Agradecimento ao Cliente

Cerca de 314 agradecimento ao Cliente

"O que fideliza o cliente não é produto ou serviço, mas proporcioná-lo uma experiência inesquecível."

Surama Jurdi
Inserida por agapedobrasil

“Uma vez uma cliente nova perguntou-me em que eu era especialista. Eu respondi, com muita naturalidade: Eu produzo felicidade!”

Laura Leticia
Inserida por LauraLeticia

A simplicidade é o máximo.
Cliente satisfeito é um luxo!

VilmaSpinelli
Inserida por VilmaSpinelli

Prova social é um cliente dizendo ao outro que a experiência é real

Paulo Maccedo
Inserida por PauloMaccedo

Não sou dono de verdades absolutas, assim como nunca fui cliente de mentiras verdadeiras;

Julio Aukay
Inserida por JULIOAUKAY

Quando o cliente te diz “Você cobra caro!”, em outras palavras, ele quer dizer:

“O valor que você está me cobrando é superior aos benefícios que está me oferecendo.”

Samuel Magalhães
Inserida por samuelmagalhaes

O vendedor precisa ter atitudes que façam com que o cliente o perceba como uma autoridade.

Guilherme Machado
Inserida por guilhermemachado

Não tente educar o físico do seu cliente tente transforma-lo!

Florisvaldo Oliveira Lima
Inserida por Vallimapersonal58

Na relação com o cliente não há espaço para achar que você já sabe de tudo.

Guilherme Machado
Inserida por guilhermemachado

Tem gente que tem medo de dizer a verdade para não perder o cliente.

Gil Nunes
Inserida por GilNunes

Escute o que o seu cliente diz, mas preste mais atenção no que ele não diz.

Dionisio Campos
Inserida por DionisioCampos

Uma cliente é comparável a uma raríssima joia: se a perder, jamais encontrará pomposa e sublime semelhança.

Pablo de Paula Bravin
Inserida por PablodePaulaBravin

Não deixe o seu cliente percebê-lo como fornecedor. Ele precisa lhe enxergar como PARCEIRO.

Guilherme Machado
Inserida por guilhermemachado

Líderes que conectam suas equipes com o cliente conseguem mais interação, envolvimento e dinamismo no negócio. Todo
resultado vem desses pilares.

Fagner Gouveia
Inserida por FagnerGouveia

"BRAINSTORMING" - Pensamento Criativo

Há 16 anos fomos convidados por um cliente nosso, para promover uma melhoria na comunicação de sua empresa. Julgava-a truncada, o pessoal desmotivado e as respostas que obtinha eram todas muito formais, insatisfatórias. A empresa parecia estar bem, segundo ele, mas ele não estava confortável.
Iniciado o diagnóstico, que como na psiquiatria, começa com a queixa principal, ouve-se a história empresarial, começando dos funcionários antigos, até os estagiários, pudemos identificar alguns travadores de línguas, que depois percebemos serem pessoas muito responsáveis, mas tensas e que exerciam um patrulhamento grande, com medo de que a situação empresarial escapasse de seus controles.
Vimos gente contratada para seguir ordens e não para criar idéias. Como já vínhamos praticando com vários grupos e empresas o "Brainstorming", resolvemos misturar pessoas sorteadas de diversos departamentos, para proporem e acharem solução para diversos problemas que identificassem.
A estratégia era não mexer com os cobras criadas e fazê-los se envolverem paulatina e sem traumas, da modificação que a empresa precisava.
Discutimos a idéia e obtivemos a aprovação do nosso empresário.
No fundo, o que queríamos testar, era o uso desta ferramenta formidável de criação, onde descontraidamente, fôssemos aprofundando a comunicação.
Um curso rápido de "Brainstorming" foi ministrado, onde abordamos o conceito; porque precisávamos ousar fazer voar à imaginação; discutimos as diferenças existentes entre quociente intelectual e poder de realização (depois exaustivamente discutido pelos re-inventores da roda, sob o título de inteligência emocional); mostramos como age a sociedade adaptando o indivíduo; como o perfeccionismo resultante desta adaptação, quando feita errada, criava o medo de errar; mostramos como transformar palmeiras imperiais, de funcionário samambaias, assustados; mostramos os defeitos causados por idéias preconcebidas; discutimos os diversos ambientes de trabalho; exemplificamos como a escola pode atuar sobre a criatividade. Neste ponto partimos para explicar claramente, como certos fatores, além dos apontados, podem bloquear ou desenvolver a criatividade. Discutimos como o Método científico age na criação de soluções de problemas, suas facilidades e entraves.
Por fim foi ensinado o "Brainstorming" e a platéia se divertiu, com os primeiros ensaios, livres da crítica prejudicial. Como é sabido, o método visa tirar do processo criativo, o peso da crítica, até a fase de avaliação final, onde, inclusive, outras ferramentas podem ser usadas, para se estudar a viabilidade de determinada solução proposta.
O gratificante, sentido pelo empresário, foi a descontração do pessoal considerado sisudo, em torno do método. Ele próprio ria das soluções jocosas propostas, todas elas importantes para a quebra da barreira criativa.
Após o iniciação, agendamos duas reuniões por mês, aos sábados à tarde e, por incrível que pareça, os funcionários se dispuseram a participar dos "Brainstorms", sem cobrar da empresa, nenhuma hora extra. Esta, por sua vez, resolveu fazer um churrasco com a turma participante, às suas expensas.
Todo mundo vibrou com a idéia e demonstravam ansiedade com o sorteio para participarem do grupo. As discussões e conclusões, eram registradas em atas simples, distribuída quinzenalmente aos funcionários, que as sorviam.
Em seis meses de reuniões, o ambiente era tão profundamente mudado, que um dos gerentes se abriu inteiramente, demitindo-se, por não sentir-se competente a integrar a nova era.
Foi ajudado pelo ex-patrão a arrumar novo emprego, e abraçado por todos os funcionários, com uma despedida dada a um amigo sincero.
Foi muito bonito e os resultados estão sendo aperfeiçoados até hoje, segundo me contou recentemente o filho do empresário, que está, hoje, à frente de toda a empresa.
Tenho percebido que muitas empresas se mantpém herméticas, denotando a insegurança de quem a administra, crendo que fechada, não terá fantasmas a assombrá-la. Este é um comportamento típico de quem administra no "atacado", esquecendo que no "varejo" as coisas fogem ao seu controle, com gerentes e chefias que mais lembram a Gestalt.
Repito indefinidamente: _ Firma sem problemas é firma falida. Empresas dinâmicas têm sempre novidades instigantes e preocupantes para serem vencidas.
Crescer é otimizar, planejando a evolução, sem saltos sem rede, analizando os erros e acertos cometidos até então. Denominamos a isto "otimizar-revoluindo", sem medo de errar e usando o Pensamento Criativo ("Brainstorming"), que fornece ferramentas para solucionar e descobrir problemas solucionáveis, com alegria e prazer.

_______________________________
Márcio Funghi de Salles Barbosa
Psiquiatra, Terapeuta e Consultor
de Relações Públicas nas Empresas
www.drmarcioconsigo.com
E-1/2: drmarcioconsigo@drmarcio.com

Marcio Funghi de Salles Barbosa
Inserida por drmarcioconsigo
1 compartilhamento

A Maior alegria de um Vendedor e ser procurado pelo seu Cliente.

Weidas
Inserida por WEIDAS

Bartender: O que vai querer?
Cliente: Hum... Uma dose de amor, por favor.
Bartender: Desculpe, está em falta.
Cliente: Muitos compram?
Bartender: Não, parou de fazer.

C.L.Freitas
Inserida por claralfreitas

A violência só aumenta porque a solidariedade social ver somente o homem como cliente.

Emanuel Carvalho
Inserida por emanuelcarvalho

O PRÊMIO


Quando viu o cliente ultrapassar o umbral da porta o advogado fechou os olhos, imaginou o lucro que teria com a causa e soltou uma gargalhada gostosa. O fato é que já poderia considerar-se um homem rico. Tudo era uma questão de tempo, tempo... Porque o êxito era tão líquido quanto água, tão cristalino quanto diamante...
Fora contratado para entrar com um processo contra o governo alemão. Apesar de complexo, o caso era simples.
Pouco depois da primeira guerra mundial, o governo alemão fez uma campanha mundial de captação de recursos em ouro. Atraído pela taxa de juros dos títulos públicos alemães, um fazendeiro brasileiro vendeu duas de suas propriedades rurais e converteu o dinheiro em ouro. Com o metal adquiriu um título a ser resgatado pelo preço de vinte e dois quilos e duzentos e quarenta gramas de ouro em marcos devidamente acrescidos de juros. Quis o destino que o fazendeiro morresse antes do prazo do resgate do título. A segunda guerra mundial fez seus herdeiros imaginarem que não receberiam nada. O título acabou esquecido dentro de um cofre no sótão do casarão da família até ser achado por um neto do investidor, que foi quem procurou o causídico.
O título era bom, mas o processo foi demorado. O governo alemão teve que ser citado através de rogatória. Perdeu e recorreu. Perdeu novamente e recorreu novamente. Quando o STF deu ganho de causa para o autor o advogado deu uma festa. Vinte anos, três meses, 10 dias e treze horas depois de ter anotado na sua agenda que era um homem rico realizara-se a profecia. Agora era só executar o título, que deixara de ser público para passar a ser judicial. Algo que em tese o tornava mais certo do que nunca. E que devedor...
Mas os alemães não facilitaram. Não só não depositaram o montante devido, como também embargaram a execução. Alegavam que, como o título era expresso em marcos e durante o pós guerra a Alemanha havia maxidesvalorizado a moeda para equilibrar sua economia, alguns zeros deveriam ser retirados do título. O advogado contestou alegando que o que importava era a equivalência ouro/marco e ganhou na primeira instância. Ganhou também na segunda instância. Os alemães recorreram e, irritado, o advogado finalizou suas contra razões ironizando o destino da Alemanha. Perdera duas guerras na Europa e perderia três no Brasil.
Mas nem sempre os deuses ouvem os advogados. O fato é que Marte fez os juízes do STF a penderem a balança em favor dos bárbaros. Afinal, já haviam perdido duas guerras, não era justo que perdessem a terceira. Ao levantar o depósito do crédito do seu cliente, equivalente a mais ou menos 650 marcos, o advogado teve certeza de que era um homem rico. Afinal, nenhum outro brasileiro que tivesse imposto tantas derrotas à Alemanha recebera um prêmio tão magnificamente simbólico.
(autor: Fábio de Oliveira Ribeiro)

Fábio de Oliveira Ribeiro
Inserida por romulocaique
1 compartilhamento

Acabou de entrar em uma empresa? Não tenha medo da primeira reunião com um cliente, lembre-se que ele conhece você o quanto você o conhece, ou seja, nada; Seja gentil com ele, e ele será com você, confie nele e ganhará a confiança dele.

Antonio Marlon de Souza Mendes
Inserida por MarlonMendes