Pequenos textos sobre Morte

Cerca de 1201 pequenos textos sobre Morte

CABELOS DE MÃE

Seus cabelos não ficaram brancos, nem quando a morte teimou em levar você com ela.

Mas sonhei que você estava aqui e que eles teriam tempo de embranquecer devagarinho…

Afinal, qual de nós duas perdeu esse direito: eu de vê-los ou você de tê-los?

(só você sabe como me sinto)

soraya ruffo
Inserida por sorayaruffo

Solidão gótica...
Na minha dor a morte... Doce opinião.
Relato desatino minha vida... Bela aparição.
Selado nos últimos anos... Sempre despedida.
Valores que deixei no frio... Coração vadio.
Por causa da tristeza atroz... Vida morta.
Andar nos caminhos escuros... Angustia solitária.
Fundo de poço sem fundo... Mundo em mágoas.
Acordar ou dormir sem vontade... Valor vazio.
Sensações atroz sobretudo o auge... Abismos.
Chorar minhas lágrimas secas... Desespero.
Mais uma tarde ou outro dia... Angustiante.
Terror profundo pura solidão... Amargo coração.

Celso Roberto Nadilo
Inserida por hellmouse666

Não é a morte que me aflige, o que realmente me aflige é o estado pós morte....
Conseguem imaginar autópsias, carros funerários, cangalheiros, flores, lágrimas, fatos, gravatas, pessoas tristes, missas, caixões, família?
Ao morrer o ser humano deveria apenas e só ser mais uma estrela no céu.... click, click....

Sérgio Pereira
Inserida por Sergioalexpereira

Morte, você é meu doce amor,
venha e me dê o seu abraço frio ...

Envolva seus braços em volta de mim,
me abrace, me beije até que eu morra ...

Deixe-me sentir a sua pele fria,
sentir a morte da minha carne ...

Solte a minha alma a partir desta agonia,
dá-me liberdade, deixe-me morrer ...

Matteo Cohen
Inserida por MatteoCohen

Cantos de morte

Meus encantos são cantos,
são prantos, são tantos,
são contos e espantos,
todos sem acalantos.
Meus encantos são cantos,
são contos de morte,
são dores mais fortes
e dias sem sorte.
Meus encantos são prantos,
são pratos nos cantos,
são restos de cantos,
dor sem acalanto.
E de tanto, de tanto
sofrer com meus cantos
num dia de pranto
sozinha num canto
eu hei de morrer.


Leia mais em: http://www.webartigos.com/artigos/cantos-de-morte/88694/#ixzz3YQOEky3K

Daniela Oliveira

MAIS IMPORTANTE...(BARTOLOMEU ASSIS SOUZA)

Mais importante do que a vida
é a morte...

Mais importante é o velório de um homem
do que seu nascimento...

Nascimentos e velórios...
Começos e velórios...
O começo e o fim...

No nascimento tudo inicia-se,
no velório um homem entra para história...

Bartolomeu Assis Souza
Inserida por bmdfbas

Sobre a morte e o morrer
O que é vida? Mais precisamente, o que é a vida de um ser humano? O que e quem a define?
Já tive medo da morte. Hoje não tenho mais. O que sinto é uma enorme tristeza. Concordo com Mário Quintana: "Morrer, que me importa? (...) O diabo é deixar de viver." A vida é tão boa! Não quero ir embora...

(Trecho do Texto publicado no jornal “Folha de São Paulo”, Caderno “Sinapse” do dia 12-10-03. fls 3. Fonte: Projeto Releitura)

Rubem Alves
Inserida por portalraizes

Ontem eu me via sem sorte
Sem direção, amigo da morte
O destino queria somente o medo
As palavras desenhavam este enredo
Num coração vazio, escuro de ilusão
Tudo parecia enorme, uma imensidão
Queria desistir nesta circunstância
O horizonte estava sem fragrância
E neste sentimento de abandono e dor
Percebi que maior era o meu amor

Luciano Spagnol - Poeta mineiro do cerrado
Inserida por LucianoSpagnol

Algumas semanas antes de sua morte Peter Wust, sábio de 55 anos escreveu uma carta de despedida a seus alunos. Em sua carta dizia: “Se vocês me perguntassem, antes que eu agora me vá, se eu não conheço uma chave que possa abrir a alguém a porta da sabedoria da vida, então eu diria a vocês: sim. Esta chave não é a reflexão, como poderia ser a resposta de um filósofo, mas sim a oração. A prece nos torna tranquilos, simples, objetivos”.
Peter Wust

Frei Almir Ribeiro Guimarães
Inserida por pensandogrande

ENIGMA
(Bartolomeu Assis Souza)

Por que estamos aqui e como deveremos
ser?
A morte traz um enigma, pode o "amor" oferecer uma resposta ao doloroso mistério e enigma da morte?...
Só há uma forma e maneira...
Amar com intensidade e força o equivalente a nossa "mortalidade"...
Somos chamados de "mortais" é o que nós somos...
A nossa mortalidade é o que nos define...

Bartolomeu Assis Souza
Inserida por bmdfbas

"Quando o meu amor luta contra o sofrimento e a morte, Deus luta também. E quando eu choro o sofrimento e a morte (...), Deus chora também. O amor dEle é infinito".

(Em "Leandro" - Extraído do livro "Concerto para corpo e alma" – Página 111 – Editora Papirus – Campinas – São Paulo – 2012)

Rubem Alves
Inserida por portalraizes

Quando as trevas se desfazem diante da luz, quando o ódio é vencido pelo amor, quando a morte se encontra com a vida, quando os projetos humanos caem por terra e se deixam levantar os projetos divinos e, principalmente, quando se abrem os olhos e não não se consegue ver mais nada, o ideal é seguir o coração, pois "Só se vê bem com o coração. O essencial é invisível aos olhos".

Saint-Exupery, Antoine de, O Pequeno Príncipe.

Saint-Exupery, Antoine de
Inserida por mangialardobr

Enquanto o mundo se despedaçava, eu pensava nela
Enquanto a vida virava morte, eu pensava nela
Enquanto minha vida desmoronava, eu pensava nela
...
Alguns me perguntaram porque eu só penso nela, mesmo quando toda a prioridade é eu continuar vivo. Eu apenas respondi: "Quando penso nela, parece que a dor é menor e que todo mal desaparece. Parece que meu mundo se reconstrói. Talvez seja assim, simplesmente por ela ser o meu sentido de viver e o rumo da minha vida."

Eduardo Matheus (Edu Walker)
Inserida por EduWalker

fodo da minha morte

o tempo na hora, suponho
me cubra com filó e vigonho
na partida,
desobrigo lamentos na despedida
levarei os versos para minha sorte
lágrimas, aos que comigo importe
e orem aos meus pecados perdoar
sem saber quando, fico a imaginar
o fado da minha morte...

Luciano Spagnol
Cerrado goiano
Data indeterminada

Poeta mineiro do cerrado - LUCIANO SPAGNOL
Inserida por LucianoSpagnol

A senhora do mistério
Reverenciando a morte,
passando por quedas de equilíbrio
onde a fala não é ouvida,
mas sim...
sentida.
Traço por linhas e versos minha vida,
vida a qual
escorre como a água em meu corpo
passando por cada parte do que sou.
As vezes
fico assustado de ver a velocidade da vida,
ou talvez...
fico feliz,,
aguardando e reverenciando
a senhora do mistério....a morte
onde não sei se quero beijá-la ou afastá-la de mim.

Altieres Rocha
Inserida por Altieres

(diálogo entre deuses):

Prometeu: “Graças a mim, os homens não mais desejam a morte”.

As ninfas: “Que remédio lhes deste contra o desespero?”

Prometeu: “Dei-lhes uma esperança infinita no futuro”.

As ninfas: “ Oh! Que dom valioso fizeste aos mortais!”

Prometeu: “Além disso, consegui que eles participem do fogo celeste”.

As ninfas: “O fogo!... Então os mortais já possuem esse tesouro?”

Prometeu: “Sim; e desse mestre aprenderão muitas ciências e artes”.

(Prometeu Acorrentado)

Ésquilo
Inserida por Filigranas

Se te espantas quando digo que não temo a morte, volte a pensar com o coração de criança e sejas sincero. O que mais te alegravas quando passava os dias fora de casa?
A mim era o dia de voltar para casa.
É assim que compreendo, é assim que sinto e por isso terei grande Alegria: Voltar para casa, correr ao encontro do Pai e me lançar em seus braços afim de diminuir essa saudade cheia de eternidade que sempre tive.

Dinamar Fonseca
Inserida por dinaalegria

Não é que Cristo temeu a morte, mas lembremos que existiu Nele uma dualidade pelo fato de ter assumido nossa humanidade.
Enquanto homem ele temeu no corpo a dor por saber ao que seria submetido.
Enquanto filho de Deus Ele sabia que só entrando na morte de Cruz ele encontraria a vida.
Cristo já compreendia o que nós humanos temos dificuldades de compreender: compreendia que só o Amor é capaz de nos fazer nascer de novo, que só o Amor nos dá a vida e a vida em plenitude.
E Deus é Amor!
E só compreende isso quem vive na amizade e intimidade com Ele.

Dinamar Fonseca
Inserida por dinaalegria

O que é a morte...
joga seu véu negro suavemente
Sobre as pessoas ou animais que amamos
e sai de fininho como chegou...
Sem olhar pra trás, se vai...
Deixando apenas o corpo inerte
E corações despedaçados a chorar
Com força e coragem
Temos que reconstruir
os pedaços que sobraram
e seguir nossa vida!

Maria Jeremias Santos

Maria Jeremias Santos
Inserida por Mariabonitapoesia

À Morte
Por que à ti temem?
Se nada podem fazer
O que resta é aceitar
E no melhor dos casos, adiar
Mais certa que tu so tua certeza
Alguns conformados te esperam
Alguns desesperados te buscam
E alguns egoistas de ti se escondem
Ponto final ultimo suspiro
So espero ter feito em vida
Tudo o que quis
Pois depois de ti
Só deus sabe o que há por vir

Pedro Enrico
Inserida por pedroe26