Antonio Costta

1 - 25 do total de 319 pensamentos de Antonio Costta

Quem muito ler tira as ferrúgens das palavras.

Antonio Costta
Inserida por antoniocostta

Envelhecer é a arte de morrer
disfarçadamente!

Antonio Costta
2 compartilhamentos

AOS INIMIGOS

Foi Jesus quem ensinou
A amar, com o mesmo empenho,
Nossos próprios inimigos...
(Inda bem que não os tenho!)

Antonio Costta
Inserida por antoniocostta

ONISCIÊNCIA

O homem vê a aparência,
Tem limitada visão;
Mas Jesus, na onisciência,
Contempla-lhe o coração!

Antonio Costta
Inserida por antoniocostta

TRAIÇÃO

O homem a mente burila,
Faz-se forte, qual Sansão,
Mas das mãos de uma Dalila
É que vem a traição!

Antonio Costta
Inserida por antoniocostta

O AMOR

O amor é um tesouro
que dentro de nós guardamos;
mas somente vale ouro
quando o compartilhamos!

Antonio Costta
Inserida por antoniocostta

NATAL

Que Cristo lembre alegrias
Não somente nos natais,
Mas nasça todos os dias
Nos corações fraternais!

Antonio Costta
Inserida por antoniocostta

NUNCA DEIXE

Nunca deixe a mão esquerda
Ver o que a direita faz;
Essa tal de “mão esquerda”
É fofoqueira de mais!

Antonio Costta
Inserida por antoniocostta

A MAIOR E MELHOR RIQUEZA

A riqueza que nós temos,
Dentre todas a mais bela,
É aquela que podemos
Entrar no Céu por ela!

Antonio Costta
Inserida por antoniocostta

PARALÍTICOS

Paralíticos são os que não amam,
os que não perdoam...
vivem atrofiados
e não podem caminhar para o Céu!

Antonio Costta
Inserida por antoniocostta

ENDEREÇO

A minha morada fica
Em meio à Rua do Amor;
Uma placa a identifica:
“Aqui mora um sonhador!”

Antonio Costta
Inserida por antoniocostta

INFANTE

A minha poesia é
Infante feito criança...
Mas a vida é um carrossel
Brincando com a esperança!

Antonio Costta
2 compartilhamentos

QUEM NÃO AMA A POESIA

Quem não ama a poesia,
Essa musa tão concreta;
Não sabe da alegria
Que sente todo poeta!

Antonio Costta
Inserida por antoniocostta

A LÁGRIMA

A lágrima que tem
Sulfato de sódio;
Às vezes tem amor,
Não é lágrima de ódio!

Antonio Costta
Inserida por antoniocostta

MARCAS DE AMIGOS

Fiz marcas na terra,
No céu e no mar;
As mais importantes
Eu vou lhe falar.

Não foram nas dunas,
Pro vento levar...
Nem foram na areia,
Pro arrasto do mar.

As marcas deixadas
No meu caminhar;
São marcas na pedra,
Pra sempre durar!

E foram talhadas
Com muita atenção
No lado direito,
No meu coração!

São marcas eternas,
Pra nunca acabar.
São marcas de amigos
Que fiz ao passar!

Antonio Costta
Inserida por antoniocostta

O DIA MAIS FELIZ DE MINHA VIDA

Eu queria, entre muitos, nesta hora,
Ter o dom da palavra, ser poeta,
Para dizer-te, filha, que agora
A vida de teu pai está completa!

Queria me valer da voz do esteta,
Ter o verso e a rima mais sonora,
Contar-te que atingi a minha meta...
Que já posso, filhinha, ir embora.

Pois os passos que dei rumo ao altar,
Sorrindo e com vontade de chorar,
Levando-te aos braços d’outro alguém,

Foram os mais felizes de minha vida!
Entregando-te às mãos, filha querida,
Ao jovem que te ama e te quer bem!

Antonio Costta
Inserida por antoniocostta

SE...

Se incomodo alguém
É porque existo;

Se me elogiam
Sinto-me bem quisto;

Se falam de mim
Não choro por isto;

Eu sou imperfeito
Mas não anticristo.

Se me fecham a porta
Eu nunca desisto.

Se semeiam a guerra
Na paz eu persisto;

O ódio aproxima-se
Mas dele me disto!

Os tele-jornais
Eu sempre assisto.

As tele-novelas
Não tenho mais visto.

Os produtos da feira
Numa folha eu listo.

Somente me atraso
Quando há imprevisto.

Quem vê só os outros
Não vê que é mal visto!

Quem não ama ao próximo
Não ama a Cristo.

Os versos que faço
Releio e revisto.

Se não sou poeta
Que tendes com isto?

Na hora da fome
Um pão é um misto!

Antonio Costta
Inserida por antoniocostta

AS PALAVRAS


As palavras estavam soltas
Aleatórias
Desgovernadas...
Eu só fiz juntá-las.

As palavras-peixes
Nadavam livres
Em águas claras,
Em rios perenes...
Eu só fiz pescá-las.

Na feira das palavras
Quanta matéria prima!
Comprei metros,
Comprei rimas
E fiz poemas.

Agora te ofereço
O meu pacote
De palavras juntas
Chamado livro.

São palavras presas
Em páginas brancas,
São palavras pássaros
Que ainda cantam.

Antonio Costta
Inserida por antoniocostta

MINHA TERRA TEM PALMEIRAS

Minha terra tem palmeiras
Mas não canta o sabiá
Foram contrabandeadas
As aves que tinham lá.

Admiro a minha terra,
A beleza do lugar;
Minha terra tem palmeiras
Mas não canta o sabiá.

Minha terra tem palmeiras
Bem poucas, é bom falar;
Foram muitas arrancadas
Pro pregresso se instalar.

Progresso?... Meu Deus do céu!
Que progresso tem por lá?
Se cortaram as palmeiras...
Se não canta o sabiá!

Antonio Costta
Inserida por antoniocostta

ÁGUAS DA POESIA
A minha terra, Pilar)

Já procurei te esquecer,
Mudar de assunto, evitar,
Pra não estar te lembrando
Quando de amor vou falar.

Mas as águas da poesia,
Onde vivo a navegar,
São como as do Paraíba:
Têm que passar por Pilar!

Têm que passar sussurrando,
Têm que passar desejando,
Querendo te conquistar...

Mesmo quando, em desatino,
Numa enchente do destino,
Seguem soltas para o mar!

Antonio Costta
Inserida por antoniocostta

CHOVE CHUVA!

Chove chuva choradeira,
Chove, chove sem parar!
Chove o dia, a noite inteira,
Que quero em ti me banhar!

Chove chuva de poesia,
Sobre o dia de Pilar,
Na noite de Itabaiana,
Chove por todo o lugar!

Chove chuva de alegria
Nos versos que vou cantar;
Chove rimas na poesia
Que desejo versejar!

Vem lavar minha tristeza,
Lava a lágrima do olhar;
Vem dar vida à natureza,
Ao bosque do meu sonhar!

Chove, chuva de poesia,
Chove, chove sem parar;
Chove a noite, chove o dia,
Que quero em ti me banhar!

Antonio Costta
Inserida por antoniocostta

CHUVA DE POESIA

Em meio a mundo tão seco,
Vem uma chuva macia
Chover em nosso telhado,
Correr por nossa biqueira,
Deixar o campo molhado!

Em meio a tanta tristeza,
Chove uma chuva macia,
Rompendo o calor do dia,
Trazendo um banho de paz
Por seus pingos de alegria!

Será chuva de inverno
Que cai em nosso telhado,
Que deixa o campo molhado,
Que deixa a vida florida,
Que verde deixa o sertão?

Em meio a mundo tão seco,
Sem paz, amor, sem perdão,
Chove uma chuva macia,
Que ninguém sabe a razão.

Uma chuva silenciosa
Que não molha a multidão,
Nem transborda nas barragens...
Somente em meu coração!

Antonio Costta
Inserida por antoniocostta

“VERDE QUE TE QUERO VERDE”
(Inspirado no verso de Frederico Garcia Lorca)

Verde que te quero verde
Na floresta enverdecida;
Verde cada vez mais verde
No palco verde da vida!
Como era a vida tão verde,
Como era tão verde a vida!
Verde vida vida verde
verde verde vida vida!
Mas o verde que gera vida
Fora dos olhos mais verdes
Virou deserto sem vida
Virou floresta queimada,
Virou poeira e carvão
Que se levanta na estrada!
Virou conjunto de casas
Virou um solo asfaltado.
Oh! Homem que o verde tira,
Que atira fogo no verde;
Por que fazer sua mira
No alvo verde da terra?
Não vê que faz uma guerra,
Que contra a si mesmo atira?
E quando em que verde vira
Diferente é sua lira!
É o verde horizontal
Do vasto canavial.
Não é verde replantado:
É verde vasto de soja
E dos cercados de gado!
Pois acham mais importante
Enriquecer num instante,
Empobrecendo o futuro;
Não ter oxigênio puro,
Não ter floresta nem nada;
Não ter pássaro que cante,
Não ter uma onça pintada;
Um verde mais verdejante,
Viçoso com a invernada!

Antonio Costta
Inserida por antoniocostta
1 compartilhamento

NA CURVA SINUOSA DOS QUARENTA

Na curva sinuosa dos quarenta
Procuro viver mais pela razão,
Pois a vida não é feita de ilusão...
É real e não passa em marcha lenta.

Na curva sinuosa dos quarenta
Analiso o que fiz se foi em vão.
Se fiz certo em seguir meu coração...
Se traduz a verdade que aparenta.

Que legado deixarei nos meus trilhos?
Que futuro darei para meus filhos?
Que exemplo deixarei em minha lida?...

Na curva sinuosa dos quarenta
É quando a gente para, a gente enfrenta,
Os maiores desafios desta vida!

Antonio Costta
Inserida por antoniocostta

CELEBRAÇÃO DO AMOR

Celebramos, na noite constelada,
Treze anos de amor, você e eu.
Duas vidas e a mesma caminhada
Pelas estradas que o Senhor proveu.

Celebramos por toda a madrugada,
Como d’antes jamais aconteceu.
Quanto mais lhe chamava –minha amada...
Mas você me respondia... –amor meu.

Muitos abraços, trocas de carinho,
Permearam toda noite o caminho
Na estrada do prazer mais soberano...

A noite inteira então ficou pequena,
Choveram rimas, versos de poema,
E mil vezes lhe ouvi dizer: TE AMO!

Antonio Costta
Inserida por antoniocostta