Frases de Manoel de Barros

Cerca de 108 frases de Manoel de Barros

Pois minha imaginação não tem estrada. E eu não gosto mesmo da estrada. Gosto do desvio e do desver.

Manoel de Barros

Nota: Trecho da entrevista "O presente de um poeta" publicada no Jornal Valor, de Curitiba, em 16/03/2012.

...Mais

Fui criado no mato e aprendi a gostar das
coisinhas do chão –
Antes que das coisas celestiais.

Manoel de Barros
BARROS, M. Poesia Completa. São Paulo: Leya, 2011.

Desfazer o normal há de ser uma norma.

Manoel de Barros
BARROS, M. Memórias Inventadas: A Segunda Infância. São Paulo: Planeta, 2006.

Poderoso pra mim não é aquele que descobre ouro.
Para mim poderoso é aquele que descobre
as insignificâncias (do mundo e as nossas)
Por essa pequena sentença me elogiaram de imbecil.
Fiquei emocionado e chorei.

Manoel de Barros
BARROS, M. Poesia Completa. São Paulo: Leya, 2011.

Por viver muitos anos dentro do mato
Moda ave
O menino pegou um olhar de pássaro -
Contraiu visão fontana.
Por forma que ele enxergava as coisas
Por igual
como os pássaros enxergam.

Manoel de Barros
BARROS, M. Poesia Completa. São Paulo: Leya, 2011.

Aonde eu não estou as palavras me acham.

Manoel de Barros
BARROS, M. Poesia Completa. São Paulo: Leya, 2011.

Natureza é uma força que inunda como os desertos.

Manoel de Barros
BARROS, M. Poesia Completa. São Paulo: Leya, 2011.

Tudo que eu não invento é falso

Manoel de Barros
BARROS, M. Livro sobre Nada. Rio de Janeiro: Editora Record, 1996.

Senhor, ajudai-nos a construir a nossa casa
Com janelas de aurora e árvores no quintal -
Árvores que na primavera fiquem cobertas de flores
E ao crepúsculo fiquem cinzentas como a roupa dos pescadores.

Manoel de Barros
BARROS, M. Poesia Completa. São Paulo: Leya, 2011.

Nota: Trecho de Link

...Mais

E agora o que fazer com essa manhã desabrochada a pássaros?

Manoel de Barros
BARROS, M. Poesia Completa. São Paulo: Leya, 2011.

As coisas muito claras me noturnam.

Manoel de Barros
BARROS, M. Poesia Completa. São Paulo: Leya, 2011.

A voz de uma passarinho me recita.

Manoel de Barros
BARROS, M. Poesia Completa. São Paulo: Leya, 2011.

O mundo não foi feito em alfabeto. Senão que primeiro em água e luz. Depois árvore.

Manoel de Barros
BARROS, M. O livro das ignorãças. Rio de Janeiro: Editora Record, 2000.

Escrever nem uma coisa
Nem outra -
A fim de dizer todas -
Ou, pelo menos, nenhumas.

Assim,
Ao poeta faz bem
Desexplicar -
Tanto quanto escurecer acende os vaga-lumes.

Manoel de Barros
BARROS, M. O Guardador de Águas. São Paulo: Art Editora, 1989.

Aqui de cima do telhado a lua prateava.

Manoel de Barros
BARROS, M. Poesia Completa. São Paulo: Leya, 2011.

No osso da fala dos loucos há lírios.

Manoel de Barros
BARROS, M. Poesia Completa. São Paulo: Leya, 2011.

A inércia é o meu ato principal.

Manoel de Barros
BARROS, M. Poesia Completa. São Paulo: Leya, 2011.

As flores dessas árvores depois nascerão mais perfumadas.

Manoel de Barros
BARROS, M. Poesia Completa. São Paulo: Leya, 2011.

Deixei uma ave me amanhecer.

Quando o mundo abandonar o meu olho.
Quando o meu olho furado de beleza for esquecido pelo mundo.
Que hei de fazer.

Manoel de Barros
BARROS, M. Poesia Completa. São Paulo: Leya, 2011.