Textos sobre Vaidade

Cerca de 528 textos sobre Vaidade

VAIDADE

Sonho que sou a Poetisa eleita,
Aquela que diz tudo e tudo sabe,
Que tem a inspiração pura e perfeita,
Que reúne num verso a imensidade!

Sonho que um verso meu tem claridade
Para encher todo o mundo! E que deleita
Mesmo aqueles que morrem de saudade!
Mesmo os de alma profunda e insatisfeita!

Sonho que sou Alguém cá neste mundo...
Aquela de saber vasto e profundo,
Aos pés de quem a Terra anda curvada!

E quando mais no céu eu vou sonhando,
E quando mais no alto ando voando,
Acordo do meu sonho...E não sou nada!...

Jane: [...] Grande parte das vezes é a nossa própria vaidade que nos ilude. Para as mulheres, a admiração que elas crêem no objeto significa mais do que aquilo de fato se trata.

Elizabeth: E são os homens que se encarregam de as convencer.

Jane: Se é propositalmente que o fazem, não têm desculpa; mas não creio que no mundo haja tanta duplicidade, como a maioria das pessoas pretende fazer acreditar.

Elizabeth: Estou longe de atribuir à duplicidade alguma faceta do comportamento de Mr. Bingley; mas o que certo é que, mesmo sem se planejar fazer o mal ou tornar os outros infelizes, podem-se criar situação de equívoco e sofrimento. Refiro-me à inconsistência, à falta de atenção para com os sentimentos dos outros e à falta de poder de resolução.

(Orgulho e Preconceito)

É a vaidade e não o prazer que nos interessa

Qual a finalidade da avareza e da ambição, da busca de riqueza, poder e preeminência? Será para suprir as necessidades da natureza? O salário do mais pobre trabalhador pode supri-las. Vemos que esse salário lhe permite ter comida e roupas, o conforto de uma casa e de uma família. Se examinássemos a sua economia com rigor, constataríamos que ele gasta grande parte do que ganha com conveniências que podem ser consideradas supérfluas. [...] Qual é, então, a causa da nossa aversão à sua situação, e por que os que foram educados nas camadas mais elevadas consideram pior que a morte serem reduzidos a viver, mesmo sem trabalhar, compartilhando com ele a mesma comida simples, a habitar o mesmo tecto modesto e a vestir-se com os mesmos trajes humildes? Por acaso imaginam que têm um estômago superior ou que dormem melhor num palácio do que numa cabana? [... ] De onde, portanto, nasce a emulação que permeia todas as diferentes classes de homens, e quais são as vantagens que pretendemos com esse grande propósito da vida humana a que chamamos melhorar nossa condição? Ser notado, ser ouvido, ser tratado com simpatia e afabilidade e ser visto com aprovação são todas as vantagens que se pode pretender obter com isso. É a vaidade, e não a tranquilidade ou o prazer, que nos interessa. Mas a vaidade sempre tem por base a convicção de sermos objecto de atenção e aprovação. O homem rico deleita-se com as suas riquezas por julgar que elas naturalmente lhe atraem a atenção do mundo e que os homens estão dispostos a acompanhá-lo em todas as agradáveis emoções que as vantagens da sua situação tão prontamente inspiram a ele. Quando tal pensamento lhe ocorre, o seu coração parece crescer e dilatar-se dentro do peito, e ele aprecia a sua riqueza mais por esse motivo do que por todas as outras vantagens que ela lhe traz.

(A Teoria dos Sentimentos Morais)

Admiro as pessoas vaidosas, mas simples de coração. Fortes, mas não arrogantes. Sinceras, mas não ofensivas. Corajosas, mas não inconsequentes. Que consiga cativar uma pessoa de forma simples e pura. Que consiga enxergar com clareza e opinar com sensatez. Que sorri com o coração e que te olha com carinho.

Se a Páscoa é renascimento, então, faça como o Cristo nos ensinou e deixe morrer o ego vaidoso de sua máscara de bom cristão, reflexo de um comportamento medroso, e renasça no seu Eu Divino, princípio de um ser verdadeiramente crístico, corajoso, íntegro! Não ceda mais quanto ao que é essencial para você, quanto àquilo que seu coração pede, somente para corresponder às expectativas alheias, pelo medo da rejeição ou pela culpa de se colocar em seu justo lugar. Cuidado com a tendência de você se acostumar tanto com o seu servilismo, que quando você acorda e procura ser você mesmo, e se liberta da escravidão emocional, se respeitando e se dando o justo e merecido valor, estas pessoas que antes te controlavam, se revoltam e te colocam como um louco, um egoísta pois, na cabeça delas, se questionam "como você pode ousar pensar em você mesmo com respeito e não acatar mais a voz de comando que te hipnotizou e submeteu por tantos anos?" Isto gera a raiva de quem tinha a sua energia nas mãos como um vício sustentado por você mesmo, se deixando vampirizar para tentar agradar, por ingenuidade ou medo de perder o que você julgava que tinha. Um suposto amor, um suposto respeito ou uma suposta valorização que eram, na realidade, estímulos ou elogios feitos apenas como um mecanismo de alimentação da sua servidão. Quantas vezes você foi tratado como aquela criança que só é elogiada quando faz exatamente o que é mandado pelos pais, muitas vezes de modo agressivo à sua natureza, mas que se condiciona a fazer o exigido para receber uma migalha de atenção, de um ilusório amor. Então, meus amigos, deem o seu grito de liberdade, daqueles que vem da alma e busquem a sua vida de volta como quem busca o oxigênio depois de alguns minutos debaixo d'água! E eu pergunto à vocês: há quanto tempo vocês "prendem a respiração", sentindo-se quase afogando em águas turvas que poluem seu coração e sua mente de sentimentos negativos, jogos emocionais, chantagens e manipulações, que tentam acentuar suas inseguranças para que vocês permaneçam inconscientes do seu próprio poder e valor? Que tal renascer nesta Páscoa de um modo verdadeiro, arrebentando com a casca do ovo que te limita, para que seja possível crescer e ser independente? Não se coloque inseguro mais, se questionando se as suas atitudes estão certas ou erradas pelo que certas pessoas julgam e sim pelo que o seu coração diz, pois a ética cósmica que só se conhece no íntimo dos nossos corações, é muito superior à moral humana e vivenciá-la exige coragem para superar o sistema de exploração emocional acomodado em suas omissões!!! Então, pare de se omitir, pois assim você cumpre a sua parte dentro das relações humanas, para que se restabeleça a verdade, e se sinta mais leve em sua consciência, mesmo quando todos tentam forçá-lo a carregar um peso que não te cabe, mas é o autoconhecimento do seus direitos e o exercício do seu poder que te libertam! Feliz Páscoa, ou seja, feliz redescoberta de si mesmo à todos vocês meus amigos!!!

Quem ama é paciente e bondoso.
Quem ama não é ciumento,
nem orgulhoso, nem vaidoso.
Quem ama não é grosseiro nem egoísta;
não fica irritado, nem guarda mágoas.
Quem ama não se alegra com o erro, mas goza com a honestidade.
Quem ama nunca desiste,
porém suporta tudo com fé, esperança e paciência.

Menina, tão moça, tão Linda
E já tão mulher
Levada,sapeca,vaidosa
Mas eu levo fé

Não tem o coração pequeno
O sorriso é maior que o céu
Vive querendo voar
Feito pipa de papel

Charmosa,carente,amiga
E cheia de paixão
Tão vida,tão forte,tão vento
E tão furacão

Ela diz que sabe tudo
Tem linha no seu carretel
É doce como açaí
Que até no seu nome
Tem mel

Que vaidade imaginar que posso lhe dar tudo, o amor e a felicidade, itinerários, música, joguinhos. A verdade é assim: meu tudo eu te dou, é verdade, mas tudo que eu tenho não é suficiente como para mim não é suficiente que me des tudo seu. Por isso nunca seremos o casal perfeito, o cartão postal, se não formos capazes de aceitar
que apenas na aritmética o dois nasce de um mais um. Por aí um papelzinho que só diz: Você sempre foi meu espelho, que dizer que para me ver tinha que olharte.

RECEITA DA ARROGÂNCIA

Junte uma porção de vaidade
Com um pacote de orgulho
Ferva com ganância
e aspirações de poder
Adicione oportunidade
e uma plateia
Tempere com egocentrismo
e com indiferença
Deixe resfriar nos ares da superioridade
e decore com estupidez
Está pronta a arrogância!

Me ajuda senhor, a mudar o meu ser,
não quero mais pensar em vaidade,
me ajude senhor, a mudar meu querer,
não quero só pensar nas minhas vontades

Muitas vezes caí
e demorei para aprender,
que as coisas do mundo são todas passageiras,
eu dependo de ti
sem ti não posso viver
somente tua promessa é verdadeira

Me ajuda senhor, sem ti nada sou,
já cansei de tantas vezes fracassar.
Me ajuda senhor, eu preciso de amor,
no seu ombro hoje eu quero me acostar.

Ultrapassa-te a ti mesmo a cada dia, a cada instante. Não por vaidade, mas para corresponderes à obrigação sagrada de contribuir sempre mais e sempre melhor, para a construção do Mundo. Mais importante que escutar as palavras é adivinhar as angústias, sondar o mistério, escutar o silêncio. Feliz de quem entende que é preciso mudar muito para ser sempre o mesmo.

Talvez esse homem seja mesmo um tolo. No entanto, é menos tolo que o rei, que o vaidoso, que o empresário, que o beberrão. Seu trabalho ao menos tem um sentido. Quando acende o lampião, é como se fizesse nascer mais uma estrela, ou uma flor. Quando o apaga, porém, faz adormecer a estrela ou a flor. É um belo trabalho. E, sendo belo, tem sua utilidade.

OS PECADOS MORTAIS

I
SOBERBA
Soberba, orgulho, vaidade,
(chamam-lhe alguns presunção)
é cheia de magestade,
vazia de coração.

Soberba tem grande pança,
cara carrancuda e torta,
Soberba, cheia de chança,
de si apenas se importa.

II
AVAREZA
Avareza tudo quer,
se tem muito mais quer ter;

Com a vista arregalada,
Avareza não vê nada;
Põe-se a ouvir, a escutar,
e só ouve blasfemar;

Arrecada noite e dia
e acha sempre a arca vazia.

III
LUXÚRIA
Luxúria desvergonhada,
em impudica atitude,
maneira a língua acerada
a difamar a Virtude.

Com rastejada paciência,
e o seu fito principal
é cativar a inocência,
conduzi-la para o mal.

Luxúria, filha infecunda
da Mentira e do Pecado,
saboreia a nódoa imunda,
ama o chão enlameado.

Pelas vielas impuras
a Luxúria se conduz,
mas sempre a horas escuras,
sempre a escapar-se da luz.

IV
IRA
Ira é atolada,
tem um focinho ferino,
grita por tudo e por nada,
fala sem jeito e sem tino.

O senso dela é um vime,
a sua agulha um punhal
afiado para o crime;
tem cadastro criminal.

V
GULA
Gula come, come, come,
mas por vício, não por fome;

de mastigar não descansa,
nem que tenha cheia a pança;

quando trata de entornar,
então bebe até tombar;

a mastigar e beber
é que ela sabe viver;

os seus dentes são os malhos
e as digestões seus trabalhos;

de seus feitos alardeia
se se senta à mesa alheia;

para comer do que gosta,
sempre a comer vence a aposta;

da Gula (cano de esgoto)
é a palavra o arroto.

VI
INVEJA
A Inveja é maldizente,
a todos chama canalha;
sua língua impenitente
é verdadeira navalha;

como nasceu torta e feia,
tem rancor à Formosura,
mas toda se pavoneia
e sobrepô-la procura;

até o próprio Talento
ela despreza e odeia,
porque todo o seu tormento
é não achar uma ideia.

VII
PREGUIÇA
Doença gera indolência
e a indolência a doença;
são da mesma parecença
e são a mesma na essência.

A preguiça não se lava,
na porcaria vegeta;
como o tempo a envergonhava,
espatifou a ampulheta;

é a viscosa minhoca,
que se arrasta e mal caminha,
para meter-se na toca
ou no papo da galinha.

Um dia, diz-lhe alma forte:
- «Preguiça, qual o teu mal?»
e ela, trágica e fatal,
responde-lhe: - «pouca sorte».

Duas coisas te peço, ó Senhor; não as negues, antes que eu morra:
Afasta de mim a vaidade e a palavra mentirosa; não me dês nem a pobreza nem a riqueza, mas dá-me só o pão que me é necessário, para que de farto eu não te negue, e diga: Quem é o Senhor? ou empobrecido, não venha a furtar, e profane o nome de DEUS.

Eu não deixaria o amor passar, nem por vaidade, nem por orgulho e nem por medo de deixar de viver. O que ninguém percebe é que amar não consiste em abster-se e que estar sozinho nem sempre significa ser livre.
Não confunde-se solidão com liberdade.
Amor que não é entregue, por qualquer que seja o motivo, é desperdício. Mais do que isso, é egoísmo.
Há na vida, muitas coisas que são prescindíveis ou remediáveis, mas o amor, não!

Feliz Natal

E o coração humano cada vez mais duro,
Por entre o ego e a vaidade a hipocrisia.
O amor a cada dia é assassinado, não
Mais se sabe o que é amor!?
E a vida custa muito caro, e a gente
Sempre se mostra não ter valor.
E o Natal nem sempre é de alegria,
O mundo em guerra, seres pedindo paz,
Gente passando fome,
E o Papei Noel não desce pela chaminé
Para entregar presentes
Para o rico e muito
Menos para o pobre,
Mesmo assim tudo tem suas diferenças.
Bombardeios, tiroteios, carnificina humana,
Desgraça alheia, miséria,
Descaso social - O mundo perdido,
E pouco se importa,
Os seres se mordem,
Matar parece que se tornou "humano",
E sempre há um dia especial,
Desejo de Feliz Natal,
Nem sempre é dado com amor,
De coração - a falsidade
Muitas das vezes se encontra no olhar.

E se pudéssemos nascer novamente
Viver a vida e amar a vida,
Viver a vida, e respeitar a vida,
Viver a vida, saber os limites - e ter consciência,
Viver a vida, e viver um pouco de tudo
Consigo mesmo e com todos.
Matar o preconceito dentro de si,
Matar tudo aquilo que é capaz de matar
Os outros e a si mesmo,
Ter misericórdia, compaixão,
Sentir o que o outro sente,
Amenizar as dores, perdoar,
Amar, brincar, abraçar...
E o Natal não é mais o mesmo,
O natal é o dia que morre e renasce,
As espécies deveriam amar
Uns aos outros eternamente.

E toda a fé somente é digna
Se nela existir amar,
Caso contrário toda sua fé
Pode se tornar uma doença.
Minha sociedade está doente
Na fé, muito se deixaram levar
Pelas palavras, cegaram os olhos,
Se acomodaram...
E dizendo ter fé, não deixam de lado
A vaidade, o ego, a falácia.
As igrejas das espécies
Deve ser o universo,
E não palácios,
Construído pelo suor dos
Que nada tem,
Para o sustento dos usurpadores
De ideia, senhores
Do sistema, comprados pelo Estado.

E Cristo foi um ser simples,
A espécie humana - tola
Sempre quer ser mais
- Falta humildade na gente!
- Falta simplicidade na gente!
- Falta amor entre a gente!

Não sei mais o que pode vim
Lá na frente, a juventude perdida
Formando uma nova política,
Ou a juventude rica e podre dominando
A juventude perdida (tudo tem a sua diferença),
A gente tem que limpar a sujeira deles,
A gente tem de ser analfabeto,
A gente tem de viver no desequilíbrio,
É o que o sistema pede,
A gente é escravo do sistema,
Nossa opção? A rebeldia em nosso olhar,
E o medo também...
A tristeza, e a falsa felicidade nos bares
E bordéis da vida.

E o fim do mundo?
O fim provocado
Pela própria espécie!
E o fim do mundo?
Quem liga? As pessoas
Matam e se matam!
E o fim do mundo?
Que mundo vivemos?
(Lágrimas presas por dentro)
(Sufocado).

Não sou a verdade
Nem a vaidade
Talvez a sinceridade
Ou quem sabe lealdade

Sou o sentimento
Naquele tormento
Com vontade de chorar
Há beira mar

Não sou metamorfose
Nem sofrimento
Sou um homem
Com grandes sonhos

Sou a vida
Sou a fila que anda
Que não passa
Mais fica sempre no mesmo lugar

Quem seja o mar
Ou talvez o ar
Viver é amar
Sempre havera lugar.

Amo-te

Se queres me amar...
Ama-me com simplicidade.pois
o amor não combina com vaidade!
Ele é feito de gentileza, de
reciprocidade e humildade.
Não fiques a propagar pelos cantos
Que por tí tenho um encanto e te amo!
Como um pássaro em voo frequente eu
posso sumir da sua frente,e não me
verás mais...
Trate-me com delicadeza e ternura e
eu serei sempre sua!

O homem de verdade domina suas paixões e vaidades.
Se necessário, dá sua vida pela família e mantém seus olhos longe de uma mulher que não é sua

Não se rende ao próprio ódio ou rancor.
Despreza a vassalagem, antes, subversão.
Busca a simbiose, nunca o parasitismo.
Está em constante expansão da consciência e compreende que a plenitude é inimiga de objetivos ambiciosos.

Recusa o pódio, pois pressupõe que a glória não deve celebração a plateia.
Não é definido por suas façanhas abaixo da cintura.
Teme o conforto, e martela diariamente na solidificação da sua evolução.
Busca a metanoia, tem aversão a estagnação.

Existe algo em mim que se manifesta, se expressa em
carne viva. Que mata e morre por vaidade, que caça noites
insanas pela sua certeza, que corre, que berra e
atropela dias e crucifica as horas.

É agua contida. Transborda e resiste, revolta. É um
sussurro na escuridão e um apelo pro fim do mundo.
O choro preso em noite de fantasia, e a morte desmascarada,
plenamente escrita por palavras inférteis e
loucuras dentro duma bolha.