Fabrício Hundou - um autor desconhecido.

101 - 125 do total de 158 pensamentos de Fabrício Hundou - um autor desconhecido.

RACIONAMENTO

A mingua atinge a todos
Que se declaram meus vizinhos.
Nalgum dia dos dias
Falta água em minha casa.
Quem tem sede,
Já não encontra torneira aberta
Em meus olhos.
Donde sou,
Racionamento não poupa
Nem a quem não tem.
Como eu que,
Desde que o calendário
Ganhou ligeireza,
Não ajunto
Em meu corpo
Nada que não seja tão meu,
Nenhum grão.
Mesmo no tempo em que me falta,
Sob horário de verão,
Ganho e perco horas.
Nem bolso eu tenho
Pra guardar poliqueixosos.
Não entesouro mágoas,
Tampouco guardo águas,
Pra tomar e lavar as dores
De amores
Que só a vida
Há de lhe
Economizar.

Fabrício Hundou - um autor desconhecido.
Inserida por FabricioHundou

ERIÇO FÁCIL

Preto,
Não te encostes
Qu'eu sou de pólvora
Pavio de músculos trançados
Em mim
Circuita todos os volts
Eriço fácil
Dou ombro e peito
A sorrisos como os teus

Fabrício Hundou - um autor desconhecido.
Inserida por FabricioHundou

TINTA DE ESPELHO

"Eu tenho tinta de espelho
E vou pintar o mundo inteiro
Se João não me amar..."

Fabrício Hundou - um autor desconhecido.
Inserida por FabricioHundou

EU

"Astronauta do meu próprio delírio".

Fabrício Hundou - um autor desconhecido.
Inserida por FabricioHundou

AQUÁRIO

Pose de conforto
Piano de chuva
Os vultos da minha rua
A tosse de um carro
A vida desses livros
Tomam conta do meu quarto

Fabrício Hundou - um autor desconhecido.
Inserida por FabricioHundou

IDADE

"Sou eu quem zombo da minha própria insanidade; quem mais lapida cada volta de minhas curvas, morros e penhascos. Sou dono e proprietário único - do que for e vier. Envelheço, todo domingo, nesta cidade: o mar só me traz saudade."

Fabrício Hundou - um autor desconhecido.
Inserida por FabricioHundou

BRASILIENSES

Abram suas rodas
Desarmem os braços
Afetem-se por abraços
Sem medo de quem chega
Tampouco de quem vai embora
Poupem-se de logradouros
Perguntem o ofício da alegria
Olhem o céu dos meus olhos

Fabrício Hundou - um autor desconhecido.
Inserida por FabricioHundou

PEITO MURALHA

Minha bagagem,
Um milheiro de tijolos
Que carrego com brava vocação
E tremenda desvantagem,
Quando oscilo entre choro e riso.
Ora murmuro
Ora sussuro
Por ora, só um muro.
Por ter muralha no peito,
Quem quiser deitar à sombra,
Pode escorar a alma toda
Até fazer as pazes com o sol.
E não pode se assombrar com os vultos.
Deve podar qualquer arbusto que ornamenta
Esse caos monumental.

Fabrício Hundou - um autor desconhecido.
Inserida por FabricioHundou

CATAMORA

Amor sazonal,
Chega em qualquer época,
Enferma e demora.

Amor, se pega mais de uma vez;
O que não se pega
É catapora.

Fabrício Hundou - um autor desconhecido.
Inserida por FabricioHundou

BREVE DÚVIDA

Ninguém sabe a hora
Qual dos dois se foi embora
Se no espaço há mais demora
Seja breve ao voltar

Fabrício Hundou - um autor desconhecido.
Inserida por FabricioHundou

PASSAGEIRO

Quem passou
É passageiro
Se demorou
Tornou-se estrangeiro
Ficou mais que devia
Tornou-se ultrapassado
Passou mais que ligeiro
Deixou-me engomado
Fez vinco
Dobrou e tudo
Deixou-me arcaico
Proprietário de lembranças
Cobrou aluguel por esperanças
A um passo
De por à venda
Calendários
Quase mofados

Fabrício Hundou - um autor desconhecido.
Inserida por FabricioHundou

NOBRE POBRE

"Cidade satélite, um bairro sideral. Morada de (q)uês, (n)adas e (M)arias. Lotes amplos, harém retangular. Área nobre, de reis e abacaxis. Nesse, nove quartos de dormir. Banheiros equivalentes, suítes para todos os dezoito que ali residem. Os que ali residem: condôminos. Assinantes fiéis de faixas amarelas que anunciam, mensalmente, aluguéis. Desfrutam, uma vez ao dia, de seus chuveiros mornos. Jornada nas estrelas com mais de 12 horas - desfrutando o chuveiro dos próprios poros. Suor sem racionamento. Domingo, quinta e sábado não tem água. E a desafortunada que carrega o subúrbio na sua genética, em seu extinto de sobrevivência, sempre soube o que era economizar água e choro. A esmoleira de Direitos, generosamente, se põe a exemplo. Amanhã, acordará cedo, pegará os caminhos do carma. A água voltará meio dia, mas na casa da patroa vai dar para enxaguar os olhos. 'Clarinha' - a cadelinha - vai pro banho-tosa e as crianças para a natação. Com mais três giros no terço, logo Ave Maria manda a noite e voltemos para o nosso barracão. Lugar onde o luxo é ilícito e, água, também entrou pra oração."

Fabrício Hundou - um autor desconhecido.
Inserida por FabricioHundou
1 compartilhamento

DANÇA DAS TUAS TRANÇAS

Menina
Deixa eu entrar na dança
Que amarra as tuas tranças

Menina
Deixa eu entrar na dança
Que amarra as tuas tranças

Oh meu bem, não conte pra ninguém
Se eu brincar na tua orelha
Viro brinco ou refém

E do teu nome eu fiz meu o-xi-gênio
Respirando sonhos livres
Estou esperando tu chegar

E do teu nome eu fiz meu o-xi-gênio
Quero desenhar teus beijos
E em teus braços velejar

Fabrício Hundou - um autor desconhecido.
Inserida por FabricioHundou

"O teu sorriso: um piano completo."

Fabrício Hundou - um autor desconhecido.
Inserida por FabricioHundou

Subirei em minhas sobrancelhas
Sentirei as sombra dos ventos
Me atravessar
Fazer caminhos
Pra que algum dia um novo amor
Possa passar...

Fabrício Hundou - um autor desconhecido.
Inserida por FabricioHundou

SOMBRA DOS VENTOS

Cansado de ser marinheiro nauseado
De remar à unha rumo a dezembros nublados
Pus-me ao solo encravado
Aqui ando e corro descalço

Meu superego, campo farto de hectares
Da primeira à última porteira
Posse tenho das poças em que tanto afogo
Eu quem afaga a cada seca desse cerrado
Eu quem afaga
Espelho de faca

Plantarei um pássaro
Para asas fazerem sombra em meu quintal
Sujo, eivado, de esgalho (ou da migalha)

O assoalho de meu quintal...
Solo, sujo, sol e chão
Farto de folhas de feridas que secaram
No outono que se foi.

Não como a sorte que nasce nos trevos
Nas vielas dos meus dedos...
A minha sorte - eu tenho outras -
Ainda é cedo
Pra mostrar

Quero (mais do que posso); vê lá se posso
Oh, esperança tão teimosa

Quero comprar uma rede
Pra me balançar
E voar em vento
Pra mo'da vida não parar

A minha sorte - eu tenho outras -
Ainda é cedo
Pra mostrar

Fabrício Hundou - um autor desconhecido.

O VÃO

Duma ponta a outra
Há uma ponte
Que não é ponto - não somente
Se tem reta: exclamação (!)
Chego demorado, com aconchego de dúvidas
Cheio de chão
Por onde só quero voar
Com certezas (não em vão)

Fabrício Hundou - um autor desconhecido.
Inserida por FabricioHundou

LEVEZA

Vaga, vaga, vagueia
Futuro: ninguém ocupa
Hoje meu riso passeia
Onde pisei, sei o calo
Hoje falo, não calo
Levo até pedra no bolso
Pois quando estou, sou leveza

Fabrício Hundou - um autor desconhecido.
Inserida por FabricioHundou

CISCO

Foi
Passou
Lixo espacial
Virou cisco
E em meus olhos
Não entra mais

Fabrício Hundou - um autor desconhecido.
Inserida por FabricioHundou

FALSETE

Quando a lança me espetar
Eu vou cantar agudo
Até a minha voz derrubar o muro
De quem não sabe se desequilibrar

Fabrício Hundou - um autor desconhecido.
Inserida por FabricioHundou

MUNDIÇO

Um dia - contado a dedo, ponteiro por ponteiro -
Há-de ter um mundo inteiro
Da esquina ao beco esmo
(um todo, de modo algum rachado)
Planeta Meu
Pr'eu correr e me danar

Fabrício Hundou - um autor desconhecido.
Inserida por FabricioHundou

VENTO-LOBO

Vento-lobo,
Uiva o frio em todo o dorso
Na matilha, caceis o fogo
Fez do silêncio
Fagulhas à carne
Derreter o grito
D'algum inverno tolo

Fabrício Hundou - um autor desconhecido.
Inserida por FabricioHundou

SOMBRA DOS VENTOS

Cansado de ser marinheiro nauseado
De remar à unha rumo a dezembros nublados
Pus-me ao solo encravado
Aqui ando e corro descalço

Meu superego, campo farto de hectares
Da primeira à última porteira
Posse tenho das poças em que tanto afogo
Eu quem afaga a cada seca desse cerrado
Eu quem afaga
Espelho de faca

Plantarei um pássaro
Para asas fazerem sombra em meu quintal
Sujo, eivado, de esgalho (ou da migalha)

O soalho de meu quintal...
Solo, sujo, sol e chão
Farto de folhas de feridas que secaram
No outono que se foi.

Não como a sorte que nasce nos trevos
Nas vielas dos meus dedos...
A minha sorte - eu tenho outras -
Ainda é cedo
Pra mostrar

Quero (mais do que posso); vê lá se posso
Oh, esperança tão teimosa

Quero comprar uma rede
Pra me balançar
E voar em vento
Pra mo'da vida não parar

A minha sorte - eu tenho outras -
Ainda é cedo
Pra mostrar

Fabrício Hundou - um autor desconhecido.
Inserida por FabricioHundou

PRAXE

tenho textos arquivados
roupas que vou dar sem usar
raiva bruta de barata
boletos à espera
moeda atrás de baixo do sofá
faço de livro enfeite
gosto de medo livre
o travesseiro era de minha mãe
a mania de asseio é minha
já deixei planta morrer de sede
queimei boca quando tive pressa
ponho açúcar em café
amanhã trabalho com tinta
y hoje rezo com muita

Fabrício Hundou - um autor desconhecido.
Inserida por FabricioHundou

FÉVELA

Quem se curva
com um traço de risco
tende a morar
muito mais
perto de
Cristo

Fabrício Hundou - um autor desconhecido.
Inserida por FabricioHundou