Rildo Silveira Perito Judicial

Encontrados 5 pensamentos de Rildo Silveira Perito Judicial

Tem gente que tá com olho tão gordo que nem lipoaspiração resolve

Rildo Silveira Perito Judicial
Inserida por rildoperito

Pais, padrastos, tios avós que abusam de filhos, enteados, sobrinhos, netos ...
Mães que vendem e obrigam as próprias filhas a fazer programas ou ter relações com homens conhecidos delas....
Mães que sabem que as filhas são abusadas mas ficam omissas, não acreditam (ou fingem de não acreditar) e não denunciam...
Diariamente temos casos de maridos, companheiros e ex companheiros que espancam e matam as próprias companheiras...
MÃES COVARDEMENTE E INJUSTAMENTE ACUSADAS DE ALIENAÇÃO PARENTAL QUE DENUNCIAM OS ABUSOS (COMPROVADOS!!!) SOFRIDOS PELOS PRÓPRIOS FILHOS VIOLENTADOS PELOS PAIS BIOLÓGICOS...
Hoje com todas estas injustiça até sonhar é proibido: sonhos, direitos, ética, princípios... tudo está sendo jogado no lixo constantemente.
Sigo casos de crianças e adolescentes abusadas no próprio lar, que por causa de todas as violências sofridas hoje tem como único desejo a vontade de morrer! Vivo de perto tudo isso e estou preocupado, pois nada está sendo feito de VERDADE para mudar esta situação. AGIR quando já o crime aconteceu NÃO é a mesma coisa do que AGIR para que o crime não aconteça!
FALTA DE PREVENÇÃO E CONSCIENTIZAÇÃO!

NÃO É UM FILME DE TERROR OU UMA MINHA FANTASIA: ESTA É A REALIDADE QUE PROFISSIONALMENTE SIGO DE PERTO, E QUE REPRESENTA NOSSO BRASIL.
NO CASO DESTA MALDITA LEI DA ALIENAÇÃO PARENTAL POSSO DIZER COMO PROFISSIONAL QUE ESTÃO QUERENDO ACABAR COM OS DIREITOS DAS MÃES: É UMA VERGONHA, É UMA TRISTEZA VER MÃES LONGE DOS PRÓPRIOS FILHOS ABUSADOS CUJA GUARDA FOI ENTREGUE AOS PAIS ABUSADORES. COMO PODERIA SER CHAMADO TUDO ISSO? UMA PEQUENA REFLEXÃO...

Rildo Silveira Perito Judicial
Inserida por rildoperito
1 compartilhamento

O silêncio e omissão das pessoas junto ao medo de enfrentar o problema são os maiores obstáculos para quem sofre e sofreu um abuso. Assim, a denúncia do agressor que na maioria das vezes é uma pessoa próxima á vitima como o pai ou padrasto não acontece pois o medo das consequências que essa denuncia pode causar é latente na vítima.
Em muitos casos de abuso analisados fiquei perante ao mesmo cenário: vítima - abusador - omissão.
Quem fica omisso muitas vezes acha que assume uma posição neutra, mas não é assim: a omissão é já uma "posição" definida sendo que no caso de crimes como o abuso sexual infantil intra-familiar a pessoa omissa vira cúmplice de quem cometeu o abuso.
As vítimas que sofreram abusos são aterrorizadas, confusas e muito temerosas de contar sobre a violência e por este motivo com frequência, elas permanecem silenciosas. A omissão na mesma vitima muitas vezes acontece por não querer prejudicar o abusador, para não provocar uma "divisão" familiar ou para não serem consideradas culpadas. Em crianças maiores por exemplo os efeitos podem ser aqueles de sentir-se envergonhadas com o abuso que sofreram principalmente se o abusador é alguém da família

Rildo Silveira Perito Judicial
Inserida por rildoperito
1 compartilhamento

Todos os dias inúmeros crimes são cometidos contra as mulheres no Brasil e no mundo inteiro, mas existem alguns tipos de violência que muitas vezes são esnobados pelos meios de informações e omissos pela mesma sociedade.
Estou falando da violência obstétrica, que é tipo de agressão, que pode ser física ou verbal, tanto durante o parto quanto no pré-natal. São xingamentos, recusa de atendimento, realização de intervenções e procedimentos médicos não necessários, como exames de toque a todo instante, grandes episiotomias ou cesáreas desnecessárias.
Até mesmo a separação do bebê saudável e da mãe no pós-parto pode ser considerada uma forma de violência obstétrica. Assim como ter a entrada de um acompanhante barrada no trabalho de parto ou não receber analgesia quando solicitada.
É preciso conscientizar a nossa sociedade sobre este tipo
violência pois é silenciosa e frequente especialmente quando trata-se de jovens mães, que são as principais vítimas dessas violências físicas e psicológicas e de muitas humilhações

Rildo Silveira Perito Judicial
Inserida por rildoperito
1 compartilhamento

É preciso tomar cuidado ao comentar postagens e publicações sobre abuso sexual e pedofilia pois tem algumas pessoas que acabam ofendendo a dignidade, acabam faltando de respeito, sem pensar na dor de quem sofreu um abuso e teve a vida marcada para sempre.
Culpar uma vitima de abuso sexual pela violência sofrida ou pelo fato de não ter denunciado isso antes, faz com que a vitima se sinta mais uma vez violada.
Quem sofre um abuso sexual, um estupro passa por uma série de traumas e bloqueios emocionais impressionantes com consequências a curto e longo prazo, então se a vitima não denuncia não é porque não quer, mas é porque o medo, a desconfiança na justiça (ou seja pensar que mesmo denunciado o crime ficará impune) a vergonha e também O MEDO DE SER JULGADA são os fatores que mais criam uma barreira entre a vontade e o ato de denunciar. Então peço para todas as pessoas tomar muito cuidado quando comentam publicações sobre abuso e estupro (também em outras páginas) pois as palavras são como flechas: uma vez lançadas não voltam atrás.
Vivemos numa sociedade infelizmente cheia de pessoas hipócritas e incoerentes, que deveriam aprender o significado da palavra EMPATIA... caso contrário deveriam aprender a importância do SILÊNCIO.

Rildo Silveira Perito Judicial
1 compartilhamento