Versos sobre Desemprego

Cerca de 112 versos sobre Desemprego

gente sem terra,
corrupção, desemprego:
mundo em guerra

É melhor ter menos direito e emprego do que todos os direitos e desemprego.

O maior castigo para o homem honesto e trabalhador é o desemprego.
Isso faz com que sua dignidade, seu respeito e sua credibilidade virem pó!

Se fofoqueiro fosse profissão, era o fim do desemprego no mundo.
Certeza.

Tentei

Pensas na fome
Na guerra
No desemprego...
Preocupas-te em ser um cidadão sem nome?

A vida te fez um crítico das ilusões
num país sem futuro
Tentas libertar teu povo das falsas paixões
Agora, que és homem maturo
Crias teu filho em ambiente impuro

È certo que moras no cú da nação
Eu estou lá bem perto
é só seguir "reto"

A vontade de morrer nos deu forças
Para viver
E dar continuidade a proliferação da nossa espécie
Miserável
Obrigada a viver nesta triste nação.

Não confundamos esperança do verbo esperançar com esperança do verbo esperar. Violência? O que posso fazer? Espero que termine… Desemprego? O que posso fazer? Espero que resolvam… Fome? O que posso fazer? Espero que impeçam… Corrupção? O que posso fazer? Espero que liquidem… Isso não é esperança, é espera. Esperançar é se levantar, esperançar é ir atrás, esperançar é construir, esperançar é não desistir! Esperançar é levar adiante, esperançar é juntar-se com outros para fazer de outro modo.

Mario Sergio Cortella

Nota: Adaptação de frase do educador brasileiro Paulo Freire.

Há vagas.
Não há vagas: o posto de puxa saco nunca fica vago.
Sempre existe um novo curriculum a avaliar.

Um povo educado não aceitaria as condições de miséria e desemprego como as que temos.

A fome, a sede, a falta de professores nas escolas, o desemprego, a corrupção, a pobreza, as greves, o analfabetismo, a hipocrisia, a desigualdade social, o racismo, a discriminação, a falta de informação, todos esses problemas são oriundos e culpa da burguesia.

O trabalho pode até ser cansativo e entediante, mas o desemprego é humilhante e insuportável.

Essa história de desemprego é conversa de quem não tem o que fazer.

Quando vejo quadros com capacidade técnica no desemprego, doí-me profundamente, doí-me profundamente. É frustrante ver todo sacrifício, toda luta, beneficiou apenas uma classe política e as suas famílias. Os jovens estão a cair no desespero, no trivialismo porque o MPLA não tem políticas congregadora para com a juventude angolana.

Problemas de desemprego, doenças, vícios, dívidas e vida atrapalhada têm soluções: fé e confiança em Deus.

O Brasil é o país que mais emprega, e que, mais ainda desemprega...

⁠Territórios
Tecnologia, globalização, evolução; desemprego, adequação, exclusão; subdivisão do que é humano.
O tempo, do tempo, a perder de vista, pra tanta gente, pra tanta coisa, a vida não para.
O limite, seu limite, meu limite, já não cabe e invade, nossa casa, nosso corpo, nossa mente.
Quem perdeu? Se perdeu? Quem ganhou?
Perdoamos, odiamos o dobro.
Ganhamos, e perdemos muito mais.
Cansadamente, maravilhosamente, perversamente, incansavelmente; mente.
Mentes; Fragilizadas, invadidas, desgastadas, adoecidas, entorpecidas e vazias.
O ciclo que não quer se romper, se reproduz no quadrado limitante; articuladamente projetado em pequenos metros quadrados que não se permite olhar fora da casinha aconchegante.
Pontes interditadas, intermináveis obras nas fronteiras da psique, da reflexão e do saber.

⁠QUE ANO!!

Pandemia, desemprego, aquecimento global, queimadas, nuvem de gafanhotos...
Que ano!!!
Ano de incertezas, de temores, de tristezas.
Ano que bagunçou nossas vidas e nos fez refletir.
Ano que um vírus desconhecido e mutante, desafiou a ciência e a humanidade.
Ano que uma nuvem de gafanhotos assustou toda uma comunidade.
Ano que a natureza se manifestou e veio exigir um respeito que há muito tempo o povo perdeu.
Ano que a vida tem nos exigido demasiadamente um cuidado maior. Mais esforço, persistência, paciência, fé e amor.
Ano de desemprego, mortes, perdas...
Ano que obrigatoriamente saímos da nossa zona de conforto.
Ano que temos muitas perguntas, mas nenhuma resposta.
Ano em que a Única coisa que a gente busca e procura é por DEUS.
Ano difícil e que não sabemos o que esperar e como vai acabar!
Que Deus nos proteja.

"Vejo o Mundo imerso em ninharia,
fome, desemprego e ambição.
Na base de tudo tem a coisa do racismo,
Que faz da violência uma tradição."

Inserida por AdailtonPoesia

Vem que tem - Alan Maiccon

Tá pensando que estou aqui no desemprego e não tô correndo atrás
As minhas contas que chega a toda hora
Eu abro a carta e você já vai embora
Meu Deus arrego pra você minhas economias eu fiz um tempo atrás
O mar tava pra pescador e eu garimpava mais

Vem comigo sem medo de ser feliz
Vagabundo não sou porque se fosse você era matriz

Deus me livre e guarde das minhas palavras
Mais não volto a ser pobre nem que a luz se apaga
Eu já passei um perrengue cabuloso e ninguém me ajudava
Agora eu sou patrão e amizade é que não falta

Meu bem não tenha medo não
O que não falta é tigre aqui na minha mão
Agora vê se colabora vem morar comigo antes que a visinha avança o sinal vermelho

Juro não trair
Mais meu caminhão já tá entrando em desespero
Com essa crise o combustível aumento
Tô me virando pra alimentar o meu motor

Inserida por alanmaiccon

DESEMPREGO

Desempregos, desempregos,
Expandiu... Expandiu,
pelos quatro cantos do mundo!
Homens ou as maquinas? Maquinas!
As maquinas apropriaram dos trabalhos
dos seus espaços, dos seus sonhos
agora tornaram dona do seu sono
e dos seus passos...
Sem maquinas... Sem café, sem pão
sem roupas, e até, sem compaixão.

Desempregos, desempregos,
sob as margens da vida...
Brota como se fosse,
erva daninhas, paridas, ou bombas...
A matar de fome que toma a felicidade
que tromba com a esperança
que explode e arromba...
A vergonha de quem se toma.

Antonio Montes

Inserida por Amontesfnunes

Poema ao Imigrante.

Muita fome e desemprego nos assola.
Nossa pátria está por acabar.
Malas,sonhos,esperança vamos embora.
A Primeira Guerra a iniciar.

Rapidamente a maioria deseja imigrar.
Deixando sofrimento e dificuldades.
O desejo é de não mais voltar.

Viagem longa,epidemia e alegria.
Frio na barriga, medo do desconhecido.
Terra a vista, sorriso nos rostos euforia.

Vida nova alívio, lugares divinos.
Promessa,trabalho e engano.
Trabalho no campo, e onde quer que estejamos.

Belas cidades começamos a construir.
Bravos guerreiros determinados vieram a surgir,
quando a adversidade passou a perseguir.

Hoje temos orgulho de sermos seus descendentes.
Imigrantes vocês foram valentes...
Registramos nosso carinho e amor.
E agradecemos quem os guiou, nosso Senhor.

Inserida por Zoccarato