Claudia Nunes da Silva: "Reinventamos o nosso tempo,...

"Reinventamos o nosso tempo, renegociamos nossos espaços, reestruturamos a história, rearrumamos as cadeiras... Mas os personagens dessa ópera são sempre os mesmos, cada um com o seu papel: uns são mocinhos, outros vilões, outros preferem fazer papel de bobo da corte e há ainda os que ficam na platéia, só vendo o circo pegar fogo, rsrs. Não há porque reencenar o mesmo ato, declamar a mesma ode.
Última apresentação. Cai o pano. A platéia aplaude, ovaciona ou vaia, vai do gosto de cada um. No letreiro, em luzes reluzente pisca o seguinte aviso: "Companhia em férias. Seleção de elenco em breve."
Novos atores, novos diretores, nova produção... Tudo isso pede uma nova história, não tem porque tentar colocar nova roupagem no que já foi feito. Porém, lá no fundo do teatro vazio, existe um velho funcionário do teatro que insiste em se prender aos antigos espetáculos e não se importa se a nova produção vai encenar algo ao estilo da Brodway. Não aceita as luzes de neon, prefere as antigas lanternas, e torce o nariz para tudo de novo que se apresenta, sempre reclamando que o que existia antes era melhor.
Pois bem... Sabe o que acontece com ele? Aposentam-no. Longe do teatro que era sua vida, ele morre, sem as luzes da ribalta que tanto amava."
O teatro é nossa vida, os personagens somos nós mesmos. Temos apenas que escolher nosso papel. Ou nos reciclamos ou morremos. O que iremos escolher para nós?

1 compartilhamento
Inserida por kakaununes