Fabrício Hundou - um autor desconhecido.

76 - 100 do total de 158 pensamentos de Fabrício Hundou - um autor desconhecido.

DORES NO VARAL

"Desta vez, os degraus são de vento e, na queda boçal, quem me ampara é o tempo. Sem saber o que me dói, fiz o nome dele perpassar por entre os dentes, fazer um deserto em toda falta de saliva. Mesmo macio, disto fiz a minha dor. Ele - todo e próprio - é muita razão para a alegria que me pendura nos varais mais altos da extensão da vida. Perdoe por culpar o vento - é apenas amor."

Fabrício Hundou - um autor desconhecido.
Inserida por FabricioHundou

LIVRO EM PELE

Em frente
Ou inversos
Leia
Da primeira
À última pele

Releia-se
Da primeira
À última
Pele
Frente
Verso

Fabrício Hundou - um autor desconhecido.
Inserida por FabricioHundou

C(ÉU): SOL É TEU

"Trocaria os meus óculos pelos teus ósculos. Minha boca dando eco, um abismo a dentro, hospeda uma saudade em paredes de mucosas rosas - divide a inflamação com o sol que quara as tardes sem ti. Tenho o dom da melhor promessa. Quero misturar as cores de todos os céus que já vi. Voarei sem pressa e cantarei com os bem-te-vis".

Fabrício Hundou - um autor desconhecido.
Inserida por FabricioHundou

Eu quero beber do mingau
Que dá da areia
Da água
Do sol e do mar

Fabrício Hundou - um autor desconhecido.
Inserida por FabricioHundou

SALVADOR

"O sal tempera a carne negra, fosca, a pele crioula exala algum cheiro. Nada se repele no caminhar ligeiro dessa gente provida. Usam dendê e fazem cor e corais para as luzes que flambam os dias em temperaturas tão mais elevadas que, do alto, enxergam as léguas do amor egresso. Nesta cidade, meu bem, em cada rua que entro a sombra do vento é que me guia às pupilas de mães, pais e filhos órfãos - cujos sotaques têm o mesmo timbre das marés altas. Aqui, o farol acende o seu riso, me salvaguardando de toda a dor."

Fabrício Hundou - um autor desconhecido.
Inserida por FabricioHundou

TRAVESSO

"Quero um peito travesseiro, que cheire a capim-limão, em que se possa atravessar o mundo inteiro - ser onde sonho e faço de chão. Desejo que, qualquer planeta que orbite ao redor de mim, deixe o medo para o fim ou até que a lua volte. Subirei em minhas sobrancelhas para ver o meu amor passar naquela rua, até o gosto me vir à boca, e eu sorrir sem respirar. Pois, do ventre donde que saí, hoje há parreiras e vinho etílico. Preu - que sou travesso - já não o meu lugar."

Fabrício Hundou

Fabrício Hundou - um autor desconhecido.
Inserida por FabricioHundou

ESTAÇÃO

Em algum vagão
Enrijeço a minha nuca de desdém
Não vago em vão e não alugo peito
Não penso em mais ninguém
Só num pronto-abraço que me espera
Na estação mais farta que a primavera
Aonde o meu desembarcar
Pisa efêmero nos trilhos
Em que vou descarrilar
O meu breve juízo
Outra vez

Fabrício Hundou - um autor desconhecido.
Inserida por FabricioHundou

TRATANDO DE MIM

"Quando se trata de mim, eu mesmo dou um trago e dano a boca a falar ainda qu'eu tenha medo, da criança que nina entre os meus dedos, acordar e não parar de sonhar. Livrai-me, Deus, dessa doidice. Eu tenho medo dela contar como dançam tristes as lembranças do meu último sorriso. Isso não é segredo - eu duvido. E me tratando, sempre me curo em outro beijo ou na falta de juízo."

Fabrício Hundou - um autor desconhecido.
Inserida por FabricioHundou

SURRA POÉTICA

Levei uma surra poética
Que me fez menos osso
E menos patética
Que me pôs a chorar em rimas
E soluçar em soluções salinas
Que não me fez nobre
Nem pobre
Apenas apanhei das letras
Lapidei a carne com certezas
Uma surra surreal
Que me fez pingar
Até a vela apagar
E escurecer tudo
Em pleno dia

Fabrício Hundou - um autor desconhecido.
Inserida por FabricioHundou

RE(VOLTA)

"Por enquanto, vão encontrar apenas um grande oco, um eco que sai do esôfago sem esforço e charme algum. Eu só volto quando ganhar mais quilos, quando a lua nascer no meu umbigo e os meus cabelos tocarem os mapas nos meus joelhos. Algum calendário quer me abraçar."

Fabrício Hundou - um autor desconhecido.
Inserida por FabricioHundou

SONS SEM GAIOLAS

Ali, naquele galho retorcido
Repousam pássaros
Em ninhos ornamentados
Pequenas flautas com asas
Por si, são embelezados
Pelo torpor da existência
Ali, átrios e ventrículos se contorcem
O som tem insônia
O eco toca campainhas em hiatos
Sem perturbar nenhum átomo
E, a melodia mais bonita, foi cantada
Com saudade
Se conseguir ouvir
Diga-me que SIMbemol
Um par de asas
Um par de orelhas
Batem com muita fugacidade
Para ouvir a tua voz
O teu sorriso é um piano completo
Cada tecla me desafina
Me retoca o batom
Sei que meu pássaro logo passará
Esteja isento de ingressos
Ingressa-te livremente
No paraíso dos meus sons
Onde não há serpente
Nem maçãs
Só há pássaros vermelhos
Que passam nos meus lábios
E entram em espelhos
Espanto os corvos bons
Não me deixe em pausas
Contorça-me em teus tons

Fabrício Hundou - um autor desconhecido.
Inserida por FabricioHundou

CHEIRO SEM NEXO

Quando chove em minha casa
Telha exala as horas
Eu não sei que horas são
Em espelhos de janela
Ladro ao primeiro vento que vier

A chinela emborcada
Desde que deitei
Testou minha fé
Ninguém sabe a oração

Se amanhã eu parir só rimas
Minhas metáforas
Adestradas pela vergonha na cara
Virão abraçar as tuas silhuetas

E na mesma cena e palco
Saberá que o equilíbrio ensaboado
Escorregou do meu meu corpo
E foi parar no ralo

Pelos logradouros que passou
Deixou o rastro
Não promete retornar.
Ai, que cheiro que deixou...!

Fabrício Hundou - um autor desconhecido.
Inserida por FabricioHundou

CAIXA DE FÓSFORO

Pobre deu que sou de calores
Fervor, cama, leito e aconchego
Fui me atear nesse mundo de dois vértices
Sem saber
Que pro meu fogo
Gente desse bioma
Se esquiva

Pobre de quem não é febril
Perde a fé e o brio
De se inflamar nesses meus braços
Sem saber
Que nessa caixa de fósforo
Nem espirro
Eu posso dar

Fabrício Hundou - um autor desconhecido.
Inserida por FabricioHundou

CIDADES ONÍRICAS

"Gosto de tudo o que sou, enquanto caminho para o sono, naquele instante de repouso em que sou apenas mais um tom de vulto. Sou bom em ouvir vento varrendo ruas, em pensar na turbulência dos acasos e em fugir de insônias autorais. Refaço as costuras dos panos que me embrulham, em pensamentos desajuizados, desenfreados. Quando, por fim, durmo, acordo em cidades oníricas e tomo café da manhã com a minha bendita inconsciência."

Fabrício Hundou - um autor desconhecido.
Inserida por FabricioHundou

Ema, ema, ema

Cada um com
Os seus
Pro...poemas.

Fabrício Hundou - um autor desconhecido.
Inserida por FabricioHundou

LER-ME É LEI

"Leia-me!
Leia-me, me lê.
Lê aqui...e aqui.
Agora, aqui.

Cursivo,
Bem grafado,
Devidamente acentuado.
Todavia, gramaticalmente
Despenteado.

Leia-me!
Leia-me, me lê.
Lê aqui...e aqui.
Agora, aqui

E agora, consegue?
Não conseguiu.
Tá amuado,
Sabe que até um desvairado vê,
E idem o pobre iletrado.

Deixe-me chegar mais perto...
Fique parado!
Não afrouxe as córneas,
Não pule palavras.
Minha couraça em páginas...
Leia lauda por lauda.

Ainda não consegues?
Fiquemos bem!

É tudo esboço,
Se tá turvo,
Não tá borrado.
Tobogãs venosos
Escorrem ´liquid paper´.
Omiti ou tá apagado.

Leia-me!
Leia-me, me lê.
Lê aqui...e aqui.
Agora, aqui.

Há muita luz em mim,
Não sou de fins,
Muito pouco de abismo.
Se não consegues me ler,
É miopa - ou astigmatismo."

Fabrício Hundou - um autor desconhecido.
Inserida por FabricioHundou

LUNÁTICO I

"Minha íris é da cor da lua
E cada forro de minha derme,
Imenso tapete da esfera celeste.
Cochilo, cochicho,
Faço sonho quando a grama me penteia,
Trança a minha raiz
E semeia as estrelas,
Dentro da minha cabeça,
Readuba(no) brotos de sinapses
Lunáticas."

Fabrício Hundou - um autor desconhecido.
Inserida por FabricioHundou

LUNÁTICO II

Sol
Em prolongada exposição:
Insolação.
Lua
Em prolongada contemplação:
Paixão.

Fabrício Hundou - um autor desconhecido.
Inserida por FabricioHundou

TIMBRE DOS VENTOS

"Quando o vento der timbre às portas e janelas: é hora de acordar. Desperta-te mansinho, como cada fio de uma nuca que se insinua. Olhai as molduras que sol pendura em paredes cruas. Escute os meus uivos - qu'esses, aprendi com os ventos. Num abraço coube todo clarão do dia. É nas manhãs dos teus beijos qu'eu me rein(vento)."

Fabrício Hundou - um autor desconhecido.
Inserida por FabricioHundou

ELAS POR ELAS

Das mulheres que se perdem
Em teus lençóis,
Eis, em teu colo,
A única que lhe faz
Cama, chão e torpor

A mulher em teu colo,
Pede com sede,
Cada janela dos teus olhos,
Elas são elos,
Mas, só uma,
Geme sem dor

A mulher em teu colo
Cruza ventos e suspiros
Para ter os teus ósculos;
Ela sabe a rua do ir e do voltar

É sujeito de seu próprio verbo,
Sujeitando-se ao delírio e
à doidice
De comprar horas
Pra te amar

Fabrício Hundou - um autor desconhecido.
Inserida por FabricioHundou

SOTURNO

O carrossel de Saturno
Veio embalar o mundo
No seu giro lento
De transformações
Abruptas

Fabrício Hundou - um autor desconhecido.
Inserida por FabricioHundou

GOELA

GOELA

"Os meus braços balançavam.
Como um pêndulo,
Os meus braços balançavam.
Remando em antagonismos,
Meus barcos não iam,
Nem voltavam.
Meus olhos vasculhavam:
Do embrulho no estômago
Aos mares das pálpebras.
E o meu cais virava caos,
Revirava todo o chão do mundo
Até achar sementes,
Raízes, ramas ou, somente,
As palavras enterradas
A sete palmos
Em minha goela."

Fabrício Hundou - um autor desconhecido.
Inserida por FabricioHundou

"Racionalizem apenas água. Educação e afeto estão, abundantemente, liberados".

Fabrício Hundou - um autor desconhecido.
Inserida por FabricioHundou

O CARNAVAL DA CAPITAL

"Vista sua fantasia, saia de sua Satélite, procure uma vaga próxima para estacionar. Olha o selfie! - quanta alegria. O Carnaval de Brasília vai começar. Não economize no purpurina meu bem, pois, de mixarias, nesta folia é o que mais tem. Ainda tem o vizinho, amigo de escola, inimigo de Facebook, o ex-professor e você – que, de longe, os avistou e apenas pensou. Não quis a ninguém cumprimentar. Afinal, se ébrio está, é melhor se controlar, tal como o limite dos decibéis que só ecoam com um alvará. Abram vossas rodas de amigos e grupelhos típicos, caros brasilienses. Vamos lá! Abram espaço, a ala da AGEFIS vai passar. A marchinha do relógio não é lenta. Pontualmente, à meia noite, o som vira hiato, a luz se apaga, a serpentina acaba e temos de ir a outro lugar. 'Entrepassando' pelos foliões, ouve-se a nítido e claro som: “se fosse em Salvador...”. A fantasia não é para tanto. Entre prantos e poucos beijos, eis o Carnaval da capital – o bonito é se encaretar."

Fabrício Hundou - um autor desconhecido.
Inserida por FabricioHundou
1 compartilhamento

"Em mim, pisa quem quiser. Se torcer o pé é porque pisou inseguro, aflito e frouxo".

Fabrício Hundou - um autor desconhecido.