Krishnamurti

Encontrados 13 pensamentos de Krishnamurti

Mata o mal em ti...
assim o mal do mundo
não pode mais te agredir..."

Krishnamurti
255 compartilhamentos

Que sucede quando o pensador percebe que ele é o pensamento? Que acontece, realmente, quando o "pensador" é o pensamento, assim como o "observador" é a coisa observada? Que acontece? Não existe mais separação, divisão e, por conseguinte, não há conflito; conseqüentemente, já não há necessidade de controlar ou moldar o pensamento. Que sucede então? Existe divagação do pensamento? Antes, controlava-se o pensamento, concentrava-se o pensamento, e havia conflito entre o "pensador", que queria controlar o pensamento", e o pensamento que queria divagar.

Krishnamurti
18 compartilhamentos

Nós fomos “programados” biologicamente, fisicamente, e, também, “programados” mentalmente, intelectualmente. Devemos estar cientes de que fomos programados como um computador. Os computadores são programados por especialistas para produzirem os resultados que eles desejam… O homem foi programado para ser católico, protestante, para ser italiano ou inglês, e assim por diante. Durante séculos ele foi programado – para acreditar para ter fé, para seguir certos rituais, certos dogmas; programado para ser nacionalista e ir à guerra. Desse modo, o seu cérebro tornou-se tal como um computador, embora não tão capaz, porque o seu pensamento é limitado… Perceba o que isso significa: isso significa que você não é mais um indivíduo. Isso é muito duro de aceitar, porque nós fomos programados religiosamente para pensar que temos almas separadas de todos os demais. Sendo programado, o nosso cérebro trabalha do mesmo modo há muitos séculos. Temos que aprender a ver as coisas como elas são na realidade – não como vocês são programados para olhar. Podemos nos libertar de sermos programados e olhar?

Krishnamurti
2 compartilhamentos

O que é que querem fazer quando vêem alguém que amam sofrer? Querem ajudar; querem retirar o sofrimento dessa pessoa. Mas não podem, porque esse sofrimento é a sua prisão. É a prisão que essa própria pessoa criou, uma prisão que não podem retirar – mas isso não significa que a vossa atitude deva ser de indiferença.

Ora quando alguém que amam está a sofrer, e vocês não podem fazer nada por essa pessoa, voltam-se para a oração, esperando que algum milagre aconteça para aliviar o seu sofrimento; mas uma vez compreendam que o sofrimento é causado pela ignorância criada por essa própria pessoa, então perceberão que lhe podem dar simpatia e afecto, mas não lhe podem retirar o seu sofrimento.

Krishnamurti
Inserida por Gabriel86

A sabedoria não é uma análise. Vocês sofrem, e pela análise tentam encontrar a causa; isto é, estão a analisar um evento morto, a causa que está já no passado. O que têm de fazer é encontrar a causa do sofrimento no próprio momento do sofrimento. Analisando o sofrimento vocês não encontram a causa; analisam somente a causa de um acto em particular. Depois dizem, “Compreendi a causa desse sofrimento.” Mas na realidade somente aprenderam a evitar o sofrimento; não libertaram a vossa mente dele. Este processo de acumulação, de aprendizagem através da análise de um acto particular, não confere sabedoria. A sabedoria só surge quando a consciência do “eu que é a criadora, a causa do sofrimento, é dissolvida. Estou a tornar isto difícil? Que acontece quando sofremos? Queremos alívio imediato, e portanto aceitamos qualquer coisa que nos é oferecida. Examinámo-lo superficialmente no momento, e dizemos que aprendemos. Quando essa droga se revela insuficiente no alívio que proporciona, tomamos outra, mas o sofrimento continua. Não é assim? Mas quando sofrem completamente, integralmente, não superficialmente, então algo acontece; quando todas as avenidas de fuga que a mente inventou foram compreendidas e bloqueadas, somente permanece o sofrimento, e então compreendê-lo-ão. Não há cessação através de uma droga intelectual. Conforme disse no outro dia, a vida para mim não é um processo de aprendizagem; contudo tratamos a vida como se ela fosse apenas uma escola para aprender coisas, apenas um sofrimento para aprender; como se tudo servisse somente como um meio para qualquer outra coisa. Dizem que se puderem aprender a contemplar enfrentarão a vida na íntegra, ao passo que eu digo que se a vossa acção for completa, isto é, se a vossa mente e coração estiverem em completa harmonia, então esse mesma acção é contemplação, é sem esforço.

Krishnamurti
Inserida por Gabriel86
1 compartilhamento

Dizem que se puderem aprender a contemplar enfrentarão a vida na íntegra, ao passo que eu digo que se a vossa acção for completa, isto é, se a vossa mente e coração estiverem em completa harmonia, então esse mesma acção é contemplação, é sem esforço.

Krishnamurti

Por outras palavras, as experiências das quais tentamos aprender nascem da reacção

Krishnamurti
Inserida por Gabriel86

Podemos ir longe, se começarmos de muito perto. Em geral começamos pelo mais distante, o "supremo princípio", "o maior ideal", e ficamos perdidos em algum sonho vago do pensamento imaginativo. Mas quando partimos de muito perto, do mais perto, que é nós, então o mundo inteiro está aberto — pois nós somos o mundo. Temos de começar pelo que é real, pelo que está a acontecer agora, e o agora é sem tempo.
Meditação é libertar a mente de toda desonestidade. O pensamento gera desonestidade. O pensamento, no seu esforço para ser honesto, é comparativo e, portanto, desonesto. (…) Meditação é o movimento dessa honestidade no silêncio
Estou apenas a ser como um espelho da vossa vida, no qual podeis ver-vos como sois. Depois, … Falamos da vida — e não de ideias, de teorias, de práticas ou de técnicas. Falamos para que olhe esta vida total, que é também a sua vida, para que lhe dê atenção. Isso significa que não pode desperdiçá-la. Tem pouquíssimo tempo para viver, talvez dez, talvez cinquenta anos. Não perca esse tempo. Olhe a sua vida, dê tudo para a compreender.

Krishnamurti
2 compartilhamentos

“You see, you are not educated to be alone. Do you ever go out for a walk by yourself? It is very important to go out alone, to sit under a tree - not with a book, not with a companion, but by yourself - and observe the falling of a leaf, hear the lapping of the water, the fishermen’s song, watch the flight of a bird, and of your own thoughts as they chase each other across the space of your mind. If you are able to be alone and watch these things, then you will discover extraordinary riches which no government can tax, no human agency can corrupt, and which can never be destroyed.”

Krishnamurti
Inserida por PriSpinardi

Se você é um prisioneiro, não me interessa descrever o que é a liberdade. Meu interesse principal é mostrar o que cria a prisão e que você a destrua.

Krishnamurti

É o orgulho que não me permite olhar para mim mesmo, e é o orgulho que inventa a ideologia que diz: “Eu deveria ser”. Não gosto do que sou, e meu orgulho diz: “Preciso ser aquilo.” Esta é a filosofia ideológica que o homem inventou, a fórmula, o “deveria ser”. O orgulho cria o conflito entre “o que é” e “o que deveria ser”, e o orgulho diz: “Preciso ser aquilo, isto é feio, isto é estúpido, isto não é inteligente, isto não é razoável.” Então ponho uma máscara do que eu deveria ser, e a partir daí há conflito, um tipo de atividade hipócrita se desenrolando. Será possível olhar para si mesmo sem a imagem do orgulho? Mas têm-se imagens tão extraordinárias de si mesmo, não é verdade? Não? Sou um grande escritor, sou isto, sou aquilo, sou judeu, sou cristão, sou católico, sou comunista, todas as imagens que se construiu de si mesmo. Por quê? É orgulho? Ou investimos nessas imagens valores diferentes do real estado do próprio ser?

Se é agressivo e, por várias razões, envergonha-se disso e adota-se a ideologia da não agressão. Esta ideologia é inventada pelo próprio orgulho da pessoa, pelo próprio desejo de ser outra coisa “do que é”, e dando grande valor “ao que deveria ser”.

Krishnamurti

Krishnamurti
Inserida por RivaAlmeida
1 compartilhamento

Garantias no amor

Como é fácil destruir o que amamos! Com que rapidez surge uma barreira entre nós, uma palavra, um gesto, um sorriso! A saúde, o humor e o desejo nos entristecem e o que era maravilhoso torna-se insípido e opressivo. Pelo uso, nós nos desgastamos, e aquilo quer era vivo e claro torna-se cansativo e confuso. Por meio de constantes atritos, esperanças e frustrações, aquilo que era belo e simples torna-se terrível e cheio de expectativas.

Relacionamentos são complexos e difíceis, e poucos conseguem sair deles ilesos. Embora quiséssemos que fosse estático, duradouro e contínuo, o relacionamento é um movimento, um processo que deve ser profunda e completamente entendido, e não forçado a se conformar a um padrão interno ou externo. A conformidade, que é a estrutura social, perde seu peso e autoridade somente quando há amor. O amor no relacionamento é um processo purificador, pois revela os mecanismos do Eu. Sem essa revelação, o relacionamento tem pouca importância.

Mas como lutamos contra essa revelação! A luta assume muitas formas: controle ou submissão, medo ou esperança, ciúme ou aceitação e assim por diante. A dificuldade é que nós não amamos; e se nós de fato amamos, queremos que isso funcione de uma forma particular, não lhe damos liberdade. Nós amamos com nossas mentes e não com nossos corações. A mente pode se modificar, mas o amor, não. A mente pode se tornar invulnerável, mas o amor não; a mente pode sempre se retrair, ser exclusivista, tornar-se pessoal ou impessoal. O amor não é para ser comparado e tolhido. Nossa dificuldade está naquilo que chamamos de amor, que é realmente da mente.

Enchemos nossos corações com as coisas da mente e mantemos nossos corações sempre vazios e cheios de expectativas. É a mente que se apega, que é ciumenta, que controla e destrói. Nossa vida é dominada pelos centros físicos e pela mente. Nós não amamos e deixamos em paz, mas ansiamos por ser amados; nós damos a fim de receber, que é a generosidade da mente, não do coração. A mente está sempre buscando garantia, segurança; e pode o amor ser garantido pela mente? Pode a mente, cuja própria essência é temporal, perceber o amor, que é sua própria eternidade?

Mas mesmo o amor do coração tem seus próprios truques; pois corrompemos tanto nosso coração que ele é hesitante e confuso. É isso que torna a vida tão dolorosa e cansativa. Em um momento nós achamos que temos amor e no próximo ele é perdido. Aí entra uma força imponderável, que não é da mente, cujas fontes não podem ser sondadas. Essa força é mais uma vez destruída pela mente; pois nessa batalha a mente, invariavelmente, parece ser a vitoriosa. Esse conflito dentro de nós mesmos não será resolvido pela mente astuta ou pelo coração hesitante. Não há um meio, uma maneira de fazer esse conflito terminar. A própria busca por um meio é outro anseio da mente por domínio, para livrar-se do conflito e ficar tranquila, para ter amor, para tornar-se algo.

Nossa maior dificuldade é estar ampla e profundamente atentos ao fato de que não existem meios para o amor como um objetivo desejável da mente. Quando entendemos isso real e profundamente, há uma possibilidade de receber algo que não é desse mundo. Sem o toque desse algo, façamos o que quisermos, não poderá haver felicidade duradoura no relacionamento. Se você receber essa graça e eu não, naturalmente estaremos em conflito. Você pode não estar em conflito, mas eu estarei; e em minha dor e tristeza eu me desligarei. A dor é tão exclusiva quanto o prazer, e até que exista aquele amor que não seja uma construção minha o relacionamento será dor. Se houver a bênção daquele amor, você nada poderá fazer a não ser me amar pelo que sou, pois então não moldará o amor segundo o meu comportamento.

Quaisquer que sejam os truques da mente, somos independentes; embora possamos estar em contato um com o outro em alguns pontos, a integração não é com você, mas dentro de mim. Essa integração não é resultado da mente em nenhum momento; ela forma somente quando a mente está inteiramente silenciosa, tendo alcançado o limite de suas forças. Somente assim não existe dor no relacionamento.

Krishnamurti
Inserida por RivaAlmeida
1 compartilhamento

A busca pelo significado🍃

Sua vida diária, quando você a olha profundamente, não tem significado.Você está se esforçando, querendo dinheiro, posição, prestígio e, quando o possui, o que é?Você não descobriu por si mesmo se a vida tem um significado real.Você pergunta qual é o propósito ou objetivo da vida, e não o significado.O objetivo pode ser inventado por pessoas inteligentes, ou você pode inventar o objetivo a partir de sua miséria, confusão e conflito.Mas o objetivo não é o significado.O significado é descobrir por si mesmo olhando para si mesmo, a profundidade do seu coração, a profundidade dos seus sentimentos, a profundidade do seu pensamento.
Então, quando você olha para a sua vida, as discussões mesquinhas, a mente superficial, argumentativa, brutal, estreita, quando você olha para tudo isso, não se sente despedaçado e chocado?Você não sente a vida que está vivendo diariamente, indo trabalhar de manhã a noite por quarenta ou cinquenta anos, chegando em casa, brigando, cansado, dormindo com sua esposa ou marido, realmente não tem sentido?Então, você pode vê-lo sem ficar deprimido, sem querer mudar?Se você quiser alterá-lo, altere-o para outro padrão que será igualmente confuso.Quando sua mente está confusa e fora dessa confusão que você escolhe, o que você escolhe deve ser o resultado da sua confusão.Esta é a sua vida, seu trabalho diário, suas ansiedades, suas mágoas, sua dor.Apenas olhe para isso.

Bangalore 1974, Conversa 3

Krishnamurti
Inserida por AR-Leandro