Monica campelllo: O abraço e a internet!!! E agora os...

O abraço e a internet!!!

E agora os sul-coreanos servem de exemplo para o tipo de saudação a ser feito: “a um metro de distância de outrem”, apenas abaixar a cabeça: nada de apertos de mão, abraços ou beijinhos, mesmo que rapidinhos. Angela Merkel que o diga!

Houve uma época, não muito distante, em que tinha virado moda sair abraçando as pessoas pelas ruas, independente de serem conhecidas ou não.

Mesmo sem o surto do coronavírus, eu já tinha pensado que aquilo não era uma coisa normal, mas suspeita, pois muitos poderiam se aproveitar da situação para transmitirem doenças com base no amor ao próximo, proposta bem peculiar do diabo: mascarar atos de amor — a melhor maneira de engano.

Eu não aceitei a ideia, pois senti um grande perigo na proposta, por mais linda e necessária que se revelasse; porém, logicamente, não revelava o que “parecia ser”: uma obra ocultista. Nunca se sabe exatamente o que pode estar por trás de ações sociais ou culturais.

Contudo, a ideia não vingou, não funcionou, pois logo passou e todos esqueceram, mas parece ter sido uma prévia do que viria a acontecer no futuro: sugeriam abraçar (“contágio” do amor ao próximo) e agora orientam a não abraçar (“contágio” do contato virtual); i.e., tanto na esfera real quanto na virtual, as ações se convertem em contagiosas para um mal iminente: da possível aquisição de uma doença ou de um afastamento entre as pessoas.
Sabe-se que um abraço pode até mesmo salvar uma vida.

Entretanto, nesses últimos dias, começa-se a descartar a importância, o valor de um abraço. O que a internet — diga-se en passant, tão maravilhosa — veio fazer ou foi designada para fazer está se cumprindo: o abraço virtual que era considerado maléfico devido à propiciação do afastamento entre as pessoas, pois evitava a aproximação entre elas, agora é benéfico pela propiciação do afastamento entre as pessoas, pois evita a aproximação entre elas.

A internet aproxima e afasta ou afasta e aproxima — um ciclo vicioso como o cão atrás do rabo. Muita internet afastava pessoas e agora muita internet aproxima pessoas.

Note-se que a internet está envolvida em ambos os casos — “Abracem-se, pois há internet que os impede de o fazer” e “Não se abracem, pois há internet que lhes permite fazê-lo”.

Isso com base no argumento de que a internet estava afastando as pessoas umas das outras. E agora, no cenário atual, a internet é a forma de relacionamento mais recomendada, incluindo, principalmente, o “abraço internético” que vai além de um simples abraço virtual.

Ironia ou paradoxo?! Parece que os dois!