que me adianta saber dividir um cordeiro em partes, se não sei dividi-lo com meu irmão?

Sêneca
127 compartilhamentos

Não é porque as coisas são difíceis que não nos arriscamos, é porque não nos arriscamos que elas se tornam difíceis.

Sêneca
Inserida por JAglais

A Embriaguez é simplismente uma insanidade
voluntária

Sêneca
2 compartilhamentos

"Perguntas-me qual foi o meu progresso? Comecei a ser amigo de mim mesmo."

Sêneca
Inserida por RivaAlmeida

"Apressa-te a viver bem e pense que cada dia é, por si só, uma vida."

Sêneca
10 compartilhamentos

Se quer ser amado, ame.

Sêneca
Inserida por KUNZ

"Lembra-te com simpatia de que aquele a quem chamas de escravo veio da mesma origem, os mesmos céus lhe sorriem, e, em iguais termos, contigo respira, vive e morre."
Sêneca

Sêneca
3 compartilhamentos